História Let me love you - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXID, Mad Clown
Personagens Hani, Hyerin, Junghwa, LE, Mad Clown, Solji
Tags Elly, Hani, Hani&junghwa, Hyerin, Junghwa, Junghwa&hyerin, Le&solji, Madclown&hani, Orange, Solji, Yuri
Exibições 23
Palavras 1.795
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Festa, Hentai, Orange, Romance e Novela, Yuri
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oioi~
tentei soltar um pouco do relacionamento entre a LE e a Solji
tomara que gostem ;)

Capítulo 2 - Chinese Food


Fanfic / Fanfiction Let me love you - Capítulo 2 - Chinese Food

Capitulo 2- Chinese food

Solji povs~on

Droga, droga, droga…

Eu nunca tenho um dia de folga e quando tenho esse tempo para passar com Elly, eu me deixo levar pela preguiça e tedio. Hyo-Jin trabalha de recepcionista em um hotel luxuoso no centro de Seul, enquanto eu trabalho de garçonete em uma lanchonete proxima a aquelas redondezas. Mesmo eu não gostando muito de meu trabalho ainda me mantinha grata pelo fato de que graças a ele foi como a conheci; Elly (ou LE como muitos a chamam) era uma cliente fiel do lugar, se tornava raro quando ela não almoçava lá, mas, com o tempo seus olhares sobre mim foram percebidos e correspondidos.

Agora eu me encontrava andando de um lado para o outro da cozinha, me perguntando o que ia fazer para o jantar, quase desistindo ao perceber que minha mãos suavam e meu tempo estava acabando. Dei um pulo ao ter dois braços delicados envolvendo minha cintura.

- Porque está tão aflita? – ouvi a voz doce de Elly enquanto a mesma me abraçava por trás

- Amor, você ia ficar brava se eu dissesse que esqueci de fazer o jantar? – indaguei em um tom infantil, tentando despertar um pouco de “compaixão” da mesma

- Não meu bem… - riu e virou meu corpo, podendo agora ambas vermos nossas faces- Eu já tinha um pressentimento de que isso ia acontecer e por isso já comprei comida chinesa.

- Eu já disse que te amo ? - proferi tais palavras em tom ainda infantil, deixando meu nervosismo ir embora e fazendo com que um ar brincalhão se estabelecesse no ambiente

- hoje ainda não… - fez um biquinho totalmente fofo ao dizer tais palavras

 

Elly sempre foi, e sempre será linda para mim, mesmo agora com seu cabelo longo preso em um coque por conta de seu trabalho, para muitos esse simples detalhe era normal, mas para mim aquilo só realçava sua beleza única.

Entrelaçei meus braços ao redor de seu pescoço e selei nossos labios, tendo a passagem imediata da mesma para aprofundar levemente nosso beijo, de forma calma e terna, sem pressa… Mas por conta do ar, nos separamos, mantendo agora somente nossas testas unidas

- Te amo Ahn Hyo-Jin…-sussurei de modo sereno

- Tambem te amo minha Solji…- ela disse enquanto levantou meu corpo e me fez sentar sobre a bancada da cozinha, tendo minhas pernas abertas para que a mesma se encaixasse entre elas - Quer que eu te fale um pouco do que vamos fazer hoje?

- Hm… Quero!

- Bom… -  disse encaixando sua face na curvatura de meu pescoço e começando a despejar selares sobre minha derme- nos vamos jantar, e depois…

- Espera! Para! Não diga mais nada… - Disse de forma rapida fazendo com que minha namorada reagisse com uma expressão de surpresa – eu sei que vou gostar…

- Como sabe que vai gostar, hein? – riu já desmanchando a seriedade de seu rosto

- Porque eu sempre gostei e sempre vou gostar de tudo que fizermos juntas

 

Rimos ao mesmo momento, e assim que desci da bancada e Elly se livrou de suas roupas sociais por uma mais confortavel sentamos a mesa de jantar, na qual eu já teria deixado arrumada com nossa comida e talheres. Mesmo que sempre trabalhassemos bastante, mantinhamos esse costume de jantarmos juntas, o que só não acontecia quando eu trabalhava até mais tarde ou quando LE tinha alguns afazeres de seus estudos sobre literatura.

Elly era fanatica por livros de romance e drama, como Hamlet ou o Morro dos Ventos Uivantes… seus livros favoritos… Vez ou outra ela os lia em voz alta antes de dormirmos, já que sua voz acalmava um pouco da tempestade que quase sempre era formada dentro de mim

Conversavamos sobre nosso dia, sobre o trabalho e cursos, sobre nossos planos para o futuro e de talvez uma faxina e uma reforma em “nosso lar”… Riamos como duas crianças bobas, e que não se importavam com o tempo

- Eu não acredito que alguem no mundo tenha o nome de Vaijante! - ria ao ouvir sobre uma nova hospede do trabalho de LE

- Nem eu! E olha que ela estava toda em pose de granfina e gringa, com um casaco de pele que parecia mais de um esquimo do que algo de grife

- Olha o que fala hein! Vai que quando você virar uma escritora famosa não ganhe um casaco de pele mais ridiculo que o dessa velha!

- Nem a pau! – franziu o cenho e depois riu junto a mim

 

Era engraçado em como suas expressoes eram sempre bem marcadas. Por um instante bocejei, ainda era 20h45 e eu já estava ficando sonolenta.

- Não esta com sono… esta ? – LE indagou já me dando espaço para que eu me sentasse em suas pernas

- Não muito… Porque? – perguntei e mal fui respondida já que fui levantada como uma noiva.

Eu ria enquanto minha namorada corria pela nosso apartamento, entrando em nosso quarto e me jogando em nossa cama. As luzes estavam apagadas, a não ser as dos  dois abajures nos criados mudos proximos, deixando o ambiente ainda mais confortavel.

- Eu estou com saudades de você meu bem… - disse-me em tom malicioso ao que se deitava sobre meu corpo

- Eu também estou sentindo sua falta…

 

O sorriso estampado em seu rosto já deixava bem claro suas intenções, nas quais, eu também correspondia.

Levou suas mãos gelidas até a barra da propria camisa, que lhe servia de vestido praticamente, mas já não importava pois agora o tecido se encontrava no chão, me deixando ver seu corpo delicado e alvo, tendo sua intimidade coberta apenas por sua lingerie. Eu sabia que não escaparia, então apenas deixei que minhas vestes fossem arrancadas, e como na maioria das vezes, a brutalidade de LE dava sinais de vida; na cama, eu sempre me tornava a submissa e ela dominadora, afinal, era autoritaria em todas as ocasiões.

Assim que minhas roupas forma arrancadas e meu corpo se encontrando nu, podia perceber o olhar faminto de minha namorada sobre mim, no começo de nossa relação aquilo me intimidava um pouco, mas atualmente, faz com que eu me sinta especial por obter desejo intenso por quem amo.

Seu corpo se encaixou entre minhas pernas, que se entrelaçaram por natureza em seu quadril. Fechei meus olhos ao ter meu pescoço mordido pela alheia, que se concentrava em marcar fortemente minha pele enquanto suas mãos passeavam de maneira possessiva em meu corpo, o que me arrepiava e me excitava de um jeito que só ela sabia fazer. Deixei um gemido escapar de meus carnudos ao que selares foram trilhados até meus seios, totalmente enrijecidos por culpa dela, que sem pudor algum lambia e chupava meu seio direito enquanto sua destra massageava meu seio esquerdo, fazendo-me arfar e gemer ao que minhas mãos deslizavam sobre o lençol que revestia a cama.

- Que saudades que eu estava de te tocar… De te ouvir gemer… - sussurou contra minha pele, agora dando atenção ao meu outro seio

- G-gemer? – eu disse com dificuldade, já que a alheia não parava de me atiçar em momento algum, me fazendo arfar baixo

- Gemer… Como agora meu bem… Gemendo como uma putinha – Disse enquanto eu mordia meu infero com força

Quantas vezes eu me perguntei como ela conhecia todos os meus pontos fracos, como ela com palavras sujas ou doces conseguia me tirar do serio com tanta facilidade. Minha sanidade estava deixando meu corpo, e em resultado, eu estava reagindo a todos os seus toques que agora se direcionavam a minha intimidade.

Elly posicionou minhas pernas repousadas em seus ombros, dando para ela total visão de meu intimo exposto, já que a alheia teria retirado de inicio todas as minhas vestes incluindo minha lingerie. Gemi ao que minha namorada distribuia mordidas e beijos em minhas coxas, me fazendo agonizar para que meu sofrimento e suas provocações acabassem, mas sempre foi assim, e eu sempre adorei…

- Tão molhada meu amor… O que você quer hm? –indagou-me com a malicia predominando suas palavras

- P-por favor… - gemi ao sentir seu indicador pressionando meu clitoris inchado e necessitado de atenção- filha da puta…

Gritei ao sentir um tapa estalado ser dado em minha coxa, tendo agora o local ardendo e marcado, mas, eu sabia bem o porque… Elly não gostava que eu reclamasse de seus meios para me manter em suas mãos, de seus meios para me enlouquecer…

- Eu acho que você não falou o que queria… Então eu vou perguntar de novo, o que você quer que eu faça hm? – disse de forma sadica e controladora

- M-me faça gozar LE! – praticamente gritei, fazendo o som ecoar pelo quarto e logo ser substituido por mais de meus gemidos

LE começou a massagear com seu digito meu clitoris, enquanto sua lingua deslizava por toda a extensão de meu intimo, e em alguns momentos movendo-a de modo rapido e frenetico, me levando aos céus. E quando achei que não podia melhorar, revirei meus olhos ao ter dois de seus dedos me penetrando com força, fazendo com que o pingo da sanidade que eu tentava manter fosse deixado. Hyo-Jin levantou-se de forma que seu rosto estivesse um pouco acima do meu, como se admirasse minhas reações por conta do prazer.

Vi que podia ser meu momento de descontar o que sentia, levei então minhas mãos até as laterais de sua calcinha e me livrando daquele tecido incomodo, podendo repousar minha canhota em sua intimidade, completamente encharcada. Brincava com aquela região sensivel, agora não sendo a única a gemer naquele quarto.

O calor de nossos corpos já levemente suados e nossa mescla de gemidos indicavam o quanto necessitavamos uma da outra.

LE sempre vai ser minha companheira, minha namorada, minha amante… Minha Elly

Penetrei dois digitos meus em seu intimo, o que a fez gemer alto e logo selar seus labios aos meus, tentando resgatar seu auto controle, o que não ia acontecer já que seu intimo pressionava com força meus dedos, como se os engolissem. Mantive os movimentos de meu medio e indicador de forma bruta, assim como ela mantinha os seus, sabiamos o que nos agradava, e não era dificil ver que logo nosso apice chegaria. Nossas visões se intercalavam nos labios e olhar uma da outra, por fim nos beijamos assim que chegamos juntas ao nosso climax, podendo então sentir o corpo de minha namorada repousar sobre o meu, um pouco cansadas, porém felizes por estarmos uma com a outra. E mesmo que ofegantes, nos ajeitamos na cama, ainda mantendo nossas caricias, até que aos poucos o sono nos tomou, não lutamos contra, afinal, no dia seguinte, sabemos que iremos acordar uma ao lado da outra…


Notas Finais


Tomara que tenham gostado <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...