História Let's go to California! - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Meninas Super Poderosas (The Powerpuff Girls)
Personagens Docinho, Durão, Ele, Explosão, Florzinha, Fortão, Lindinha, Princesa MaisGrana
Tags Bad Girls, Blossom, Boomer, Brick, Bubbles, Butch, Buttercup, Califórnia
Exibições 202
Palavras 3.868
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Ecchi, Escolar, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oeee
Gente, 6 num sabe a novidade....Ontem foi um ano de let's go to Califórnia UHHUUUU.
tá, grande merda, masss como eu sou uma delicia de pessoa, ou não, fiz esse capitulo maravilhoso, ou não.
Porque quem faz aniversário é a fanfic mas quem ganha o presente é você!!!!!! Tá parei
Espero que gostem, até lá em baixo ^^

Capítulo 20 - Let's go back to Califórnia


P.O.V Boomer

Eu definitivamente odeio praia, tudo bem que eu moro em Califórnia, mas desde o dia em que eu levei uma bolada na cara que quase quebrou meu nariz, eu criei um tipo de trauma contra as praias, e é tudo culpa da Buttercup.

Resumindo a historia, nós resolvemos aproveitar as férias, já que todos nós passamos de ano e finalmente não preciso mais entrar numa escola de novo, e fomos para a praia num dia aleatório, foi horrível, entrou pra lista dos piores dias da minha vida. Começando quando eu perdi minha camisa, e depois quando o meu sorvete caiu na areia, depois derramaram refrigerante em mim, e pra terminar entrou agua salgada no meu olho, isso foi o cumulo, depois disso eu resolvi parar de tentar me divertir e fiquei sentado em baixo do guarda sol todo gótico escutando as risadas de felicidade das pessoas ao meu redor, e de feliz aquele dia não teve nada.

Eu sei que é besteira, e que cada um tem um dia ruim, mas esse foi horrível, repetindo ENTROU SAL NO MEU OLHINHO, não aceito isso.

Mas eu quase superei, e hoje resolvemos ir num parque de diversões que foi inaugurado dias atrás. Já estamos a caminho do parque decidindo em que brinquedos gostaríamos de ir.

-Olha, eu quero ir aos brinquedos que começam a rodar e você pensa que vai sair voando e morrer, e começa a rezar o pai nosso pra ver se Jesus te salva- Bubbles foi a primeira a dar opinião e todos ficamos em silencio, até Blossom assentir.

-Anotado, mas se você morrer, a culpa é do Boomer.

-Eu também quero ir nesses brinquedos, os piores possíveis!-Buttercup exclamou

-Qual o problema de vocês, porque não escolhem ir à cama elástica como pessoas normais?-Brick que dirigia, perguntou. Ele morre de medo de brinquedos desse tipo, por isso ele vai tentar convencer elas a ir na cama elástica até o final do dia.

-Acho melhor começarmos com a montanha russa do polvo!-Blossom falou mais animada, sendo apoiada por todos, menos o ruivo ao seu lado. Essa montanha russa era de longe o brinquedo mais louco de todos. Pelo visto elas vão matar o Brick hoje à noite!

P.O.V Blossom

Eu nem acredito que já estamos no final do ano, é triste saber que logo teremos que levar os meninos embora, mais precisamente amanhã, é ruim saber que eles confiam tanto em nós, mas vamos trai-los de alguma forma. É por isso que estamos indo para o parque de diversões hoje. É o ultimo dia em que eles nós verão como amigas, é me sinto um monstro fazendo isso com eles, por isso farei como Bubbles e irei nos brinquedos mais perigosos possíveis, eu morro de medo disso, mas vai que eu literalmente morro num desses brinquedos e não tenha que trair os garotos.

Sim eu estou desesperada ao ponto de preferir morrer a ter que fazer isso com eles, farei tudo o que for possível, e tentarei fazer com que essa seja a melhor noite da minha vida, pra logo em seguida receber o pior dia da minha vida.

P.O.V Narrador

Sabe aquelas cenas de filme em que o casal está na roda gigante observando o céu e as luzes que piscam vindas de outros brinquedos? Aquele momento em que eles passam a se observar fortemente e então o brinquedo para de funcionar justamente quando estão no topo da roda gigante?

Não é isso que está acontecendo na cabine de cor cinza onde se encontram seis jovens dentro da mesma.

-Deixa eu descer! A gente vai morrer!-dizia um certo ruivo agarrado as pernas do seu irmão de olhos verdes, rezando para que o tempo logo acabasse.

-Brick. É uma roda gigante.

-Mas esse troço é muito alto!

-Nem é tão alto assim.

-Claro que não, VOCES VOAM! É bem pior, por isso que não sentem medo- O brinquedo logo voltou a girar com um alto estalo, que fez o ruivo gritar brevemente como um gatinho prestes a tomar banho-Graças ao pai! Voltou a funcionar.

-Não deveria agradecer tão cedo, o próximo brinquedo é o Rockpolvo- Buttercup se abaixou ficando da altura do ruivo agachado no chão, e começou a falar sobre a mais louca e perigosa das montanhas russas em que ela já ouviu falar.

-Ai meu Deus! Quebra de novo-Pediu Brick a roda gigante fazendo alguns dos jovens ali dentro darem risada, menos a ruiva que estava calada desde que o brinquedo começou a andar, o que não passou despercebido pelos olhos de Boomer.

-Blossom, você tá bem?-Perguntou sendo respondido apenas por  um aceno positivo.

-Eu não sei como ela ainda não começou a gritar feito uma louca, ela odeia rodas gigantes desde pequena, por isso nós sempre pulávamos esse brinquedo quando íamos ao parque por causa dela-Bubbles respondeu sorrindo, mas logo esse sorriso se transformou numa expressão seria ao ver o rosto da ruiva ao seu lado que a ameaçava com seus olhos róseos.

-Se você tem medo de rodas gigantes, você vai morrer no Rockpolvo- Concluiu Butch cruzando os braços com preocupação- Talvez seja melhor você não ir na montanha russa

-APOIO!-Brick se levantou num pulo ao dizer tais palavras- Eu também fico só pra acompanhar ela sabe hehe.

Desceram do brinquedo e logo o casal de ruivos foi em uma direção diferente dos outros que se dirigiam animadamente para a montanha russa. 

Ao chegarem perto do brinquedo monstruoso se depararam com uma fila enorme, mas mesmo assim não desistiram e logo foram para o final da fila e conversavam sobre os próximos brinquedos que gostariam de ir.

Enquanto isso, os ruivos andavam calmamente sobre o parque lotado de pessoas. Blossom, que havia concluído há dias atrás que sua paixonite pelo ruivo não passara de uma ideia maluca de sua cabeça, andava lentamente ao seu lado.

-O que você vai fazer agora que a escola acabou?-Tentou puxar conversa levando seu olhar para Brick que se mantinha concentrado em seu caminho -Eu vou tentar medicina.

-Boa sorte então, sangue não é pra mim.

-Disse o garoto que praticamente espancava garotinhas sem um motivo aparente.

-Eu tinha um motivo pra bater em vocês.

-E qual seria- Blossom perguntou ainda sem tirar os olhos do garoto enquanto andava.

-Eu não gostava de vocês- disse simples rindo baixinho da expressão feita por Blossom que viu pelo canto do olho.

-Quer dizer que agora você não nos bate porque gosta de nós?-Blossom perguntou ficando mais confusa ao receber uma resposta negativa do ruivo-Então porque você não briga mais com a gente?

Blossom apenas sentiu sua cintura ser agarrada e puxada para perto de Brick, colando seus corpos e aproximando seus rostos, o que a fez corar e desviar os olhos vendo que um garoto passava ao seu lado onde, antes, andava distraidamente e poderia ser ‘atropelada’ pelo garoto igualmente distraído com seu celular. Concluindo que Brick a puxou para evitar um encontrão com o tal garoto.

Voltou a perceber que ainda estava agarrada com Brick quando sentiu o mesmo se aproximando de seu pescoço e depositar um selinho no local a fazendo se arrepiar quando este subiu a altura de seu olvido e sussurrou

-Eu percebi que vocês podem me servir de uma forma bem melhor do que como um saco de pancadas-Terminou a frase e logo soltou Blossom.

Brick se sentia feliz nesta noite, talvez porque finalmente conseguiu se livrar da escola, ou talvez porque não precisou ir na montanha russa, ou talvez, simplesmente porque a forma como Blossom ficava fofa quando corava o deixava feliz. Apenas fingiu que nada tinha acontecido e logo voltou a andar sendo seguido por Blossom.

-Brick, eu quero algodão doce!

-Nada de doce pra você sua maluca, não quero ter que te aturar dando em cima de todo mundo como se estivesse bêbada.

-Você diz isso porque não aguenta ver um doce e não poder comê-lo por achar que vai ficar parecendo um bêbado pior que eu.

-Posso comer mais doces que você e ainda sim, você ficará mais doida. Eu sou forte pra essas coisas.

-Quer apostar?

                                                 *****

 Depois de cinco brinquedos aéreos seguidos, os quatro jovens resolveram se separar, já que os loiros decidiram ir em brinquedos menos radicais enquanto os morenos se jogaram para as outras varias possibilidades de aventura.

Bubbles e Boomer se direcionaram ao jogo de arco e flechas, a fim de ganhar um ursinho que apaixonara Bubbles. Algumas tentativas depois, os loiros andavam frustrados com as mãos vazias.

-Não acredito que não conseguimos acertar a porcaria do pontinho vermelho- A loira dizia triste.

-Que tal uma competição?-Sugeriu Boomer- Vamos a todos os brinquedos que podemos receber prêmios, e no final quem tiver mais prêmios pode comprar o que quiser com o dinheiro do perdedor!

-Eu gostei da ideia, mas depois de irmos a todos esses brinquedos não vai sobrar dinheiro algum. Que tal o perdedor ter que tomar um banho de agua gelada e ficar dez minutos parado.

Parecia uma penitencia um tanto quanto besta, mas ou lembrar de como as noites são frias nessa época o loiro logo se animou.

-Topo!

Animados com a ideia os loiros logo foram em direção as barracas de prêmios e começaram a competição.

                                                            ***

Eram exatas 22:46, faltavam apenas alguns minutos para o parque fechar, os jovens já se encontravam reunidos numa mesa de madeira, os ruivos comiam algo salgado para que conseguissem agir como pessoas sóbrias, depois de contar que fizeram uma aposta ridícula que envolvia doces seus irmão os obrigaram a isso e logo os levaram para o carro.

Os loiros avisaram aos outros sobre a aposta que tinham feito e logo foram em direção a casa dos desordeiros para cumprir a pena. Bubbles não tinha entendido o porquê de não irem a sua casa, mas Buttercup disse aos loiros que a agua fria da casa delas não era tão fria, e que o perdedor deveria sofrer o máximo possível por não ter conseguido ganhar o Pikachu tamanho grande.

Enquanto os morenos se juntavam aos ruivos no carro e iam para a casa das super poderosas, os loiros pegaram um taxi em direção a casa dos meninos, e no caminho foram contando os prêmios para saber quem havia perdido.

-12,13,14!Ganheei, perdeu loira, vai tomar banho frio- comemorava Boomer ao terminar de contar seus prêmios e concluindo que havia ganhado de 14 a 12 da loira.

Chegaram ao seu destino e logo pagaram o taxi, entrando na casa não muito arrumada.

Boomer ligou a televisão e se deitou no sofá.

-Ué, e a punição?-Bubbles sentou-se no braço do sofá onde Boomer havia se deitado.

-Ainda não está frio o bastante, você vai tomar esse banho quando a temperatura baixar, porque como disse a sua irmã, perdedores devem sofrer-Sorriu sem mostrar os dentes, fazendo a loira querer chorar como uma criancinha-Não fica assim, são só dez segundos parada, isso não é nada!

Depois de convencer Bubbles de que ela conseguiria sobreviver a dez segundos parada no frio da noite de Califórnia completamente molhada, eles resolveram assistir qualquer coisa e esperar a noite esfriar.

Enquanto isso na casa das super poderosas Blossom e Buttercup estavam na cozinha conversando baixo enquanto os dois desordeiros se encontravam na sala.

-Não quero entregar eles ao professor- cochichou Buttercup um pouco desanimada.

-Achei que já tínhamos conversado sobre isso, o que aconteceu?

-Foi estranho, mas foi fofo também. O Butch meio que “se declarou”, não foi aquilo tipo “te amo” foi mais pra um “Te considero uma irmã” e mesmo assim é como se ele tivesse dito que gosta de mim. E agora eu tomei no cú, porque aquele tempo que a gente ficou afastadas não adiantou nada porque agora eu tô do mesmo jeito de antes, ou até pior.

-Cheguei a conclusão que esse ultimo dia de diversão foi uma péssima ideia- Blossom também se encontrava na mesma situação de sua irmão, gostaria de poder a ajudar, mas estava tão desesperada quanto a morena. Já não podiam fazer mais nada, daqui a algumas horas estariam os prendendo em townsville.

Se sentiam tristes, mas desde o inicio dessa missão, sabiam o que poderia acontecer. Apenas tentaram não pensar nisso e voltaram a sala com alguns salgados e se juntaram aos dois desordeiros.

P.O.V Boomer

Depois de encher um balde com agua fria, nos encontrávamos na parte de trás da casa, Califórnia pode parecer quente para algumas pessoas, mas é totalmente fria à noite. Me encontrava enrolado num lençol grosso e felpudo e Bubbles a minha frente já ao lado do balde de agua. E então ela começa a tirar as roupas.

-O que você tá fazendo?

-Acha mesmo que eu vou ficar com minhas roupas encharcadas? Quer que eu fique doente Boomer?

-Em nenhum momento eu reclamei- disse observando as curvas do corpo da loira, que ao escutar meu comentário ficou totalmente vermelha e já se preparava para se molhar.

-Como eu vou fazer isso?

-Faz tipo um Ice Bucket challenge , vira o balde em você mesma e fica parada ai.

Depois de receber minhas instruções, Bubbles se afastou mais um pouco e pegou o balde, levando a altura de sua cabeça, respirou fundo e o virou de uma vez, soltando um gritinho fino e desesperado enquanto dava pulinhos. Jogou o balde no chão e começou a contar em voz alta.

Não consegui nem esperar que ela chegasse a quatro segundo e logo abri meus braços para irritar a loira, mostrando o quão quentinho era o lençol, e loira veio correndo e entrou dentro do lençol.  Abracei seu compro molhado e seminu na intenção de aquece-la, seu queixo tremia e seu cabelo pingava agua gelada em mim. Ainda abraçados entramos dentro de casa, tentei me livrar do lençol que agora estava encharcado, mas a loira o apertou.

-Acho melhor tomar um banho quente antes que você fique gripada-sugeri levando a mesma em direção ao banheiro.

-Pode me emprestar um casaco? Grande?

Assenti e deixei que Bubbles tomasse banho, fui à procura do moletom branco que tinha quase certeza de estar no fundo do armário, ele era enorme, e parecia que eu estava usando um vestidinho. Foi um presente do Butch, ou pelo menos era pra ser, porque eu nunca usei esse moletom. Voltei ao corredor e dei algumas batidas na porta, que foi aberta em uma fresta mínima, e uma mão molhada saiu de lá, entreguei o moletom, junto com toalhas novas e então pude ouvir a voz da loira me agradecendo e fechando a porta. Voltei para a sala e me sentei no sofá.

Depois de uns minutos encarando o teto, me lembrei de que as roupas de Bubbles haviam ficado lá fora, sai de casa e fui à procura de suas roupas, mas quando as encontrei já estavam molhadas pela agua que tinha escorrido pelo chão. Peguei as roupas e levei para dentro de casa, num lugar em que eu me lembrasse de levar na lavanderia para usar a secadora.

-Bubbles, sua roupa ficou toda molha- ao me virar na direção da loira a vi usando meu moletom enorme e secando seus cabelos com o secador do banheiro, ela virou seu rosto pra mim e sorriu. Desligou o secador e pegou alguma coisa antes de sair do banheiro, veio em minha direção e colocou a tal coisa em cima de suas roupas molhadas.

-O que é isso?

-Uma coisa chamada, roupa intima. É que eu molhei elas também se você não se lembra- sorriu mais uma vez, fazendo seu queixo tremer um pouco.

-Q-quer dizer que você não está usando nada por baixo desse moletom?

-Não seja pervertido Boomer, eu estou usando meias também!

Olhei para seus pés e vi pares de meias totalmente diferentes, uma minha e outra de Brick

-Sabe o que eu percebi. Você não conseguiu ficar dez segundos, se eu me lembro bem foram apenas quatro- disse sorrindo.

-Boomer, nem vem com mais desafios, eu ainda estou morrendo de frio, não está vendo meu queixo tremendo, olha minhas mãos- disse levantando suas mão, que tremiam, as segurei em forma de concha para aquecê-las porque estavam frias demais, envolvi suas mão dentro das minhas e as assoprei, Bubbles olhou pra mim e seu queixo continuou a tremer.

Não podia fazer outra coisa para aquecê-la, senão isso. A abracei mais uma vez e pus minhas mãos em sua cintura chegando perto de seu ouvido.

-Soube que dois corpos em contato é uma das melhores formas de produzir calor- tudo bem, admito que minhas intenções não eram as melhores, mas quando Bubbles beijou meu pescoço foi como se tivesse dado permissão então apenas apertei sua cintura e a levantei, Bubbles me surpreendeu mais uma vez ao por suas pernas ao redor da minha cintura, me lembrando de que estava sem calcinha, Tirou minha camisa e então foi minha vez de beijar seu pescoço.

 

P.O.V Narrador

Já era de manhã, após voltar para sua casa, Bubbles encontrou suas irmãs e os irmão do loiro que a acompanhava jogados pelo chão da sala, ainda dormindo, Bubbles acordou todos e logo as super poderosas começaram logo cedo a por o plano em pratica. Não pareciam animadas em fazê-lo, porque realmente não queriam.

Mas depois de fingirem uma ligação do Professor dizendo estar precisando urgentemente de ajuda, se arrumar e se despedirem dos meninos, que se oferecem a ir junto, exatamente como estava no plano, como se eles tivessem lido o roteiro e feito tudo pra dar certo, e errado ao mesmo tempo.

Pegaram o avião, e partiram para Townsville, tristes e quietas. Diferente dos garotos que estavam animados para rever a cidade natal, mas não sabiam o futuro que os aguardava.

Foi rápido. Entraram em casa junto dos garotos e o mecanismo criado pelo  professore os prendeu na hora, ficaram assustados e sem entender no começo, mas foi só olhar para a expressão desanimada das garotas que puderam entender tudo perfeitamente. O ódio foi se instalando nos desordeiro, ao saberem que passariam o resto de suas vidas, presos como passarinho dentro do laboratório dos Utonium.

Dia após dia. As garotas tentavam conversar com eles mas a raiva dentro de cada um dos desordeiros os impediam até de olhar no rosto delas. Não acreditavam que haviam sido traídos, no começo de tudo eles até suspeitavam, mas depois do que aconteceu, depois de cada momento divertido, nojento, romântico e inesquecível, pensaram que nada de ruim poderia acontecer.

Estavam errados.

Foram enganados mais uma vez pelos sentimentos, seus corações doíam por conta da traição, mas aceitaram, porque desde o inicio, foram destinados a serem inimigos mortais e não amantes apaixonados.

O natal passou, o ano novo passou já era começo de Janeiro e eles não tinham mais expectativas de que algo bom pudesse acontecer.

Era de noite, 23:32 pra ser mais exata, a escuridão prevalecia dentro do laboratório onde os desordeiros se encontravam presos dentro de uma jaula como animais. Nenhum deles havia dormido, apenas conversavam baixinho sobre coisas aleatórias, para que no próximo dia não explodissem de raiva.

Até que a porta do laboratório é aberta num ranger baixo, passam de lá, três garotas e um homem, muito bem conhecidos pelos desordeiros, a luz é acesa e lá estão elas. As traidoras, mentirosas.   

-Meninos, tenho um pedido a fazer- O Professor logo se pronunciou ao sentir o clima tenso que havia ficado, as garotas nem sequer os olhavam, apenas mantinham o semblante triste enquanto encaravam o chão- Quando eu abrir essa porta, fujam, vão embora pra qualquer lugar, mas fujam.

Não entenderam absolutamente nada até Blossom levantar a cabeça e começar a falar.

-Vamos libertar vocês. Foi uma decisão do Professor, porque ele percebeu que vocês não tinham atitudes de vilões, que não haviam feito mal algum depois de saírem de Townsville. Diremos ao prefeito que os sistemas de alarme falharam e que conseguiram fugir.

-Em resumo, vocês estão livres- disse o professor abrindo a porta. Desceram calmamente, um por um, passaram pelas superpoderosas sem dizer nada, e apenas seguiram o adulto até a porta da frente, onde agradeceram somente ao homem e foram embora sem dizer mais nada.

ANOS DEPOIS

P.O.V Blossom

Saio cansada de dentro do taxi e entro em casa, Buttercup está agora deitada no sofá e Bubbles lendo um livro na cozinha. Cumprimento minhas irmãs e vou direto tomar um banho.

Depois daquele fiasco que foi a missão com os desordeiros, passamos meses nos sentindo culpadas, me sentia malvada. Minhas irmãs sentiam o mesmo, porque toda noite nós falávamos que não conseguíamos tirar eles de nossas cabeças, ficávamos relembrando toda a viagem, e o Professor percebeu, ficou preocupado e pediu que contássemos o que sentíamos , foi ai que ele chegou à conclusão de que nós, as super poderosas, estávamos apaixonadas por eles, os desordeiros. Primeiro pensamos que tinha sido uma conclusão totalmente precipitada, mas os pensamentos sobre eles só aumentavam. Resolvemos aceitar isso, aceitar que gostávamos deles, e que eles naquele momento nos odiavam, e que se encontravam bem distante. No começo foi difícil tentar ignorar esse sentimento, Bubbles tentou se apaixonar por outra pessoa, foi uma temporada engraçada, porque ela sempre aparecia com um cara estranho todo mês, Butter continuou a mesma, uma coisa que admiro e invejo, porque eu sei que mudei depois da viagem, não uma mudança drástica, mas me sinto diferente.

Seguimos em frente, Butter tem um trabalho, bem estranho para ela, até porque ninguém imagina Buttercup trabalhando numa escola pra criancinhas, Bubbles é secretaria num salão de beleza e eu, faço faculdade, mas a pergunta de que me faço todos os dias:

Porque eu fui logo escolher medicina?

Parecia tão legal quando eu terminei o ensino médio, mas agora que eu já estou com 22 anos e praticamente no final dessa faculdade é como se todo dia eu morresse de uma forma diferente. Planejei fazer uma viajem para tirar férias disso tudo e soube que um Hospital de Townsville faria um sorteio para um estágio em outro hospital de qualquer lugar do mundo, era maravilhoso poderia trabalhar como estagiária em um hospital, poderia viajar e poderia levar acompanhantes e então me inscrevi e terei a resposta dos resultados hoje daqui a alguns minutos.

Butter e Bubbles me apoiaram total, afinal sabiam que elas seriam as únicas acompanhantes que eu levaria, afinal o Professor não gosta de viajar sem o seu namorado. Sim, meu pai finalmente assumiu a sexualidade, mas no fundo eu sempre soube. Calvin era um homem super engraçado e sério ao mesmo tempo, era inteligente e sempre cozinhava pra nós. Posso dizer que meu pai encontrou um partidão, afinal, ele ainda é jovem, tem muito o que viver.

Hoje era pra ser o dia da família, mas foi tudo por água abaixo, tive que ir a faculdade, e o professor esqueceu completamente, e saiu de casa, deixando Bubbles e Butter sozinhas. Depois de me trocar voltei para a sala e liguei meu notebook, estava ansiosa para os resultados. Minhas irmãs sentaram do meu lado para ver o resultado também, abri o site do hospital onde informava o ganhador e lá estava o meu nome, numa letra grande e preta. Butter começou a pular no sofá junto da loira até eu ler o lugar que foi sorteado pra que eu fizesse o estágio.....Califórnia.


Notas Finais


Hehehe, foi mal.
Espero que tenham gostado, e deixo que voces imaginem o que os blues fizeram, mas não se preocupem, esse assunto vai voltar pra asombrar a Bubbles.
Esse capitulo seria basicamente o final, seria maior claro, mas eu resolvi continuar ela. Espero que fiquem comigo até o final! Beijoss<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...