História Let me be your lover - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Loris Karius
Tags Comedia, Futebol!, Goleiros, Jogadores De Futebol, Liverpool, Loris Karius, Romance
Exibições 38
Palavras 5.928
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Volteeeei pessoal...
Como estão?
Espero que bem... Vamos lá... Esse capítulo está bem doido...
Aos poucos os caras do Liverpool estão chegando e dando o ar da graça deles...
E vamos ver se Loris se ajeita agora né?
Tem uma música no capítulo, vou deixar a desse e a do passado lá embaixo, as versões que eu mais gosto... Pra quem tiver curiosidade em ouvir...
A capa é a foto do museu favorito da Salmão... Onde ela fica lá olhando as coisas do Titanic...
Boa leitura!

Capítulo 4 - Mão meio quebrada


Fanfic / Fanfiction Let me be your lover - Capítulo 4 - Mão meio quebrada

POV Loris

-Bom dia...-Salma revidou tentando virar de frente pra mim.

Soltei ela.

-Está melhor do que ontem?-Eu perguntei.

-Estou... A sopa do Philharmonic é muito boa, quase sempre me sirvo dela lá no meu intervalo...-Ela respondeu já virada.

-Não vai me expulsar daqui?-Eu revidei.

-Ah é... Você dormiu aqui, sem pedir, o que te deixa um pouco mais distante de conseguir entrar no padrão inglês... O arrumadinho gosta de dormir em colchões no chão?-Ela falou sorrindo.

-Arrumadinho...-Eu disse.

-Você está sempre bem arrumado quando me encontra... E eu lhe fiz uma pergunta... –Salma revidou me olhando da cabeça aos pés.

-Você tem prestado muita atenção em mim então...-Eu falei.

-Olha o seu tamanho, tatuagem no joelho... E a minha pergunta?-Ela disse me encarando novamente.

-Estava bom aqui ontem, fiquei com preguiça de ir pra casa... Não quis te acordar pra perguntar se poderia ficar ou não...-Eu revidei.

-Aí tirou a calça e ficou...-Salma falou.

-Sim... O que tem naquela sopa? Você parece doce hoje...-Eu disse.

-Eu nem sempre sou tão ruim assim... –Ela revidou.

-Pensei que ia me expulsar daqui com empurrões e me fazer rolar escada abaixo...-Eu falei.

-Ou te empurrar da minha janela... Mas não vou fazer isso com alguém que me trouxe sopa do Philharmonic... Um total desconhecido... E que dormiu ao meu lado, mas qualquer coisa pelo menos já estava avisado... O canivete existe e está bem aqui...-Salma disse e se virou.

Ela mexeu um pouco no colchão e voltou a me encarar mostrando o canivete.

-Você não se afasta dele nem pra dormir?-Eu perguntei pegando da mão dela.

-Ah, eu moro sozinha... Esse prédio é um pouco sinistro... Tenho que tentar me proteger como posso...-Ela respondeu.

-Me pergunto se já usou ele alguma vez...-Eu revidei.

-Vai ficar se perguntando...Eu não vou falar...-Salma disse.

-Agora estou com um pouco de medo... Você pode ter matado alguém com ele...-Eu falei.

-Ótimo que esteja com medo... Assim tem mais cuidado com o que fala e pensa em fazer comigo...-Ela revidou.

Parecia querer segurar o riso.

-Esse seu jeito...-Eu disse e suspirei.

-O meu jeito... Eu me pergunto... O que eu tenho que tanto te interessa? Por que  quando nos falamos à primeira vez, não foi nada demais... Apenas um mal entendido e depois conversamos brevemente...-Salma falou.

-Ah... Eu acho que já disse o que acho de você... Tem um modo de viver curioso... Anda com um canivete... Não gasta muito com comida...-Eu revidei.

-No dia em que me beijou à força... Eu não estava com ele... Eu tinha deixado no restaurante junto com meus cigarros... Por isso voltei lá...-Ela disse.

-Ah não? Então eu poderia ter te agarrado... Nem vem discordar tanto, por que você respondeu ao beijo...-Eu falei.

-Perdi o controle por alguns segundos, mas te empurrei e saí correndo, com medo... Mas você não pode sair fazendo isso... É assédio, é crime...-Salma revidou.

-Mas e agora? É assédio se eu te beijar?-Eu perguntei tocando os lábios dela com meu polegar.

-Você e essa sua fixação  pelos meus lábios...-Ela disse.

-Não me respondeu...-Eu revidei me aproximando pra beijar ela.

Ela sorriu.

-Acho que isso é um não...-Ela sussurrou.

Nos beijamos. Puxei o corpo dela pra mais junto do meu, suas mãos me acariciavam. Deslizei a minha pelas suas costas até o bumbum e apertei com força por cima da camisa.

-Será que você quer o mesmo que eu?-Eu falei em meio ao beijo.

-Se o que você quer envolve essa parte do seu corpo... Eu quero...-Salma  disse tocando meu pênis por cima da cueca.

-Envolve essa parte do meu corpo e várias partes do seu...-Eu revidei empurrando ela e fui por cima.

-Isso vai me custar uns vinte cigarros depois... Mas vale a pena...-Ela falou  tocando minha nuca.

Colou meu rosto ao dela, nos beijamos, senti sua outra mão por debaixo da minha blusa.

Me afastei e tirei, aproveitei pra tirar a camisa dela também, e o corpo pessoalmente  nada parecido com  qualquer outra garota que eu tivesse me relacionado.

-Que coisa hein...  Seus lábios fazem jus ao seu corpo...-Eu disse apertando os seios dela.

Ela sorriu com malícia.

-Por que é tudo mais volumoso?-Ela perguntou mexendo no cós da minha cueca.

-Com isso dá pra eu morder também... Com mais propriedade... E você só se escondendo nessas roupas largas. -Eu respondi e me inclinei.

Beijei ela novamente e fui descendo até os seios, apertei e mordi. A respiração dela estava ofegante. Continuei pela barriga, mas sem tirar as mãos dos seios dela, apertei com força, ela soltou um gemidinho.

-Está me deixando com mais vontade...-Salma falou.

Soltei os seios dela e encarei.

-Eu estou com vontade de experimentar a sua boca em outras partes do meu corpo...-Eu disse ficando de joelhos entre as pernas dela.

Ela sentou e me beijou deslizando a mão pelo meu corpo até colocá-la por dentro da cueca.

Desci minha cueca até a metade da coxa.

-Humm...  Se todo arrumadinho for assim como você...-Ela falou olhando pra baixo e me masturbando.

-Não, não... Sou edição limitada...-Eu revidei levantando o rosto dela.

Beijei, ela foi descendo com beijos, pelo meu pescoço indo até meu ombro, mordeu devagar. Continuou pelo meu peito.

-O seu cheiro...-Ela sussurrou.

Eu sentei, com ela entre minhas pernas, continuou descendo pela minha barriga até chegar onde realmente me interessava.

Ela deitou e me encarou sorrindo por alguns segundos, então voltou os olhos para o meu pênis.

-Vai com a sua boca... Vai...-Eu falei.

Ela começou pela base, deslizando a língua até a cabeça, e chupou devagar. Eu gemi. Salma desceu novamente com beijos lentos até meus testículos, parou e massageou eles um pouco. Se ajeitou e jogou um pouco de saliva, me masturbou e finalmente colocou ele na boca.

Ver ela ali me encheu mais ainda de tesão, os lábios me fazendo delirar. Desde que percebi eles, queria aquilo, só pensava nesse momento.

-Adoro quando tem surpresa assim pra mim...-Ela disse parando.

Mas continuou a me masturbar.

-Espero que você seja uma surpresa pra mim também...-Eu revidei encarando ela.

Ela sorriu e veio até mim pra me beijar, Apertei um dos seios dela com força.

-Eu tenho a impressão que vou gozar muito com você...-Salma sussurrou em meio ao beijo.

Empurrei  fazendo ela deitar, ainda estava de calcinha, ela sorriu pra mim enquanto eu puxava.

-Então eu preciso trabalhar muito pra isso...-Eu disse e comecei a massageá-la.

-Mas sem nada?-Ela perguntou.

-Você está prontinha... Eu tenho proteção no meu casaco... Espera ...-Eu respondi e levantei.

Fui até onde estava o meu casaco, na minha carteira, peguei os preservativos. Já fui abrindo e colocando enquanto voltava pra ela.

-Coloca bem devagar dentro de mim...-Ela disse afastando mais as pernas.

Fiquei entre elas, primeiro brinquei com a cabeça do meu pênis, passando nela. Salma moveu o quadril  retribuindo a brincadeira. Então  fui colocando devagar dentro dela que soltou um gemido  e mantinha seu corpo um pouco levantado pra olhar. E pra minha surpresa, tive um pouco de dificuldade pra fazer aquilo, fiquei com mais tesão.

Gemi enquanto tirava, então fui com meu corpo sobre o dela e coloquei outra vez, nos beijamos. Começamos com um ritmo devagar, ela gemendo de um jeito que me deixa mais louco, nós dois trocando carícias.

-Geme bem gostoso pra mim...-Eu falei e comecei a ir mais rápido.

Ela gemia junto comigo e vez ou outro mexia o quadril, me fazendo diminuir um pouco o ritmo e querer continuar. Senti as unhas dela entrando nas minhas costas, Salma gemeu alto e eu parei.

-Tem certeza que você é alemão?-Salma disse e me beijou.

-Sim... Vem pra cima de mim, baby...-Eu revidei saindo de cima dela.

-Não sei se é não...-Ela falou e riu.

Deitei, ela veio sentar em mim.

-Não, não, não... De costas...-Eu disse.

Salma virou e foi sentando devagar.

-Assim?-Ela perguntou subindo devagar.

Desceu mais uma vez, suas mãos apoiadas na minha coxa.

-Sim... Que delícia...-Eu respondi e apertei o bumbum dela com força.

Ela continuou mais um pouco controlando o ritmo, então eu segurei o bumbum dela , impulsionei e coloquei de uma vez com força, parei, ela gritou, eu repeti, mais um grito. Ela deu uma rebolada e aumentou o ritmo, soltei e deixei ela controlar novamente, continuava com os gemidos.

Mas eu não deixei por muito tempo, fiquei sentado e segurei ela novamente, comecei investidas rápida, ela desabou entre as minhas pernas, continue até sentir que ela queria que eu parasse. Salma gemeu alto me prendendo dentro dela. Estava ofegante, saí dela e puxei seu corpo junto ao meu, tirei o cabelo bagunçado do rosto e beijei.

-Você é bom nisso...-Ela sussurrou.

-Você me inspira... Deita de costas...-Eu falei apertando os seios dela.

Salma sorriu e obedeceu. Dei uma tapa no bumbum dela e apertei. Afastei um pouco as pernas e coloquei meu pênis dentro dela novamente.

Fui dando investidas rápidas, ela gemia apertando  o colchão enquanto eu puxava seu cabelo, continuei até não aguentar mais, gozei colocando com força dentro dela, três vezes gemendo alto.

Desabei sobre ela, nós estávamos suados e ofegantes..

-Muito bom... Eu estava precisando disso...-Salma disse me encarando.

Saí de cima dela deitando ao lado.

-Ainda bem que sim...-Eu revidei.

-Quer tomar um banho?-Ela perguntou.

-Quero...-Eu respondi sentando na cama.

Salma também sentou, pegou a camisa e vestiu.

-Meu banheiro é a primeira porta do corredor ao lado esquerdo...-Ela revidou e levantou.

-Não vem comigo?-Eu falei saindo do colchão.

-Não... Vou fazer um café e fumar... Quando você terminar eu vou...-Salma disse e foi pra cozinha.

-Tá bom...-Eu revidei pegando minhas roupas do chão.

Salma sorriu, eu fiz o caminho até o banheiro. Entrei, era até grande, com banheira um pouco velha, chuveiro, havia roupas íntimas penduradas pelo banheiro, eu ri na hora, pendurei minhas roupas no  cabide e fui tomar banho.

Quando terminei, me sequei, vesti minhas roupas e procurei uma pasta de dente dentro do armário com espelho acima da pia. Passei um pouco, apenas pra não ficar sem escovar os dentes no momento, faria isso assim que pudesse.

Saí do banheiro e fui pra sala.

-Você quer chá ou café mesmo?-Ela disse ainda na cozinha.

O cheiro de cigarro e café tomava conta do ambiente.

-Café...-Eu falei e me apoiei no balcão pra assistir ela ali.

-Temos café... Leite... Queria fazer panquecas, mas a farinha e os meus queridos morangos acabaram... Então vou fazer omelete de queijo pra acompanhar as torradas que estão na torradeira...-Salma revidou animada.

-Acordou com muita fome hein?-Eu disse.

-Sexo abre o apetite...-Ela falou pegando algumas coisas na geladeira.

Começou a preparar, e a habilidade em fazer aquilo era visível e legal de se assistir. Tudo muito rápido e metódico, em pouco tempo ela me serviu.

-Vai tomar banho agora? Eu espero por você...-Eu revidei.

-Vai esfriar e perder toda a graça... Vamos comer, depois faço isso...-Ela disse e começou a comer.

Acompanhei.

-Você disse que não gastava com comida...-Eu falei.

-Gasto pouco... Só faço uma refeição em casa... Eu janto no restaurante, chego em casa tarde, acordo quase sempre na hora do almoço... Meu café da manhã vale por ele... À tarde como qualquer coisinha... E você deu até sorte, temos variedade hoje...-Salma revidou e riu.

-Eu uso minha cozinha tão pouco... Fiquei com inveja da sua habilidade...-Eu disse.

-Sua cozinha é grande?-Ela perguntou.

-É... Deveria ir à minha casa qualquer dia...-Eu respondi.

-Quem sabe um dia... –Ela revidou.

-Acho que ela vai adorar te conhecer... Uma pessoa digna de usá-la...-Eu falei.

-Quem sabe um dia...-Salma repetiu.

-Eu moro no subúrbio... Em uma casa... Mais ou menos grande... Acho que você iria gostar de ir lá...-Eu disse.

-Até pensei em morar no subúrbio... Mas casas são bem mais caras pra alugar e fica distante pra mim que não tenho carro pra ir ao trabalho... Apesar que uma bicicleta funcionaria... Mas o tempo aqui... Eu sinto muito frio também... Melhor morar mais perto e caminhar...-Ela falou.

-Por que não dorme no quarto? Eu vi que tem outra porta ali...-Eu revidei.

-No quarto eu deixo minhas coisas... Roupas, alguns livros, mala...-Salma disse.

-Entendi... Estava muito bom o café da manhã...-Eu falei.

-Sim... Obrigada... Agora está na hora de você ir né?-Ela revidou.

Eu ri.

-Você é bem direta... Eu vou embora, mas eu queria ao menos o número do seu celular pra te ligar... Já que não sou desses que transam e não ligam depois pra saber como a garota está...-Eu disse.

-Tá, mas você não precisa fazer isso... Não devemos nada um ao outro... Entende?-Salma falou.

-Eu te devo uma coisa... Então quero o seu número, pra poder ligar... Pra gente marcar um encontro...-Eu insisti.

-Me deve uma coisa? Um encontro?-Ela disse me olhando séria.

-Não vou falar o que é agora... E gostaria de te levar pra jantar em algum lugar...-Eu falei e fui até o meu casaco.

Peguei meu celular, olhei e tinha ligações de Annelie, mas deixei pra olhar direito depois, voltei ao balcão.

-Eu vou te dar meu número... Mas não fique paranoico se eu não atender...-Salma falou.

Ela me passou o número, me calcei e ela veio me acompanhar até a saída.

-Vai só com a camisa?-Eu perguntei.

-Algum problema? Só vou até a porta lá embaixo...-Ela respondeu.

-Não...-Eu revidei.

Descemos, nos despedimos sem nenhuma troca de beijos. Peguei meu carro e fui pra casa, tinha que alimentar o Hugo, escovar os dentes, trocar de roupa e ir para o Melwood.

Fiz isso, lá no vestiário os rapazes estavam animados.  A música estava alta e Jordan cantava:

“She’s got the devil in her heart, but her eyes they tantalize… She’s gonna tear your heart apart… Oh her lips are really thrilling…”

Lembrei de Salma e sorri.

-Está todo bobão aí... Namorada chegou?- Simon perguntou sorrindo.

-Não... Foi só uma lembrança boa que me veio à cabeça agora...-Eu respondi.

-Deve ser muito boa mesmo... Do jeito que sorriu....-Ele revidou e começou a cantar outra parte da música com Jordan.

“She’s got the devil in her heart… No, no, this I can’t believe… She’s gonna  tear your heart apart… No, no nay will she deceive…”

Eu ri. E de repente a maioria no vestiário estava cantando aquilo.

Me troquei e saí de lá, liguei pra Annelie, o mais estranho era que eu não estava sentindo nada, como se tudo fosse natural. Como se eu nunca tivesse beijado e depois transado com Salma.

Eu tinha que fazer algo, mas eu não queria simplesmente jogar o fato de ter conhecido outra pessoa, até por que não tinha nada sério com Salma, ela era um aventura que eu estava gostando.

Falei normalmente com Annelie, dei uma desculpa por não ter atendido, desliguei e fui para o treino. Tudo tranquilo, na hora do almoço lembrei de Salma novamente, do corpo, da boca, dos toques., entregue totalmente à mim naquele momento, e em outros tão firme.

Fui pra casa no final do dia, decidi não ir ao restaurante, mas mandei uma mensagem, Salma só me respondeu horas depois. Queria que ela viesse a minha casa, mas ainda não era possível, tinha muitas coisas da Annelie espalhadas.

A semana foi intensa de treinos, mas encontrei Salma novamente, um pouco sem graça pra tentar arrancar algo dela, estava totalmente me levando à amizade.

POV Salma

Depois de tanto tempo em Liverpool dei chance a uma nova amizade, talvez por Loris ter acabado de chegar, eu poderia sempre falar das coisas que eu mais gostava aqui, fora outras coisas além do físico dele me atraírem, mas depois que transamos, era melhor evitar tanta intimidade, até que eu queria, mas queria um amigo também, me dei conta o quanto eu me sentia sozinha, às vezes era confortável, outras não.

Na semana seguinte,  eu tinha que ir ao Aintre Hospital pra uma consulta, peguei o ônibus dezessete na Lord Street.

Durante o caminho várias paradas, Queen square, London Road, Everton Park Gates entre outras, até que parou no Anfield. Eu olhei um pouco distraída pela janela e um rosto enorme na parede me chamou atenção.

-Loris?-Eu falei confusa.

Ele usava verde, estava sentado na foto com outros jogadores.

-Que merda é essa?-Eu continuei.

Era ele ali mesmo? Ou eu estava ficando louca?

-Com licença, bom dia... O senhor poder me dizer, por favor, o nome desse jogador? Esse de verde?-Eu perguntei ao homem sentado ao meu lado.

-Sim... Esse é o Karius... Loris Karius... Um dos goleiros do time...-Ele respondeu contente.

-Loris Karius? Certo... Muito obrigada...-Eu revidei e peguei meu celular no bolso do casaco.

-Por nada...-Ele disse.

Eu sorri e aproveitei a internet livre do ônibus, coloquei o nome dele no Google. Era o próprio, mesmo lugar de origem, idade e o rosto. Fiquei um pouco com raiva no momento, mas não podia reclamar, eu não dava a mínima pra futebol, e não perguntava sobre o tal trabalho dele com esportes.

Continuei pesquisando mais um pouco, eu não queria que fosse a mesma pessoa, meu desejo era que tudo fosse só um sonho maluco.  Minha preferência era que ele fosse apenas aquele cara que gosta de me acompanhar de madrugada no Albert Dock, mas estava visível que ele tinha dinheiro, jantar no Philharmonic não é pra todo mundo. E por que ninguém no restaurante me avisou? Vários funcionários torcedores. Lembro que depois que eu sentei na mesa com Loris, e de ele ter pedido várias vezes um prato feito por mim, meus colegas começaram a fazer burburinhos e eles também só conheciam parte da minha vida. Eu não sou uma pessoa que dá muitas brechas.

Achei a conta dele no instagram e tive a maior decepção. Ele com a namorada. Mas não era por que eu estava querendo ele pra mim, e sim por aparentar estar investindo em mim, ter transado comigo, enquanto a outra possivelmente não está na cidade, a raiva voltou novamente, havíamos transado e eu pensava que aconteceria de novo quando eu convidasse ele pra ir ao apartamento nessa semana.

Minha decepção também era pelo motivo de eu querer tentar confiar nele, outra pessoa além do Jim. Loucura minha pensar nisso tão cedo, mas Loris parecia confiar em mim, exceto pra me contar que jogava no Liverpool.

Mas agora eu teria motivos pra me afastar dele de vez, não ter me contado da namorada, ser rico e alguém que chama atenção.

A única maneira que eu me relacionava com ricos era eles pagando pela comida que eu cozinhasse. Apenas assim. Meu pai apesar de todos os problemas na nossa relação, sempre deixou claro que o único homem no qual uma filha pode depender é o seu pai.  Eu concordava com aquilo, mas não precisava.

Cheguei ao hospital, falei com a funcionária e esperei a minha vez. Fiquei pensando em como colocar um fim na nossa amizade.

Olhei o endereço do lugar onde o time treina, decidi ir assim que saísse do hospital.

Chegou a minha vez, era apenas uma consulta pra saber como minha saúde estava, depois das broncas com o cigarro, o médico me passou alguns exames.

Marquei logo tudo quando saí do consultório e fui caminhando até onde eu poderia pegar um ônibus, no total seriam dois.

Demorei uns trinta minutos pra chegar próximo a Melwood, ainda precisei ir andando até lá.

Na entrada havia um funcionário.

-Bom dia...-Eu falei.

-Bom dia... Posso ajudá-la?-O homem revidou.

-Sim... O time está treinando hoje?-Eu disse.

-Está sim... Mas não é aberto ao público...-Ele falou.

-Todos do time? Todos vieram?-Eu perguntei.

-Todos passaram por aqui...-Ele respondeu e sorriu.

-Os goleiros? É... Loris?-Eu revidei.

-Sim... Loris, Simon e Adam...-Ele falou.

-Que horas acaba?-Eu continuei tentando ver como era além de onde eu estava.

-Acredito que eles serão liberados  daqui a pouco... Almoçam e saem... A noite continuam...-Ele disse.

-Tá bom... Muito obrigada... Vou aqui perto almoçar e volto, vai que tenho a sorte de ver alguém...-Eu revidei e saí caminhando.

-Por nada...-Ouvi o homem dizer.

Fui realmente atrás de um lugar pra comer. Achei , mas como sempre era o mais comum de toda esquina, peixe com fritas. Comi e não estava tão ruim.

Voltei ao Melwood e procurei onde eu poderia entrar no estacionamento sem ser vista. Andando pelos arredores, vi uns rapazes com o carro estacionado bem rente ao muro, eles em cima olhando algo.

Falavam sobre o time. Segui andando, mais a frente, algumas pessoas em cima das latas de lixo, o muro não era muito alto, aquilo me fez rir. Não dava pra pular por causa da cerca.

-Posso dar uma olhada? –Eu falei para um deles.

-Só um pouco...-O homem revidou e desceu.

Me ajudou a subir, os jogadores estavam no campo, vi Loris, com a confirmação de que ele realmente estava lá desci da lixeira e agradeci. Voltei a entrada principal e o homem não estava lá.

-É sério que vou entrar aqui na facilidade?-Eu disse entrando.

Fui apressada em direção aos carros, procurei o dele e achei, sentei no chão entre dois e aproveitei pra fumar. Esperei quase uma hora e meia, quando vi certa movimentação no estacionamento, carros estavam saindo. Levantei e fiquei encostada.

Peguei meu celular, procurei a foto dele com a namorada novamente e salvei. Então Loris saiu lá de dentro, ele conversava com um outro jogador, quando me viu falou algo  e o colega revidou e riu.

Loris se aproximou sorrindo de mim.

-Que surpresa boa... Você conseguiu me achar...-Ele falou vindo me abraçar.

A raiva aumentou.

-Achei, achei da pior maneira... Como você teve coragem de trair sua namorada?-Eu revidei mostrando a foto no celular.

Ele parou e ficou em silêncio, dei uma tapa no rosto dele.

-Salma... Eu ia te contar... Só estava esperando o momento certo...-Loris disse tocando o rosto.

-Escuta, você não tinha que me contar nada... Você tinha era que ter terminado com ela antes de se envolver comigo...  Canalha!-Eu falei furiosa.

Queria bater nele.

-Salma...  Por favor, isso é complicado...-Ele continuou.

-Complicado?!?  E isso tudo? Eu sei que não pergunto muito sobre seu trabalho, mas me esconder isso? Goleiro? Já parou pra se perguntar se eu queria estar com alguém que tem tanta atenção? E não eu não quero, seu idiota!-Eu revidei.

-Salma, eu me senti muito atraído por você... Já sabe disso...-Loris disse.

A calma dele me irritou, meu sangue esquentou e eu fui pra cima dele.

-A gente transou... Você devia morrer de vergonha por ter traído sua namorada...-Eu falei batendo nele.

Loris segurou minhas mãos. E eu sabia o que fazer quando acontecesse isso, com toda força fiz um movimento pressionando a mão esquerda dele e livrando a minha outra. Ele gritou. Eu soltei, Loris se afastou.

Algumas pessoas olhavam, incluindo jogadores.

-Salma... O que você fez? Está doendo muito...-Ele disse.

Estava vermelho.

-Espero que esteja mesmo, pra você não esquecer e nunca mais fazer o que fez...-Eu revidei.

Seguranças apareceram, seguraram meus braços. Dois jogadores se aproximaram dele.

-O que está acontecendo?-Um deles perguntou.

-Nada... Deixem ela ir... Não façam nada com ela...-Loris respondeu.

Me soltei dos seguranças e saí dali apressada.

POV Loris

Minha mão doía muito, não conseguia mexer meus dedos, estava ficando inchada. Dejan e Alberto me olhavam confusos.

-Que louca era aquela? Ela te agrediu...-Alberto disse incrédulo.

-Você tem que ir à delegacia... Fazer um boletim de ocorrência contra ela... Essas fãs podem matar...-O segurança falou.

-Eu não vou fazer isso... Preciso de gelo... Eu acho...-Eu revidei.

-Como não vai fazer? Sua mão está inchando...-Dejan disse.

-Não posso fazer nada...-Eu falei saindo dali.

Eles me acompanharam até lá dentro, fomos ao departamento médio, todos confuso sem saber o que tinha acontecido ali.

O médico colocou gelo na minha mão. E enquanto providenciava os exames, todos me perguntavam sobre o ocorrido. Eu não poderia dizer, não pra todo mundo. Quando ficou só Dejan na sala eu falei.

-Complicado isso... Mas ela é forte hein?-Dejan disse.

-Mais perigosa do que imaginei... Por isso não posso ir à delegacia, a Salma teve os motivos, eu dei o motivo... Se eu for vai ser aquela coisa alarmante, por que não posso chegar lá e mentir dizendo que ela é uma fã louca... Salma nem sabia que eu sou goleiro... E apesar dela ter me prejudicado, fazer ela ser presa ia meio que doer em mim... –Eu revidei.

-Por que você gosta dela... Tem alguma consideração por ela...-Ele falou.

-Não sei se é isso... Eu me sinto muito atraído por ela, pelo jeito... Difícil explicar... Ela é muito diferente...-Eu disse.

-Isso parece coisa de gente apaixonada... É possível, Loris, você está bem com uma pessoa, amar e de repente aparecer outra que te vira a cabeça à primeira vista...-Dejan revidou e riu.

-Mas eu fiz tudo errado... Esqueci totalmente de Annelie toda vez que me encontrava com Salma...E não sei o por que disso, Salma é totalmente sem perspectiva em relação ao futuro dela... Vive literalmente um dia de cada vez... Se perde o emprego não se importa muito, cheia de mistérios...  E por outro lado é aquela mulher que se torna interessante por todos esses motivos...-Eu falei.

-Alguém se apaixonou e não sabe ainda...-Dejan disse se divertindo.

-Não sei Dejan... É muito cedo pra falar qualquer coisa...-Eu revidei.

-Meu Deus, vou fumar ali um instante e quando volto, descubri que o goleiro está com a mão meio quebrada...-Jürgen falou entrando na sala.

Nos assustamos.

-Se você souber que foi uma mulher que fez isso...-Dejan revidou.

-Uma mulher?!?-Jürgen exclamou.

-Foi... –Eu confirmei.

-E por que ela fez isso? Algum time rival mandou?-Jürgen disse.

-Não... Foi um acidente...-Eu falei.

O médico entrou e nos interrompeu, ele me acompanharia até o hospital,  e foi assim, lá, fiz exames  e minha mão estava quebrada. Imobilizaram e depois de dois dias eu faria uma cirurgia. Inacreditável como Salma havia conseguido fazer aquilo, mas eu não estava com raiva dela, queria vê-la, ter uma chance de pedir desculpas e talvez ouvir isso dela também.

Fui pra casa e decidi resolver minha situação com Annelie. Não era por telefone que eu queria fazer aquilo, liguei pra avisar que estava indo amanhã pra Alemanha, era melhor fazer a cirurgia lá também.

Comprei a passagem pela internet e fiz a mala. Foi um pouco difícil com uma mão só, mas consegui.

Pedi pizza pra jantar e também mandei mensagens pra Salma. Não tive respostas.

No dia seguinte, pela manhã arrumei os últimos detalhes, resolvi deixar o Hugo em uma clínica. Fui para o aeroporto na hora do almoço, a viagem ia ser um pouco longa, tinha que ir pra Londres primeiro. Embarquei  e depois de horas entre voos e aeroportos cheguei à Hamburgo à noite.

Annelie me esperava no aeroporto, veio animada me abraçar. Abracei, mas quando ela tentou me beijar, recuei.

-O que foi?-Ela perguntou confusa.

-Estou com mau hálito...-Eu respondi.

Ela sorriu.

 -Então vamos pra casa...-Annelie revidou me ajudando com a mala.

-Pra minha...-Eu falei.

-Me explica como você quebrou sua mão...-Ela disse caminhando ao meu lado.

Eu gelei. Não queria falar que Salma tinha feito aquilo.

-Muito esforço no treino...-Eu revidei.

-Em quanto tempo você volta?-Ela perguntou.

-Acho que um mês... Ou um pouco mais... Liguei pro meu médico daqui hoje de manhã... Vou fazer a cirurgia, dá um tempo pra me recuperar dela e enfim voltar à Liverpool...-Eu respondi.

-Ótimo... Tenho uns dias livres aqui, posso cuidar de você...-Ela revidou sorrindo.

Respirei fundo. Chegamos ao carro e fomos para a casa dos meus pais. Depois de matar um pouco a saudade deles subimos para o meu quarto.

-Annelie... Não posso mais enrolar isso...-Eu falei e fechei a porta.

-Enrolar o que?-Annelie disse me encarando confusa.

-Eu fiquei com outra garota...-Eu revidei de uma vez.

-Ficou?-Ela falou com os olhos cheios de lágrimas.

-Me desculpe... Eu não deveria ter feito isso com você...-Eu disse.

-Quem é ela? Ela é melhor do que eu? Você foi tão fraco assim? A ponto de não conseguir esperar pelo próximo encontro comigo?-Ela perguntou.

Senti raiva na voz dela.

-Annelie... Eu sinto muito... Eu fui fraco sim... –Eu respondi.

-Quem é ela? É uma dessas vadiazinhas que ficam em cima de você? Se for, você nem sabe quem é... Se duvidar ela está é grávida né... Elas sempre conseguem isso...-Annelie revidou.

-Não importa quem ela é... Eu fui injusto com você... E nem espero o seu perdão... Eu realmente não estou merecendo... É melhor a gente colocar um ponto final agora...-Eu falei.

-Nem precisa mandar as minhas coisas que ficaram na sua casa lá... Pode acender a lareira e queimar tudo... Idiota...-Ela disse chorando,  pegou a bolsa dela.

Passou por mim e deu uma tapa na minha cara, saiu do quarto batendo a porta.

Eu merecia tudo aquilo, fiquei triste por ter feito Annelie chorar, ela era especial, se importava muito comigo,  e eu com ela até conhecer Salma.

Quando descansei um pouco da viagem, contei aos meus pais sobre o término, ficaram chateados pela minha traição.

Eu estava no quarto e meu pai veio conversar comigo.

-Loris, eu não vim te julgar...-Ele falou sentando na cama.

-Mas pode... Eu mereço...-Eu revidei.

-E a outra garota?-Ele perguntou.

-Com certeza não quer me ver de jeito nenhum...-Eu respondi.

-E você quer ver ela?-Ele revidou.

-Pior que sim... Não sei como explicar isso... Eu sinto como se tivesse que proteger a Salma... Pai, eu conheço ela há tão pouco tempo e me sinto assim...-Eu falei.

Meu pai riu.

-Salma? Como Salmão?-Ele disse.

Sorri.

-Ela é cozinheira... Da África co Sul... Viajante... Totalmente diferente de toda pessoa que já conheci... E no momento me odeia com todas as forças dela...-Eu revidei.

-Tem foto dela? Você sabe... Eu tenho aquela coisa de olhar pra pessoa e meio que sentir a áurea dela...-Meu pai falou.

-Tem as fotos do instagram dela... Que eu não sigo...-Eu disse pegando meu celular.

Abri o perfil dela, tinha uma foto nova. Ela no Albert Dock ao fundo dava pra ver a Liverpool Eye, a roda gigante.

“Talvez eu não queira mais ficar aqui. Talvez eu queira estar na Austrália.”

Eu li  na legenda. Entreguei meu celular ao meu pai.

-Dá pra ver por que ficou atraído por ela... Salma A. L. Winnie...  Bem bonita ela… Simples, mas o olhar tem certa tristeza, solidão... –Meu pai falou olhando.

-Ela é muito sozinha mesmo... Já morou em vários lugares... Mas parou em Liverpool há um ano e ainda não foi embora... Exceto pela última foto que ela colocou aí... Parece que eu dei um motivo pra ir...-Eu revidei.

-Fugindo de algo talvez... Você conversa com ela sobre isso?—Ele disse ainda olhando as fotos.

-Pergunto e ela diz que não quer falar... Ela é da África, acredito que teve algum problema lá...-Eu falei.

-Durban... Bonito lugar...  Pelas fotos...  Ela parece ser interessante mesmo... E deve cozinhar bem...-Meu pai continuou.

-Cozinha muito bem... E fuma que nem o Jürgen...-Eu disse e ri.

-Fumante não é muito uma boa pra você, mas parece que tá apaixonado... Não quero nem saber o que ela fez com pra te deixar assim hein?-Ele revidou rindo.

-Nada disso pai... Não fica pensando essas coisas...-Eu falei.

Ele me devolveu o celular.

-Descansa Loris... Vou para o quarto entregar o relatório à sua mãe... Mulher, seu filho se apaixonou por outra, esse é o problema...-Ele disse saindo do quarto.

Eu ri de novo. Olhei as mensagens do meu celular, nenhuma notícia de Salma.

Mandei mais uma e liguei, não tive respostas. Fui dormir.

No meu terceiro dia na Alemanha fiz a cirurgia, foi tudo bem, passei mais uma semana na casa dos meus pais, tentei falar com Salma e não tive sucesso. Então voltei pra Liverpool.

Depois que cheguei, peguei Hugo na clínica e passei o dia com ele em casa, à noite fui ao restaurante e perguntei por Salma, ela não estava. Decidi ir ao apartamento, na porta entrada do prédio apertei o numero dela e nada de respostas.

Um morador ia chegando e eu perguntei por ela.

-Você viu a Salma por aqui hoje?-Eu disse.

-Não a vi hoje... Na verdade não ouço nada dela desde cedo... Já que eu moro embaixo... Mas ela some as vezes...-O homem falou.

-Certo... Obrigado...-Eu revidei e saí dali.

Fui pra casa preocupado, eu tinha que falar com ela.

No dia seguinte, depois de ir à fisioterapia, voltei ao apartamento e nada dela, decidi procurar o amigo dela na casa de repouso, ela tinha falado do Jim, ele era a minha última esperança.

Coloquei o endereço no Google e segui as instruções pra chegar lá, na recepção perguntei por ele e a recepcionista me levou até a cozinha.

Jim parecia surpreso ao me ver.

-Karius? Querendo falar comigo?-Ele perguntou estendendo a mão.

Apertei.

-Desculpe incomodar, mas preciso da sua ajuda...-Eu respondi.

-Sem problema... Vamos conversar no jardim...-Ele revidou.

Acompanhei.

-Você é amigo da Salma... Sabe onde ela está?-Eu falei.

-Sou amigo dela, você conhece a sujeita? Ela não me falou que conhece você... -Jim disse.

-Ela não sabia que me conhecia... Longa história, eu estou atrás dela e não a encontro... Não me atende, não responde as mensagens... Por favor, me diz que tem notícias dela...-Eu revidei.

-Salma é uma doida mesmo... Foi pra Manchester... Fazer só Deus sabe o que... Tem dois dias... Tirou folga do restaurante e foi...-Ele falou e riu.

-Sozinha?-Eu perguntei.

-E quando é que ela não anda sozinha?-Ele respondeu.

-Sabe quando ela volta?-Eu revidei.

-Não sei... A hora que der vontade...-Jim falou.

-Ela disse algo sobre ir à Austrália?-Eu continuei.

-Comentou há um tempo atrás...  Que estava querendo ir, lugar com sol... Eu disse a ela pra ir pra casa... Mas Salma não quer...-Ele disse.

-Você sabe por quê? Ela não gosta de falar sobre isso comigo...-Eu falei.

-Não sei de devo falar da vida dela... Melhor você esperar pra ela te contar...-Jim revidou.

-Por favor, me fala... Eu faço qualquer coisa...-Eu disse.

-Faz mesmo?-Ele perguntou.

-Faço...-Eu respondi.

-Conversar  ou jogar cartas com o pessoal da casa de repouso?-Ele revidou.

-Faço... Assim que me falar, já vou fazer isso...-Eu falei.

-Salma tem problemas com o pai dela... Não se dão bem... E a mãe dela é fiel ao pai... Mas até que ela é tranquila com a mãe...-Ele disse.

Era um motivo até simples, fiquei mais tranquilo.

-Que alívio... É só isso...-Eu revidei.

-Só...-Jim falou e sorriu.

Então fui cumprir minha promessa, pude almoçar por lá e passei a tarde fazendo o poderia fazer.

As senhoras ficaram animadas ao saber que eu era amigo da Salma, e que talvez eu pudesse ser um bom namorado. Não falei que estávamos brigados, mas elas me prometeram que conversariam com ela pra ser um pouco mais doce e me conquistar, já que na opinião delas Salma deveria namorar.

Os senhores conversaram comigo sobre futebol. Me diverti realmente essa tarde com todos eles. Jim me convidou pra aparecer outras vezes, talvez fizesse isso mesmo.

Fui pra casa com vontade de ir à Manchester, já tinha morado lá, a viagem demoraria apenas uma hora de carro, mas eu não fazia a menor ideia de onde Salma está. Desisti.

Depois de dois dias, segui um conselho dela, fui ao museu marítimo de Merseyside na hora do almoço. Queria ver o que ela gostava ali.

Durante o passeio, me deparei com a exposição do Titanic, meus olhos pararam  ao ver o modelo do navio, tudo ali era incrível, como dizia o título da exposição, a história não contada.

Mas me distraí ao ver alguém do outro lado do modelo do navio, subi meus olhos devagar, meu coração acelerou, vestido branco, então as pontas do cabelo marrom, os lábios inconfundíveis. Era a Salma.

Estava concentrada olhando o navio como se imaginasse muitas coisas, finalmente ela percebeu que estava sendo observada e nossos olhos se encontraram.

 


Notas Finais


E aí minha gente? Como foi a experiência?
Espero que tenham gostado...
Finalmente Loris achou a Salmão novamente... Será que ela vai quebrar ele outra vez? KKKKKKKK
Ele até mereceu né.... Mas nunca mais vai esquecer e fazer isso novamente...
Aqui as músicas...
Strawberry Fields forever The Beatles, minha versão favorita da vida é a do filme Across the Universe
https://www.youtube.com/watch?v=NN9iogpzVhc
She's got the devil in her heart - The Beatles, versão original mesmo... É animada e tem cara de vestiário...
https://www.youtube.com/watch?v=B0U6IUBxalA
Isso é tudo pessoal...
Até o próximo capítulo! Beijos...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...