História Let it Rain - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Visualizações 1
Palavras 1.894
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Yuri
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Hey pessoas, tudo bom?
Depois de muito tempo sem postar nesse site eu finalmente consegui escrever algo legal. É uma oneshot sim, mas pretendo transformá-la em uma história dependendo da repercussão desse capitulo. Se o feedback nao for tao bom a fic para por aqui msm pq né é uma oneshot haushau caso vcs gostem eu farei sim outra fanfic contando toda a história de verdade e deixarei essa aqui quietinha. Claro, só depende de vcs
Espero q gostem e boa leitura bebes <3

Capítulo 1 - Capítulo 1


Os tons neutros vistos no céu traziam certa nostalgia, com aquele toque de dor e amargura. Eram tantas lembranças, tantas risadas e tantos sonhos que nem mesmo Emily saberia dizer como se sentia naquele exato momento. Aquele céu carregado e triste, prometendo uma forte chuva era mais ou menos como a jovem se sentia. Mais ou menos. É impossível colocar a dor em palavras, pois é algo que deve ser sentido, mas mesmo assim tentamos explicar a magnitude desse sentimento.

As pinceladas na tela eram delicadas e precisas, a perfeição que Emily administrava com as cores e os pincéis era algo para ser apreciado. O talento que tinha com artes sempre fora bem percebido, desde pequena demonstrava grande amor por pinturas. Hoje, com seus 27 anos, isso não mudou.

Mas o quadro que estava sendo pintado era triste.

Sim, triste. Emily usava as tintas para se expressar, assim como a maioria dos pintores também fazem. Mas a tristeza de Emily era tão profunda e tão perceptível que quase dava para alguém de fora sentir o mesmo que ela. As nuvens negras se faziam presentes no céu e na tela. Pode-se dizer que o clima representava os pensamentos mais profundos da garota.

Suspirou e parou por um instante, analisando a pintura. Ainda faltavam alguns detalhes. Limpou o suor da testa com a manga da camiseta xadrez velha e mergulhou gentilmente o pincel na tinta branca e levou-o até um ponto da tela, onde retomou a pintura, prestando bastante atenção no movimento do pincel para não cometer nenhum erro.

Emily era dessas que detestava cometer erros. O que ironicamente, ela cometia constantemente na sua vida. Sempre fora desastrada, desatenta, mas era uma boa garota. Uma garota boa como ela que acabou tomando um tapa da vida. A sua pior dor era vivida dia após dia, e não havia nada que pudesse ajudá-la. E foi um erro seu -o pior erro de sua vida- que mudou tudo por completo.

Não que sua vida sempre tivesse sido ruim. Seus pais tinham uma boa condição financeira, sempre teve tudo o que queria, estudou em boas escolas em Nagoya e ela era formada em uma boa faculdade em Tokyo. Independente e com a vida ganha. Apesar de todos esses fatores houveram diversos obstáculos em seu caminho, que acabaram rendendo em problemas com sua família, chegando num ponto onde perderam todos os contatos.

A família Mochizuki apesar de ser japonesa, vinha do Brasil. Seus pais, Bruce e Rebeca eram filhos de japoneses, mas os mesmos eram nascidos no Brasil, onde também nasceu Emily. Quando a jovem tinha 5 anos de idade, seus pais decidiram mudar-se definitivamente para o Japão para dar uma qualidade de vida e educação melhor para sua filha, e posteriormente, para a caçula nascida no Japão, Rika.

Desde sempre, Emily demonstrava traços de que preferia meninas em vez de meninos. No jardim de infância, ou seja, Youchien, sempre presenteava alguma amiguinha com flores ou desenhos e admirava algumas meninas, sem maldade, somente a pureza de uma criança. Isso não passou despercebido por sua professora, que chamou a atenção de seus pais. Causando enorme preocupação nos mesmos, mas logo passaram a acreditar firmemente que aquilo era coisa de criança e que logo passaria.

Mas não passou.

Isso só foi crescendo cada vez mais dentro de Emily, até que não desse mais para esconder. Quando seus pais descobriram, pode-se dizer que a vida da japonesa piorou bastante depois disso.

Mas é claro que não para por ai. Emily se apaixonou. E foi uma paixão linda, porém, dolorosa. 

A morte da jovem Michelle foi algo que abalou demais a sua vida, que então nunca mais foi a mesma. A forma como morreu, como tudo aconteceu, o desfecho dessa história de amor foi tão cruel que Emily se isolou totalmente de tudo e de todos. E culpava-se todos os dias.

A culpa era realmente dela? Isso não tem como saber. É um mistério.

Michelle também era brasileira, porém mestiça, metade japonesa. Sua mãe, Kohaku, nascida em Yamagata, passou um período no Brasil, e seu pai, Mauro, era descendente de italianos. A garota tinha traços bem marcantes e diferenciados. Tinha olhos claros, assim como seu pai, e eram puxadinhos, como os da mãe. O cabelo era loiro escuro, a pele bem branca. Boa estatura, 1,67. Podia-se notar traços bem italianos na jovem japonesa. Sua personalidade era muito forte, teimosa, rebelde, fazia e falava o que desse vontade. Vestia-se de modo nada feminino para os padrões impostos pela sociedade, tinha o cabelo bem curtinho e tinha alguns piercings. Chamava atenção por não seguir o padrão das jovens moças japonesas.

Já Emily era um pouco diferente. Por não ser mestiça, era puramente japonesa. Cabelos e olhos escuros, pele super alva, e assim como a maioria das japonesas também tinha baixa estatura, medindo somente 1,57. Sobre sua personalidade, Emily era uma pessoa fechada, calma, introspectiva. Era uma garota de pensamentos e posicionamentos muito fortes, e pouco se sabia sobre ela. O estilo era bem básico, não gostava de roupas coloridas, sempre usava as cores mais escuras pois contrastavam com seu tom de pele.

Como essas duas deram certo? Simples, não deram certo.

Eram incompatíveis em muitas coisas, sempre discutiam. Mas havia amor. Sim. Elas se amaram em algum momento, um amor lindo não realizado, que durou pouco graças ao barril de pólvora que as duas eram.

Tão intenso e profundo. Tão bonito e trágico. Era isso que feria Emily. 

O amor inacabado que sempre lhe assombrava. Passava noites sem dormir, com pesadelos constantes sobre o ocorrido. Sempre tinha o pensamento de que as coisas deram errado por sua causa, o que de certa forma, a responsabilizava pela morte de Michelle.

E ela sofria. Muito.

Um trovão ecoou alto e forte, fazendo a garota se assustar. Derrubou a paleta de tinta sem querer graças ao susto que tomou, ela odiava trovões. Praguejando por ter sujado todo o chão de seu quarto, foi pegar o material para limpar aquela bagunça. Foi até o armário de limpeza, pegou alguns produtos e voltou para o quarto para limpar. Enquanto limpava, lembrou-se de certa vez em que havia deixado cair tinta no chão e Michelle fora ajudá-la.

-Você é tão desastrada, Emi. -Michelle resmungava segurando um buquê de rosas, sujas de tinta, enquanto tirava a camisa que também estava suja. -Me sujou toda!

A garota suspirou vendo Michelle vestida agora apenas com um top preto, suas calças jeans estavam sujas de tinta também.

-A culpa é sua, ninguém mandou me assustar assim do nada! -esbravejou irritada, detestava que a interrompessem enquanto pintava.

-Eu ia te fazer uma surpresa, eu juro que esperava qualquer coisa, menos tomar um banho de tinta. -Emily revirou os olhos e olhou para o próprio corpo, também havia se sujado. 

Foi atrás de produtos para limpar toda aquela sujeira e ainda podia ouvir os resmungos de Michelle, voltou e agachou-se para limpar, foi então que um par de olhos verdes se encontraram com os seus olhos escuros. Pegou o pano da mão de Emily.

-Eu sujei, eu limpo. -disse de modo suave, mas a intenção de Michelle era outra, sorriu de canto e Emily logo percebeu.

-Não. Se. Atre.. Michelle!

Mas já era tarde, Michelle esfregara o pano já sujo de tinta no rosto de Emily e continuava sujando cada vez mais. Emily logo se vingou, pegando um de seus pincéis, que estava com a cor azul escuro, e fez vários rabiscos na namorada. As duas iniciaram uma guerra de tinta e logo todo o quarto estava ainda mais sujo e bagunçado do que antes. Para completar, Emily despejou um tubo de tinta vermelha em Michelle, que olhou seriamente para a garota e a mesma engoliu em seco. Mas acabou caindo na gargalhada e as duas começaram a trocar beijos e carinhos.

-Eu te amo, meu bebê. -Michelle disse depois de um longo selinho.

-Eu te amo ainda mais. -disse Emily sorrindo.

Suspirou alto, as lembranças daquele dia ainda estavam vivos na mente da japonesa, tudo parecia tão perfeito. E estava perfeito. Estavam tão felizes e apaixonadas. Onde foi que erraram?

A vida é uma piada de mal gosto, costumava dizer Emily. De certa forma isso não deixa de ser verdade. A vida contava a piada, você era a piada, e o público que ria eram as pessoas que conviviam com você. É, a piada sempre acaba agradando alguém. Nesse caso, a piada não tinha graça. A situação que Emily se encontrava não era engraçada. Era extremamente séria e preocupante.

Já com o chão limpo, arrumou o que tinha bagunçado e guardou os produtos. A chuva agora caia forte lá fora. Muito forte. O som do vento era bem audível, o cheiro da chuva era forte e inebriante. Ah, o doce cheiro da chuva. Emily adorava. Sempre lhe trazia nostalgia, ainda mais naquele dia em que tudo o que ela via ou tocava trazia-lhe alguma recordação.

Caminhou até a sacada do seu quarto e admirou as gotas de chuva que caiam no vidro. Observava o movimento na rua. Incrível que em uma chuva tão intensa, com ventos e trovões fortes as pessoas ainda seguiam seus destinos. Vários carros passavam traçando seus caminhos, algumas pessoas corriam no meio daquela chuva indo sabe-se lá para onde. A vida seguia, mesmo que a dela estivesse parada. Não fazia diferença mesmo. Sorriu ironicamente, as pessoas que passavam naquele exato momento nem imaginavam que havia alguém as observando e imaginando uma história pra cada uma.

Voltou para o seu quarto, sentou-se em sua cama e fechou os olhos por um instante. Quase conseguia sentir o cheiro e a presença de Michelle. Ah Michelle, como sinto sua falta, pensou.

A vida não era justa e não tinha piedade de ninguém.

Levantou-se e voltou para a sua pintura. Não faltava muita coisa, na verdade no exato momento em que derrubou as tintas o quadro já estava quase pronto, só precisou dar uns retoques. 

Por fim, a obra estava pronta. Emily se viu perdida novamente. Por mais que o desenho estivesse perfeito, sempre havia aquela sensação de que faltava alguma coisa. Mas Emily sabia bem o que faltava. E mais uma vez, ironicamente, o que faltava na obra era vida.

O rosto angelical e de traços  fortes de Michelle estavam muito bem detalhados. As cores neutras estavam perfeitamente misturadas, como se fosse uma coreografia muito bem feita. Os lábios carnudos, o cabelo curto, o sorriso sincero e feliz que Emily vira tantas vezes estavam reproduzidos no quadro de maneira magnífica. E as nuvens negras e espessas, apesar de sombrias, combinavam harmonicamente com o resto da pintura. Mas o destaque maior ia para os olhos verdes incrivelmente realistas. Emily sempre se perdia naqueles olhos, que sempre foram tão brilhantes e vívidos.

Retirou a tela cuidadosamente do cavalete e o colocou num canto do quarto para que a tinta pudesse secar. Guardou os seus materiais e foi se limpar. Algum tempo depois ela voltou e parou bem no centro do seu quarto, admirando todos desenhos quem tinham espalhados por suas paredes. Todos eram desenhos aleatórios, coisas que gostava, havia algumas telas com paisagens e outras com traços minimalistas. Mas grande parte dos desenhos eram de Michelle. Emily desenhava a garota constantemente como uma forma de jamais esquecer de seu rosto, ela queria se certificar de que sempre iria se lembrar dela.

Emily enxergava arte. Michelle era arte. 

 


Notas Finais


Oq acharam?? a opinião de vcs vale muito entao por favor me deem aquela ajudinha <3
ah, mais uma coisa, na capa da one tá escrito ''hyerin'', bem esse é o meu perfil no wattpad, a one está postada lá tbm, procurem por gonghyerin assim será mais facil me achar do q a fic kkkkkk (cada k é uma lágrima) e se possível me ajudem por lá tbm.
qualquer coisa me gritem por aqui ou lá no wattpad vcs é quem sabem,
eu fico por aqui msm entao bjsss pessoas.

com amor,

hyerin ou silvermoonlight (como quiserem)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...