História Leis do Destino - Camren - Capítulo 61


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Ally Brook, Camila Cabello, Camren, Dinah Jane, Fifth Harmony, Lauren Jauregui, Normani Kordei
Visualizações 265
Palavras 2.035
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Escolar, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 61 - Viagem a Boston



Ainda atordoada com o ultimato do pai, Lauren não voltou para casa na hora de sempre, deixando Camila preocupada especialmente porque a fotógrafa desligara o celular propositalmente. Solitária refletiu nas consequências de não levar a sério as ameaças do pai, por mais que lhe doesse, todos os seus instintos apontavam que o senador não hesitaria em cumpri-las. Camila e sua família sofreriam de maneira catastrófica os efeitos de involuntariamente estar no caminho de Michael Jauregui, e seu relacionamento não resistiria a tamanha provação, seria uma carga de infelicidade muito alta para arrastar numa vida a duas já tão marcada por acontecimentos desgastantes.

Refletia ainda sobre como e o que dizer a Camila. A valentia e personalidade fortes da latina a impulsionaria a não ceder às chantagens do senador. Tal atitude intempestiva nesse contexto seria ingênua, Lauren sabia que Camila não calculava do que seu pai era capaz, facilmente as consequências evoluiriam para desfechos mais sórdidos, arquitetados pelo senador se fosse desafiado. Assim, a fotógrafa concluiu: Camila não pode saber a verdade, era necessário proteger ela e a família da sua inocente coragem.

Se Camila não podia saber a verdade, o que justificaria a separação delas? Lauren sentia seu peito romper antevendo sua alma dilacerar com tal evento iminente. Ainda lhe restava a dura pena de ser responsável por isso, era preciso colocar sua própria inteligência a serviço do seu sofrimento, uma vez que não seria fácil enganar a namorada, a relação delas estava sólida, a cumplicidade lhes permitia traçar um futuro juntas de uma maneira absolutamente natural, como se fossem predestinadas uma a outra. A alternativa era tocar o ponto fraco de Camila: seu ciúme e insegurança.

Apesar de Lauren manifestar de todas as formas sua fidelidade e seu amor por Camila, a moça era tomada por várias vezes pelo sentimento irracional que lhe deixava insegura ao imaginar sua namorada cercada por belíssimas mulheres no trabalho, sem contar seu vasto histórico de lésbica solteira nas noites nova iorquinas. Era nessa fraqueza que Lauren se concentrava para magoar Camila a ponto dela mesma terminar tudo.

Cogitava ainda a possibilidade de que o rompimento fosse temporário, até que as eleições passassem e seu pai a deixasse em paz depois de alcançar seu objetivo. No entanto, não estava certa que Camila aceitaria essa situação, especialmente pela invasão à vida de sua família que o senador executou, cobraria de Lauren outra postura, a qual a loira sabia que só as colocaria ainda mais na linha de fogo suicida com seu pai. Para que ela pudesse manter Camila e seus pais à salvo era necessário fazê-la acreditar nessa separação, depois lutaria para reconquistá-la, longe dos desmandos de Michael, esse era seu plano mais sensato.

A noite já estava avançada quando Lauren decidiu voltar para casa e enfrentar os últimos dias na companhia de sua amada ou pelo menos antes de mais um período, afastada dela. Quando caminhava para o carro estacionado, avistou um rosto conhecido que lhe sorria. Era Lucy, sua boa amiga.


– O que é a vida de uma mulher casada agora! Nem tem mais tempo pras amigas!


Lucy abraçou Lauren amigavelmente, e notou o abraço se prolongar de maneira atípica, não se afastou ao sentir que a amiga soluçava em seu ombro.


– Ow minha querida… O que houve?


A sempre descolada e forte garota revelava abruptamente sua face vulnerável, despertando na psicóloga seu instinto de cuidado com a amiga.


– Quer conversar um pouco?


Lauren recusou com um gesto enquanto Lucy enxugava o rosto da amiga com suas mãos.


– Laur, sabe que pode contar comigo não é?


Dessa vez a morena acenou em acordo e resumiu:


– Preciso fazer a coisa mais difícil de toda minha vida, quando me falavam sobre lutar por amor nunca imaginei que essa luta podia implicar também em perdas e separação. Que raios de sentimento é esse?


– Nem sempre as lutas são justas não é?


– Não, não mesmo.


– Encare da seguinte forma: há um momento oportuno para tudo, isso é bíblico. Essa luta também tem sua hora de acabar, espero que o amor vença no final.

 

Lauren seguiu como se carregasse o fardo de uma dor insuportável, sua feição angustiada preocupou ainda mais Camila quando viu sua namorada chegar.

– Meu amor o que aconteceu? Essa demora toda? Seu celular desligado, e agora essa carinha?

Lauren não respondeu se jogou no sofá com o olhar úmido, perdido na imagem da televisão ligada.


– Lauren? - Camila inquiriu franzindo o cenho. – Não vai me dizer nada?

– Estou cansada só isso. – Respondeu com frieza evitando encarar a namorada.

– Só isso? São quase dez da noite, você está só umas cinco horas atrasada, não me deu notícias, não ligou, chega assim e é só isso?

– Camila me poupa de interrogatório de mulher possessiva vai… – Lauren falou impaciente.

– Como é que é? – Camila retrucou com as mãos na cintura.

– Ai pronto, vai virar DR. – Lauren bufou simulando enfado. – Não liguei por que meu celular descarregou, quer conferir? Fiquei até tarde na rua por que meu carro quebrou e minha preocupação foi sair do prego, pronto, não foi nada demais.


– Custava me avisar de um telefone público, por exemplo?

– Camila eu tive que ligar para mecânicos, para o seguro chamar reboque em pleno rush de sexta-feira, custava muito mesmo ainda te ligar, desculpe-me. Apressei-me para chegar logo em casa e você me recebe com um interrogatório!


– Não entendo essa irritação toda comigo, só perguntei por que me preocupei.

– Desculpe-me, estou cansada e acho que to de TPM.

Camila se desarmou e se aproximou da namorada procurando seus lábios para um beijo. Lauren correspondeu sem ânimo. O contato mais próximo possibilitou Camila identificar um perfume diferente, familiar, mas que não era de sua namorada.

– Que cheiro é esse? Esse perfume não é o seu…

Sem querer Lauren plantou indícios do que arquitetava fazer para romper com Camila. Viu ali a oportunidade perfeita de começar a instigar o ciúme da namorada.

– Só me faltava essa… Vai procurar marca de batom na minha gola também?

Lauren brincou para provocar Camila.

– Lauren não faz gracinha…

– Camz eu não estou fazendo gracinha, você está fantasiando coisas. Pra que todo esse drama?

Camila parou alguns segundos para trazer à tona sua memória olfativa e exclamou:

– Eu conheço esse perfume! … da Lucy!


Lauren arregalou os olhos, não podia supor que a namorada tivesse tal talento.


– Caraca… Quando você disse que tinha bom faro para investigação, acreditei que era uma metáfora! Vejo que me enganei você é um perigo!


– Por que me escondeu que estava com a Lucy?


– Encontrei-a por acaso.


– Lauren você está me escondendo algo, nem me olha enquanto fala… Chega de mentiras!

– Estou falando a verdade, encontrei-a por acaso. Vou tomar banho, estou cansada.


Camila estava intrigada, o comportamento de Lauren deixou a namorada completamente insegura, pelo resto da noite, a fotógrafa permaneceu distante, pensativa, mesmo com todas as tentativas dela emendar um assunto, ou arrancar uma carícia. Notou o vazio na cama de madrugada e encontrou a morena no chão da sala, abraçando seus próprios joelhos em um pranto silencioso.

– Lauren? Meu amor o que aconteceu?

Camila acendeu o abajur e viu o rosto da namorada que denunciava as muitas lágrimas derramadas com seus olhos inchados e seu nariz e lábios vermelhos.


– Ei! Você andou chorando? Amor o que houve? Está me deixando preocupada…

Camila puxou Lauren contra seu peito em um abraço tenro. A fotógrafa tentava fazer sua insônia produtiva na busca de uma solução melhor que não envolvesse a necessidade de magoar Camila, nem tampouco de se separar dela. Mas, toda reflexão a trazia para a mesma conclusão: era sua responsabilidade proteger sua amada e família do inescrupuloso jogo de interesses políticos de seu pai, não podia arriscar um caminho alternativo às exigências de seu pai. Movida por tal sentimento mentiu:

– Eu traí você.

Camila cessou a respiração por segundos, como se a revelação lhe provocasse uma dor física. Emudeceu, mas seus olhos marejados deram lugar a uma lágrima solitária, falando a Lauren o que aquela revelação lhe causara interiormente.

– Eu não resisti me deixei levar… Foi tudo tão rápido, quando dei por mim já…


Camila a interrompeu com um gesto. Apertou os olhos e com a voz embargada anunciou:

– Não quero saber. Ou melhor, só quero que você me diga sim ou não. Foi com a Lucy?

– Sim.

A mentira estava lançada, agora não dava pra voltar atrás. Camila se levantou aturdida pela dor da decepção, nunca sentira tamanha angústia, não imaginava a quão dolorida era uma traição. De repente, tudo ficou claro, tudo fazia sentido: o comportamento de Lauren, sua insegurança e afinal seu ciúme da psicóloga não era infundado.

– Camz, isso não muda o que sinto por você, foi só meu corpo, não traí com o sentimento, mas, não posso te garantir que não acontecerá de novo… Eu nunca te prometi fidelidade, estou acostumada com liberdade…


– Chega Lauren! Isso nem parece com você falando! Essa capa que você usa de mulher descompromissada, que não se apega pode funcionar com as vadias que você brinca, comigo não! Sei que você é leal ao que acredita e ao que sente, por isso, essa traição está me machucando ainda mais, por que se isso aconteceu, está evidente que seus sentimentos por mim mudaram sim. Você não é tão submissa ao seu corpo como tenta mostrar…

– Camila você me romantizou demais… Sou bem menos nobre do que seu coração me vê.

– Disso eu não tenho dúvidas. Você nunca me prometeu fidelidade, mas também nunca disse que estar comigo te fazia menos livre. Talvez a jeca aqui seja mesmo uma idiota que acredita em qualquer conto de fadas.

A mágoa exposta no olhar de Camila era tão profunda que fez Lauren hesitar em manter aquela farsa, arrependeu-se, procurou as melhores palavras para explicar o que acontecia de fato quando Camila voltou do quarto com sua mochila em um dos ombros e anunciou:

– Eu venho pegar o resto das minhas coisas durante a semana.


– O que? Mas… Como assim? Aonde você vai com essa mochila?

– Estou saindo do seu apartamento Lauren.

– Camila que besteira é essa? Você vai pra onde?

– Pra onde vou, com quem e como vou não é mais da sua conta Lauren.

Camila fez menção de abrir a porta quando Lauren a impediu.

– Camz… Você pode ficar aqui o tempo que quiser, estou indo para Boston amanhã, por tempo indefinido…

Camila franziu a testa estranhando aquela novidade e rapidamente adiantou suas suspeitas:


– O que você está me escondendo Lauren? Que novidade é essa de ir para Boston por tempo indefinido? E a faculdade? E seus compromissos profissionais?


– Vou fazer isso por minha mãe. Ela me pediu para estar perto da família nesses dias finais da campanha do pai, e não vou recusar um pedido dela. Quanto aos meus compromissos aqui, vou dar um jeito.

– Eu não sei se você me magoa mais pela deslealdade ou pelas mentiras…

Camila balançou a cabeça negativamente convicta que Lauren estava lhe enganando.

– Você pode não acreditar em mim Camila, mas, eu te amo.

– Lauren, eu acho que temos ideias diferentes sobre o amor. Esse tipo de amor que você me revelou hoje, não serve para mim. Amor sem garantias de lealdade, de cumplicidade, de confiança? Isso para mim está implícito no conceito de amar, se você não é capaz de me amar com esses requisitos, não acredito no seu amor.


– Mas é a pura verdade…

– Essa verdade não me basta.

Camila abriu a porta e de costas para Lauren concluiu depois de enxugar seu rosto.


– Uma vez antes de terminar comigo, você me disse que um relacionamento cheio de empecilhos, desgastes como o nosso não valia à pena. Agora vejo que você tinha razão, não vale mesmo à pena tanta luta pra você estragar tudo por um capricho do seu corpo.

Essas foram as últimas palavras de Camila antes de deixar o apartamento e pedir abrigo ás suas amigas na sua antiga república. Lauren tragou sua própria dor se punindo pelo que causara a Camila e ao amor delas, talvez tivesse lançado mão do caminho mais difícil, entretanto, anteviu que a chantagem do pai não admitiria meia atitude dela, a tentativa de enganá-lo e voltar seu namoro depois das eleições poderia precipitar o cumprimento daquela ameaça sórdida.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...