História Lembranças - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Hakuoki Shinsengumi Kitan, Hakuouki
Personagens Hajime Saito, Souji Okita
Tags Hajime, Souji
Exibições 12
Palavras 1.836
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover
Avisos: Homossexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi espero que gostem dessa pequena one

Capítulo 1 - Lembranças (capítulo único)



Lembranças. 
__Não me abandone!
Cerejeiras haviam favorecido e o vento conduzia suas pétalas como uma dança melancólica, contudo bela. Mas isso só servia para deixa- lo mais distante de mim.
__Não me deixe! 
Implorei, aos gritos para ele me ouvir. Engraçado como os meus pedidos a você foram negados. Como suas promessas perderam as forças e se desfizeram, quebraram.
__Eu não posso ...
Teimoso, é isso que você é . Mesmo sabendo que iria morrer, que iria me abandonar, você não voltou atrás.
__Você irá me abandonar!.
Não tinha como negar que era isso que você iria fazer. Você me traiu da pior forma possível. 
__Eu não quero. ..Mas você não me entende, nenhum de vocês entende.
Realmente eu não o entendia, nunca irei entender o porquê de você não lutar pela sua vida, porque não lutar por nos.
__Não vá!  Não vá!.
Implorei mas você somente se distanciava cada vez mais. Estava completamente fora do meu alcance. De repente o rosa das flores se tornaram Vermelho e assim.  As pétalas se transformaram em gotas gotas de sangue que marchavam cada vez mais o chão por onde você passava . A chuva fria caíra pelos nossos corpos, levando assim sua vida. Acordei aos gritos.
__Souji... Sussurro pra mim mesmo.  E sem aviso.  Às lágrimas caíram. Lágrimas que eu tanto segurava, e evitava mostrar aos outros, desceram pelo meu rosto. Deixaram- me estranhamente aliviado,  então as deixei sair,  já que não haviam ninguém, além de mim naquele quarto. 
O seu destino  já estava selado e todos da base sabiam disso. Gostaria que você tivesse  parado e aproveitasse mais a vida e que você vivesse por mais tempo. Quem sabe assim encontraríamos uma cura? Mais não. Com certeza você era um dos homens mais teimoso que já conheci, porém um dos mais honrado  e determinado também. Eu admirava isso em você,  apesar de suas brincadeiras sádica e o comportamento infantil. 
O sol já se fazia presente lá fora, indicando que já era hora de levantar. Fiquei a manhã toda pensando em você, estava patrulhando o centro da cidade de  Kyoto  com o terceiro esquadrão do Shinsengumi, o qual eu era capitão, vestindo o meu Hakama azul- claro com detalhes brancos nas mangas. Em minha cintura levava as duas espadas .
Andei o dia todo, indo e voltando pelas mesmas ruas, sendo observado pelas mesmas pessoas. Se pelo menos você estivesse vivo poderia me distrair um pouco. Essa palavra..Se..Você estivesse... essas palavras nunca me causaram tanta dor, nunca me deixaram  tão abalado, parece que foi ontem que eu o vi me chamando de Hajime-kun com aquele sorriso amarelo.
Por mais que o tempo passe eu nunca esquecerei do dia em que declaramos o nosso amor, parece que fora ontem em que eu tomei coragem e me declarei a você:
__Souji podemos conversar?. Pergunto nervoso,  e olhando para o céu estrelado. 
Você concordou e te levei  ao um campo, repleto de árvores que dava para ver a cidade toda e corado contei tudo o que sentia por você.
__Souji .eu.. eu te amo!. Falo em um tom baixo  sendo quase impossível de escutar. __ Eu sei que é esquisito isso, mais eu te amo desda primeira vez que te vi, e não estou pedindo que sinta o mesmo por mim, mas, não aguentava mais guardar isso . Termino de dizer de cabeça baixa. Deixando que algumas lágrimas escorressem por meu rosto.
Você me pareceu chocado depois de ouvir minhas palavras. Confesso que me chateei um pouco, mas nada falei a respeito e mantive minha postura e a feição fria e indiferente que todos os membros do Shinsengumi conheciam.
__Ah! O que eu estou falando? Esqueça... balbucio, desviando meu olhar. Achei que tivesse ficado enojado de minha pessoa. Girei o pé para retirar-me de sua frente, porém, para a minha surpresa, você me abraçou por trás, fazendo-me corar mais que os seus cabelos. Meu coração acelerou em poucos segundos. Arrepiei-me,quando sua língua travessa procurou brincar com o lóbulo de minha orelha, traçando uma trilha de saliva até o meu pescoço. Assim, sussurravá manhosamente, com um sorriso malicioso claramente estampado em seus lábios.
__Desde quando? . Você me perguntou.
__Desde quando nos conhecemos, no dojo. Digo.__ Quanto mais eu observava seu jeito seco, ríspido, sarcástico, arrogante, suas brincadeiras que não tinham a mínima graça ou que seria um humor negro, mais eu tinha vontade de tê-lo para mim,que fosse somente meu. Digo ainda de costas enquanto você me abraçava. 
__Repete o que disse! . Falou mordendo meu pescoço, me deixando arrepiado.
__Eu ...eu te amo. Repeti.
__ Que bom pois eu também te amo. Você disse . O meu mundo parou nesse momento, meu coração bateu rápido. Mas, não durou muito, pois,  você tomou meu rosto em suas mãos e me beijou.
Seus lábios eram doces, e macios.  Em volta de nos as pétalas da árvore voaram em nossa volta 
Depois disso todas as noites você ia ao meu quarto, onde nos beijavamos até cair no sono.
Fazia dois meses que estávamos namorando, quando,  nos entregamos um pró outro de corpo e alma, nos tornando um só .
Um dia, Souji começou a tossir. Achei que tivesse pegado uma gripe, ou talvez, um resfriado. Então,sempre de tarde,após minha patrulha diária, sempre levava chá verde ou de ervas para ele tomar, envolvendo-o com meu cachecol para aquecer sua garganta e o abraçava, já que, desde então, passou a ficar mais gelado que o normal. Por mais que não estivesse bem, ele sempre sorria de um jeito extremamente angelical 
 Ate que um dia  vi Souji conversando com Yukimura,que pelo jeito o vira tossir sangue, e comentou que estava com tuberculose. Entretanto, a fez prometer que não contaria para ninguém. Fiquei chocado e fui correndo ao encontro do médico que nos examinará... Ahn,se eu não me engano,chamava-se  Matsumoto Ryoujun, que veio de Edo,o mesmo local que Yukimura, especialmente para examinar os membros do Shinsengumi a mando de Kondou-san. Rezava de todos os jeitos que aprendi, para que tudo aquilo fosse mentira, em vão. Ele estava mesmo com aquela maldita doença incurável e eu percebi, porque Souji começara a tossir sangue no meio da noite e ter febre alta com muita frequência. Ele nem dormia direito por causa disso . Mesmo que pedindo para que ele saísse do Shinsengumi, de nada adiantou, eu queria que ele vivesse, que fosse feliz, porém, tudo piorou depois que Hondon morreu para que pudéssemos fugir, ainda me lembro do estado em que ele ficou... Ele já não comia nem bebia, sua pele antes corada se encontrava pálida, suas costelas já se dava para  ver de tão magro que estava,mal conseguia se manter em pé de tão fraco que estava e seus sorrisos se foram,  deixando somente uma expressão sem vida em sua face.
Quando voltei de uma missão,  descobrir que ele havia tomado o oshimizu acreditando na mentira de Kaoro, que assim ele se livraria da doença. Tivera imensa vontade de pegar todas as coisas e jogar-lhe em direção daquele oni maldito, que havia terminado de piorar o estado de saúde daquele que mais amava .
Um dia formos enviados para uma missão,de patrulhar o centro de Kyoto mais ele como capitão se recusou a faze- lá comigo, mesmo eu insistindo,e o interrogando ele somente negava com a cabeça, aquilo me magoou mais do que qualquer coisa, mais fiquei com a expressão fria e dei as costas. Mas, ele me puxou pelo braço me impedindo de continuar.  Antes que eu conseguisse fazer alguma coisa ele me beijou, um beijo intenso e demorado , que correspondi na hora.
__Volte logo meu amor. Você disse e tive a impressão de ver uma lágrima descendo  pela triste expressão de seu rosto enquanto saia pelos portões da base .
Já havia anoitecido e Souji ainda não havia retornado com seu esquadrão, e sem que ninguém percebesse sai da base.
O meu mundo desabou quando, passei pelo centro de Kyoto, abismado com o que via. Vários corpos de rasetsus e membros do primeiro esquadrão mortos, caídos e espalhados pelas ruas da cidade. Em meio à carnificina,ao mar vermelho horrendo,ainda buscava-o.
__SOUJI!!SOUJI!!!ONDE ESTÁ, SOUJI???__berrava, esperando obter a sua resposta, até ouvir um baixo murmúrio, proferindo meu nome. 
Virei-me para ir ao seu encontro. Como o ambiente estava escuro,resolvi me aproximar. Notei que você se encontrava sentado,porém,fiquei atônito ao ver o seu estado. Deparei-me com meu amado recostado numa parede tão ensanguentada quanto seu corpo e uma espada fincada em seu abdômen. Já havia perdido muito sangue.
Esforçava-se para manter seus olhos abertos,enquanto tentava falar comigo,mesmo na forma de rasetsu. Seus cabelos, antes ruivos, estavam brancos e seus olhos lindos e esverdeados pareciam sedentos de sangue de tão vermelhos que estavam.Cheguei perto dele,percebendo que,aparentemente, havia gastado suas últimas energias para proteger o Shinsengumi de um ataque,em segredo, o qual Hijikata-san nem tinha previsto
__SOUJI!!!. Gritei correndo o abraçar .
__Hajime ..meu amor..eu ... Você disse me olhando 
__Aguente firme meu amor.
 Digo com as lágrimas já presente pelo meu rosto.__Você disse que iríamos viver juntos para sempre e que nunca iria me abandonar, que me amaria para sempre.  Digo tentando em vão cessar as lágrimas. 
__Me perdoe não.. mais você parou na metade da frase tossindo sangue, manchando minha roupa.__Eu não poderei cumprir a minha promessa. .mais mesmo eu indo ...eu sempre o amarei.Você sorriu para mim e olhou nos meus olhos, vermelhos me olhavam, como se me pedissem perdão. E então você os fechou para sempre, me deixando pela eternidade. 
__NÃOOO!!!!!. Gritei apertando seu corpo já sem vida contra o meu, a chuva fria, assim como seu corpo se encontrava, naquela noite em diante passei a odiar as flores, e as estrelas.
 Eu não conseguia, e nem queria, me conformar com sua morte... Eu chorava todos os dias, todas as noites,todas as vezes que eu tocava em alguma de suas roupas,sentindo seu cheiro impregnado nestas, chamando seu nome, suplicando a todos os deuses para que devolvessem meu Souji... Maldita tuberculose, malditos rasetsus, maldito Kaoru Nagumo, maldito Bakufu, maldito Shogun, maldito destino...Roubaram a vida de meu único amor...Culpa dessa maldita gente... Quero vê-lo novamente, sentir seu caloroso abraço, seus viciantes beijos, seus gentis toques, ouvir sua doce voz... Quero tudo! Tudo o que roubaram... Tudo o que tiraram de mim! E ele era a minha vida...O ar que eu respirava...O meu tudo... DEVOLVAM O MEU SOUJI,MERDA!!!. E sem notar eu havia destruído uma árvore com um soco, mim mão sangrava e doía, mas essa dor que eu sentia não pode se comparar com a dor que sentia em meu coração. 
Engraçado como tudo isso passou em minha mente agora durante essa luta, ,eu tive a sensação de que você estava no meu lado com o seu lindo sorriso, o mesmo sorriso em que me deu depois do nosso primeiro beijo, e você com sua mão estendida com um lindo sorriso nos lábios foram a última coisa que vi quando fechei os olhos com uma espada ser fincada em meu peito. E você a minha frente.
__Hajime- kun....


Notas Finais


Oii espero que tenham gostado até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...