História Let Me Take Care Of You (ChanBaek) - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Kai, Lay, Lu Han, Sehun, Suho
Tags Chanbaek, Huhan, Kaisoo, Sulay
Exibições 645
Palavras 3.624
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Lemon, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Desculpem pela demora amores.. Eu amo vocês. ❤

Capítulo 20 - NINETEEN


Chanyeol estava de frente para Baekhyun encarando a expressão pálida e triste do mesmo. Ambos sabiam que seus sentimentos um pelo outro ainda existia. O medo de admitir era maior que o próprio amor que sentiam.
- Oh, Chanyeol. - Kyungsoo fala surpreso prla presença do maio. - já faz um bom tempo que não vem aqui. Vi que trouxe Joo Won, ele cresceu bastante. - Baekhyun olha incrédulo para seu primo, o menor não havia o contado absolutamente nada.
- Sim, ele está bem grande. - sorriu fraco e voltou a encarar Baekhyun. - precisamos ir agora, foi bom ve lo novamente. - força um sorriso e deixa o local.
Baekhyun ainda estava estático, estava confuso, não sabia oque acabará de acontecer ali, só sabia de uma coisa, Chanyeol havia o esquecido, Baekhyun se sentia culpado e aflito por ter deixado ele em um dos piores momentos de sua vida.
- Baek? Você está bem? - Suho pergunta afastando Baekhyun de seus pensamentos.
- Oh? Oh estou bem. - sorrir de lado e volta a atender as pessoas.

- CHANYEOL ON -

Baekhyun deve estar bem feliz, ele estava sorriso largamente para um homem que havia na cafeteria. Eu fiquei muito surpreso quando o vi, da última vez que tinha o visto foi em meu quarto. Naquele tempo eu estava passando por muitos problemas, eu precisava dele mais que ninguém ao meu lado, eu sabia que era impossível, pois minha mãe estava desesperada para ele dar um tempo e ir viajar, conhecer pessoas novas.
Quando ele partiu, Boram passou mais 2 anos comigo e com a mamãe, eu até cheguei a gostar dela durante esse tempo. Ela engravidou do Joo Won, o melhor presente que alguém já me deu, meu pequeno Joo Won. Estávamos todos felizes até no dia que ela sentiu dor e a levamos para o hospital, infelizmente ela não resistiu e morreu na hora do parto. Foi difícil falar para os familiares dela, pois a família dela gostava muito de si.
Eu tenho estado bem por todo esse tempo, ainda bem que tenho minha mamãe e meu filho, somos apenas nos três

- KAI ON -

- Vamos Lay!! - estava tentando convencer Lay de ir comigo para a cafeteria, ele era meu melhor amigo ali e não queria o deixar só.
- Não! Você pode ir com o resto do pessoal, eu prometo que vou mais tarde. - falou com um sorriso encantador do rosto.
- Você sempre me convence não é? - falei e me despedi dele.
Deixei a empresa e segui para a cafeteria. Adentrei o local e vi os olhinhos de Kyungsoo bilhar ao me ver, não liguei e fui direto para a mesa com as pessoas que eu havia levado. Kyungsoo odiava quando eu não ligava para ele, ele ficava tão fofo com raiva, eu não me controlava em fazer isso. O mesmo se aproximou da mesa e perguntou oque iríamos pedir, todos fizeram os pedidos menos eu.
- E você? Oque vai querer? - falou curto e grosso.
Olhei para a minha funcionária que já sabia sobre o nosso relacionamento e sorri largo para ela, Kyungsoo me fuzilou com o olhar então passou a encarar a mesma.
- Vou querer apenas um café. - falei sem retirar os olhos da mesma.
Kyungsoo saiu pisando forte do chão e indo em direção a bancada, apenas gargalhamos com sua atitude. Logo depois ele volta com todos os pedidos e começamos a comer e conversar sobre coisas aleatórias. Quando todos foram embora, estava apenas Kyungsoo, Baekhyun e o amigo de Baek, cujo nome era Suho. Me aproximei de Kyungsoo e o abracei por trás deixando um beijo longo em seu pescoço, sentir esse cheiro doce era tão bom. Eu passava o dia todo longe dele, quando finalmente tinha tempo eu aproveitava o máximo possível.
- Sai, vai sorrir para aquela assanhada de novo. - tentou se soltar de meus braços mais era impossível.
- Eu te amo tanto. - falei e pude ver um sorriso brotar em seu rosto. - muito, muito, muito.
Ele se virou e me abraçou. Passamos alguns minutos assim, então nos despedimos dos meninos e fomos para casa.

- NARRADORA ON -

Quando Kyungsoo e Kai deixaram a cafeteria, ficaram apenas Baekhyun e Suho. Já era tarde, ambos estavam exaustos.
- Suho, você pode fechar o café? Eu vou dar uma passadinha na casa de Chanyeol. - falou sorrindo envergonhado.
- Claro Baek, pode ir, eu sei o caminho de casa. - sorriu largo, então o outro se despediu e deixou o café.
Baekhyun queria conversar com a mãe de Chanyeol, perguntar como ela estava, como tinha passado todo esse tempo. Sabia que não era nada agradável ir lá depois de tudo que aconteceu, mais ele sentia que deveria se aproximar novamente de ambos.
Estacionou o carro em frente a casa de Chanyeol e desceu, seguiu em direção a porta e deu 3 batidas leve. Não demorou muito para que Chanyeol abrisse a mesma e encarasse Baekhyun.
- Eu…vim falar com a Sr.Park. - sorriu fraco e encarou os pés.
- Ela não está em casa, foi passar o final de semana com minha tia. - falou calmo, Baekhyun o encarou e sorriu fraco.
- Eu… - ia continuar mais um garotinho corre para porta apenas de pijama, seus cabelos bagunçados e com os pés descalços.
- Appa, esse Hyung me ajudou quando me perdi. - sorriu e abraçou as pernas de Baekhyun. O mesmo sorriu e pegou o garotinho nos braços.
- Você está bem? - sorriu, o garotinho deixou um beijo carinhoso em sua bochecha.
- Sim Hyung, você conhece meu appa? - perguntou e voltou os olhos para Chanyeol.
- Sim, eu conheço. - falou em quais um sussurro, fitando Chanyeol como nunca havia olhado. Baekhyun sentia saudades de Chanyeol, por mais que o tempo passasse seu amor nunca mudaria.
- Joo está na hora de dormir, hum? - falou e o garotinho foi para seus braços. - Baekhyun temos que ir agora, se nos de licença. - falou frio, sorriu sem mostrar os dentes, quando já ia fechar a porta, Baek o interrompe.
- Você esteve bem por todo esse tempo? - sai em um sussurro.
Chanyeol sentiu seus olhos arder, manteve sua posição e fitou Baekhyun.
- Sim, porque não estaria? - falou calmo.
- Me desculpe, por tudo. - comprimento o maior e seguiu para seu carro o ligando e indo embora.
Os olhos de Chanyeol estavam marejados, por um momento ele sentiu seu coração acelerar com aquelas palavras, ele sabia que não era culpa de Baekhyun por ter um passado tão doloroso, mais sim era sua culpa, pois havia começado tudo.

***

Suho estava andando pelas ruas, estava realmente encantado, fazia muito tempo depois de que ele foi embora. Para ele seu país sempre foi o melhor, ele se sentia bem, andava nas ruas sem preocupação, falava com as pessoas mesmo sem conhecer. Ele sorria satisfeito por agora ter amigos e iria começar uma vida nova.
Estava ligado em seus pensamentos quando sentiu ser jogado no chão e não pode ver muita coisa pois havia uma luz forte em seu rosto que lhe empatava de abrir os olhos. Sentiu uma dor muito forte na cabeça quando, quando pois as mãos na mesma que olhou para elas, se desesperou, havia sangue em toda sua cabeça. Logo começou a sentir seu ar faltar, tentou se levantar mais era impossível, sentiu alguém apoiar sua cabeça, então se acalmou mais e tentou voltar ao seus sentidos.
- Você está bem? - uma voz masculina ecoou pelos seus ouvidos.

- LAY ON -

Eu estava saindo da empresa, estava cançado e também triste por não ter participado do jantar com o pessoal. Liguei meu carro e segui em direção a minha casa. Eu estava um pouco sonolento, talvez fosse os remédios e muito café que eu tomava para me manter acordado, depois que entrei na empresa venho trabalhando bastante.
Por um momento sinto meus olhos pesar e em um segundo sinto minha cabeça bater no volante, uma dor imensa percorre por todo meu corpo, olho para frente e vejo um corpo no chão. Me desespero e vou até o corpo caído, percebo que a pessoa está desesperada por haver sangue em suas mãos, talvez tenha algum tipo de fobia. Me aproximei e apoiei sua cabeça em meu colo, o mesmo me olha e começa a se acalmar. Ele segura uma de minhas coxas com força e sinto um arrepio percorrer minha espinha, ele respira fundo. Coloco o mesmo em meus braços e o levo para o carro, deito ele no banco de trás e sigo para minha casa.
Adentro o banheiro com o homem apoiado em meus braços e coloco o mesmo em pé, ele se apóia na pia e me fita.
- Fica quieto, vou fazer um curativo nisso. - falo então o mesmo me obedece.
Pego a maleta que está encima do armário na cozinha, então volto para o banheiro. Sua blusa está completamente suja pelo sangue, pego um algodão molhado e passo em sua cabeça.
- Dói. - faz um bico e seus olhos marejam. Minha respiração fica acelerada. O que diabos está acontecendo?
Ele faz algumas caretas e posso ver seus lábios formando um bico fofo. Espera oque?
Quando término tudo, entrego uma camisa limpa para ele vestir, saiu do banheiro. Quando adentro novamente ele está tentando lavar a blusa coberta de sangue, e também está chorando? Com certeza ele tem algum problema ao ver sangue. Seguro seu braço e faço com que ele pare e me encare.
- Oque está fazendo? - pergunto e ele me fita e deixa uma lágrima cair. Ele olha para minha cabeça e arregala os olhos. Se aproxima ficando próximo até demais, consigo sentir sua respiração calma, ao contrário da minha que está acelerada. Ele leva seus dedos até minha cabeça e toca em um local que sinto uma dor terrível.
- Aii. - reclamo de dor e ele encolhe os braços.
Ele me puxa e me imprensa na pia, me assusto com sua atitude. O mesmo pega um algodão e se inclina por completo tentando alcançar o local ferido. Vou me arrepender de fazer isso, na verdade comecei me arrepender na mesma hora que decidi trazer ele para ca. O pego no colo e sento o mesmo em cima da bancada de mármore escura que tem no cômodo. O mesmo fica satisfeito por conseguir alcançar o local. Ele segura minha blusa e puxa de uma vez fazendo com que eu ficasse entre suas pernas.
- Você está longe, não consigo limpar. - fala calmo. Meus pensamentos maliciosos logo chega e tento afastar mais é impossível pois o mesmo está segurando em minha nuca e se esforçando para poder tirar a mancha de sangue que havia em minha cabeça.
- Só mais um pouquinho. - fala e põe a língua para fora, passando lentamente pelos lábios. Meus olhos acompanha toda aquela cena, quando sua língua entra novamente dentro da boca, a mesma fica entreaberta. Balanço a cabeça jogando os pensamentos para longe, mais o mesmo me puxa em sinal de negação e manda eu ficar quieto.
Quando ele limpa tudo e faz um curativo, me olha e percebe o quão próximo estamos, ele me fita e fala.
- Eu preciso ir embora. - fala em um sussurro. Me afasto e dou espaço para o mesmo sair, ele fica apenas sentado me olhando envergonhado.
- Eu não consigo descer. - havia me esquecido que havia atropelado ele, e ele estava realmente muito dolorido e machucado. O peguei novamente pela cintura e o coloquei no chão.
Estávamos na sala, um silêncio enorme invadiu o local e eu apenas estava ficando mais nervosa ainda.
- Me desculpe por ter lhe machucado. - falei baixo, o mesmo sorriu.
- Não tem problema. Agora eu já vou indo, já está tarde. - sorriu mais largo ainda, e que sorriso. Então se curvou e saiu me deixando sozinho. Oque diabos aconteceu aqui?

- SUHO ON -

Eu estava meio sem graça por ficar na casa de alguém que eu nem conheço, nunca me senti atraído por homens, mais aquele homem é diferente, era bonito, uma voz celestial e uma beleza que não tem definição. Deixei sua casa e fiquei no meio da rua, não sei onde estou e nem sei como voltar para casa. Oque eu faço? Também não trouxe meu celular, a vida sempre me decepciona.
Voltei para frente da porta da casa do homem cujo não sei o nome, e bati levemente na porta, não demorou muito para que ele viesse e me olhasse surpreso.
- É…eu…eu não sei onde fica minha casa. - falo envergonhado e ele me encara incrédulo.
- Como não sabe onde mora? - pergunta
- Eu cheguei aqui hoje, então eu não lembro muito daqui. - falei e ele suspira.
- O que eu posso fazer? - pergunta e se escora na porta. - eu estou cansado. - boceja e volta a me fitar.
- Não tem problemas então. - sorriu fraco. - eu vou me virar. 
Dou as costas para o mesmo e sigo em direção a rua, mais ele me atrapalha.
- Ei, pra onde você vai? - fala e eu o encaro.
- Vou embora.
- Claro que não vai. - ele vem em minha direção e segura meu pulso. - você pode se perder, amanhã eu levo você para casa.
Entramos novamente dentro da imensa casa. Eu estava um pouco desconfortável, mais eu sabia que se eu fosse embora iria passar a noite andando no meio das ruas.
- Você pode dormir aqui no sofá. - falou calmo e adentrou o quarto.
- Claro que posso. - me encolhi no sofá vazio, era realmente desconfortável.
Estava tentando dormir, mais minha barriga fez um barulho horrível. Aish, porque logo aqui? Me levanto e tento achar a cozinha, começo a andar por toda a casa escura. Topo em vários objetos e tento o máximo possível conter a dor. Finalmente encontro a cozinha, pego apenas um copo d'água e bebo. Quando já ia sair da cozinha as luzes se ascendem e eu fico parado sem dar nem um passo.
- Eu não consigo dormir com você fazendo barulho. - falou o homem com os cabelos bagunçados, estava apenas de calça moletom. Seu abdômen bem definido amostra.
- E-eu… estava com fome…então vim tomar água. - falei e abaixei a cabeça.
- Você estava com fome e veio tomar água? Geralmente quem sente fome come e não bebe água.
- Desculpe lhe acordar. - falei e segui em direção do sofá, antes mesmo que eu saísse da cozinha sinto seu braço me puxar e me sentar em uma cadeira em frente um balcão enorme.
Observo o homem retirar algumas embalagens da geladeira e por no microondas. Não demora muito para o mesmo tirar tudo e por em um prato, e colocar tudo em minha frente. Tira uma jarra de suco de laranja e coloca junto com o prato.
- Pode comer. - fala e deixa a cozinha me deixando sozinho.
Não demora muito para eu comer tudo, eu estava realmente com muita fome, agora sim eu poderia dormir em paz. Segui para o sofá novamente e me joguei no mesmo, senti uma dor enorme percorrer meu corpo, não me contive e soltei um gemido de dor alto. Me encolhi no sofá e agarrei meus joelhos contra o peito. Sinto alguém segurar meu pulso e me puxar para algum lugar, olho para a pessoa a minha frente e vejo que é o mesmo homem.
- Eu não consigo dormir com você fazendo barulho. - entramos em um quarto grande, muito espaçoso, a cama bem grande e bem ajeitada. O cômodo era realmente agradável. - pode dormir na cama, eu durmo no chão.
Ele colocou uma coberta bem grossa no chão e deitou em cima. Fiquei com pena, ele me deu a própria cama e foi dormir no chão.
- Ei, porque você não dormi aqui? - perguntei
- Não, o chão é realmente bom. - fez uma careta ao se virar de costas para mim. Sua cabeça estava machucada, isso iria ser injusto se eu deixasse ele dormir no chão enquanto eu dormia em sua cama. Levantei e fui até o mesmo, me abaixei e segurei sua mão o levantando, no começo ele não queria levantar, mais puxei o mesmo e ele se pois de pé. O puxei até a cama e o deitei, logo deitando ao seu lado.
- Como é seu nome? - ele estava de costas para mim, então se virou ficando um pouco próximo demais.
- Pode me chamar de Lay. - falou então eu sorri satisfeito.
- Pode me chamar de Suho. - falei e me enrolei nas cobertas. Quando finalmente parei quieto, encaro Lay que está me fitando.
- Oque foi? - perguntei assustado por seu olhar sobre mim.
- Nada. - ele limpa a garganta e se vira de costas novamente.
Eu estava exausto, então relaxei. Senti meus olhos pensar então acabei dormindo.

- NARRADORA ON -

O dia logo chegou, todos já estavam em seus afazeres, Suho conseguiu achar o caminho de casa. Na verdade Lay sabia onde ficava a cafeteria que ele trabalhava, então levou o mesmo para lá. Kyungsoo já estava no local e estava ajeitando algumas coisas para começar a receber as pessoas.
Baekhyun falou que iria se atrasar pois iria passar na casa de Chanyeol para falar com a mãe do outro.
Baekhyun estava indo em direção a casa do maior, chegou novamente em frente a casa e bateu. Chanyeol veio o atender.
- Sua mãe já chegou? - perguntou com um sorriso no rosto.
- Não, ela vai chegar daqui a 30min. - falou calmo.
- Eu posso entrar pra esperar? - falou calmo e viu o olhar de nervosismo do maior.
- Oh, entre. - Baekhyun sorriu e adentrou a casa.
Nada havia mudado muito no local, apenas a pintura e os móveis da casa que estavam do mesmo jeito. O cheiro de café que existia no cômodo fez a barriga de Baekhyun roncar de fome. O menor encolheu com as mãos na barriga e sorriu envergonhado para o Chanyeol.
- Você já tomou café da manhã? - perguntou sem mostrar reação.
- Não. Eu iria tomar assim que falasse com sua mãe. - respondeu fitando os pés.
- Vem. - chamou e o menor apenas o seguiu, sentou e Chanyeol começou a lhe servir um belo café da manhã.
Não demorou muito para que a mãe do maior voltasse, ficou surpresa ao ver Baekhyun, estava feliz pelo menor ter voltado para o país. Estava com saudades dos dias alegres que passaram juntos. Convidou o menor para sentar novamente a mesa, o mesmo concordou. Chanyeol estava sentado ao seu lado, a mãe do mesmo estava a frente dos dois. Joo ainda estava dormindo, ele não iria acordar tão cedo. Então começaram a por as conversas em dia.
- Então Baek, você está namorando? - perguntou a Sr.Park, o menor ficou surpreso pela pergunta. Chanyeol escutava atentamente enquanto bebia seu café.
- Não, não estou. - falou com um sorriso, então o maior relaxou.
- Quando você foi embora as coisas mudaram bastante, Chanyeol e Boram tiveram Joo Won, mais a mesma não aguento na hora do parto, e infelizmente morreu. - Baekhyun ficou boquiaberto, não estava acreditando naquilo.
- Sério? Deve ter sido difícil por todo esse tempo.
- Sim, foi bastante difícil. - Chanyeol falou fazendo Baekhyun o encarar.
Baekhyun queria o confortar de todo jeito, mais sábia que se passasse dos limites poderia causar problemas. Enquanto conversavam sobre várias coisas, o menor por um impulso apoiou uma das mãos nas coxas de Chanyeol, o maior estremeceu com seu toque. Baekhyun percebeu a reação do maior e se aproveitou da situação, começou a apertar suas coxas forte, subindo em direção ao seu membro. Chanyeol já estava com a respiração acelerada, então ficou rapidamente de pé.
- Omma, acho que o Joo já se acordou. - seguiu rapidamente para o quarto e fechou a porta.
Baekhyun sorriu satisfeito, então voltou a conversar com a Sr.Park. Já estava tarde e infelizmente ele já iria embora.
- Eu queria poder ficar mais um pouco, só que tenho trabalho. Eu posso ver o Joo Won? - perguntou sorridente
- Claro que sim. Fique a vontade. - a Sr.Park falou e foi em direção a cozinha.
Baekhyun seguiu para o quarto do garotinho, adentrou sem bater e viu Chanyeol ao lado da cama observando o mesmo dormir tranquilamente.
- Ele é lindo. - falou chamando a atenção de Chanyeol. O maior se pois de pé e limpou a garganta.
- Sim, ele é.
- Você também é lindo. - Baekhyun falou e viu Chanyeol se aproximar de si.
- Oque você está fazendo comigo Baekhyun? - perguntou e empurrou Baekhyun contra a parede.
Segurou seus pulsos e colocou um dos joelhos entre as penas de Baekhyun. O menor gemeu quando seu membro foi pressionado. Chanyeol começou uma trilha de beijos molhados no pescoço do mesmo. Mordeu e chupou forte o pescoço de Baekhyun. O mesmo gemia de prazer, tentava tocar Chanyeol mais era impossível, pois o maior estava segurando forte suas mãos.
- Channy, deixa eu te beijar e te tocar. - falou com a respiração acelerada.
- Não...- sorriu contra a pele do mesmo e voltou a dar vários chupões pelo pescoço do mesmo.
- Por…favor… eu preciso. - falou entre gemidos.
Chanyeol o encarou e começaram uma troca de olhares, quando seus lábios iam se aproximar uma voz ecoou pelo quarto.
- Appa, porque você faz tanto barulho?

   


Notas Finais


Entiooooooon foi isso gente.. Ate o próximo capitulo amo voces kkk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...