História Liar II - Capítulo 40


Escrita por: ~

Postado
Categorias Orange Is the New Black
Tags Alex Vause, Orange Is The New Black, Piper Chapman, Vauseman
Exibições 170
Palavras 2.288
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Drogas, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 40 - Dramatic


 

- É o fundo do poço, Natalie! - Estavam em uma sala, da delegacia. Natalie havia lhe telefonado, para dizer que precisava de ajuda. Agora, ela não dizia nada, apenas, continuava fitando a mesa. - Presa. - Jessy balançou a cabeça, custando acreditar. - Por que você sumiu? Faz ideia, do quanto fiquei preocupada? Achando que tinha acontecido alguma coisa. Achando que você tinha feito alguma besteira. E você fez. O que é, que você tem nessa cabeça?  

Nenhuma resposta.

- Eu paguei a sua fiança. - Tentava visualizar melhor seu rosto, já que ela estava com a cabeça baixa. - Você está detonada. Esteve na rua, durante todos esse dias? - Perguntou em vão. Suspirou - Eu juro, que não quero acreditar, que pensou em atirar nelas.  

Natalie, finalmente, a encarou..

 

- Eu não sei, o que deu em mim. - Disse com a voz embargada. Lágrimas começaram a cair. - Eu não aguento mais! Sim. Eu pensei por um tempo em... Acabar com aquela Piper, mas eu não tive coragem. - Afundou o rosto nas mãos. Jessy puxou suas mãos, segurando-as. - Eu voltei a mim. Eu não ia mais fazer aquilo. Eu juro que ia embora. - Continuava chorando. - Então, aquela garota me viu. Mas, eu ia embora, Jessy. Eu ia. 

- Okay. Eu acredito em você. E vou te ajudar, Nat. - Acariciava suas mãos. - Você tem a mim. E eu não vou sair do seu lado. 

 

..... 

 

- Você está com raiva de mim? 

- Não. 

- Tem certeza? 

- Tenho.  

- E por que está me respondendo assim, Pipes? O que foi que eu fiz? 

- Nada, Alex. - Entraram no apartamento. Piper se deitou no sofá. Alex se ajoelhou no chão, deixando seu rosto próximo ao dela. 

- Pipes. - Tocou seu rosto.

- Eu não acredito, que você ficou defendendo ela. - Se fitaram.

- Defendi quem? 

- A Natalie. Você e a Sylvie ficaram justificando aquela loucura, que ela ia fazer. 

- Não estávamos justificando.  

- Estavam, sim, Alex.  

- Pipes, você a viu. Ela não parecia bem. Ontem, na nossa discussão... Eu sei lá. Eu disse tanta coisa. E ela usa drogas. Vai saber. 

- Ela tinha que apodrecer, em uma cadeia. Iremos denuncia-la, não é? Perseguição. Tentativa de assassinato.  

 

Alex se levantou.  

- Eu... preciso falar com a Jessy.  

- O que? - Piper se levantou, também. 

- Eu vou avisa-la. 

- Não! Pra que? 

- Piper, ela precisa saber.  

- Você está brincando, não é? Estamos falando da Natalie!  

- Eu sei. - Procurou o número da Jessy. - Eu sei de quem estamos falando. É por isso mesmo. Ela precisa de ajuda. Antes que faça algo, grave, a nós. A Jessy saberá o que fazer. Interna-la, ou qualquer coisa.

- Alex! 

 

Alex fez um sinal com a mão, para que ela ficassem em silencio. Piper bufou, irritada. Alex ligou pra Jessy. Mas, apenas chamou.  

- Não atende. 

Piper não disse nada.  

 

- Ah... - Desistiu de ligar e sentou ao lado da Piper. - Pipes, não fica com raiva. 

- Faz o quiser fazer, Alex.  

- Para com isso. Não vamos brigar por isso, não é? - Pegou em seu queixo, virando seu rosto, para que se encarrassem. - Por favor? Eu estou pensando em nós. 

- Okay. Sem briga. - Suspirou, se aconchegando mais nela. Recebeu um selinho e deitou no sofá, com a cabeça nas coxas da Alex. - Al... Foi estranho, não foi? - Olhou pra ela. - O fato da Sylvie se solidarizar com a Natalie. Ela nem a conhecia. - Balançou a cabeça. - Olha a atitude da Hannah... Não fez nada. 

- Elas conheciam a Natalie, Pipes.  

- Conheciam? Como?

- Encontramos a Sylvie, uma vez, quando saímos. - Piper revirou os olhos, incomodada. - E a Sylvie se interessou por ela. Então, Hannah e eu, promovemos o encontro delas, aqui. Uma noite. 

- Hm... - Fitou a Alex.  

- Foi aí, que a Natalie acabou dormindo aqui. Lembra? A Sylvie e a Hannah estavam aqui, também. 

- Hm... 

 

- Deve ter sido por isso que a Sylvie se... Solidarizou, como você disse. - Deu risada. 

- Ela gosta da Natalie? - Fez careta.  

- Gosta.  

- Que mal gosto! Ela sabe o que aquela cobra fez? 

- Sabe. Eu mesma contei a ela. - Assentiu, começando a fazer carinho nos cabelos da Piper, que estavam espalhados por suas coxas. 

- E mesmo, assim... Aff. - Fechou os olhos, gostando do carinho. 

- É. - Alex olhou pro celular. Não ia ligar de novo. Talvez, a própria Natalie, já tivesse ligado pra Jessy. - Preciso de um banho.  

- Tá. - Piper sorriu, ainda de olhos fechados.  

- Ah... Suas compras ficaram no carro, Pipes. Quer ir lá buscar? 

- Não. Deixe-as lá. - Bocejou.  

 

- Já está com sono? 

- Sim. Esse cafuné que você está fazendo. - Respondeu sorrindo. - E também porque andei demais, agora a tarde. 

- Gastando dinheiro. - Deu risada. 

- Exatamente.  

- Coitado do seu pai. 

- Também acho, Al. 

 

..... 

 

- Ah... Não. Já preciso me arrumar? - Alex perguntava, deitada na cama. Era manhã de sexta feira. Dia de Ação de Graças. 

- Já. - Piper suspirou e jogou o corpo para trás, deitando na cama, novamente, tinha acabado de tomar banho. - Arrume sua mochila, e que o pesadelo comece! 

- Que dramática. - Alex deu risada, ficando por cima dela. - Você já pensou em ser atriz? - Piper a encarou. - Ah é... Esqueci. Essa era a faculdade que você fazia, quando nos conhecemos. - Piper a encarou, séria. - Não... Espera... - Gargalhou. 

- Alex. - Reclamou. - Para! 

- De onde você tirou aquela ideia? - Ria mais. 

Piper fez cara de brava e quis empurra-la. 

- Amor, é brincadeira. - Beijou -a. - Okay? Desculpa.  

- Hm... - Encarou-a. 

- Eu te amo, minha bonequinha. - Beijou seu nariz e depois o seu queixo. 

- Desculpo, mas só porque você é fofa. - Piper sorriu e abraçou o corpo da Alex, com os braços e as perna.  

 

- E os seus parentes, Pipes? - Inspirou seu perfume. Estava, um pouco, insegura, quanto a conhecer o resto da família da loira.  

- O que tem eles? - Piper perguntou afundando os dedos nos cabelos da Alex, que continuava em cima do seu corpo.  

- Quem irá pra sua casa? 

- O irmão do meu pai, com a esposa e os filhos. E a irmã da minha mãe, que é minha madrinha. Ela virá de Londres. 

- Londres? Aquela madrinha? 

- É. Sim. Londres. Minha madrinha. - As duas suspiraram, depois deram risada. 

 

- Eu tenho trauma de Londres, Pipes. De verdade. 

- Eu imagino. - Riram de novo.  

- O que tivemos que fazer, pra evitar Londres. 

- Sim. Mas, a gente devia visitar Londres, juntinhas, um dia. - Beijou sua bochecha duas vezes. - Eu gosto de lá. 

- Vamos, sim. Iremos pra onde você quiser, meu amor. - Se beijaram. 

 

- Al... Você vai precisar me ajudar, bastante. 

- Sempre. - Beijou sua testa, saindo de cima dela. Piper não gostou. - Mas, em quê? - Sorriu. 

- Kate. - Revirou os olhos. - Ela é uma metida, mimada, chata e mentirosa.  

- Uau. - Deu risada, olhando pra ela.  

- Nessas reuniões de família, ela costumava me fazer ficar encrencada. Ela sempre era a perfeitinha, e eu sempre a rebelde.  

 

- Qual o problema, em ser a rebelde? É sexy. - Alex fez graça. 

- Olha só, quem está falando isso! - Se sentou na cama, encarando Alex.  

- Como assim? 

- Você não me deixa, usar minha identidade falsa, pra nada, Alex. Se gostasse de rebeldia, iríamos sempre, a casas noturnas e bares. E... Já teríamos visitado um motel. 

Alex gargalhou alto. 

 

- Olha... Quando ela começar a provocar, Al, você me segura. Eu não quero perder o controle. 

- Pode deixar. - Sorriu. 

 

Alex começou a pegar as coisas, que levaria pra casa da Piper. E na prateleira alta do guarda roupas, ela encontrou a caixinha vermelha. 

 

- Olha o que eu encontrei. - Sorriu. Piper olhou pra caixa e, imediatamente, se lembrou dela. 

- Você guardou ele? - Perguntou, surpresa, se aproximando.

- Sim.  

- Achei, que você tinha feito o que eu, estupidamente, pedi naquela noite. 

- Dá -lo a Natalie?! - Deu risada. - Eu jamais faria isso. Ela era, apenas, uma amiga. - Balançou a cabeça. - Eu achava, né.  

- Eu não pensava isso. Sinceramente. 

- Eu... insinuei, alguma coisa, né? - Sorriu amarelo. 

- Sim! - Bateu em seu braço. 

- Joguei na sua cara, que continuava falando com ela, porque você estava com o Max. - Disse rápido.  

 

- Desculpa, Al? - Abraçou-a de repente. Alex aceitou o abraço.  

- Sim. Claro. - Beijou seu ombro. 

- Aquele foi o pior aniversário, da minha vida. - Encerrou o abraço. 

- Eu sinto muito. - Olhou pra ela, ao abrir a caixinha. - Você... Quer ele? 

- Mesmo? 

- Sim. Eu comprei pra você, Pipes. - Sorriu, estendendo a caixa. - Ele é seu. 

- Eu quero. Irei usa-lo hoje a noite. - Alisou o colar. - É tão lindo! 

- Você é linda! 

- Você acha? 

- Sim. Muito linda. - A abraçou pela cintura, ainda com a caixinha na mão, levantando-a do chão. Piper sorriu envolvendo seu pescoço com os braços, e sua cintura com as pernas. Se beijaram naquela posição. Alex deu quatro passos pra frente, em direção a cama. - Você... Está pesada. - Alex deixou que ela caísse na cama. 

- O que? Você está me chamando de gorda? Você tem noção do quanto isso é grave, Alex?  

- Dramática. - Depositou a caixinha na cama e foi se afastando.  

- Não. Volte, aqui. - Se levantou, puxou Alex pelo braço e lhe empurrou pra cama.  

- Nossa. - Deu risada. Piper sentou, com as pernas abertas, em cima do seu ventre. Sorriu e inclinou o corpo pra frente fingindo que ia beija-la. Mas, parou quando Alex fechou os olhos. Se afastou. - Ei... - Ela abriu os olhos, encarando-a descontente. - Vem aqui. - Puxou-a para si, Piper relutou e se levantou da cama com dificuldade. Alex foi atrás dela, lhe imprensando contra a parede, com o corpo. 

 

Tentou beija-la, mas Piper virou o rosto, ainda sorrindo. Alex, então, beijou seu pescoço. Deu uma leve mordida. Beijou o ombro direito e desceu a alça da sua blusa. Mordeu seu ombro, também. Piper tirou a blusa. E estava sem sutiã. Alex abraçou-a pela cintura, e elas se encararam sérias. Alex tentou beija -la, porém não conseguiu, novamente.  

 

Piper, sorriu e envolveu seus braços no pescoço da Alex, se pendurando. Foi levada até a cama. 

 

- Não faz isso, comigo. - Disse, tendo mais um beijo negado.  

 

Alex, então, colocou Piper deitada na cama, suavemente. Tirou a camiseta e se inclinou sobre o corpo da loira. Apoiou-se com as mãos, sorriu e apertou o joelho contra o sexo da loira, sobre o short. Piper gemeu e arqueou as costas. Alex pegou seus braços e colocou-os acima da cabeça. Sorriu, e se inclinou para baixo. Começou a beijar seu queixo, enquanto continuava pressionando o joelho em seu sexo, bem devagar. 

 

Passou a língua pelo seu pescoço, e foi descendo até os seios. Colocou as mãos, firmemente, ao redor deles. Apertou-os, enquanto começou a chupar os mamilos, fazendo-os ficar, imediatamente, erguidos. Piper começou a gemer e se contorcer. 

 

A morena se ajoelhou na cama e puxou o short da Piper pra baixo, fazendo o mesmo com a calcinha. Jogou as peças em qualquer lugar e  levou a mão até a intimidade da loira, sentindo toda a sua umidade. Sorriu, olhando pra Piper, que estava com os olhos fechados, sentindo seus dedos lhe masturbando.  

 

Mantendo o sorriso, Alex se deitou e envolveu seus braços, em torno das coxas nuas da loira. Ela começou a beijar, lamber e morder ligeiramente a pele dos lados internos de suas coxas, fazendo Piper tremer, e gemer ansiosamente. Alex queria deixa-la maluca. Puni-la, por negar seus beijos. Levantou a cabeça, olhando pro rosto da loira. 

 

- Está pronta? -  Alex perguntou rouca, lambendo os próprios lábios. 

- Alex... - Piper disse com a voz manhosa. - Vai logo! - Se sentia a ponto de explodir. - Eu não aguento mais.

 

Piper gemeu alto, quando sentiu os lábios da Alex, firmemente, em volta de seu clitóris pulsante. A morena começou a suga-lo, enquanto puxava Piper para mais perto. Piper agarrou os lençóis, quando sentiu a Alex empurrar a língua, profundamente, em sua vagina, movendo-se para dentro e para fora, enquanto apertava suas coxas, sem dó.  

 

Alex tirou a língua, e enfiou dois dedos dentro dela, de uma vez. Levantou a cabeça, para olha-la. Piper gemia desesperadamente. Começou um vai e vem com os dedos, observando as expressões que ela fazia.  

 

Abaixou a cabeça e chupou seu clitóris, novamente. Alex curvou seus dedos dentro dela, e encontrou seu ponto g. E com o polegar, esfregou seu clitóris, tudo em uma sintonia perfeita.  

 

- Eu te amo. - Alex sussurrou, voltando a admirar seu rosto. Piper gemia descontroladamente. A morena sorriu e começou a mover seus dedos mais rápido.  

 

Piper arqueou as costas e cobriu o rosto com as palmas das mãos, quando seu corpo explodiu, e ela alcançou o orgasmo. Alex, lentamente tirou os dedos de dentro dela, e os lambeu. Deu um último beijo em seu sexo e subiu, roubando um selinho da Piper. Quis aprofundar e conseguiu. Piper se deixou ser beijada, mesmo ofegante. Alex sorriu, sem interromper o beijo, e sentiu um tapa no bumbum. 

 

 

 


Notas Finais


E eu ainda fico insegura, escrevendo hot. kkkk


Boa noite!
xoxo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...