História Lies of a Young Heart - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Amor, Drama, Friend Zone, Grande, Lesbicas, Romance
Visualizações 16
Palavras 2.520
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Escolar, Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção, Luta, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Visual Novel, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Perdão pela demora, eu viajei sem nenhum aviso prévio da minha mão, mals aew.

Capítulo 8 - Incerteza ou Mentira?


Fanfic / Fanfiction Lies of a Young Heart - Capítulo 8 - Incerteza ou Mentira?

Quando acordo no hospital, vejo Katy com a cabeça apoiada em meu ombro e dou aquele mini sorriso de canto de boca e me distraio à vendo confortável mesmo dormindo em um banco de hospital é quando ouço:

-Nossa, vocês são bem gays mesmo em. – Diz Alex com a cabeça enfaixada ao lado do pai dela.

-Alex não fala isso. – Diz o pai dela.

O pai de Alex era um negão alto e careca, ele tinha os olhos cor de mel e uma barba malfeita, ele usava uma blusa branca manchada com um colete quadriculado por cima, uma calça jeans preta e um tênis marrom meio acabado, Katy parece acordar com a voz grossa do pai de Alex e levanta como se não estivesse babando no meu ombro segundos antes.

-Senhor Arlow, é um prazer te conhecer. – Diz Katy estendendo a mão para cumprimentá-lo.

-O prazer é todo meu, muito obrigada, a Alexandra disse que vocês cuidaram dela a noite toda. - Diz dando o aperto de mão em Katy e esticando a mão para mim com um sorriso no rosto.

-Meu pai disse que vai dar carona para vocês. – Diz Alex.

-Vamos, minha caminhonete está lá fora, seus pais devem estar preocupados já são 4:40 da manhã, para aonde vocês vão?

Nós dizemos e o pai de Alex diz que vai dar a carona, quando chegamos no estacionamento do hospital vemos uma caminhonete vermelha igual à aqueles filmes clichês de fazenda, o pai de Alex saca a chave e abre essa mesma caminhonete, Katy e eu vamos na caçamba lado a lado, Katy apoia a cabeça no meu ombro e eu a envolvo com meu braço, e nós vemos o sol nascer juntas, estava frio, porém o sol alaranjado em nossos rostos nos aquecia e sem perceber trocávamos sorrisos. Katy foi a primeira a ser deixada em casa, ela se despediu de nós pulou para fora da caminhonete e entrou em casa, a segunda parada foi a minha, eu fui direto para casa e dei um tchauzinho da minha porta para Alex e para o pai dela.

Assim que cheguei em casa, tomei banho e me joguei em cima da cama, logo dormindo igual uma pedra, depois de algumas horas que pareciam minutos como uma estátua na minha cama, meu telefone toca, é Katy:

#Ligação On#

-Acorda Lauren.

-Ah Katy, não enche o saco, acabei de dormir.

-Vamos nos atrasar.

-Eu supero.

-Não, levanta agora.

-Tudo bem. – Digo ainda deitada.

-AGORA!

-Ta bom! – Digo dando um pulo da cama. – Já vou me arrumar.

#Ligação Off#

Eu me levanto e visto uma calça jeans preta, uma blusa branca, e um tênis vermelho estilo all-star igual uma sonambula, e para terminar amarro o cabelo, pego a mochila e vou para a escola de bicicleta. Chegando na escola à vejo vazia pelos corredores e entro na sala aonde já está todo mundo parecendo apenas um pouco menos cansado que eu, é quando vejo o professor virado para o quadro, sento na carteira e me deito à espera de um cochilo, mas ouço a porta à se abrir novamente, eram duas pessoas, um garoto, que logo vi ser bem bonito, ele tinha cabelos negros longos um pouco além dos ombros, olhos cor de mel, músculos no corpo moreno e usava um moletom preto com uma calça jeans clara, e uma garota, dos olhos cor de mel, loira de cabelos loiros e logos além dos seios, pele branca, usava uma blusa de basquete vermelha, calça jeans preta, tênis de basquete brancos e um toca, que entrava na sala um pouco emborrada, logo o professor vira para os apresentar.

-Bem turma esses são Elena e Ezequiel, eles acabaram de se mudar e vão estudar com vocês esse ano, podem se apresentar, e falem um pouco sobre vocês.

-Nós viemos da Carolina do Norte, de uma cidade chamada New Bern...

-Na costa? – Pergunta Tássia.

-Sim na costa.

-Dizem que lá faz bastante frio, mas aqui é diferente, se você quiser tirar o moletom não tem problema. – Diz Alex fazendo todos rirem com uma cantada.

-Não, obrigado. – Diz o garoto meio envergonhado.

-Senhorita Estringer, quer dizer algo?

-Não, estou bem. – Disse Elena parecendo um pouco envergonhada.

Olhei ao meu redor e todas as garotas olhavam para Ezequiel, e Isac também, que por sinal era o único que recebia o olhar de volta. Logo os dois se sentaram um ao lado do outro e o professor deu seguimento a aula até o intervalo. No intervalo, isac chamou Ezequiel para sentar na mesa dele e Elena ficou sozinha, mas parecia não ligar muito, todos passamso por ela, menos Katy que se sentou e nos chamou, estávamos na mesa: Eu, Alex, Katy e Elena, Tássia estava na mesa ao lado junto com suas amigas, Katy foi logo fazendo uma entrevista deixando a menina rosa com tantas perguntas.

-Está gostando de Pittsburgh? – Pergunta Katy toda elétrica

-Até aonde eu vi sim. Responde a menina envergonhada.

-Já escolheu a atividade extracurricular?

-Eu estou pensando em...

-...basquete. – Completo.

-Não, eu gosto de corrida.

-Sério? A Katy também corre!

-Eu posso te ajudar com a inscrição depois.

-Claro... seria ótimo.

-Vamos ao que importa... – Interrompe Alex. – o seu irmão é solteiro?

-S-sim... mas...

-Não precisa demais, era tudo o que eu precisava saber. – Diz Alex levantando, pegando a bandeja e sentando entre Ezequiel e Isac.

-“Mas” o quê? – Pergunta Katy.

-Ele é gay. – Completa ela fazendo Katy e eu rir.

-Que azar seu né, chegar no fim do ano. – Diz Katy.

-Nossa é mesmo, estamos à apenas mais 5 dias da liberdade. – Completo.

Katy faz uma cara esquisita e olha para minha cara.

-Lauren?

-Eu.

-Você não se arrumou hoje?

-Não, eu estava atrasada.

-Mas por que você está vestindo uma blusa escrito “Eu adoro ursinhos”?

-Ãn....

-Melhor... Por que você tem uma blusa assim? E por que você não me deu? – A droga! Eu não tinha visto que tinha pego o presente de aniversário de Katy, agora terei que dar outra coisa para ela de aniversário.

-Ãn, eu gosto de ursos Katy, não sou um monstro.

-Você é sim.

Depois do intervalo tivemos as duas últimas aulas, todos pareciam exaustos, é o efeito de segunda, eu sorri para Tássia esperando receber o sorriso de volta, mas ela simplesmente me ignorou, guardou o material e saiu de sala, eu guardei o meu material o mais rápido possível para ir atrás dela e quando à vi em passos largos pelo corredor, corri mais rápido ainda para alcança-la e então segurei seu cotovelo.

-Tássia? – Digo sem entender o porquê dela ter me ignorado. – O que foi, por que está indo embora sem falar comigo?

-Ãn, eu preciso chegar em casa cedo hoje, meus pais chegaram e querem jantar fora.

-E por isso me ignorou, esta atrasada? – Digo soltando o braço dela e pondo uma de minhas mãos em sua cintura.

-Lauren, alguém pode ver a gente aqui, meu pai pode aparecer. – Diz ela tirando minha mão da cintura.

-Ah, claro, romance perigoso.

-Não é isso, eu conto na hora certa.

-Não vai nem me dar um beijo?

Ao ouvir ela se despede de mim com um beijo no rosto e pede desculpas no meu ouvido, eu fico parada olhando ela ir embora com meu coração gelado.

-Não fica assim. – Diz Gabie indo atrás dela. – Ela só está com medo. – Ao dizer isso se vira e vai embora.

Eu olho para a porta da sala e vejo Katy saindo trazendo Elena pelo pulso rindo e Alex vem logo atrás mais brava que nunca.

-Black Forge? – Pergunta Katy.

-O que? – Pergunto distraída.

-Vamos ao Black Forge? Tomar capuchino.

-Claro, Alex e Elena vão com a gente?

-Claro, seria ótimo. - Diz Elena.

-Vamos. – Diz Alex.

Quando chegamos no Black Forge sentamos em uma mesa na do lado de fora na frente da porta, Katy antes de sentar pergunta a Alex e a Elena o que elas querem, Alex pede Mocaccino, Elena pede um chá de gengibre e Katy vai buscar.

-Pera ai, ela não perguntou o que você queria. – Diz Elena.

-Hoje é segunda, dia de cappuccino com baunilha, a Katy vai trazer isso para nós duas.

-Nossa, vocês têm essa química toda?

-Aqui em Pittsburgh chamamos de “viadagem”. – Diz Alex e faz Elena rir. – Então, seu irmão é gay né?

-É, ele é. – Responde Elena rindo.

-Podia ter dito antes de eu levantar meu seio para ele.

-Eu tentei.

Katy chega com uma bandeja com as quatro bebidas, dá a cada pessoa sua bebida, e se senta.

-Hoje está tão frio. – Diz Katy pegando um casaco em sua mochila e vestindo. – Quando seu irmão descobriu que era gay Lena?

-Lena? – Diz Alex encarando Katy fixamente.

-É mais fácil que Elena. – Responde Katy.

-Escuta, até onde sabemos, ela é uma fugitiva da Carolina do Norte.

-Ei, eu ainda estou aqui, e eu não sou uma fugitiva. – Diz Elena.

-Ignora ela Lena, responde a pergunta, deixa a louca falar sozinha, ela bateu a cabeça recentemente e parece que os parafusos ainda não voltaram para o lugar. – Digo.

-Ãn, vamos dizer que meu irmão sempre soube que era gay.

-Mas, quando ele se assumiu mesmo? – Pergunta Katy.

-Ele não precisou se assumir, foi um processo natural, ele pegava uns caras na balada e namorava, ele nunca precisou dizer “eu sou gay”, ele é do jeito que é.

-Ãn, seu irmão é bem bonito. – Diz Katy tirando o chantilly da minha boca com um paninho.

-Sim, ele atrai bastante atenção, é difícil sair com ele para qualquer lugar, mas e vocês duas, quando se assumiram? – Alex da uma risada na mesma hora e diz:

-Essa eu também quero saber.

-Ãn, n-nós duas? Katy e eu? N-nós não somos... nós não namoramos, somo só amigas. – Digo nervosa engolindo instantaneamente o café quente, e quando olho para Katy ela parece não estar muito incomodada.

-Ah, nossa, me desculpa, é que vocês são tão ligadas que eu pensei que vocês eram gays.

-Uma delas é. – Responde Alex bebendo o café com cara de sínica. – Eu duvido você adivinhar qual, uma dica, não é a legal.

-Ãn, então você é gay Lauren?

-Sim, sou eu.

-Que louco, eu juro que realmente pensei que vocês duas estavam juntas.

-Olha Lauren, muitas pessoas pensam nisso, estou quase achando que o destino de vocês é ficarem juntas. – Diz Alex.

-Cala a boca Alex! – Grito.

-Ãn, e você Lauren, como se assumiu?

-Bem, eu comecei a gostar de uma garota...

-No 8° ano. – Diz Alex.

-Shh Ally, eu queria dizer para meus pais antes de qualquer coisa, foi bem difícil contar, mas pareceu mais difícil para mim do que para eles, eles aceitaram numa boa.

-E você ficou com a garota? – Pergunta Lena.

-Não.

-Por que não?

-Ãn, sei lá, eu tive medo.

-Medo de falar para ela?

-Não, é que essa garota tinha uma família... o tanto quanto....

-Idiota e preconceituosa?

-É, exatamente.

-Meu irmão passou por isso com alguns namorados dele.

-O meu café acabou – Disse Katy levantando e indo pegar mais um.

-E você Elena, você é gay? – Pergunta Alex.

-Não, eu gosto de caras, igual você.

-Há, a Alex é...

-...bissexual.

-...indecisa.

-Prefiro o termo “seletiva”, eu gosto de pessoas.

-E a Katy? Pergunta Elena.

-Hétero. – Respondo.

-Mas ela vai conhecer a garota que é o amor da vida dela, se apaixonar, e as duas viveram felizes para sempre. Em falar em felizes para sempre, Lauren, por que você não esta com a Tássia?

-Que é Tássia. – Pergunta Lena.

-A ficante da Lauren.

-Ela foi jantar com o pai dela.

-Nossa, em falar em jantar, tenho que ir para casa, meus pais vão ir a festa de boas vinda da vizinhança, não posso me atrasar, tchau. – Diz Elena levantando da mesa e indo embora.

-Escuta Alex! Não pode ficar mandando tantas indiretas assim, a Katy não é idiota, ela vai acabar percebendo.

-Eu não consigo me controlar, é muito bom ter você nas minhas mãos. – Diz ela rindo. – E ai, você está chateada por causa da Tássia?

-Não... quer dizer, talvez um pouco, ela diz que quer se apresentar aos meus pais, mas a gente nem pode ser vista nos tocando em público que ela já fica com medo, não sei o que fazer.

-Diz para ela o que sente.

-Não, ela disse que temos pouco tempo de relacionamento e ela está certa.

-Em falar de relacionamentos, como foi ontem na casa dela?

-Eu não consegui.

-Como assim? E o que aconteceu com o “deixar rolar”.

-Eu tentei, juro! Mas é difícil para mim.

-Ela tem algum problema?

-Não, ela é tão... tão, linda, mas não consigo me convencer que é a hora certa, e se a gente ficar e ela resolver não ficar mais comigo?

-Se acontecer você ganha experiência para próxima, ela parece gostar mesmo de você, chega a ser nojento.

-Eu sei.

Katy chega na mesa e nós duas ficamos em silêncio.

-Do que estavam falando? – Pergunta Katy.

-Nada, você transou com o Justin? – Pergunta Alex

-Ãn, por que importa?

-Então você transou, como foi?

-Foi mais ou menos. – Diz Katy olhando para mim e rodeando a boca do copo com o dedo.

-Por que mais ou menos?

-Sei lá, ele não é carinhoso, ele ficou meio nervoso, foi tudo muito rápido demais.

-Orgasmos?

-Nenhum, não consegui ter prazer o suficiente nem para fingir.

-Por isso não se falaram hoje?

-Acho que sim.

-Vai fazer o que no seu aniversário? – Interrompo.

-Nada, acho que só vou dormir e ouvir música.

-Pera aí, seu aniversário, quando é? – Pergunta Alex.

-Quarta-feira.

-Por que não disse nada? Pode ficar tranquila, eu dou uma festa daquelas para você. – Diz Alex saindo da mesa correndo.

-Não Alex! Espera!

-Ops. – Lamento.

-É, acho que vou ter uma festa

-É estranho.

-O que? Ter uma festa?

-Não, à alguns dias éramos só nós duas.

-É verdade, posso te fazer uma pergunta?

-Claro.

-Se você pudesse escolher qualquer coisa para fazer agora, o que faria?

-Eu... – Eu fico hipnotizada alguns segundos nos olhos de Katy, naquela hora eu tinha a resposta para uma pergunta que eu não conseguia esquecer, será que eu tinha voltado a gostar da Katy? – eu não sei Katy, eu acho que voaria, ou algo assim, e você?

-Eu também não sei, e ai, você e Tássia vão juntas se eu tiver uma festa?

-Eu não sei, acho que Tássia tem um pouco de vergonha de mim.

-Se você fosse minha namorada eu não teria vergonha de você. – Disse Katy levantando e indo enquanto eu ficava parada lá sentada. – E aí Lauren, você vem?

-A-ah, claro, estou indo. Digo pegando minha bicicleta.

-Você não acha estranho todo mundo achar que a gente fica? Isso é meio impossível, eu nunca conseguiria te ver assim.

-É, impossível, tipo, somos melhores amigas, nada além disso. – Digo só para concordar com ela.

E a Tássia, ela parece não gostar muito de mim, será que ela tem ciúmes da gente? Você disse alguma coisa para ela ter ciúmes?

-Não Katy claro que não. – Tirando o fato de ter contado a ela que você tinha sido meu primeiro amor, e talvez... o único.


Notas Finais


Valeu! Tomara que tenham gostado, comentem please, meta de 2 comentários pelo menos né galera :'(


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...