História Life boring - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Deadpool, Homem-Aranha
Personagens Peter Parker, Tia May, Wade Willson (Deadpool)
Tags Deadpool, Logan, Nick Fury, Peter Parker, Spider Man, Spideypool, Wade Wilson, Wolverine
Exibições 133
Palavras 2.390
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Ficção, Hentai, Lemon, Luta, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Cross-dresser, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Desculpem os erros e a demora, tô trabalhando, provas finais chegando, tô fazendo meu curso de moda também, tô sem tempo nem pra ver o Thor

Capítulo 8 - I was walking dead, stuck inside my head


~Deadpool~

Nada é pra sempre, isso eu sei muito bem, além de mim. A dor que Peter esta sentindo, eu já senti, perdi todos que amo e esse é o ciclo de minha vida, não vou deixar ele passar por isso sozinho como eu tive que fazer. Subo e me troco, volto pro andar de baixo olhando ele que está deitado no sofá, dormindo. O pego no colo, o carregando pro meu quarto, sinto que essa noite será bem longa. Agora na cama, ele está tendo pesadelos com o Harry, eu to com medo de acordar ele, mas não posso deixar ele nesse estado.

-Peter? Baby? Acorda... -balanço devagar o ombro dele o acordando na primeira.

-Onde estou? -ele gagueja e parece sem direção.

-Seguro. Ninguém vai te machucar. -vejo o ar ser solto de seu pulmão com força.

Ele está assustado!

Eu nem percebi, achava que ele tava feliz.

Agora vocês se manifestam? Cadê vocês a duas semanas atras?

-Wade? -ele abana a mão na minha frente.

-Desculpe, me distrai.

Agora somos distrações?

-Eu não quero voltar a dormir...

-Quer que eu conte um historia? -sorrio ao sentir os braços dele entorno da minha cintura.

-Sim. De como o você chegou tão rápido no Harry.

-Eu já estava lá. -olho para ele e vejo um rosto que tinha um ponto de interrogação desenhado na testa. -Ele me capturou. Bem, não foi ele, mas sim a Madame Hidra, só que ela me levou para os laboratórios Osborn. Eu tava indo visitar uma amiga, sabe, pra esfriar a cabeça, aí eu tava sendo seguido por aquela puta, ela me capturou, mas a deixei tão debilitada que tiveram que usar meu sangue pra fazer um soro pra regeneração. Eles conseguiram em alguns instantes o que a S.H.I.E.L.D. demorou anos. -ouço uma risada leve e sorrio. -Eu podia ter saído quando quisesse, mas no terceiro dia Osborn foi até minha cela e falou que vocês estavam namorando e que você falou que o amava, eu acabei desistindo, Harry tinha muito mais dinheiro que eu ou talvez não, não sei, mas ele não era louco, eu achava isso até hoje, olhando bem, talvez ele não fosse melhor que eu. -outra risada leve. -Mas na hora eu pensei que seria melhor deixar você, que ele poderia te dar uma vida mais tranquila, mesmo você não querendo passar sua vida com ele. -afago os fios de cabelo do baby boy. -Aí chegou hoje, ele tava fazendo testes em mim e precisava do seu sangue para sei lá o que, mas acabou que você foi pra lá, ele fez aquela merda com você e eu ouvi tudo, consegui me soltar e fui te salvar. Na hora eu não pensei duas vezes, matei aquele filho da puta mesmo e se for preciso, mato de novo. Ninguém machuca quem eu amo. -o olho com ternura.

Ele se aproxima de mim, eu sei que é errado, tento o afastar, em vão. Peter abraça meu pescoço e me dá um selinho demorado, ele parecia lutar contra o beijo, parecia com nojo, mas ele continuou. O afastei, o olhando com um olhar mais firme.

-Peter, por que?

-Você me protegeu, ta cuidando de mim e disse que me ama.

-Mas você não gosta de mim como eu gosto, você quer um porto seguro, tá, eu vou te dar esse porto, mas não quero te machucar ou me machucar, quero te conquistar com calma, quero te dar carinho, o amor que merece, mas não quero te ver fazendo isso porque acha que é sua obrigação. Quero te amar e ser amado por você na mesma intensidade.

Ownt, nem parece Wade W. Wilson.

-Desculpe... -ele se afasta e deita debaixo das cobertas. -Obrigado por me salvar.

-Por nada, baby. -me levanto e me encaminho até a porta.

-Deadpool, fica aqui comigo? -o olho e sorrio, caminho até a cama.

Me deito embaixo das cobertas, me aconchego e o puxo para meu peitoral. Faço cafuné nele e sinto seu dedo brincar com uma cicatriz profunda no meu abdômen, desligo a luz do abajur desejando boa noite para Parker, em menos de dez minutos já sinto uma respiração regular e um som anasalado. Sorrio e durmo também.

Acordo de manhã com o Poo lambendo meu rosto, sinto um peso e lembro que dormi com o Peter. Ele parece tão em paz, mas preciso acordar ele para eu me levantar.

-Petey? Baby? Vamos acordar. Tenho que fazer o café. -acaricio a bochecha avermelhada. Ouço um resmungo e agora sinto uma das pernas dele ser jogada por cima das minhas.

Que romântico, chega até dar nojo.

Deixa o garoto dormir, depois você faz o café.

Eu o derrubaria da cama, isso sim.

Ele passou por um trauma, quer o que? Que ele de a bunda pro Wade assim, de primeira? Tem que ir devagar.

Parem de falar, ele tem que ser tratado como um bebê.

Um bebê gostoso, com sua bunda pro ar, pau sarrando sua coxa, suspirando em seu ouvido, te deixando excitado, mas ainda sim é um bebê.

Eu me lembro o porque vivo discordando de você nessas horas.

Você que é uma mulherzinha de nós dois.

Vou ter que mandar vocês calarem a porra da boca de novo? Agora preciso de silêncio pra pensar em como tirar o Peter de cima de mim.

Fiquei cinco segundo sem pensamentos pra ver se eles ficavam em silêncio e eles ficaram, então começo a pensar em como sair, já que acordar não tava adiantando em nada.

-Baby, vou te acordar como o príncipe acordou a Elsa ou qualquer outra princesa fodida da Disney. -sorrindo, aproximo meus labios dos dele, o beijando suavemente.

Ele resmunga algo contra o beijo e abre os olhos devagar, me afasto rápido pra não o assustar. Me encarando, sonolento, coça os olhos com as costas das mãos e sorri, ele sai de cima de mim e se senta na outra beirada da cama.

-Bom dia, Peter.

-Bom dia, Wade. Tudo que aconteceu ontem é mesmo verdade... Eu achei que era um sonho... -o vejo cabisbaixo.

-Não fica assim, vou te ajudar a passar por isso. -me viro pra ele, o vejo se virar. -Vou cuidar de você. -pego na mão dele por cima dos lençóis.

-Obrigado. -ele aperta minha mão e a solta. -Vou te ajudar no cade, vem... -ele fala calmo.

Sorrio, me levanto e vou pro guarda roupa, pego uma calça limpa pra mim junto com uma cueca e uma menor pro Peter. Ele entra no banheiro do meu quarto e eu vou banheiro do outro quarto, tomamos banhos e logo estamos os dois na cozinha fazendo panquecas. Ele me conta algumas missões antigas dele, algumas piadas que ele usa em batalha e algumas coisas que aconteceu no serviço ou na escola, ele pareceu se esquecer de ontem e eu agradeço isso. Comemos as panquecas com Nutella e tomamos achocolatado, ele sempre se comunicando comigo, mas o universo é mais zueiro que eu e mandou alguém tocar a campainha.

Vou abrir a porta e vejo que se trata da vadia em pessoa, a própria Madame Hidra, apontando uma arma em minha testa e atirando. Sinto a bala atravessar meu olho esquerdo, saindo pela parte de trás da minha cabeça. Dou risada, quebro o pescoço dela, ela cai no chão.

-Peter? Pega pra mim uma faca serrilhada? -grito da sala, puxando ela pra dentro.

Logo o baby boy aparece com a faca e se assusta ao ver a vadia, pego a faca e o mando sair a ouvindo se regenerar, seu osso voltando ao lugar lentamente, Peter sai correndo pro andar de cima, com Poo ao lado. Espero um pouco e logo ela abre os olhos, se levanta do chão, desnorteada, a encaro.

-Na primeira vez todos se impressionam, na segunda é desconfortável, ainda mais quando alguém quebra seu pescoço. -sorrio e ela me olha com pavor. -Pelo jeito o treinamento da bosta da Hidra não ensinou a lhe dar com o ressuscitamento.

-Dói... -ela fala baixo, alisando o pescoço ainda torto.

-Você aprende a gostar da dor depois de tantos ferimentos. -faço aspas com os dedos no fim da frase. -Mas então, assassina, me fala, como será a luta de um imortal que gosta de dor contra uma mulher com alto treinamento com um poder de regeneração limitado?

Termino de falar jogando a faca no ar, quando ela desceu na altura certa a chutei no coração da Víbora, que caiu no chão. Cheguei perto, tirei a faca, ela se regenerou mais rápido. Refiz esse processo mais cinco vezes e na última, a vi morta definitivamente.

Melhor palavra: definitivamente.

Melhor situação: morta.

Melhor pessoa: Wade W. Wilson.

-Agora é mandar esse corpo pra algum lugar... -suspiro lembrando da Dominó.

Ligo pra ela, temos uma conversa curta e hoje mesmo ela vem pegar o corpo, então é pra mim deixar ele no porão e a porta aberta. Olho pro corpo agora sem vida, o puxo pro porão deixando ele rolar escada abaixo, fecho a porta e vou pra área de serviço.

-Wilson? -aranha aparace atrás de mim.

-Me chama?

-Sim... O que a Víbora queria?

-Não sei... Mas isso não importa. Hoje mesmo vamos nos mudar pra outro lugar, quem sabe um apartamento em Los Angeles, ou uma casa em New Orleans, podemos ficar pelo centro de New York, é só me falar o lugar que comprou ainda hoje.

-Eu só quero um lugar onde eu me sinta seguro e que você esteja comigo.

-Vamos sair e comprar um apartamento perto da Times Square.

Um sorrio, uma confirmação e um abraço, eu recebo isso e não há coisa melhor do que isso.

Como ele não tinha nenhuma roupa, eu emprestei uma das minhas que ficam apertadas em mim. Nós trocamos, no mesmo quarto, um ponto positivo pra mim, pego meu colar de holograma e saímos a pé mesmo. Um pouco mais a frente passamos em uma concessionária e comprei uma Rover vermelha, paguei e sai com ela na hora, documentos vão chegar na casa antiga amanhã, a Dominó me entrega. Peter, mesmo não querendo o carro, não reclamou quando fomos para o shopping nele, e quando chegamos fomos direto para a Calvin Klein comprar roupas, ele sempre falando que não precisava, que ele ia comprando com o tempo é que tinha dinheiro pra algumas por enquanto, eu mal dava atenção, pegava calças e camisetas e ia dando pra ele experimentar, acabei por comprar muita roupa na primeira loja e na segunda, que era mais roupas casuais, para ele e pra mim comprei algumas. Fomos pra praça de alimentação, escolhemos só um milk shake cada um, o dele de leite ninho e o meu cappuccino.

-Eu já te agradeci? -o olho por cima do óculos de sol.

-De madrugada. -ele sorri, pega minha mão que tá sobre a mesa.

-Obrigado novamente, Wade. Eu prometo cuidar também de você.

-Petey, vamos com calma, o tempo dira as coisas. Por agora vamos fazer um enterro para sua tia e escolhermos outra casa.

-Eu sinto saudades da tia May...

-Eu sei que sente. -entrelaço nossos dedos. -Mas eu prometi te ajudar e irei cumprir isso.

A conversa encerrou, ele não soltou minha mão, nem na hora que levantamos para irmos ver um apartamento ao lado do prédio do Stark. Entramos no carro, sorri e coloquei a mão no joelho dele, que olha pela janela, dirijo até o prédio, deixo o carro na frente, descemos e vamos até o hall, vejo o porteiro e pergunto do apartamento que tava pra vender na cobertura.

Ironia do destino ou não, o apartamento era do Rogers que agora ta morando com o Stark. Ele tava ainda dentro do apartamento então mostrou ele pra gente, com calma e sempre conversando com o Peter. O aranha adorou, então decido comprar, mas o Capitão ficava com a história de que o dinheiro era de serviço sujo, eu falei pra ele que a maioria do dinheiro que tenho era de uma empresa que trabalhei e ela faliu, coisa que também é verdade, outro lado de minha vida. Ele acreditou e eu comprei o apartamento, com móveis e eletrodomésticos, tudo tecnologia Stark.

-Você está amando de novo, Wade. -Steve sorri, me abraçando pelo ombro.

-Estou sim, Cap, mas eu tenho medo de ser só eu. -olho pro Petey que está vendo a cozinha. -Pela segunda vez em minha vida estou com medo, pelo mesmo motivo, pelo mesmo nome. Peter...

-Sabe que eu sempre achei que o destino iria juntar vocês dois. Desde que o primeiro Peter morreu e eu vi esse pensei: esses dois darão certo. Tenho fé ainda, sempre tive. -sinto um aperto em meu ombro, ele caminha até a cozinha, me deixando para trás. -Então garoto? Onde vai ser seu quarto?! -os dois engatam uma conversa animada sobre a casa.

Recebo a ligação de Dominó falando que a casa já ta limpo, peço pra ela trazer minhas coisas e Poo para o apartamento, ela me pergunta seu era mesmo permitido animais no prédio senão ela ficava com meu querido Poo, mas se Rogers tem um Labrador, isso significa que posso ter meu Poo. Ela falou que em menos de três horas ela chegava e desliga o celular sem dar tchau.

Capitão pede nossa ajuda pra terminar de desmontar pelo menos a academia privada dele, já que aquelas coisas são dele desda guerra mundial. Ajudamos, com Tony também, que chegou instantes depois, falando que tava pronto pra levar as coisas pra casa dele. Logo, o apartamento tava vazio, os dois andares em pleno silêncio, apenas se ouvia a respiração regular do aranha que dormia tranquilamente no sofá, sem pesadelos ou qualquer outra coisa que o perturbasse. Suspiro, me sento no chão o olhando fixamente, sorrindo apaixonado.

Que melodramático.

Tô começando a achar fofinho esse novo jeitinho Wade de pensar.

Enquanto eu existir, ele não será fofinho.

Vamos fazer assim: eu posso ser a parte fofa dele e você a parte pervertida, que tal?

Eu topo!

Agora deram pra decidir quem vai ser quem? Tipo, só agora? Depois de anos de discussão, por causa de um homem? Eu devia ter me aproximado antes de você, Peter.

Depois de algumas horas que tinha ligado pra Dominó, ela aparece com as coisas que pedi, minhas roupas, minhas armas e meu amado cão. Peter acordou pra brincar com Poo no quarto dele, que será onde Poo dormirá também, já que o Parker quase brigou comigo por isso. Após deixar tudo, ela foi embora discretamente pulando pela sacada da sala.

Minha vida será fácil a partir de hoje? Não, eu sei. Deadpool irá se aposentar pra cuidar de uma aranha. Terá outra chance na vida. Os vida de tédio acabou.


Notas Finais


Último capítulo dessa fic... Que dor no coração, queria que esse dia nunca chegasse, mas um dia chega para todos.

Mas eu não terminei ela por completo, tenho uma surpresa para vocês, meus leitores fiéis. Mas só no natal vocês saberão.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...