História Let The Blood Run - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bottom!taehyung, Flex, Jkkiller, Killer, Taekook, Top!jeongguk, Top!jungkook, Vkook, Yoonseok
Visualizações 332
Palavras 3.550
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Lemon, Luta, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi gente, peço desculpas pela demora excessiva e agradeço do fundo do coração todos os comentários amorosos de vocês sobre o aviso passado, vou responder todos agora mesmo ❤️
Bom, eu não passei esse tempo todo fora apenas por causa do que aconteceu apesar de eu ter ficado um pouco traumatizada e achar que vou perder alguém de novo a qualquer momento, mas eu estive também super ocupada com as coisas da faculdade e praticamente sugou minha vida como sempre 😒
Então... Aqui estou e espero que gostem do capítulo.
Vamos lá então, deixe o sangue correr !
Nome do capítulo: Flores brancas

Capítulo 12 - White flowers


- De novo Taehyung, vamos ! – escutei o incentivo raivoso de Hoseok enquanto focava nos ataques contra o próprio, estes que praticamente não surtiam efeito algum contra meu treinador que parecia sempre saber exatamente qual seria meu próximo movimento.

- Se você não conseguir me acertar pelo menos uma vez, vou tomar seu celular por uma semana – ele ameaçou e mesmo tentando me concentrar a sentença acabou por me fazer rir.

- Tá bom papai – ri zombeteiro e quase perdi a cabeça por isso. A lâmina do facão que o de cabelos alaranjados usava contra mim passou zunindo contra meu rosto quando dei um passo rápido para trás.

- Isso, eu sou seu pai, mas não vai ser tão fácil me matar como foi com ele – ele provocou e meu sorriso se desfez na mesma hora.

- Você sabe por quantos anos eu tive que aturar aquele bêbado ridículo ? – proferi contra ele rodando as machadinhas bem perto de seu braço direito.

- Isso não importa. Não importa se foi burro o suficiente para não fazer o que fez antes, mas tem que admitir, matá-lo foi fácil, mas pode acreditar, na arena não vai ser nem perto disso. Então ou você dá a porra do seu melhor pra tentar me matar ou eles vão fazer isso com você antes mesmo de ter a chance de pisar na arena.

Escutei cada uma de suas palavras em silêncio sentindo minha pulsação ficar cada vez mais forte e rápida me fazendo escutar as batidas de meu coração martelando contra meus ouvidos.

Ele não fazia ideia do que eu passei nas mãos daquele homem, ele não faz ideia do quanto eu apanhei fisicamente e psicologicamente nos anos depois que minha mãe se foi e ainda ser culpado por isso.

Ninguém sabia, só eu.

Eu sei que demorei para dar um basta naquela vida de merda que eu levava, mas eu dei. Eu o matei e nada me deixou mais feliz que aquilo, sentir sua vida se esvair enquanto a minha rastejava de volta para mim. Nada me dava satisfação maior do que acordar e saber que neste mundo aquele ser não vive mais. E se eu fiz aquilo com ele... Agora eu sou capaz de fazer com qualquer um.

Rosnei com raiva antes de rodar as lâminas com velocidade avançando as duas contra ele. Seu facão desviou as duas e seu corpo girou na intenção de me derrubar pela lateral, mas eu estava preparado para aquilo e antes que ele pudesse investir, virei rapidamente trazendo junto com meu braço esquerdo o machado que segurava firmemente. A lâmina passou apenas alguns centímetros distantes e eu percebi como Hoseok hyung ficou surpreso com aquilo, pois o modo que ele desviou do ataque não passou toda a segurança que ele vinha ostentando desde que começamos a lutar.

- Muito bom loirinho, mas ainda não é o suficiente. Anda Taehyung ! ME MATA ! – ele gritou e eu gritei junto buscando forças para não parar de investir.

Meus movimentos se tornaram automáticos, dominados por aquela fúria que eu aprendi de certo modo a controlar compreendendo que eu não deveria reprimi-la, mas simplesmente direcioná-la para meu benefício, para que me fizesse ganhar qualquer luta, de qualquer um...

Meus braços doíam, o suor escorria pelo meu rosto ardendo quando encontrava meus olhos atentos, mas eu não conseguia parar, não podia parar, não enquanto não alcançasse meu objetivo.

Minhas pernas fraquejaram quando Hoseok me acertou um chute na lateral do joelho direto e senti que ali seria o fim da luta para mim se não fizesse algo antes que ele apontasse sua faca diretamente para o meu pescoço e me rendesse, então mesmo sentindo a dor do golpe recente, girei num impulso sobre os joelhos e encaixei a parte de trás do machão que segurava com a mão esquerda atrás de seu joelho direito puxando com toda a força para mim enquanto ao mesmo tempo me inclinava sobre seu corpo que desequilibrou e caiu contra o tatame e apontava a lâmina na altura de sua traqueia.

Sorri satisfeito ainda que a respiração forte não me permitisse falar nada.

Hoseok me encarou incialmente surpreso, mas logo tratou de abrir um sorriso tão largo quanto o meu rindo abertamente.

- Muito bem garoto ! Eu teria morrido, mas ainda assim levaria você comigo – ele desviou o olhar para meu abdômen que estava parcialmente deitado sobre seu corpo e eu acompanhei o olhar avistando a lâmina pressionar minha barriga levemente. Levantei o olhar novamente sentindo a satisfação de minha “vitória” se esvair um pouco.

- Não se preocupe – o mais velho disse se remexendo para sair de baixo de mim e eu me afastei para que ele o fizesse – Ninguém teria feito o que eu fiz, você com certeza iria ganhar se fosse uma luta pra valer com qualquer outro – ele disse ainda sorrindo e esticou a mão para me ajudar a levantar a qual aceitei de bom grado com um sorriso pequeno ainda assim insatisfeito por tão ter sido totalmente eficiente. Não adiantaria de nada vencer a luta se acabaria morrendo também em seguida.

- É, esse foi seu último treino aqui antes da competição pirralho, pode se considerar formado – ri balançando a cabeça em negativa diante a sua animação palpável.

- Você poderia ter me matado se quisesse hyung, então não me sinto formado – falei apanhando minhas duas armas largadas no tatame preto.

- Eu lutei pra valer com você Taehyung, não ache que deixei você ganhar e sim eu poderia ter te matado, mas eu tenho anos de experiência e treinamento a mais do que você que teve apenas alguns meses pra aprender tudo do zero e ainda assim tive que me esforçar pra encaixar essa lâmina em você sem tirar o fato de que eu morreria também se fosse uma luta pra valer. Então pare de se desmerecer, ninguém naquela arena é melhor do que eu, modéstia a parte, e se você lutou assim contra mim pode derrotar qualquer um naquela bagaça – eu ri do modo que ele falou, mas não podia negar que suas palavras inflaram meu ego. Eu definitivamente só ficava convencido quando a adrenalina me tomava de vez, coisa que eu tinha que dar um jeito de mudar. Se eu não confiar em mim o tempo todo, vou acabar vacilando em algum momento e cair estirado no chão matando Jeongguk de vergonha.

Isso não pode acontecer em hipótese alguma. Eu preciso ganhar.

- Obrigada hyung, pelo treinamento e tudo mais – disse sincero e ele abanou a mão no ar fazendo cara de tédio o que me fez rir novamente.

Já estava quase me despedindo de Hoseok depois de ajudá-lo a arrumar tudo quando ouvi a voz contida vir da porta de entrada:

- Taehyung, posso falar com você ?

- Jin hyung ? Claro que sim, vou só pegar minhas coisas e podemos ir até o jardim – respondi amigável e feliz por ser meu hyung mais velho ali depois de alguns dias sem vê-lo, já que o mesmo passou um tempo fora resolvendo algumas coisas para o Sr. Jeon como o braço direito de alguém tão poderoso deveria fazer.

Depois de colocar tudo em seu devido lugar, apanhei minha bolsa aonde guardei as machadinhas e caminhei até o mais alto me despedindo de Hoseok hyung.

Caminhamos conversando sobre coisas banais enquanto passávamos pelos imensos corredores cheios das portas já tão conhecidas até que finalmente chegamos à uma das saídas laterais da mansão que dava de frente para o jardim.

- E então hyung, aconteceu alguma coisa ? – perguntei indo direto ao assunto assim que nos sentamos num dos banquinhos de cimento que ornamentavam o imenso espaço bem cuidado.

- Na verdade, é sobre algo que faz tempo que está acontecendo – ele confessou cruzando as pernas com toda a sua elegância transparecendo em cada movimento.

- Como assim ? – questionei confuso.

- O que está acontecendo entre você e o Jeongguk, Taehyung ? – ele perguntou de uma vez e eu arregalei levemente os olhos surpreso com a pergunta. Eu definitivamente não esperava por aquilo.

- Hã... nós, Bem, nós meio que... – comecei a responder tentando não ser tão direto.

- Vocês transaram ? – bastante discreto esse hyung.

- Não, mas já fizemos outras coisas.

- Que outras coisas Taehyung ? Preciso que seja específico – ele insistiu.

- Aish, nós já nos masturbamos, eu já chupei ele e só – falei exasperado ignorando de vez o quão pessoal aquilo realmente era.

- Hm.. Só isso ?

- Só isso. Sem beijos, nem transa – disse me recostando no banco assim como ele.

- Hmm... Com a transa você até pode ter esperanças de ter no máximo umas três vezes, mas beijos... Não recomendo que espere por isso – ele falou quase que pensativo.

- O que ? Como assim ? – sacudi a cabeça sem entender.

- Bom, a essa altura do campeonato você com certeza já deve saber da fama do Jeongguk com os outros garotos que já passaram por aqui e principalmente com o Jimin – nem preciso dizer que já fiquei com raiva notando o rumo que aquela conversa estava tomando – Jeongguk é alguém bastante... peculiar. Ele não se interessa fácil por alguém e todas as pessoas com quem dorme tratam-se apenas de uma satisfação completamente carnal, por isso os casos em que ele se envolveu que nós acabamos sabendo são todos de uma só noite. Jeongguk odeia contato físico e definitivamente não quer ninguém atrás de si pedindo por mais, é por isso que quando ele acabou repetindo a dose com Jimin o mesmo achou que por causa disso o Jeongguk queria algo com ele – ele suspirou balançando a cabeça levemente enquanto eu escutava tudo com máxima atenção.

- Jeongguk nunca quer nada com ninguém Taehyung. Ele não gosta de ninguém e suporta poucas pessoas, por isso depois que aconteceu o que aconteceu com Jimin, eu fiquei um tanto quanto... surpreso com o vinculo que ele criou com você.

- Vínculo ?

- É. Eu sei que ele ia assistir seus treinos sozinho de madrugada, eu sei que ele até te ajudou a treinar algumas vezes, sei que ele te levou até a casa de campo e matou um cara na sua frente e agora sei desse envolvimento mais íntimo entre vocês – ele disse olhando diretamente em meus olhos.

- E o que tem de tão surpreendente nisso ? – perguntei confuso – Afinal, ele realmente já se envolveu com muita gente.

- Sim, mas nunca como está fazendo com você – franzi ainda mais o cenho – É como eu disse Taehyung, Jeongguk não quer se envolver além o necessário com ninguém por isso mesmo ele simplesmente transava com a pessoa e ia embora sem dirigir uma palavra sequer antes ou depois do ato e eu acredito que seja exatamente por esse motivo de ele não querer se envolver além do sexo que ele não beija ninguém. É algo íntimo demais para alguém como ele. Ele não precisa se aproximar das pessoas com quem quer dormir, não precisa agradar nenhuma delas...

- Mas hyung, ele é meu tutor, eu vou representá-lo no torneio com todo mundo sabendo que foi ele quem me recrutou e treinou do zero, talvez ele esteja fazendo isso apenas para ter certeza de que eu vou ser bom o suficiente para ganhar a competição e não matá-lo e vergonha no meio de toda aquela gente importante. De onde você tirou que ele faz coisas pra me agradar ? – cruzei os braços contra o peito.

- Talvez fosse apenas isso no começo Taehyung, mas eu conheço o Jeongguk. Esse não é padrão dele e acredite em mim, Jeongguk nunca saiu tanto do padrão assim. E quem você acha que paga por toda a comida japonesa que você tanto gosta ou os jogos recém lançados ? O pai dele é que não é. Jeongguk me cobra diariamente tudo que você precisa para se sentir bem – arregalei os olhos mediante aquela sentença. Jin hyung sabia demais e estava jogando informação demais em cima de mim assim de uma vez.

Como assim ele se importava tanto assim comigo ? Tudo bem que eu tinha conhecimento de que com certeza alguém ali pagava pelas minhas despesas e não fiquei tão surpreso em saber que o dinheiro vinha dele, afinal tecnicamente ele era meu responsável ali dentro, mas não pude evitar ficar surpreso em saber que ele se importava com o que estava pagando pra mim e se tudo estava ali para me agradar.

- Ele faz mesmo isso ? – perguntei apenas para confirmar o que eu estava tendo certa dificuldade de assimilar.

- Sim. Faz apenas alguns meses desde que peguei o notebook ligado em cima da mesa dele e como ele não estava lá, tive a liberdade de ver o que estava exibido. Ele estava escolhendo um jogo novo pra comprar pra você, um tal de Overwatch – sorri feito idiota tentando de alguma forma imaginar aquele assassino impassível e frio concentrado na tela do computador escolhendo um jogo pra mim.

- Não dá pra acreditar nisso – murmurei ainda carregando um leve sorriso enquanto balançava a cabeça em negação.

- Pois acredite, fiquei ainda mais surpreso do que você. Por que acha que eu o chamei até aqui ? Eu quero entender o que está se passando na cabeça daquele garoto – o mais velho confessou e eu desviei o olhar o passando pelo jardim ainda incrédulo demais – Eu conheço desde que nasceu, conheço cada detalhe da vida dele e sei quando algo está fora do normal e você com certeza não está sendo um fator comum como ele faz parecer que é.

Apertei as unhas contra as palmas das mãos e de repente meu olhar parou em algo no jardim. As flores brancas fechadas poderiam passar despercebidas por qualquer um mediante as cores vibrantes e mais chamativas que embelezavam o local, mas não por mim.

- Jin hyung, já que você o conhece tão bem assim, acho que pode me responder uma coisa – comecei um pouco inseguro, mas deixando a curiosidade falar mais alto – Qual a ligação do Jeongguk com aquele arbusto ? – apontei para aonde minha visão estava presa e o mais velho ficou calado assim que seguiu o olhar para onde eu indicava.

Esperei por mais alguns segundos pela resposta, mas a mesma não veio então acabei por virar o corpo e encarar o homem sério olhando ainda mais fixamente a planta que eu antes observava.

- Por que quer saber ? – ele perguntou com a voz calma ainda sem olhar para qualquer lugar que não fosse o aglomerado verde com rosas brancas fechadas.

- Eu sempre acordo de madrugada e fico olhando pela varanda pra ver se ele vai aparecer. Ele não vem todos os dias, mas ainda assim fico esperando a figura vestida de preto atravessar o jardim com uma maleta em mãos. Então ele se agacha, veste as luvas azuis de sempre e começa a cuidar da planta. Depois ele levanta, fica olhando por alguns minutos apenas parado em silêncio e em seguida vai embora – acabo por sorrir fraco lembrando de cada passo seu como se o visse ali exercendo-os nesse exato momento – Ele cuida daquele arbusto com tanto cuidado, observa as flores abrirem em pura contemplação. Nunca o vi olhar daquele jeito para qualquer outra coisa ou qualquer outro alguém...

Ouvi o mais velho suspirar e engolir antes de se pronunciar novamente.

- Eu não sei se deveria estar te contando isso Taehyung, por isso só vou contar o que cabe a mim contar, o resto é pessoal demais até mesmo para mim – concordei com a cabeça num pedido mudo para que ele desse continuidade.

- Assim como você Taehyung, Jeongguk também perdeu a mãe, mas não foi por nenhuma doença ou outras causas naturais, pessoas envolvidas com negócios tão perigosos não possuem esse privilégio. Ela foi perseguida junto com Jeongguk, foi caçada pelos inimigos do marido enquanto este disputava uma guerra pelo monopólio dos negócios de venda de armas aqui na capital. Ele só tinha 8 anos, você consegue imaginar uma criança de oito anos no meio disso tudo ? No meio de todo esse massacre ? – ele forçou a garganta e eu podia sentir sua revolta palpável.

- Eles não tinham nada a ver com isso. Absolutamente nada, mas ninguém do lado inimigo ia ficar parado vendo o herdeiro dos Jeon sair livre daquilo tudo. E não ficaram – ele respirou forte mais uma vez – Eu deveria estar no carro com eles, deveria estar protegendo-os quando o carro capotou na estrada e Soojang impediu que Jeongguk morresse devido ao impacto com o próprio corpo – engoli em seco – Conseguimos salvar Jeongguk e ele não lembrava de absolutamente nada do acidente, apenas sabia que a mãe tinha morrido para protegê-lo dos inimigos de seu pai e não lidou muito bem com isso.

- Ela foi definitivamente a única pessoa a quem ele um dia proferiu um “Eu te amo” e desde então ele é como é. Intensificou seu treino obrigatório ainda mais e se tornou um assassino o qual seu pai tem orgulho mesmo que não tenha feito isso por ele. Ele se fechou para si e para mundo e aquele arbusto ali é a única coisa que não o deixa esquecer que um dia já amou alguém – encarei novamente a planta que balançava contra o vento – Aquelas eram as flores preferidas de sua mãe e ele cuida daquele pedaço de terra com todo o resto de sentimento que seu coração permite sentir para garantir que os botões brancos se abram não deixando com que ele se esqueça da mulher que o ensinou a admirar e cuidar daquelas flores. As luvas azuis eram dela.

No final de tudo eu apenas permaneci ali parado em silêncio tentando visualizar Jeongguk quando criança e sua mãe logo ao seu lado sorrindo para si enquanto o mostrava o jeito certo de cuidar de cada raminho.

- Ele é tão forte não é ? – perguntei retoricamente esticando o corpo mais para trás observando melhor o céu – Eu quase não aguentei quando perdi minha mãe para aquela doença infernal e agora descubro que ele perdeu a dele de uma forma tão pior quanto e ainda conseguiu ser quem é enquanto eu era fraco o suficiente para aguentar os abusos do meu pai por tanto tempo. Ele é tão imponente e talentoso, ele me fascina simplesmente por andar daquela forma como se qualquer um estivesse sobre o seu comando.

Fiquei em silêncio por mais alguns instantes olhando as nuvens brancas esboçarem formas sobre o azul claro daquela manhã enquanto esperava o hyung se pronunciar e quando o fez, mais uma vez disse o que eu não esperava ouvir :

- Você percebe o quão obcecado por ele você está não é ? – virei o rosto para encarar o seu que se encontrava impassível – Você faz tudo do jeito que ele quer que você faça, é a voz dele que você obedece quando surta, é por ele que você vai arriscar sua vida naquela competição, eu sei que é – um sorriso fraco adornou sua face séria – Eu sei que não veio até aqui para provar nada para ninguém e talvez até mesmo quisesse fazer por você mesmo no início, mas o que realmente te fez chegar até aqui foi ele. Você quer ficar perto dele, você precisa que ele te diga o que fazer, quais decisões tomar. Você se tornou completamente dependente dele – cada palavra proferida parecia ser acolhida por meus ouvidos me trazendo a compreensão que eu busquei por meses para explicar meus pensamentos, meus sentimentos.

- É mais que isso Jin hyung – finalmente pude dizer – Eu não sou só obcecado por ele, não sei explicar exatamente o que é, mas com certeza não é só isso. Eu só... eu preciso dele. Passei tanto tempo sem rumo, sem propósito e de repente ele chega com um pra me dar. Ele me fez ser quem eu sou agora, ser quem eu tinha medo de ser. Jeon Jeongguk me libertou da minha parte fraca, ele desperta o meu melhor lado e é por isso que preciso ficar perto dele. Não importa o que eu tenha que fazer pra continuar aqui, eu só preciso saber que vou estar ao lado dele no final de tudo e então faço o que eu precisar fazer – respondi impassível deixando as palavras jorrarem com toda a minha certeza.

- Você está ficando cada vez mais parecido com ele sabia ? Acho que era o que ele queria desde o início, alguém tão bom quanto ele mesmo e alguém que entendesse o que ele realmente quer, só assim ele poderia confiar em você para vencer a Aequum – ele sorriu mais uma vez – Você tem consciência de que ele pode te mandar embora a qualquer momento não é ? Você sabe que pode não ter mais nada além de uma noite pelo resto dos seus dias como todos os outros não sabe ? – concordei com a cabeça tentando me convencer de que estaria preparado caso aquilo acontecesse, mas sabia que não estava nem perto disso. Não podia ficar sem ele.

– Então eu acho que precisa saber de mais uma coisa também – ele continuou mesmo depois de eu achar que tinha dado a conversa por encerrada - Talvez você não seja o único obcecado dessa história.


Notas Finais


Bom, esse capítulo foi mais pra esclarecer o que se passa na cabeça do Tae com a opinião de fora do Jin e saber pelo menos superficialmente a história pessoal do JK começando pelo nosso tão misterioso arbusto com flores brancas.
Então espero que não tenho sido tão chato e que tenha gostado ❤️
Amo muito casa um de vcs, me estalkeem e dêem uma olhada nas minha outras fica se quiserem 😊
Bjsss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...