História Let's keep it a secret - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Castiel, Lynn, Lysandre, Personagens Originais
Tags Amor Doce, Castiel, Segredos
Exibições 22
Palavras 1.724
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Incesto, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Capa privisória*** E espero que vocês curtam a história.
A próxima atualização será feita a partir de terça da semana que vem, por causa da época de provas! Um beijo.

Capítulo 1 - Eles estão aqui!


Beep, beep, beep...

Que saco! Pensou Tessa. Já eram cinco e meia da manhã. Isso significava que teria que aturar mais um dia de tortura no colégioe, um dia cheio de matérias detestáveis do tipo estudo das artes, música, teatro e tudo que ela sabia que seria bem insignificante na sua vida. Ela odiava quintas-feiras, detestava! Abominava quinta-feira.

A garota bateu a mão no despertador antigo, única coisa que conseguia fazer com que ela despertasse dos seus maravilhosos sonos profundos. Ok, não tão maravilhosos já que essa noite foi fomentada por pesadelos.

Ela se sentou na beirada da cama e suspirou, não via a hora das férias chegarem.

BAM!

Um estrondo repentino na porta do seu quarto fez com que ela quase tivesse um infarto. Ela colocou a mão sobre o peito e reprimiu um grito.

— Anda Tessa, seu horário está se esgotando. — A voz rouca e irritante de Castiel ecoou do outro lado e fez com que o sangue da garota fervesse. Qual era o problema dele? Ele não se cansava de ouvi-la gritar o quão imprudente era assustar alguém a essa hora?

Tessa puxou o ar com força, se levantou e pegou sua maleta de banheiro e abriu a porta.

— Caralho Castiel! — Gritou assim que deu de cara com ele parado na frente de sua porta, apenas com uma toalha enrolada em sua cintura.

— Muita beleza para ser a primeira coisa que você vê de manhã, não é? — Ele disse desafiador.

Tessa apenas fechou os olhos e massageou as têmporas.

— É um terror acordar e dar de cara com você. Já percebi que não consegue respeitar o espaço alheio. — Ela disse irritada e o empurrando, fazendo com que ele liberasse espaço para ela seguir seu caminho matinal até o banheiro.

— Se for cagar usa o desinfetante. — Ele gritou para ela. Tessa virou-se para revidar, mas ele não estava mais lá.

Ela tirou a roupa silenciosamente e se colocou embaixo do chuveiro, deixando que a água quente a acordasse.

Não fazia nem três dias que havia chegado na pensão e já queria sair correndo de lá o mais rápido que podia. A pensão era de uma senhora agradável, que cozinhava e mantinha uma faxineira 24 horas por dia. Porém, tinha seus defeitos como o fato de abrigar seis pessoas, misturando homens e mulheres, ter apenas três banheiros e serem comunitários. Ah é claro Castiel. Castiel já se tornara um grande problema.

Não fazia nem três dias que Teresa havia chegado lá e Castiel já era alguém que ela detestava.

Após o banho, Tessa se trocou e saiu do box do chuveiro, nesse mesmo instante a porta — que não tinha chave — se abre e Castiel entra sem demoras.

— Castiel! Eu podia estar sem roupas! Ainda estou no meu horário. — Ela diz perdendo a paciência com ele.

Ele olha com desdém para ela.

— E eu estou com pressa. Pode terminar o que você tem para fazer enquanto tomo banho.

— Eu vou reclamar de você para dona Shermansky. — Ela disse bufando, isso não pode ser permitido.

— Eu moro aqui a dois anos, acha mesmo que ela vai tomar alguma providência? A velha me ama! — Castiel disse provocando. A garota tinha vontade de pegar a escova de dentes e socar em sua garganta. — Se não se importa. — Ele disse irônico, abrindo a cortina do box e se enfiando lá dentro.

Tessa escovou os dentes rapidamente e saiu de lá com vontade de enforcar Castiel.

A garota penteou os cabelos molhados, vestiu seus sapatos e reuniu o material necessário e desceu para o café da manhã. Ninguém havia acordado ainda, exceto Lysandre que tinha o horário de uso do banheiro antes do seu.

— Bom dia querida, dormiu bem? — Dona Shermansky deu um sorriso acolhedor e colocou um prato no local da mesa que ela sentara.

— Perfeitamente. — Tessa deu um sorriso simpático para a senhora. Pensou em reclamar com ela sobre Castiel, mas não ia se deixar abalar tão facilmente. Tessa sabia como ser uma pessoa ruim se quisesse.

— Bom dia. — Lysandre apareceu e deu um beijo no topo da cabeça da garota. Fazia alguns dias que ele não aparecia na pensão para falar a verdade.

— Onde o senhor estava que não foi me buscar no aeroporto segunda? — Tessa perguntou em fingindo tom de bronca.

— Em casa. — Ele disse.

— Em casa? — Ela perguntou sem entender. Ele se sentou ao seu lado e começou a comer um pão com muita manteiga. Tessa odiava esse hábito do garoto. Um dia ele morreria de colesterol.

— É, fui para Paris no domingo para te buscar, mas você já não estava mais lá. Voltei ontem de lá.

A garota tampou a boca de Lysandre rapidamente assim que Rosalya apareceu na cozinha. Tessa fez uma careta do tipo “fica quieto seu idiota, ninguém pode saber de onde viemos”, mas ele fez pouco caso.

— Bom dia. — Rosa disse um pouco seca, Lysandre havia dito que ela tinha uma queda por ele e não devia ter gostado da proximidade. — Trouxe sua namorada para morar com a gente?  — Ela não conseguia disfarçar o tom do mau humor.

Tessa não havia gostado muito da garota à primeira vista. Ela parecia muito arrumada e muito mimada para pouco tamanho. Usava muita maquiagem, tinha o cabelo muito comprido e um vestido muito curto para se ir à faculdade.

— Minha irmã, Rosa. — Ele disse sem nem olhar para ela.

A garota arregalou os olhos e enrubesceu. Ela ficou sem palavras e com muita vergonha. Sabia que tinha deixado transparece ciúmes demais.

 — Prazer, Rosalya. — Ela disse estendendo a mão na direção de Tessa. Ela suspirou e apertou a mão da garota como trégua. Também não havia visto ela nesses três dias.

— Tessa. — Ela disse sem muitas emoções.

— Não sabia que Lys tinha uma irmã. Você devia ter contado que ela viria. — Ela se transformou em outra pessoa e isso fez Tessa a observar mais. Tessa tinha ciúmes de seu irmão.

— Foi de última hora. — Acrescentou antes de Lys. — Eu não sabia que viria também.

— Legal. Que bom que veio. — Dona Shermansky disse colocando mais pães de queijo sobre a mesa.

— Bom tenho que ir. — Lysande se levantou e deu um beijo no rosto da garota. — Tenha um bom dia pequena. — Tessa sorriu. Há dois anos morava longe do irmão e o via esporadicamente. Era muito bom estar perto dele novamente.

— Você tem mesmo muito mal gosto para namoradas. — Tessa revirou os olhos reconhecendo a voz irritante do ruivo.

— Ela é minha irmã, seu otário. — Lys disse rindo e jogou um pão de queijo na direção de Castiel. Ele pegou bem rápido e deu uma mordida rindo. Depois, foi dar um beijo na velha Shermansky.

Tessa pode notar que, infelizmente, Castiel e seu irmão eram melhores amigos.

— Aposto que seremos grandes amigos. — Castiel disse bagunçando o cabelo da garota. Involuntariamente a mão dela foi parar na faca que estava sobre a mesa.

— Tessa. — Lysandre a advertiu tenso. Tessa costumava explodir muito fácil e isso era perigoso demais para eles.

— Que foi? — Ela fingiu estar desentendida. — Só ia colocar cream cheese no meu pão de queijo.

Tessa deu um sorriso amarelo e fez Lysandre revirar os olhos. Mas, esse ato prendeu a atenção de Castiel que fez uma nota mental para si: observar a garota.

— Vamos Cast, estamos atrasados. Tchau meninas, tchau Sher. — Lysandre puxou Castiel pela mochila e o arrastou da cozinha.

— Ele é um pé no saco mesmo. — Rosayla disse à garota se referindo a Castiel. Disse alto suficiente para que a velha a ouvisse. Mas, dona Shermansky pareceu nem ouvir, ou fingiu que não ouviu.

— Faz tempo que você mora aqui? — Tessa perguntou a garota que tinha os cabelos tão brancos quanto os seus.

— Alguns anos. — Ela disse sem muita emoção. Antes mesmo de qualquer um de vocês estar aqui. — Rosa não parecia querer estender o assunto então Tessa acabou seu café da manhã e foi para a aula.

A sorte da garota era que a aula dela começava mais cedo que os demais, assim não precisava ficar vendo e se comunicando com todo mundo da pensão. Por causa da infância restrita, Tessa não era muito capaz de socializar com as pessoas. Ela costumava muito ficar horas trancada dentro de um quarto fazendo planos para as ações de seus pais. Tessa era uma garota extremamente esperta.

Ela escolheu uma carteira no canto da sala, que infelizmente era dupla. Não havia um momento nessa cidade que ela pudesse se sentar sozinha?

A resposta era não. Logo a sala foi se enchendo e uma garota de cabelos escuros se sentou ao seu lado.

— Oi, você deve ser a aluna nova, não? — Ela chegou toda entusiasmada. Tessa apenas balançou a cabeça. — Meu nome é Lynn. Sou representante de turma. E o seu?

— Tessa. Transferida. — Ela disse sem vontade e sem levantar a cabeça para a garota.

— Já passei por esse problema alguns anos antes, você vai se acostumar. — Ela não perdia o tom animado e irritante. Tessa apenas deu de ombros e continuou rabiscando em seu caderno. Realmente estava irritada demais para um mero começo de dia.

— Bom dia, linda. — Essa voz fez Tessa se levantar rapidamente. Só podia ser brincadeira. — Você não, minha namorada.

Castiel disse provocando.

— Por favor, me diz que você não tem essa aula na sua grade hoje. — Ela disse massageando as têmporas novamente. Aturar Castiel mais um dia inteiro seria tortura.

Lynn, a namorada dele, franziu o cenho, provavelmente não gostando da ideia deles já se conhecerem.

— Ela mora na pensão, Lys é irmão dela. — Ele falou para Lynn que melhorou o semblante. — E para o seu azar não, na verdade, estou atrasado para aula. Só passei para dar um beijo nela.

Castiel sendo simpático era uma coisa que Tessa duvidava muito. Ele agarrou a garota pelos cabelos e deu um beijo “selvagem” demais. Tessa iria se virar para não vomitar, mas quando ele levantou o cabelo dela, Tessa conseguiu ver uma tatuagem no pescoço da garota que prendeu sua respiração.

Ela era membro da facção inglesa. Exata facção que queria a vida de sua família e a dela própria.

Castiel observou a reação da garota e ela disfarçou rapidamente com uma cara de nojo. Fingindo que tinha ficado surpresa com o beijo.

Tessa não conseguiu definir se ele havia feito de propósito, ou havia mostrado sem querer, mas sabia que Nova York não seria mais um lugar tão tranquilo.


Notas Finais


Bom, é isso!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...