História Liars Secrets (Em Correção) - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Matthew Daddario, Nate Maloley
Personagens Emily Rudd, Justin Bieber, Matthew Daddario, Nate Maloley
Tags Chaz Somers, Christian Collins, Don Benjamin, Emily Rudd, John Brotherton, Matthew Daddario, Nate Maloley, Paul Walker
Visualizações 302
Palavras 1.008
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Mistério, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá amores. Esse capítulo e tipo um bônus, então prestem atenção ok. Espero que gostem.
Boa Leitura.

Capítulo 18 - Invasão ao hospital


Fanfic / Fanfiction Liars Secrets (Em Correção) - Capítulo 18 - Invasão ao hospital

Continua...

Pego um colete e coloco no corpo junto às armas. Leon já estava pronto, logo eu também.

Saímos do escritório e vamos até a sala onde todos também estavam vestidos para nosso ocasião especial.

— Vamos! — Entro no carro, assim como os outros. Eu só queria saber o porquê dele estar no hospital. E o que ele quer com a Scarlett. Chegamos no hospital e estava lotado de carros em volta. Desço do mesmo destravando a arma. — Entrem e vão direto para o quarto dela. E não matem ele, deixem comigo isso.

Eles assentiram e me vi sozinho. Ótimo. Entro despercebido, mentira, matei três que tentaram me acertar. Sorri e entrei no meio deles, fui até o elevador. Agora eu preciso saber o que tem naquela pasta preta que pegamos, sem dúvidas. O elevador para um andar abaixo do da Lett. Ele se abriu e ouvi um tiro sendo disparado dentro do mesmo. Aperto para ir onde está Scar, mas não sem antes matar o infeliz. Ele se abre, sem nenhum tiro sendo disparado, ando pelo corredor que estava piscando. Abro a porta do quarto da Lett e entro, vendo-la dormindo. Olho para o lado e vejo Pietro.

— Pietro. — chamo, ele que se vira e me encara, franzo o cenho ao ver que ele apontou pra trás de mim. Logo escuto uma arma sendo destravada, sorri. Ele estava atrás de mim.

— Filho! Que bom te encontrar aqui. — sorriu falso, fiz o mesmo. — Vejo que veio na hora certa.

— Percebi. — debochei

— Debochando de mim, filhinho? — negou com a cabeça fazendo um barulho tipo, tsc tsc. — Eu não perdi meu tempo o educando atoa, filhinho.

— Educou tanto que foi embora quando mais a Scarlett precisou de você, né, filho da puta? — levei um soco no rosto, não revidei apenas sorri limpando o sangue da boca.

— Uau! Está tentando fazer o que com isso? Isso não me subestima filho, nem você e nem ninguém! — alterou a voz, estava sorrindo. Eu sabia que isso faria ele se descontrolar.

— Eu? Tentando fazer algo pra você? Imagina. — dei de ombros. — Você só não espere por esperar, papai.

— Filho, filho, eu sei de coisas das quais você irá querer algum dia. — chegou mais perto do meu ouvido e sussurrou: — É esse dia vai chegar logo.

— Não sei se quero saber de algo de um velho, que tem uma obsessão pela própria filha. — fiz cara de surpreso. — É também que ele tem um santuário no próprio quarto. Ops! Eu descobri, e logo ela vai saber disso, querido papai.

— E verdade isso, papai? — ouvi a voz da Lett, e me praguejei por ter dito isso com ela no quarto, eu iria contar com calma, não assim. Mas vai ter que ser assim, ele está fodido. Ela sabia que Gregório era traficante. Só não sabia que ele tinha isso. Ela o idolatrava assim como ele a ela. Eu só percebi essa obsessão dele por ela, quando a mesma falou que ele colocava a mão em seu bumbum quando era mais nova.

— Não, não, não filha. — falava andando até ela. A mesma olhou pra mim e assenti, logo vi lágrimas saindo de seus olhos. Eu precisava contar tudo, e vai ser agora, sei que ela vai sofrer.

— E ele tirou uma foto sua quando você dormia. — fiquei do outro lado dela, Pietro estava perto de mim, dei meu celular sem o crápula ver. — Você só dormia de calcinha, era sempre eu que colocava minha blusa em você. Lembra? Lembra quando tiramos uma foto de você de biquíni e falei que ia guardar? Ele pegou. — apontei para ele que estava chocado assim quanto ela. — Foi ele que tirava fotos suas quando dormia. Você sempre dizia que sentia alguém lhe observar enquanto dormia, não era? Era ele.

— Papai... — olho para Pietro e ele assentiu. — Porque?

— Porque? Você é a cópia perfeita da vadia da sua mãe! — andei até o lado em que ele estava. — Ela morreu por sua causa. Ela deu a porra vida dela pela sua. Ela se foi quando... Quer saber? Foda-se! — sorriu, ele estava se transformando, vai ser agora que ele joga tudo na cara dela, Pietro já devolveu meu celular, coloco pra gravar, não sou otário. — Eu matei todos que te olhavam quando ia para escola. Eu matei o seu amigo, ele te olhava com desejo. — mentira, ele era gay, ele disse, eu vi ele beijando um cara. — Eu tentei te matar. Sabe porque eu não matei você? Eu te desejava toda noite em minha cama, nunca conseguia, você era ingênua e muito.

Olhei para ele negando com a cabeça e logo ele continuou.

— Eu tentei, juro que tentei não desejar a própria filha, mas foi em vão. Você é a cópia de sua mãe. Mesmo que eu tenha matado muita gente, sempre lembrava de você logo depois.

— Viu o papai que você tem? — Falei, ela era esperta sabia o que estava fazendo. A porta se abre e jogo ele no chão distribuindo socos em sua cara, ele já era velho, dei mais um soco e ele desmaiou. — Desculpa Scar.

Ela assentiu e falou:

— Me tira daqui. — ela disse para Leon que assentiu.

— Matou todos?

— Sim. — Justin falou

— Vamos levar ele. — Estava todos em volta da Lett, beijei sua testa e me virei para pegar o corpo de Gregório. Mas ele não estava lá... Desgraçado.

— Cadê ele porra? — Leon gritou. Gargalho chamando a atenção deles.

— De novo não. — ri negando. — Não se preocupe, temos algo melhor que isso.

— O quê? — Ryan perguntou. Segunda vez que meus planos dão errado para tentar matar ele.

— Ele gravou tudo. — Scar disse em voz baixa. — Gravou que ele matou meu amigo, e entre outras pessoas por obsessão a mim.

— Exato!

— E o que você vai fazer com isso?

Sorri para Magnus e falei.

— Se ele tentar algo contra minha irmã. — aponto para ela. — Essa gravação vai parar na polícia.

— E aquela pasta preta? — Justin perguntou de novo.

— A pasta preta, hm, irei deixar guardado em lugar seguro. Essa pasta pode ter algo que fará ele sumir por muito tempo. — eu acho.


Notas Finais


Espero que tenham gostado.
Comentem a opiniões de vocês, irei agradecer.
Até o próximo.
Betado pela Bleah HTE


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...