História Let Me Touch You - Capítulo 3


Escrita por: ~ e ~TheKiller_Queen

Postado
Categorias Kuroshitsuji, Shingeki no Kyojin (Attack on Titan)
Personagens Alois Trancy, Ciel Phantomhive, Claude Faustus, Condessa Rachel Durless-Phantomhive, Eren Jaeger, Grell Sutcliff, Hannah Annafellows, Joker, Levi Ackerman "Rivaille", Madame Red (Angelina Dalles), Ronald Knox, Sebastian Michaelis, Vincent Phantomhive, William T. Spears
Tags Ciel Phantomhive, Kuroshitsuji, Sebaciel, Sebastian Michaelis
Exibições 378
Palavras 3.620
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Shonen-Ai, Slash, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


FINALMENTE SAIU SAPORRAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA
AEW.
LERIGOU
BOA LEITURA SEUS DLÇS.
PRECISA DIZER QUE FOI A AYA Q POSTOU?
QUEM É LOUCA ASSIM?
A MYLA É UM ANJO
SERIAUM
EU PENSO SEMPRE: COMO ELA CONSEGUE ESCREVER LEMON?
MANO DO CÉU, ELA PARECE QE VEIO DO CÉU PRA ME EDUCAR -QQQQQQQQQQQ

Capítulo 3 - Acidente


“Sério, é divertido?! Não sei o que tem de tão divertido em fazer compras! Vocês são é estranho, isso sim!” Ciel nem olhou para o loiro, apenas continuou a jogar em seu celular, definidamente Shoppings eram o último lugar que gostaria de ir, era sempre barulhento e cheio de pessoas sem educação, além de que sempre tinha algum idiota que lhe esbarrava em nem pedia as devidas desculpas.  

“Por favor, Ciel! Caralho menino você não sai desse quarto por nada! Eu tô sendo legal e pedindo aqui ao invés de te arrastar. Eu preciso  de alguém pra me dar opiniões.” Alois cruzou os braços, ele não queria ir fazer compras sozinho, era chato e não poderia contar com a opinião de outra pessoa. “Por favor!” Implorou com uma cara falsamente triste, sabia que isso sempre funcionava.  

“E para quê você quer roupas novas? Não são suficientes as que já têm?” O jovem achava fútil comprar roupas além do necessário, Alois tinha tanta roupa que se duvidar daria para usar uma em cada dia do ano sem repetir peça alguma. 

O loiro coçou a nuca meio sem jeito, estava na hora deles terem essa conversa, até por que uma hora Ciel teria que saber “Se lembra da Sullivan? A morena que estuda na sala ao lado da nossa?” 

“Sei! O que tem ela?” Ciel desviou os olhos do celular e direcionou para o primo, agora sim o assunto começava a ficar interessante. 

“Nós vamos ao cinema amanhã, eu a convidei!” Alois ficou esperando por sua reação, sabia que Ciel não gostava de entrar em assunto sentimentais, como odiava ser tocado evitava qualquer conversa que envolvesse afetividade. 

O azulado refletiu ainda perplexo, via o receio misturado à euforia nos olhos azuis e o primo parecia verdadeiramente feliz. Deu-se conta então do quanto haviam crescido, o loiro já não era mais o menininho com quem brincava de carrinho e em que montava cabana de lençóis nas noites que dormia em sua casa, na teoria, pois na verdade era capaz que ficarem apenas brincando. Agora Alois era um adolescente apaixonado. 

Ele sabia que sua opinião era muito importante, por isso não queria dar uma de estraga prazer, Alois sempre esteve ao seu lado, ajudando e apoiando mesmo nos momentos em que não estava com razão, então era justo que em retribuição o apoia-se naquela nova etapa de sua vida e no fundo sentia-se feliz pelo loiro. E sentia uma pitadinha de inveja também. 

“Por que não me falou que estava gostando dela?” Ele observou o primo abaixar os olhos de um jeito desconfortável, não era preciso muito esforço para saber a resposta daquela pergunta  “Entendi. Não precisa responder. Mesmo assim fico muito feliz por você” Deu um sorriso sincero. 

O loiro levantou o olhar sentindo um grande alivio, era bom saber que apesar de tudo Ciel estaria do seu lado e que não precisaria evitar o assunto quando estivessem juntos, e também estava feliz por ter com quem confidenciar suas primeiras experiências “Obrigado, você não sabe o quanto fico feliz em saber disso”. 

“Agora vamos parar com esse drama que estamos parecendo duas meninas" Os dois riram, apesar do passado traumático Ciel sabia ser uma pessoa bem humorada e divertida “Já que é uma ocasião especial eu vou com você, mas se eu me sentir entediado juro que te faço assistir minha coletânea inteira de filme de terror” Ameaçou sabendo bem que o loiro odiava esse gênero “Ah agora que lembrei, não podemos demorar, o jantar dos meus pais é hoje!” 

“Obrigado, prometo que vai ser rápido. Agora vá vestir algo descente e penteie esse cabelo que tá parecendo um ninho de passarinho” Alois voltou com suas alfinetadas, tinha consciência do quanto o primo odiava ser criticado por seu modo desleixado de se vestir em casa. 

“Já disse que o modo como eu me visto não é de sua conta” O jovem o olhou torto, tava pensando em voltar atrás com a palavra sobre lhe fazer companhia “Você disfarçou bem, jamais desconfiei que você gostava da Sullivan”. 

“Confesso que eu tenho uma queda por morenas” O loiro admitio dando uma piscadela enquanto via o primo se arrumar, até que certa curiosidade rondou sua mente e não conseguiu conter a vontade de perguntar, mesmo sabendo que não devia “Ciel... Eu tenho uma pergunta a te fazer, sinta-se a vontade para não responder caso não queira”. 

“Ok, pergunte!” O azulado viu que o assunto seria sério ao ver como o outro tentava escolher as palavras certas. 

“E quando você se apaixonar por alguém... Como vai ser? Já que você não gosta que te toquem!” 

A pergunta foi certeira na ferida, Ciel já havia se questionado varias sobre isso, não queria passar a vida inteira sozinho e sabia que só havia uma solução para todos os seus problemas. Enfrenta-los. 

“Eu sinceramente não sei, mas eu tenho certeza que um dia estarei livre desse trauma e isso não passara de lembranças que ficarão enterradas no passado. Prometi a mim mesmo reverter essa situação e me esforçarei ao máximo para isso”. 

O loiro apenas deu um sorriso carinhoso, mesmo sabendo que seria difícil ele acreditava na determinação e ‘cura’ do amigo. 

Let me Touch You 

“Qual você prefere? A azul ou a roxa?” Alois mostrava dois modelos de camisa, a azul tinha gola canoa e a roxa gala V, ambas eram bonitas e tinham estampas autênticas. 

Desgostosamente Ciel levantou a cabeça que estava apoiada na mão, estava para morrer de tédio e já tinha perdido as contas de quantas lojas haviam visitado, resultando assim em várias sacolas de compras para carregar “Sei lá! Acho que a roxa combina mais com você!”. 

“Sério? Então vou levar as duas!” O loiro riu da cara do primo que revirou os olhos enquanto a moça que o atendia não cabia em si de felicidade “Acho que é só isso moça!” Entregou a pilha de roupa que havia escolhido. 

“Finalmente hein! Tava quase para criar raiz nesse sofá. Vai logo pagar isso que eu quero ir para casa!” O azulado se espreguiçou dando para ouvir o estralar de seus ossos, agora vinha novamente a parte torturante, andar pelo shopping e ter que enfrentar o amontoado de gente. 

Assim que saíram da loja Ciel fez questão de carregar a maioria das sacolas, pois assim não correria o risco das pessoas lhe esbarrarem e se isso acontecesse ele teria as sacolas ao seu redor para protegê-lo. Andava quase correndo em direção à saída, era como se estivesse correndo para a saída do inferno, porém estancou no meio do caminho tendo sua atenção roubada por um de seus pontos fracos, uma chamativa sorveteria. 

“Você quer sorvete Ciel? Não era você que estava com pressa de ir embora?” Alois apareceu as suas costas sussurrando que nem o demônio em sua orelha “Imagina só um sorvete de chocolate com bastante cobertura, cerejas e tudo mais que tem direto. Hummm!!! Posso até sentir o gosto na minha boca” Lambeu os lábios fechando os olhos para dar ênfase ao pensamento. 

“Acho que não tem problema parar para tomar um sorvete, mas só porque você quer muito!” O jovem disse indiferente sem dar o braço a torcer e entrou na sorveteria sem esperar pelo loiro. Aquilo era realmente o paraíso e se o céu fosse assim ele não se importaria nem um pouco de morrer naquele momento “Quero um sorvete chocolate com bastante calda e tudo que tiver para colocar em cima!”. 

“E eu quero um Romeu e Julieta!” O loiro pediu sentindo-se satisfeito pela felicidade do primo, era a primeiro que o via rir desde que saíram da mansão. 

Com os sorvetes em mãos sentaram numa mesa perto da vidraça, Ciel não sabia nem por começar a comer, o sorvete estava tão bem ornamentado e com várias guloseimas que dava até pena de comer. 

“Que horas vai ser o jantar!” Ao contrário da afobação do amigo, Alois comia calmamente. 

“Ás 20:00h se não me engano. Eu sinceramente não to com a mínima vontade de fazer sala, o que acha de jogar vídeo game quando terminar o jantar?”  

O loiro deu de ombros, também não tinha saco para ficar ouvindo os homens falarem de negócios e as mulheres tagarelarem sobre a vida dos outros, já bastava sua mãe lhe enchendo a paciência sobre a vizinha que estava traindo o marido com o profissional trainer “Quem são os convidados?” 

“Só a sua mãe e dois amigos do meu pai, um tal de Sebastian e o Claude!” Ciel terminou de tomar o sorvete e passou a língua pelos cantos dos lábios que estavam sujos de chocolate. 

“Claude? O seu psicólogo?” Perguntou curioso, toda vez que ouvia o primo falar do tal homem, sempre vinha a sua mente a imagem de um velhinho de bigode, com a cabeça calva e óculos de armação redonda. 

“Ciel?”  

Os dois viraram na direção que vinha a voz máscula e aveludada.  

“É realmente uma ótima surpresa te ver aqui” Claude se aproximou da mesa com um mínimo sorriso no rosto, ele realmente estava feliz por ver o paciente num lugar tão movimentado, aquilo com certeza era um grande avanço. 

“Olá Claude! Eu falei que eu iria tentar não foi” O Phantomhive limpou os lábios com um lenço, jamais diria ao moreno que o único motivo de estar ali era por pura pressão psicológica do amigo, se dependesse unicamente de sua vontade nunca teria colocado os pés naquele lugar “Claude esse é Alois, meu primo. Alois esse é Claude, meu psicólogo”. 

“É um prazer!” Os olhos dourados do psicólogo mal fitaram o loiro ao cumprimentar, alias nem em seu nome havia prestado atenção, seu único interesse ali era o paciente traumatizado “E então Ciel, como está sendo a volta no shopping? ...” 

Enquanto os dois mantinham um pequeno dialogo, Alois que se sentia um peixe fora d’agua não pôde deixar de prestar atenção no homem, este que por sinal tinha ‘presença’, era alto, claro, com cabelos negros num corte curto e repicado, pelo corpo esguio com certeza deveria malhar e os olhos eram de uma cor extraordinária, pelo menos a seu ver. 

Olhou para o sorvete que derretia, com certeza era um homem muito bonito e cheiroso também, apesar da fragrância masculina ser suave, o cheiro era bastante agradável. Balançou malmente a cabeça, era estranho está tendo esses pensamentos em relação ao mesmo sexo, nunca antes havia prestado tanta atenção em homens e isso era meio assustador, principalmente por já ter um encontro marcado com uma bela garota, alias agora lembrando, Sullivan também era morena, mas seus olhos não eram tão belos quanto os do psicólogo. 

“Você vai ao jantar hoje?” Ciel perguntou ao mais velho sem perceber o quanto a sua pergunta despertou a curiosidade de certa pessoa na mesa. 

“Com certeza eu irei” Dando um pequeno sorriso diabólico, Claude sabia que o azulado iria evitar socializar com os convidados, por isso fazia questão de ir para lhe punir com o olhar toda vez que ele ameaçasse sair dos eixos “Estou ansioso para ver mais do seu avanço. Tenho certeza que essa noite você vai se empenhar bastante, não é mesmo?”. 

“Ah claro, certamente eu irei me esforçar” Deu um sorriso amarelo e olhou para o loiro pedindo no olhar que o socorre-se, mas para sua infelicidade Alois por algum motivo estava no mundo da lua “Vamos Alois ou iremos nos atrasar!” 

“Atrasar? Pra onde?” O loiro franziu o cenho e logo depois arregalou os olhos vendo Ciel praticamente voar em seu pescoço, se tocando que aquela era apenas uma desculpa para irem embora. 

Claude abafou o riso olhando pela primeira vez nos olhos do loiro e se surpreendendo com o azul cristalino que ficava ainda mais destacado pelos cílios longos e fartos “Vou fingir que você não está dando uma desculpa esfarrapada para me despachar e vou me retirar por livre e espontânea vontade. Até a noite Ciel!”. 

Alois ficou observando o psicólogo se afastar, sentindo-se ressentido por ter sido ignorado na hora da despedida, afinal, Ciel não era o único a está na mesa, parecia que até uma ameba tinha mais importância do que ele. Quando virou para frente se deparou com o olhar furioso do amigo, ele realmente parecia injuriado. 

“O que diabos deu em você Alois?” 

S&C 

Já eram 20:15 da noite que por sinal tinha um clima agradável, em um dos sofás da enorme sala estavam a senhora Trancy e Rachel numa animada conversa sobre um SPA que havia inaugurado a pouco tempo. Vincent se mantinha perto da janela de vidro enquanto resolvia por telefone algum problema da empresa e em outro assento os dois adolescentes estavam para criar mofo de tão entediados. 

Ciel agradecia aos céus por ter Alois como companhia, mesmo que não estivesse conversando era bom saber que não partilhava daquele martírio sozinho, poderia até ser um pensamento egoísta de sua parte, mas afinal é para isso que servem os amigos, para partilharem os bons e maus momentos. 

A campainha tocou e viram Tanaka atravessar o salão para atender, minutos depois um homem alto e muito bem vestido apareceu acompanhado da namorada. 

“Sebastian!!! Já estava na hora, pensei até que não viria!” Vincent encerrou a chamada apenas para dar um esculacho no amigo. 

“Parece de ser rabugento, são só quinze minutos de atraso e nem Claude não chegou ainda!” O moreno bufou, já não bastava ter esperado por mais de uma hora Hannah terminar de se arrumar ainda tinha que levar bronca ao chegar na casa do Phantomhive “Olá Rachel, Alicia!” 

As duas mulher levantaram para cumprimentar adequadamente os recém chegados.  

“Boa noite Sebastian. Hannah querida que prazer em revê-la!” Rachel cumprimentou educadamente, sentindo-se extremamente diminuída perto da mulher de pele amorenada, todas aquelas curvas e seios fartos chegavam a humilhar sua autoestima. 

Hannah as cumprimentou com um sorriso falso, não suportava jantares familiares e mesmo que Michaelis não fosse da família era considerado quase que um irmão pelo amigo empresário. Como o motivo de jantar era uma comemoração familiar - os 20 anos de casado do casal - isso a deixava profundamente irritada e se remoendo de inveja, já fazia algum tempo que tentava arrastar o namorado para cima do altar, mas até agora nem um pedido de noivado havia conseguido. 

“Meninos não sejam mal educados, venham cumprimentar os convidados!” O Phantomhive chamou os dois que até agora estavam entretidos em seu dialogo sobre o novo jogo que os esperava no quarto do azulado. 

“Boa noite!” Falaram um após o outro e apesar de tentarem ser educados, era visível que tinham um sorriso forçado e que não viam a hora de sair dali. 

“É impressionante como você cresceu Ciel!” Sebastian comentou admirado, por mais que não tivessem lhe falado o nome dos jovens, era impossível não adivinhar quais dos dois era o filho de Vincent, Ciel era simplesmente o clone do pai, diferenciando apenas os belos olhos azuis dos amendoados. 

O azulado ficou sem saber o que responder, não se lembrava de já ter conversado com aquele homem, só sabia que era o tal Sebastian, amigo de infância do pai, porque o genitor havia falado seu nome ao lhe dar a bronca quando chegou. Percebeu que todos o olhavam, como se esperassem por alguma resposta apenas para cumprir as regras de etiqueta, mas sua mente deu um branco e não sabia o que responder ao homem estranho. 

A campainha tocou novamente fazendo com que a atenção fosse desviada do azulado, o que para ele foi um grande alivio. Tanaka novamente atendeu e dessa vez era o ultimo convidado que faltava, Claude. 

“Ora finalmente!” Vincent mais uma vez tomou a frente da situação, já estava impaciente com tanta espera e seu estômago parecia ter um buraco de tanta fome, a única refeição que havia feito durante o dia inteiro foi o café da manhã “Acho que já chega de formalidades, vamos direto para a sala de jantar!”. 

Let me Touch You 

“Ei Alois, o que acha da gente sair de fininho e ir para o meu quarto jogar vídeo game” Sussurrou no ouvido do loiro, novamente estavam naquele mesmo sofá enquanto os adultos estavam bastante entretidos com seus copos de Whisky e taças de champanhe. 

O único momento bom naquela noite foi a comida que estava deliciosa e o brinde em comemoração ao aniversario do casal, fora isso Ciel estava achando aquele encontro maçante e não via a hora dos convidados irem embora, mas como um bom filho que era dava seus sorrisos forçados apenas para não estragar a felicidade dos pais. 

“Não sei se você percebeu, mas acho que Claude está te vigiando, ele não para de olhar para cá!” O loiro também sussurrou, para quem os observava pareciam dois capetinhas mancomunando um plano maquiavélico. 

Ciel olhou para o psicólogo que conversava com seu pai e Sebastian e algo lhe chamou atenção, se perguntou se o moreno empresário usava lentes de contato ou seus olhos eram realmente vermelhos. Franziu o cenho tentando focar melhor os olhos do moreno, com certeza deveria ser lentes e achou interessante a escolha daquela cor, era diferente e o fazia parecer uma pessoa maligna, mas sem dúvida havia combinado perfeitamente com ele.  

Seus olhos se encontraram com os carmesins sendo pego no flagra pelo moreno que lhe deu um sorriso de canto, sentiu as bochechas esquentarem pelo olhar penetrante que estava recebendo e um calafrio lhe percorrer a espinha. Sem retribuir o sorriso desviou o olhar, mas infelizmente encontrou com os amarelo de Claude que também lhe encarava atentamente, se sentiu incomodado por ter os olhos de Claude em cima de si, porém, apenas tentou ignorar isso. 

“Que saco, agora entendo porque ele parecia tão interessado em vim! Estou até vendo a amolação que vai ser a próxima consulta” Deu um enorme bocejo chamando a atenção de todos na sala, isso o fez corar por mais uma vez ter a atenções de Sebastian para si. 

“Já está com sono mon Cher?” Vincent perguntou como se estivesse falando com uma criança de cinco anos e de fato para ele era, Ciel sempre seria seu bebezinho.  

“Tadinho Vincent, olha que horas são! Já é hora de criança está dormindo!” Sebastian deu um sorriso malicioso, daqueles que só ele sabia dar e achou engraçado o olhar furioso e envergonhado que o jovem lhe deu. 

“Hump! Aqui não há nenhuma criança!” O jovem Phantomhive dirigiu unicamente seu comentário ao moreno, acompanhado de um olhar frio para mostrar seu antipatia “Se não se importarem eu irei me retirar, tia Alicia, o Alois pode dormir aqui hoje?”. 

“Apesar dele não está merecendo...” A loira olhou serpentina para o filho, ainda não havia engolido o fato dele ter estourado o limites do cartão de credito em roupas “Dessa vez eu vou deixar!” 

“Obrigado!” Deu um sorriso radiante para a Trancy, seus planos envolvendo o primo incluíam desde a se empanturrar de doces à virar a madrugada no jogando “Pai... Mãe... desejo boa viagem a vocês!” Deixou que os pais dessem um beijo no topo de sua cabeça, desejou mais uma vez boa noites a todos dirigindo um olhar azedo ao se despedir de Sebastian e em troca recebeu outro sorriso irritante. 

Let me Touch You 

“Tem certeza que não está esquecendo nada?” Rachel perguntava pela milésima vez ao marido, os primeiros raios de sol começavam a aparecer no horizonte quando saíram pela porta da mansão. Preferia sair antes do filho acordar, pois se o visse não teria coragem de viajar e deixa-lo sozinho com Tanaka. 

O moreno bufou, já havia revistado a mala três vezes e nessas três vezes mais coisas foram acrescentadas, parecia até que estavam se mudando para o resto da vida “Vamos logo antes que você resolva levar a casa junto com a bagagem”. 

Tanaka já os esperava com a porta do carro aberta, entraram e esta foi fechada pelo mordomo que logo ocupou o lugar do motorista. O carro se dirigiu para o portão da mansão e por instinto os dois olharam pelo vidro traseiro, aos poucos o lar ia ficando para trás e o coração de ambos começava a apertar, era difícil depois de tantos anos se distanciarem do filho, mesmo que fosse apenas por poucos dias. 

“Você acha que ele vai ficar bem?” A mulher estava quase chorando, mal haviam saído da propriedade e já estava morrendo de saudade do filho. 

“É claro que ele vai ficar bem... pode até não parecer, mais Ciel é um menino forte e mesmo assim Tanaka irá cuidar dele” Ele tentou confortar a mulher, mas suas palavras não eram capaz de acalmar nem seu próprio coração. Arrependia-se terrivelmente por não ter passado no quarto do filho para lhe dar um beijo, mas se fizesse isso iria acabar desistindo da viajem ou no mínimo inventaria de leva-lo junto. 

Logo a mansão não podia ser mais vista, talvez por ser cedo e final de semana a rua estava deserta, não havia um carro sequer fazendo o mesmo trajeto. Mais a frente abriu o sinal verde no semáforo, Tanaka acelerou um pouco para pegá-lo ainda aberto e conseguiu, porém ao passar no cruzamento uma forte buzina foi ouvida acompanhada pela claridade de dois faróis. Uma carreta havia avançado o sinal. 

Tudo aconteceu muito rápido, um forte impacto foi sentido e o carro capotou algumas vezes antes de parar com o teto sobre o asfalto. Vincent abriu os olhos lentamente e com muita dificuldade, sentia uma dor terrível por todo o corpo e algo quente escorrer por sua face, sua vista começou a ficar vermelha e percebeu ser seu sangue embaçando a visão. 

Olhou para o lado, a esposa tinha algumas fraturas expostas e mantinha os olhos fechados, também saia sangue de sua boca “Rachel... Querida, por favor, acorde... Não me deixe... Por favor!”.


Notas Finais


Gente, tenho uma pergunta: Vocês acham muito ruim colocar palavrão na fic? tipo, o Ciel falar?
Minha opinião: Eu acho que manteria os diálogos mais naturais. Porém, iremos moderar porque em partes não ficaria muito legal, né?. E a de vocês?
----------------------------------------------------------------------------------

Vou deixar umas fics minhas <3
a-diferenca-entre-amar-e-gostar-6759476 - Diferença Entre Amar e Gostar - #1
https://spiritfanfics.com/historia/ciume-6768120 - Ciúme #2
https://spiritfanfics.com/historia/chocolate-6769901 - Chocolate #3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...