História Let's play a game - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Bangtan Boys, Bts, Jhope, Jimin, Jin, Jungkook, Min Yoongi, Rap Monster, Sexo, Suga, Tae, Yoongi
Exibições 308
Palavras 3.247
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Self Inserction, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Antes de mais nada, desculpa.
Eu sei que deve ter gente querendo me matar, então fique a vontade u.u
DESCULPA GENTE DE VERDADE NÃO ME MATEM POR FAVOR!
E ignorem esse titulo clichê, é só que combinou muito com o capitulo.
Enfim, boa leitura a todos :)

Capítulo 22 - Stigma


Fanfic / Fanfiction Let's play a game - Capítulo 22 - Stigma

GET THE PRINCESS

“Lee fugiu!”

 

 

Aquele dia foi um marco. Lee dançava e sorria como nunca, sempre for a alheia a qualquer maldade com esse seu espírito jovial. As luzes no alto piscavam fortes enquanto a pequena fazia os seus movimentos de acordo com a batida. Rodopiava, pulava e fazia careta.

Até que a música parou.

 

 

Yoongi não conseguiu assimilar as palavras da mãe, demorou um tempo para que entendesse que Lee pulou da janela do quarto e sumiu. Ele ainda pensou que ela podia ter se escondido por causa da discursão ou até mesmo ter passado despercebida para o andar de baixo. Mas não, ela realmente fugiu.

“Impossível. ” Ele sibilou em quanto corria para ver com os próprios olhos.

Soo Yun não pensou nem duas vezes e pegou as chaves do carro. “Vai ficar aí parado ou vai querer ajudar?!” Ela questionou o então marido que vem suportando ao longo dos anos, quem estava mais perdido que cego em tiroteio.

“Eu... eu vou com você! ” As palavras saíram automaticamente.

Arrumavam-se com as roupas que encontravam pela frente e quase nem ouviram o adolescente falando com eles.

“Eu vou com vocês! ” Yoongi dizia.

“Não, meu filho, você fica aqui caso ela volte. ” A mãe falava enquanto calçava o sapato.

“Eu quero ajudar! ”

“Ajude cuidando da casa. ” E lhe deu um beijinho no rosto como preocupação de toda mãe “Se eu nós não voltarmos em duas horas, ligue para a polícia! ” Soo Yun gritava descendo as escadas e logo atrás o aparvalhado do Hyun Su. “Ela não deve ter ido muito longe! ”

Min Yoongi xingou de todas as formas mais ainda por estar xingando a própria mãe. Voltou para o quarto de Lee para certificar-se de que ela realmente não estava ali.

A janela estava aberta e o vento frio fazia as cortinas voarem lentamente. A luz de fora entrava, iluminando de tal forma que deixava o lugar com um aspecto de solidão, vazio e... medo. Estaria Lee assim esse tempo todo?

 Não se deu ao trabalho de acender as luzes. Andou até a janela e olhou para fora. Era alto, até ele sentiria medo de pular àquela altura. Aproximando mais ainda e inclinando um pouco para ver melhor, sentiu algo na sola dos pés.

Algo que ele conhecia pela cor, algo que ele já teria jogado fora a certo tempo, algo que estava escrito:

NEON PARTY.

PARK JIMIN E KIM TAEHYUNG CONVIDA VOCÊ PARA A LISTA VIP DE SUA FESTA.

ENDEREÇO: XXXX

 

 

 

BAM!

A última porta do carro bateu forte e todos partram para casa. O silencio era desconfortável, mas a garotinha não se importava, estava feliz com o prêmio que ganhou pela apresentação incrível: uma medalha de ouro e um brinquedo para o primeiro colocado.

Hyun Su, que aguardava no carro, olhou com uma leve irritação para o passageiro atrasado.

“Fumando de novo, Song Hye? ” Falou controlando o tom de voz.

“Me deixa. ” A mulher estalou a língua.

“Esse seu vício é mais importante que a nossa filha? ”

“Você está preocupado comigo ou com a nossa filha? ”  Song Hye enfatizou as últimas palavras com um sorriso desdenhoso no rosto.

“Você é inacreditável. Inacreditável. ” Hyun Su falou desapontado com a própria esposa.

Ela revirou os olhos como um adolescente faz quando leva sermão dos pais, mesmo estando no auge da vida adulta, Song Hye comportava-se estranhamente alheia a vida que tinha. E isso não foi sempre.

Foi desde... Bom, desde que Lee nasceu.

 

 

 

Yoongi hesitou um pouco, mas logo abandonou qualquer tipo de pensamento que o impedisse de encontrar a menina. Apostava todas as suas chances de que ela estava na casa de Jimin e Taehyung, se eles não marcaram de se encontrarem lá. A julgar pelo ocorrido mais cedo...

Aquele suposto beijo....

Sem mais delongas, pegou qualquer roupa e então saiu da casa. Caminhou apressado, passando por ruas escuras, dobrando esquinas, lembrou do episódio do strip tease ao passar pela quadra e como foi a maior emoção da vida dele, já que tudo começou com esse jogo.

Ao passar pela frente da sua escola, recordou o seu segundo jogo, talvez o mais estupido, porém de longe se arrependia. Foi excitante, sim, mas pesava na cabeça aquela maldita camisinha, prova do seu crime, que há tempo não achara o devido dono.

Afinal, o que se sucedeu sobre isso? Era realmente estranho, o diretor não falava mais dela e nem ninguém.

Finalmente chegou no local onde guardava aquelas memorias vergonhosas e irritantes, onde deveria ser o lugar que iria finalmente acabar com o segredo deles, mas no fim tornou o seu pesadelo.

A casa do Jimin e do Taehyung.

Era estranho ver aquele lugar sem a multidão de gente e as luzes colorindo o jardim. A casa parecia estar vazia, porém a julgar pela hora, todos deveriam estar dormindo. Yoongi se escondeu na sombra de uma árvore e pensou na possibilidade de Lee realmente estar lá.

De repente, uma luz acendeu. Era o quarto do Jimin.

 

 

 

Song Hye observava a filha de longe. A menina ainda cantava a música irritante do show de talentos que participara. Ela queria que a criança calasse a boca, não aguentava mais ter que ouvir a mesma frase o dia inteiro.

“Mamãe, por que não vem brincar comigo? ” Lee ingenuamente convidou a mãe.

“Chame o seu pai. ” Ela negou rudemente o convite.

“Mas eu quero brincar com a mamãe...” A pequena choramingou.

Song Hye estava prestes a gritar com uma criança de três anos quando uma luz passou pela sua cabeça ou talvez um raio de loucura, feixe de maldade.

“Você quer brincar? Então vamos brincar. ”

 

 

 

Yoongi se espichou para que conseguisse ver melhor e conseguiu vislumbrar uma segunda pessoa com Jimin. Ele puxou a pessoa para mais perto de si, porém foi afastado brutalmente e empurrado para a cama, a qual caiu de costas quicando por causa das molas do colchão.

Ele sorriu com aquela ousadia e parece que trocaram algumas palavras, porém a outra pessoa não partiu para cima dele, como deveria se esperar. Ela pegou um pano comprido e amarrou uma mão do menino na cabeceira da cama. Tudo sem que ele possa tirar um único proveito da situação. Ele tentava tocá-la, mas ela dava um tapa forte na mão dele.

Por mais estranho que aquilo parecia, Jimin estava adorando.

Então a pessoa se afastou da cama e caminhou para a janela, foi aí que Yoongi conseguiu ver perfeitamente o rosto de Lee. Era ela, mas ao mesmo tempo não era.

Yoongi, acompanhando cada movimento dela mais atento do que nunca e pigarreou quando Lee fez menção de tirar a blusa. Ele saiu do esconderijo em que estava por um breve segundo, prestes a perguntar se ela estava louca ou o que quando o brilho da lamina reluziu em seus olhos.

Ela escondia uma faca.

 

 

 

“Mãe, por que você está apagando as luzes? Você prometeu brincar comigo...”

“Mas nós já estamos brincando querida. Começa assim...

 

 

Lee tirou a faca da aba do short para analisá-la, quando notou mais alguém a observando. Seus olhos arregalaram quando viu o menino perplexo de cabelos verdes logo ali embaixo.

“O que pensa que está fazendo?!” Ele gritou.

Ela imediatamente fechou as cortinas e escondeu a arma de volta em sua roupa.

“Quem está aí? ” Jimin perguntou impaciente na cama.

“Ninguém. ” A menina sorriu “Era só o vizinho, eu acho. ”

“Ah, bom, se não era ninguém, por que nós não começamos logo e-“ Jimin foi interrompido pelo som de uma janela quebrando no andar de baixo. “O que foi isso?!” Ele levantou da cama de mal jeito por causa da mão amarrada.

“Não foi nada! ” Lee o empurrou novamente para a cama e subiu nele “Agora vamos começar logo esse jogo” Disse sorrindo maliciosamente enquanto o prendia sobre suas presas.

 

 

 

Song Hye observava a filha enquanto enrolava uma mecha de cabelo. Ela cantarolava uma música e Lee escutava com estranheza a mãe, porém apreciava a música.

“Não entendi a brincadeira, mamãe. Como joga?

“É simples, querida” A mulher tinha o tom de voz doce e calmo, totalmente o oposto do que costumava ser “Você tem que se esconder de mim e eu vou te pegar. ”

“Mas... está tão escuro...”

“É só uma brincadeira, Lee. ”

 

Yoongi conseguiu invadir a casa de Jimin e Taehyung com dificuldade, cortando-se um pouco nos braços. Entretanto assim que chegou no primeiro degrau da escada as luzes se acenderam e foi surpreendido por Taehyung.

“Yoongi?!” Ele exclamou ao ver o menino logo abaixo “O que diabos você está fazendo aqui?!”

“Não é hora pra conversa. ” O esverdeado falou apressado e subiu as escadas para enfim invadir o quarto de Jimin, mas foi interrompido por Tae.

“Não, você não vai entrar aí. ”

“Sai da minha frente, merda! ” Suga tentou empurrá-lo, mas o outro foi mais forte.

“Eu sei que você não vai com a cara do Jimin e eu também sei...” Taehyung conseguiu derrubar o rapaz “E eu também sei do seu caso com Lee, está bem?!”

“O que?!” Yoongi falou surpreso com a revelação repentina “Como descobriu isso?!” Tentava se levantar, mas era impedido.

“Longa história. Mas o caso é que Lee veio por conta própria e eu não vou deixar você socar o Jimin igual como fez naquela festa. ”

 “Tae, eu não estou brincando, ele vai morrer se você não deixar eu passar! ”

“Você não vai fazer nenhuma besteira, pelo amor de Deus! ”

O esverdeado perdeu a paciência para escutar as explicações de Taehyung para o que Jimin estava fazendo e o empurrou com violência para longe do caminho, fazendo o menino chocar-se contra a parede, machucando o braço.

Ele arrombou a porta sem muito esforço e a visão que teve não foi uma das melhores.

Tinha sangue. Manchas de sangue por todo o lugar.

Uma poça avermelhada sujando os lençóis.

 

 

 

Song Hye contou até vinte e Lee se escondeu no quarto, em baixo dos lençóis. A mulher fingiu procurar a criança na cozinha, mas suas mãos foram direto para o gaveteiro de facas. Escolheu a que podia atravessar um corpo pequeno e fez seu caminho a passos lento para onde a menina estava.

“Lee... onde você está? ” Cantarolava enquanto andava para o corredor.

Abriu a porta lentamente e então viu aqueles pés pequenos descobertos, chamando a para puxá-los e mostrar aqueles olhinhos assustados e então encravar a lamina direto no peito da garota.

Song Hye subiu na cama ainda cantarolando pela filha e montou na filha. Lee ingenuamente ria e reclamava do peso da mãe, até que tirou os lençóis da cabeça e viu a faca no alto, brilhando em seus olhos.

Em questão de segundos, Song Hye abaixou o braço ao mesmo tempo que Lee se encolheu na cama.

Errou por milímetros.

 

 

 

As orbes de Yoongi foram tingidas de vermelho. Talvez ainda esperasse ver Lee de pé lutando com Jimin, quem sofreria alguns cortes, porém nada grave.

Entretanto, havia apenas um corpo estirado na cama e para o seu azar, por mais que quisesse, não era Jimin.

“Mas que merda você fez?!” Vociferou contra o ruivo.

“E-Ela estava com uma faca e- e pulou em mim! ” Jimin gaguejava tentando se explicar.

O esverdeado empurrou o garoto sujo de sangue e subiu na cama para ver Lee.

Acertou em cheio.

A faca entrou por completo em seu abdome pelo lado esquerdo. O sangue escorria pelas laterais da arma e manchava as roupas de Yoongi, quem ingenuamente tentava delicadamente segurar a garota.

“O que aconteceu?!” Taehyung apareceu segurando o braço machucado.

“Eu tentei tirar a faca dela, mas... mas então... ela se jogou em mim e-e caiu por cima dela! Aí... ”

“Cala a boca, idiota! ” Yoongi gritou com a voz já rouca “Você a matou! Ela está morta! ” Ele lutava para conter as lagrimas.

Naquele momento, passou pela cabeça de Yoongi que talvez isso estava predestinado a acontecer por sua culpa. Talvez Lee nunca teria se machucado de maneira tão bruta se ele tivesse mantido a sua curiosidade e passado direto pela aquela porta entre aberta. Ou talvez se nunca tivesse a convidado para aquele joguinho de dados estupido. Se, quando o padrasto deu o primeiro aviso para manter distância, ele obedecesse. Se conseguisse ao menos desgrudar os olhos da garota.

Mas não.

Tudo por causa de seu egoísmo de querer a menina perto dele e preencher a sua curiosidade em saber a sua segunda personalidade, Lee tivera o seu fim trágico.

Yoongi brincou com o fogo e quem queimou foi a vítima, agora tem de lidar com as consequências.

Ou talvez... O destino lhe guardava algo melhor.

Abraçado ao corpo mole da menina, escutou gemidos quase inaudíveis. Afastou-se um pouco e viu a menina apertar os olhos e abri-los lentamente.

“Yoongi oppa...”

.

.

.

.

.

Então três meninos estavam aguardando no corredor das salas de cirurgia o resultado da menina esfaqueada. Um tinha o braço enfaixado, outro com pequenos curativos pelos braços e mãos, já o ultimo precisava de um sedativo para acalmar os nervos.

“Tem cadeira aqui, por que não senta? ” Taehyung falou um pouco irritado.

“Como eu vou sentar se a Lee está a horas sem acordar, graças a esse... imbecil! ” Yoongi apontou para o ruivo.

 “Eu já expliquei um milhão de vezes o que aconteceu! ” Jimin revirou os olhos “Eu peguei a faca da mão dela e antes que eu pudesse segurar, ela se jogou em mim, em cima da faca! ” Ele bufou “Não sei por que toda essa aflição, o médico já falou que ela está bem. ” 

“Mas ela não acorda! Esse é o problema! ”

“Ai tá bom, Romeu. ” Tae passou a mão que não estava enfaixada no rosto “A sua namorada vai acordar a qualquer momento. ”

Yoongi olhou na sua direção, primeiramente assustado, depois desconfiado daqueles dois rapazes. Estreitou os olhos e observou a expressão de cada um deles.

“Vocês estavam de armação para mim? ” Os dois o olharam se entender muito.

“O que?! De onde você tirou isso? ” Taehyung perguntou.

“É sim! Desde quando vocês sabem que eu estou namorando a Lee?!”

“Er.. Não sabemos dizer exatamente...” Jimin trocava olhares cumplices com Tae “Faz muito tempo. ”

“Jimin viu vocês dois transando na escola. ”

Suga olhou perplexo para o ruivo, “Mas que merda, por que você não foi cuidar da sua vida, seu tapado?!”

“Ya! Não foi só eu! Ele estava comigo também! ” Jimin se levantou, acusando o amigo também.

“Sim, mas quem ficou com ciúmes foi o Jimin. ” O menino com o braço enfaixado falou calmamente.

“E você deu a ideia de brincar com eles, espertinho. ” Sentou, revirando os olhos, “Mas nós não continuamos olhando vocês dois... fazerem... coisas. ”

Yoongi acabou soltando um sorriso de descrença “Então, a camisinha foram vocês? ”

“Sim...” Falaram juntos.

“A festa? ”

“Sim...”

“E Cloe. ”

“Er... sim. ”

O esverdeado deu umas voltas pelo corredor tranquilamente, respirou fundo e explodiu “Qual o problema de vocês, seus merdas?! Não tem o que fazer?!” Uma enfermeira que passava pelo local se assustou, obrigando Yoongi a abaixar o tom “Vocês queriam me foder?! ”

“Bom, é obvio que sim. ” Tae se levantou encarando Yoongi.

“Mas nós nos arrependemos, tá bom? ” Jimin interviu o amigo “Não imaginávamos que ia terminar assim. ”

“Eu devia socar a cara de vocês dois agora. ” O esverdeado encarou os dois na frente dele.

“Pode vim, já estou de saco cheio de todo esse teu drama aí. ” Tae falou se aproximando de Yoongi.

Então Suga e Tae começaram uma briguinha estupida em que ninguém se acertava, apenas puxavam o casaco um do outro e se agarravam. Afinal não podiam fazer barulho, sem contar que Taehyung estava com um braço inútil para a briga e Yoongi não era tão covarde a ponto de quebrar o outro.

“Parem! Vocês estão parecendo duas crianças! ” Jimin tentava separar os dois.

“Não enquanto eu não quebrar a cara dele-“

“Tae? Jimin? ”

Os três pararam com o que estavam fazendo e olharam na direção da voz. Yoongi não reconheceu aquela pessoa, mas percebeu como os seus outros companheiros se assustaram ao ver quem estava ali.

“Jin?!” Jimin falou um pouco surpreso.

“Graças a Deus. ” Tae falou.

“Você chamou ele?!” O ruivo sussurrou enquanto a nova presença se aproximava.

“Por que nós precisamos dele, idiota. ”

“Isso é estupidez... “

“O que aconteceu com vocês?!” Jin perguntou segurando os meninos.

Yoongi observou os três conversarem, de longe, e a julgar pela frustração do homem mais velho e alto entre eles, pensou que deveria ser alguém que ‘cuidava’ dos adolescentes. Via os mais novos arrependidos e como aceitaram cada palavra do sermão que recebiam. Não sabia qual era a relação entre eles, mas sabia que não deviam ser parentes.

O que deveria ser o Jin enxergou Yoongi e andou na sua direção. Esperava uma série de xingamentos, mas o homem não concluiu suas expectativas.

“Eu não conheço você, mas eu peço desculpas por todos os problemas que os meninos causaram.” Ele passou a mão no cabelo um pouco afoitado “É que... eles não se encaixam em lugar nenhum e ficam aprontando em qualquer lugar.”

“Hm...” Yoongi não sabia o que dizer para Jin, apesar de querer xingar os rapazes. Apenas queria eles fossem embora e o deixassem em paz.

“Eu cuido deles, entende? Eles são... como eu posso dizer... adotados. Sim, eu os adotei.” Isso chamou a atenção de Yoongi “Mesmo assim, eles apenas me veem como um irmão mais velho” Ele riu nervosamente passando a mão pelos cabelos novamente.

O esverdeado olhou por trás de Jin e percebeu como aqueles meninos não tinham nada em comum na aparência, mas tinham algo que os uniam, talvez o mesmo olhar emblemático de pessoas que escondem segredos.

“Eu não sei como era a família  deles antes de adota-los, eles também não me contam.”

De pessoas que guardam sentimentos para si.

“Mas eles insistem nesse comportamento... esse comportamento... exagerado.”

De pessoas que agem como se quisessem esquecer o que pensam.

“Festas, baderna, umas brincadeirinhas. Você entende?”

De pessoas que precisam preencher o vazio dentro de si.

“Sim, eu entendo.”

“Desculpa, estou tomando o seu tempo aqui.” Jin deu um sorriso simpático “Eu vou me esforçar para melhora-los. Quero dizer... manter nos juntos, como uma família apesar de não sermos... Ah você entendeu.”

Suga olhou para os dois novamente e viu como eles o observavam também. Podia facilmente acusa-los de todos os seus crimes, porém as palavras de Jin ecoavam na sua cabeça.

“Manter nos juntos como uma família apesar de não sermos.”

Sua garganta doía e seus olhos estavam marejados, mas isso era o de menos. Ele precisava consertar a sua vida, a sua família.

“Yoongi?” O menino escutou seu nome e virou para ver o dono da voz.

Ele sabia que não podia desistir da própria família e aceitá-la como aceitou Lee em sua vida.

Lee, a menina que o tirou do oceano em que ele mesmo se afundou e em seu lugar ficou. Por entre as algas, onde os fósseis estavam quase cobertos pela areia e onde a escuridão era insana.

Lee estava tão perdida quanto ele. E ele tem de consertar os seus erros para ele e Lee voltar a superfície novamente e respirar.

E o momento, é agora.

 

 

“Mãe... pai...”

 

THE END

 

 

?


Notas Finais


Eu preciso dizer que só falta mais um capitulo e podem dizer se ficou uma merda ou não. Não sei! Apenas comentem alguma coisa, por favor. Quero saber a opinião de vocês e se vocês querem saber a minha, olha preciso dizer, ainda bem que Army é aprova de bala porque com esse album novo eu já estava mortinha. QUE BOMBA FOI ESSA? BTS precisa entender que não somos aprova de infarto XD
Que musica vcs mais gostaram?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...