História Lets Not Fall in Love - Take Care of Her - Capítulo 48


Escrita por: ~

Postado
Categorias Big Bang, DaeSung, G-Dragon, SeungRi, T.O.P, Taeyang
Personagens D-Lite (Daesung), G-Dragon, Personagens Originais, Seungri, T.O.P, Taeyang
Tags Big Bang, Dae, Daesung, D-lite, Drama, Kpop, K-pop, Romance, Seul, Seung, Seungri, Taeyang
Exibições 166
Palavras 1.684
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa noite, leitores e leitoras :)
Eu resolvi postar um pouco mais cedo por algumas razões: 1 - Eu terminei ele hoje e estava ansiosa pra postar logo; 2 - Estou em semana de provas, e gosto de ser rebelde; 3 - Temos uma comemoração semana que vem, não temos? Se vocês estão pensando em BigBang, não tem nada a ver com eles, mas sim com a fic. Ela vai completar UM ANO e eu PRECISO fazer algo bom e especial pra esse momento. Por isso já quis postar, assim posso pensar no meu próximo passo~
É isso, desculpe ocupar o tempo de vocês... Quem leu a nota, muito obrigada :)

Boa leitura!

Capítulo 48 - Realidade Azul e Densa


Fanfic / Fanfiction Lets Not Fall in Love - Take Care of Her - Capítulo 48 - Realidade Azul e Densa

Primeiro Flashback mode on

 

- Quantas vezes eu preciso falar que ela não está aqui? – o proprietário do lugar falou, nervoso – Nunca a vi, e nem esses caras – apontou para a foto.

- Vamos, GD, ela não ta aqui... – Dae colocou a mão em meu ombro, guiando-me para fora do lugar.

- Obrigada por vir comigo... Foi o único.

- Tudo bem – sorriu.

Passamos em todos os lugares, um por um. Minhas pernas estavam doendo de tanto caminhar. Passamos o dia batendo de barracão em barracão a sua procura... Mas nada além de “nunca a vi”, “não conheço” e afirmações desse tipo. Porque ninguém a conhece? De repente parece que ela nunca existiu.

- Melhor voltarmos, não acha? Já está bem escuro. – Daesung falou e eu pensei um pouco.

- Vou ao café... – ele ia dizer algo, mas parou – Nos vemos depois.

Ele assentiu e se despediu de mim.

Como pode se esperar, eu não fui lá para comer. Havia se passado aproximadamente dois meses desde que eu e Seunome estivemos pela última vez no terraço, nosso lugar favorito.

Eu estava sonolento, deitado no mesmo lugar da noite em que nos beijamos pela primeira vez. Antes que eu pudesse perceber, já estava passeando meus dedos por meus lábios, relembrando o toque macio de Seunome, tendo seus lábios roçando nos meus.

O que eu não daria para tê-la aqui comigo? Envolver seu pequeno corpo com meus braços e protegê-la. Nesse momento, meu único desejo é que ela estivesse segura e bem, onde quer que estivesse. Talvez estejamos contemplando esse mesmo céu agora mesmo. A mesma lua prateada e as mesmas estrelas... Gostaria que estivéssemos, mas sem saber para onde você foi, é possível que esteja em qualquer parte do mundo. Quem sabe, enquanto eu admiro a Lua, você esteja sob o Sol...

 

“Rezo para as coisas mudarem conforme o tempo passe...
Para você, meu amor”

 

Primeiro Flashback mode off

 

Segundo Flashback mode on

 

Ouço o som de batidas na parta, logo Taeyang coloca o rosto para dentro:

- Posso entrar? – dou de ombros em resposta e ele apenas entra – Estava dormindo?

- Não... Apenas cochilando. – sorri.

Fazia algum tempo que não via os raios do Sol. Meu alimento era apenas todo aquele ‘bolo’ angustiante de sentimentos ruins que eu remoia internamente. Meu sorriso era apenas uma máscara.

- Chegou uma carta para você. É da Universidade. – tinha um tom visível de preocupação em sua voz, o típico jeito protetor daqueles momentos conturbados.

Taeyang se sentou ao meu lado na cama e esperou que eu abrisse a carta. Tirei uma folha que fora dobrada três vezes e joguei o envelope em um lugar qualquer. Desdobrei o papel e uma surpresa:

- Você foi expulso! – Taeyang exclamou, surpreso.

Já era de se esperar, faz pouco mais de três meses que não apareço para as aulas. Perdi todas as provas e trabalhos... Bom, eu só havia entrado naquilo para ficar de olho na Seunome. Nada daquilo era legal sem ela... Então me forcei a continuar, mas não durei nem uma semana sem ela.

Além disso, eu havia tido uma conversa com o diretor, pedindo minha retirada. Queria que ele fizesse parecer que eu tinha sido expulso, assim minha fama e imagem de arruaceiro seria mantida entre os alunos e eu não pareceria um fraco para meus amigos. Não queria que pensassem que desisti de tudo por ela... O que era exatamente o que estava acontecendo.

- O que vai fazer a partir de agora? – questionou-me, preocupado.

- Apenas sobreviver, como for possível.

 

“Foi tão difícil aceitar essa nossa separação
E depois que eu notei,
Eu estava caindo sem você”

 

Segundo Flashback mode off

 

Terceiro Flashback mode on

 

Como lidar com o fato de que ela foi embora? Eu sou apenas um corpo vagando, se ao menos pudesse vagar...

A tia dela está doente de preocupação, e me sinto totalmente responsável. Fui a casa dela várias vezes nesses últimos quatro meses, e ela, assim como eu, está bastante fraca e indisposta... Nem quer trabalhar. Só o que posso fazer por ela é consolar. Mas... Quem irá ME consolar?

Seus amigos do café queriam se responsabilizar por espalhar fotos suas, mas eu recusei a oferta. O que eu faria se visse sua foto impressa de repente? Já não era suficiente vê-la, ou melhor, pensar vê-la no rosto de outras pessoas? Seria horrível estar caminhando e ver sua foto abaixo das palavras dizendo que você sumiu.

É egoísta da minha parte recusar a ajuda deles?

Quanto às pessoas da faculdade... Lim descobriu o meu endereço, de algum modo. Ela foi gentil, esclareceu todo o mal entendido que teve com você e pediu desculpas. Era um pedido sincero, ela se mostrava arrependida e triste por não poder lhe dizer que você, de todas as outras garotas com quem andou da faculdade, era a mais verdadeira.

Porque parece que você morreu?

E porque estou falando tão diretamente, como se dialogasse com você?

Será que estou ficando louco?

Amor é alguma doença?

Talvez eu esteja em uma overdose profunda.

 

“O amor é doloroso
Todo o amor é doloroso
Repito-o como um tolo
Que é o que eu sempre faço
Mas a dor é bonita
Igual a você”

 

Terceiro Flashback mode off

 

Quarto Flashback mode on

 

Eu não sou o tipo de pessoa otimista. Sinto que já lhe perdi e nunca mais poderei vê-la ou tocá-la. É como uma fotografia, uma memória distante. E eu sou um idiota porque eu permiti que você fosse embora...

Talvez o pior de tudo seja que eu não te contei como tudo aconteceu... Como lhe conheci, como me apaixonei pela garota do outro lado do vidro, por sua voz e seus sorrisos involuntários... Você nunca mais saberá que me salvou de mim mesmo.

Se não fosse por aquelas consultas tão descompromissadas e sem propósito eu não estaria aqui agora. Foi por sua causa que sai daquela gangue maldita, graças a você eu consegui meus verdadeiros amigos de volta... Eles me ajudaram a ter você para mim, mas eu consegui perdê-la mais uma vez... E para a mesma pessoa.

 

“O que esse idiota tem que eu não tenho?”

 

Eu deveria ter parado de esconder a verdade de uma vez, mas eu tinha medo de que você não aceitasse ou achasse que estou lhe perseguindo ou algo do tipo. É tão doentio lhe amar assim? Eu planejava lhe contar tudo depois daquela noite... Aquela em que você sumiu. Três anos atrás - agora quatro - quando te conheci, você foi a minha luz. Você ainda é, e sou dependente dessa luz, por isso me sinto fraco sem você...

 

“Foi tão difícil aceitar essa nossa separação
E depois que eu notei,
Eu estava caindo sem você
Sim, eu estou caindo sem você...”

 

Quarto Flashback mode off

 

Tudo está azul e denso, não consigo enxergar nada... É como se o inverno tivesse chegado. Há quanto tempo estou longe da primavera? Sinto-me entre esses dois caminhos, sem conseguir me mexer. Talvez eu esteja apenas congelado no tempo, ou algo mais está me impedindo de me mover.

Esse clima é ruim para mim... Meus ossos parecem estar rachando aos poucos, logo não sobrará nada de mim. Meu Esse lugar está tão frio quanto meu coração, que sinto que leva consigo uma rachadura pequena e profunda, mas não consigo me recordar bem o que a fez.

Uma silhueta familiar encontra-se longe, mas está cada vez mais próxima. Porque essa descrição parece tão surreal? Será que estou sonhando com tudo isso? Essa silhueta toma a forma dela... Daquela que provocou a rachadura. Agora me recordo de tudo. Não só ela está perto, mas seu rosto está tão próximo que quase consigo sentir sua respiração...

Sua mão acaricia meu rosto e seus lábios roçam nos meus, sem que os toquemos verdadeiramente.

- Você está me provocando, Seunome?

 

- GD? GD, acorda, seu maluco.

Abro os olhos assustado e encaro os rostos familiares: Taeyang, Daesung, T.O.P, Seungri e Melyssa – esqueci de mencionar que eles estão juntos. Parece que tem outra pessoa no canto, acho que é a Lim.

- O que? – perguntei confuso tentando me levantar, logo sentindo meus ossos doerem mais do que eu imagina doer durante meus sonhos.

- Fica quieto, senão vai ficar pior. – Choi falou, empurrando meus ombros até que eu voltasse a me deitar.

- O que houve comigo? Eu fui atropelado, por acaso?

- Não, mas foi por muito pouco. – Taeyang tinha um tom de voz sério.

- Você estava jogado no meio da estrada, Kwon JiYong. Isso era uma tentativa de suicídio? – Melyssa questionou irritada.

Ela já tinha certa intimidade pra dar uma de “Omma”, ás vezes.

- Quem me encontrou? – tinha a voz rouca e a garganta bem seca.

- Nós – Seungri disse, referindo-se a ele e Melyssa – Estávamos procurando por você, até que te vimos deitado no meio da avenida. Você estava inconsciente, achamos que você tinha desmaiado ou algo assim, então te trouxemos pra cá.

Para o hospital, no caso, porque agora que minha visão está voltando a focar melhor, consigo ver o quarto do lugar... Todo aquele branco me deixava mal, me fazia lembrar daquele sonho maldito que pareço ter tido a muito tempo.

- Isso faz pouco mais de uma semana – continuou – Você não come direito a dias, GD. Achávamos que estava tudo bem, já que você sempre se recusava a comer com a gente... Achamos que você só estava deprimido, mas é pura depressão, seu maluco egoísta. – ele parecia verdadeiramente irritado e chateado, e era possível enchergar esse mesmo sentimento no rosto dos demais ali.  

- E a Lim? Porque ela está aqui? – referi-me a ela, tentando não me aprofundar naquele assunto Ela falava, concentrada, com alguém ao telefone ainda no canto do quarto.

- Ela veio nos relatar sobre... – Daesung parou, inseguro.

Todos se entreolharam, pensativos.

Melyssa se sentou a borda da cama e pousou sua mão em meu braço, em um ato amigável, e contraia os lábios, medindo as palavras certas.

- O q... – comecei, mas ela fechou os olhos, parecendo não suportar o que se seguiria, então parei.

- GD... A Seunome voltou.


Notas Finais


OLHA EU AQUI DE NOVO

Não tenho muito a acrescentar, né~
Obrigada por lerem, de verdade <3

Beijos de Nutella e ♫♪ "Oh-oh oh-oh My Love Is On Fiiireee" ♫♪


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...