História Life is Just a Game - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Bgs, Bishounen, Brasil, Comedia, Drama, Game, Jogo, Original, Shounen Ai, Show, Tragedia, Yaoi
Exibições 15
Palavras 1.031
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shounen, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olar coelhinhos :) tudo belezenha?
A música é The Lazy Song de Bruno Mars
Espero que curtam :)

Capítulo 3 - The Lazy Song


Fanfic / Fanfiction Life is Just a Game - Capítulo 3 - The Lazy Song

Today I don't feel like doing anything
I just wanna lay in my bed
Don't feel like picking up my phone
So leave a message at the tone
'Cause today I swear I'm not doing anything
I'm gonna kick my feet up then stare at the fan
Turn the TV on, throw my hand in my pants
Nobody's gon' tell me I can't
I'll be lounging on a couch, just chilling in my snuggie
Click to MTV so they can teach me how to Dougie
'Cause in my castle I'm the freaking man

Um ano se passou.

Mesmo que houvesse sol, o calor  dele não era capaz de erradicar o frio de Julho.

Em um pequeno apartamento na cidade de São Paulo, é possível encontrar um pequeno ser enrolado em cobertas e edredom. Mexia de um lado, mexia do outro, à procura de uma posição confortável.

Desistindo, se levanta. Fica sentado durante um tempo, coçando um pouco os olhos e focando a visão. Observa o quarto lentamente. 

Seu olhar para no pequeno criado-mudo cor de carvalho, sustentando o abajur com formato de dançarina havaiana. Olha novamente, dessa vez para o chão, buscando seus chinelos felpudos. Deparando-se com eles, levanta da cama e os calça. Andava arrastado, pois sua sonolência e preguiça ainda não o haviam abandonado.

Esbarrou com uma toalha amarela esparramada no chão bege. Agacha-se para pegá-la, e com ela, vai até o banheiro. Abre a porta de cor escura e a tranca lentamente. Alguns raios de sol passavam na janela retangular ao lado da banheira. Dá alguns passos e fica frente a frente com o espelho ortogonal.

Seus cabelos escuros com mechas aloiradas estavam rebeldes, dando um aspecto bagunçado. Seu rosto branco estava com as marcas de travesseiro, indicando um sono bom e pesado. Seus olhos azuis estavam um tanto inchados, apontando a hipótese de choro recente. As mangas longas molhadas de sua camisa listrada confirmavam a suposição. Desde que sua irmã morreu, fazia seis meses, Alexis sentia-se só. Ela era seu porto seguro, sua única amiga e companheira. 

Mexeu em seus bolsos. 

Há quem diga que eles não eram nada parecidos, seja em aparência ou personalidade. Nenhum dos dois se importava com as comparações, achavam divertido. 

Remexeu. De lá, puxou um papel meio amassado e engilhado. A fotografia dela. Uma moça com longos cabelos loiros, olhos castanhos, brilhantes e divertidos, que deixavam suas feições delicadas ainda mais belas. Seus lábios eram vermelhos e carnudos, e do lado, tinha uma pequena pinta, que costumavam dizer, ser seu charme. Sorria alegremente, jazia em seu olhar nem um pingo de preocupação ou estresse. A imagem foi tirada em sua última viagem de férias, na Disney. O que a entregava, eram as orelhas do rato Mickey. 

Sua irmã não tinha mais do que vinte anos. 

Alexis virou a foto, focando no verso:

Para meu maninho, 

Tá fazendo uma porcaria dum calor desgraçado aqui, e estou vestindo uma camisa de manga longa, uma calça jeans e um casaco que aqueceria até um urso-polar. Tirando isso, tá tudo certo. Tô doida pra te ver e contar tudo.

Beijos e muitos abraços. De sua irmã, Ellen.

Um sorriso amarelo surgiu em seus lábios, acompanhado de uma lágrima quente e salgada. Enxugou os olhos, e deixou a imagem em cima da pia. Despiu-se, entrou no box e ligou o chuveiro. Baixou a cabeça e meditou um pouco. Ela costumava dizer que a água gelada levava para o ralo preocupações, tristeza, mágoas e outros sentimentos negativos. Limpava a alma, deixando-a pura.

A água estava morna.

[~~~~~]

Saiu do banheiro recebendo um vento frio no corpo, fazendo o jovem estremecer. Nem mesmo a toalha amarela era capaz de esquentá-lo.

Fechou a porta e andou a passos largos, evitando ao máximo mais uma rajada de frio. Era um tanto complicado, pois a janela ficava ao lado da cama, que ficava de frente ao armário branco, então de qualquer forma, ele não escaparia da friagem. Andou rapidamente, fechando em meio segundo a janela. Suspirou. Agora podia caminhar com mais calma. Ficou na frente do armário, e abriu as portas, revelando uma grande bagunça. Escolheu aleatoriamente as roupas, uma calça jeans escura, uma blusa branca e uma jaqueta cor de chumbo. Passou o secador no cabelo, enquanto olhava as notificações em seu celular.

-Mensagens...Chamada perdida...instagram -deu um suspiro longo -Nada de interessante.

Desligou o secador e botou o celular no bolso da jaqueta. Mexeu em seu cabelo e ajeitou as calças. Abriu a porta do quarto e passou pela cozinha. Foi até a mesa retangular, onde tinha um cesto de frutas. Tirou de lá uma maçã vermelha e a lavou na pia. Deslocou-se até a sala de estar e sentou-se no sofá carmesim. Pegou o controle da TV que estava na mesinha de centro. Ligou o aparelho enquanto mordia a maçã. Passava notícias banais, desenhos animados, reality shows esquisitos, mas nada interessava a Alexis.

Desligou a TV e jogou o controle num canto do divã. Já havia comido toda a fruta. Atirou o resto no cestinho de lixo e foi até a porta, onde seu sapatênis estava. Parou. Meditou mais um pouco. E então olhou firme para o umbral. 

Estava decidido. Recomeçaria. 

Se Ellen estivesse viva, seria isso que desejaria para o irmão. Calçou-os e escancarou a porta. Fechou-a convicto. 

Passou uns segundos e a abriu novamente. Tinha esquecido os fones e a foto da irmã na pia do banheiro. Cerrou a porta com tudo.

Mesmo fazendo um frio terrível, havia uma multidão de pessoas zanzando pelas ruas e avenidas. Parou em uma banca de jornais e comprou um. Foi direto na seção de classificados. Tinha em negrito vagas para uma editorial. Procurou o número para contato e o salvou no celular. Suspirou aliviado. Esticou-se e pôs o jornal debaixo do braço. Uma brisa gélida passou por seu rosto branco.

Colocou os fones e escolheu uma música. The Lazy Song de Bruno Mars. Combinava com o que ele sentia. Preguiça.

Enquanto fazia isso, Alexis se descuidou e esbarrou em alguém, derrubando seu celular.

-Mas que mer...-levantou o rosto, se desculpando -Por favor, me desculpe, não o vi...-e então parou. Teve uma sensação de Deja Vú. Ergueu lentamente seu corpo, depois levantou o olhar. Seu coração parou por um segundo.

-Ora, ora...quem diria. O mundo é realmente pequeno, não é, Chibi-chan?

Caiu a primeira gota de uma futura tempestade.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...