História Life Is Worth Living - Capítulo 24


Escrita por: ~

Exibições 163
Palavras 2.709
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hellloooooooo mi amorees.

Leiam as Notas Finais.

Boa Leitura
XoXo

Capítulo 24 - So give me a chance (Então, dê-me uma chance)


Fanfic / Fanfiction Life Is Worth Living - Capítulo 24 - So give me a chance (Então, dê-me uma chance)

P.O.V Samantha Baldwin

 

Justin ia me contar sobre o que tinha acontecido entre ele e Megan mas acabamos fazendo amor primeiro. Não tem como recusar esse homem, não em sã consciência e isso nem seria possível pois só dele me olhar meu corpo já se incendiava.

- vou fazer algo para comermos ai a gente conversa, tudo bem? – Ele perguntou vestindo a roupa após tomarmos banho.

- Seria uma ótima odeia, pois estou faminta. – respondi lhe dando um beijo.

Enquanto Justin cozinhava eu olhava meus e-mails, depois que terminei resolvi ver o que ele estava preparando e vê se ele queria uma ajudinha.

- Hmmmm, o cheiro está ótimo, o que esta fazendo? – Perguntei lhe abraçando por trás.

- Espaguete à bolonhesa, é meu prato preferido, espero que goste. – Ele disse com uma carinha de preocupado.

- Eu amo espaguete. Comi muito quando estava na faculdade – Justin me olhava incrédulo. – Não precisa me olhar assim Justin, eu sei fazer espaguete.

- Para Samantha, não precisa mentir pra mim. – Ele dizia rindo.

- Eu sei fazer, talvez seja a única coisa que eu sei fazer na cozinha e talvez não saia tão bom quanto o seu mais eu sei. – Eu o fuzilava com os olhos.

- Tudo bem, depois você faz pra mim então. – Ele disse me dando um beijo na ponta do nariz.

Justin terminou de cozinhar e nos sentamos à mesa, começamos a comer. Estava divino, ate onde eu sei Justin era muito bom em tudo que fazia, meu pai esse homem era maravilhoso. E quem diria que estaríamos assim, eu dormindo praticamente todo dia na casa dele, ele cozinhando pra mim. Quem olhava achava que nós dois éramos um casal.

- Então Sam sobre aquele assunto acho que agora é o momento ideal. – Justin começou mais alguém bateu na porta.

- Isso é sério? – Eu disse revirando os olhos. – Espero que não seja aquela alma penada de novo.

Levantei-me e fui atender a porta.

- Meu Deus quando não é uma alma penada é a outra. – Sophie estava parada na minha frente. – Te trancar no banheiro com o Dylan não foi o suficiente não?

- Depois falamos disso, agora preciso da sua ajuda. – Sophie parecia apreensiva.

- O que foi agora?

- A Yas ta passando mal. – Ela disse.

- Seu pai é médico Sophie, pelo amor de Deus. – Não estava acreditando que ela estava ali por causa disso.

- Não posso recorrer a ele Sam, me ajuda.

- Primeiro é Samantha, já disse que não somos amigas. – Sophie revirou os olhos. – E segundo o que foi?

- A Yas encheu a cara ontem e ta muito mal, se eu ligar pro meu pai ele vai me esculachar. – Sophie disse derrotada.

- Só um minuto. – Disse após ficar um tempo a olhando decidindo se ia ou não, mais meu instinto de médica falava mais alto, fechei a porta.

- Jay vou ter que sair, emergência médica, mais tarde conversamos pode ser?

- Tudo bem, já esta quase na hora de ir pro bar também, se eu não chegar muito tarde eu te mando uma mensagem. – Justin disse já começando a retirar a mesa.

- Quando eu terminar eu passo la, se não tiver problema, aproveito e do uma averiguada. – Disse lhe dando uma piscadinha.

- Sim senhora. – Justin respondeu com um sorriso vitorioso no rosto.

Vesti minha roupa e me despedi de Justin. Sophie me esperava na porta, roendo as unhas, nem acreditei quando vi. Ela que andava sempre impecável estava roendo as unhas. Quando sai da casa do Justin me deparei com uma Kylie toda descabelada, maquiagem borrada e sapatos na mão.

- Kylie que diabos aconteceu com você? – Ela estava tentando abrir a porta da minha casa e se assustou com a minha voz.

- Puta merda Sam quer me matar do coração? – Ela disse colocando a mão sobre o mesmo.

- Você esta chegando agora em casa? Onde você estava? Meu Deus olha seu estado. – Eu disse a olhando de cima a baixo, parece que ela tinha ido pra guerra.

- Eu fui num afterparty depois. – Ela disse dando uma piscadinha e um sorriso safado.

- Meu Deus você é uma safada. – Kylie riu.

- Eu não fiz nada do que você não faria doutora. – Kylie estava impossível.

- Esse é meu medo. – Falei pra mim mesma. - Kylie eu to assustada, eu não conhecia esse lado seu. – Fiz uma cara fingida de surpresa.

- Sam depois te conto tudo mais agora eu preciso dormi, descansar um pouco porque a noite foi maravilhosa. Boa noite meninas. – Ela disse e destrancou a porta.

- Boa tarde também Kylie. – Disse mais a mesma já estava dentro de casa. - Vamos. – Disse a Sophie.

- Você vai no meu carro ou no seu? – perguntou ela.

- Vou no seu, na volta passo no Coktail’s e venho com o Justin. – disse entrando no carro.

- As coisas entre vocês estão ficando sérias não é mesmo? – Sophie perguntou já ligando o carro e dando partida.

- Não sei Sophie, estamos só nos curtindo e eu não tenho que ficar te falando sobre a minha vida, não somos amigas. – Disse ríspida.

- Qual é Sam, não precisa ser rude. – ela disse sem tirar os olhos da estrada.

- Não somos amigas, você me deixou no meio do mato sozinha. – a lembrei.

- Até quando você vai ficar me crucificando por isso? Já disse que não foi minha intenção e me arrependo, pedi ate desculpas.

- Sempre que tiver oportunidade vou jogar isso na sua cara porque sou dessas. – me virei pra ela e dei um sorrisinho cínico.

- Nossa você é má. – Sophie retrucou.

- Ta, me diz como foi ontem com o Dy. – Eu não aguentava de curiosidade, queria saber o que tinha acontecido.

- Não somos amigas, não tenho que ficar te falando da minha vida. – Sophie devolveu na mesma moeda e com um sorrisinho cínico. Se fosse em outra época eu poderia ate gostar dessa garota.

- Bom, eu que ajudei então sim eu tenho o direito de saber. – a lembrei.

- Depois que ele me viu dentro do banheiro ele virou as costas pra sair mais a porta estava trancada, ai ele sacou tudo e nem acreditou no que estava acontecendo. – Ela riu, com certeza lembrando do ocorrido. – Ele me perguntou se eu tinha 16 anos.

- Ta e ai? Vocês se acertaram? – Minha curiosidade estava a mil.

- Depois de eu quase me ajoelhar e implorar e me desculpar muito, sim, nos entendemos, ele disse que ia me dar mais uma oportunidade de mostrar pra ele que eu não era essa pessoa tão ruim. – Ela deu um sorrisinho de felicidade e alivio.

- Ótimo, agora vê se não estraga isso garota, vê se quando aparecer uma garota nova na cidade você não a deixe pedida no meio do mato por causa de ciúmes e insegurança. – Eu disse e ela gargalhou.

- Pode deixar, nunca mais eu vou decepcionar o Dylan, eu o amo, desde que me entendo por gente ele é dono do meu coração. – Sophie dizia com a voz tão apaixonada.

- Olha só, ela tem um coração. – Zombei dela.

- Tenho Sam, como eu disse não sou uma pessoa má, posso ser difícil as vezes, muito ciumenta mais má não.

- Você é ciumenta? Eu nem percebi. – Ela revirou os olhos e sorriu.

Chagamos na sua casa, Yas estava deitada num estado deplorável. Parecia que tinha morrido e esquecido de cair.

- Olha só a beberrona. – Disse acedendo a luz do quarto.

- Apaga essa luz e fala baixo pelo amor de Deus. – Ela disse cobrindo a cabeça.

- Preciso te examinar e não vou fazer isso no escuro. Não tenho culpa se você não sabe beber. Agora se estiver achando ruim eu posso chamar seu pai. – Tinha hora que eu era muito má, adorava isso.

- Tudo bem, qualquer pessoa, ate você, menos o meu pai. – Ela disse já saindo de baixo das cobertas.

- Garota você precisa de um banho e trocar a roupa de cama, fiquei bêbada só com o cheiro de álcool que ta no quarto. – Ela me olhou com uma cara nada boa.

Depois que a examinei lhe dei umas aspirinas para a dor de cabeça e soro para a hidratação.

- Ela vai ficar bem, só tem que hidratar e aprende a beber gatinha. – Pisquei pra ela, ironicamente é claro. – Ah e não esquece do banho, gelado de preferência.

- Obrigada Sam. – Sophie disse me abraçando, eu não sabia o que fazer então permaneci parada.

- Tudo bem, só estou fazendo o meu trabalho. Agora preciso ir. – Disse já descendo as escadas de sua casa. – E boa sorte pra você e pro Dylan e não da uma de louca novamente porque não vou te ajudar em mais nada.

Depois que me despedi da Sophie resolvi passar na clínica pra ver como as coisas estavam, parei por la dei uma olhada em alguns prontuários, exames que ficariam prontos naquela semana. Já eram quase nove da noite, resolvi ir ao Coktail’s comer algo e esperar o Justin.

Sai da clinica e fui andando para o bar, quando entrei procurei o Justin pelo recinto e não acredito no que meus olhos viam. Megan estava sentada em cima do balcão com as pernas abertas e Justin no meio de suas pernas. Eles estavam se beijando.

Se eu pudesse arrancar meus olhos naquele momento eu o faria. Como ele pode fazer aquilo? Mais também seria só uma questão de tempo, eu não poderia esperar muito do Justin, eu conhecia o mulherengo que ele era e eu sabia que ele já amou a Megan, ou pelo visto ainda amava.

A porta atrás de mim bateu e Justin interrompeu o beijo, falou algo pra Megan e limpou a boca e só depois ele olhou em minha direção. Seus olhos se arregalaram quando ele me viu e com certeza ele viu a decepção e a tristeza em minha face. Fiquei o encarando por alguns minutos, Megan olhou em minha direção e quando me viu deu um sorriso vitorioso, Justin começou vir em minha direção mais eu virei as costas e fui embora.

Sai de la correndo, se saber pra onde iria. Eu estava triste, decepcionada, como ele pode fazer isso comigo. Mesmo que não tivéssemos nada sério, poxa ele me devia pelo menos consideração e respeito. Eu já havia sido traída uma vez, pelo único namorado que já tive, namoramos cinco anos, eu pensava que iria me casar com ele, mais eu o peguei na sala de descanso com uma médica residente. Eu não o amava, não sentia nem metade do que eu sinto pelo Justin, mais o fato de você ser enganada isso acaba com você, com sua autoestima.

E mais uma vez aqui estava eu, sendo enganada, traída e humilhada. Lágrimas brotavam de meus olhos e eu me odiava por ter me deixado me levar pelo Justin, por ter permitido que ele entrasse em meu coração, eu estava permitindo a ele me ver como eu realmente era. Meu coração, minha alma. Eu estava me entregando pra ele.

- Sam, o que houve? – Uma voz surgiu atrás de mim, era Sophie, eu corri em sua direção e a abracei. -  O que foi? – Ela perguntou, parecia preocupada.

- O Justin Sophie, o Justin. – Eu não conseguia controlar meu choro.

- Venha comigo, vamos sair do meio da rua, essa cidade tem curiosos demais. – Sophie me pegou pela mão e me levou ao píer.

- O que estamos fazendo aqui? – Lhe perguntei.

- Gosto de vir aqui quando não estou legal. Quer conversar? – Ela disse receosa.

- Mais não somos amigas. – Disse olhando ao redor. O lugar era realmente lindo, você ouvia o barulhos das águas, dos pássaros.

- Vamos Sam, você não precisa ser forte o tempo todo, apenas me diga, o que aconteceu? – Eu não sabia se podia confiar nela.

- Eu vi o Justin beijando a Megan. – Resolvi dizer depois de algum tempo avaliando se contava ou não.

- Como assim beijando a MEGAN? Você tem certeza que era a Megan? – Sophie parecia horrorizada.

- Sim, ela apareceu ontem quando estávamos indo embora da festa e hoje na casa dele. Ela disse que queria conversar com ele, que voltou pra ficar e ficar com ele, que tava com saudade e não sei o que mais e em todas as vezes ele a dispensou. – Agora eu já não controlava meu choro. – Com certeza porque eu estava presente todas as vezes que ela apareceu.

- Isso não é possível, o que a Megan quer aqui? Porque ela voltou? – Sophie perguntava mais pra si mesmo.

- Com certeza ela já conseguiu o que veio buscar aqui. – Eu falava entre um soluço e outro.

- Deve haver algum engano Sam, depois do que Megan fez com o Justin e o conhecendo como o conheço ele não iria simplesmente perdoá-la assim, não ia. Ai tem coisa viu. – Sophie dizia.

- Hoje ele disse que ia conversar comigo, que ia me contar tudo que houve porque ele disse que com a Megan aqui ela iria bagunçar a vida de muita gente. – Sophie me olhou chocada.

- E ele te contou o que houve? – Balancei a cabeça em negação.

- Quando ele ia começar a falar você apareceu la na casa dele.

- Eu to chocada, ele nunca se abriu pra ninguém antes. – Ela realmente parecia chocada.

- Era tudo baboseira Sophie, com certeza ele iria mentir, continuar me enganando. Vai saber mais quantas mulheres ele estava ficando e eu inocente achando que estava sendo a única, que ele sentia algo especial por mim. Eu sou muito burra. – Coloquei meu rosto entre minhas mãos e chorei.

- Sam a Megan quebrou o Justin, deixou ele em cacos e o fez uma pessoa diferente. Depois que ela foi embora ele não deixou nenhuma outra mulher chegar tão perto como você chegou. Não sei que macumba você fez – Ela riu fraco – Mais ele senti algo por você.

- Mais ele estava beijando ela Sophie, como ele pode sentir algo por mim e beijara a pessoa que quebrou o coração dele? Eu não entendo. – Eu tentava limpar minhas lágrimas mais elas insistiam em cair.

- Não se precipite Megan é uma cobra, ela consegue tudo que quer. Dê uma chance a ele de se explicar antes de tomar alguma decisão, deixe ele contar o que aconteceu e a sua versão da história.

- Eu vou embora em dez meses Sophie, talvez isso seja bom. Eu não posso me apegar a ninguém, eu não posso sentir mais do que eu sinto pelo Justin.

- O que você senti por mim? – Eu me virei e Justin estava atrás de mim.

- O que você faz aqui? – Lhe perguntei, ele começou a se aproximar lentamente.

- Precisamos conversar, preciso te contar tudo e explicar o que aconteceu no bar. – Seus olhos estavam assustados.

- Não Justin, não tem nada que explicar, eu vi, vi com meus próprios olhos e outra não temos nada, você não precisa me dar explicações. – Eu olhava pra Sophie tentando pedir ajuda a ela.

- Sam, por favor, lembra do que eu te disse hoje mais cedo, que a Megan iria fazer uma bagunça na vida das pessoas e que eu não deixaria ela tirar tudo de mim de novo? – Concordei com a cabeça. – Então, só acredita em mim e me da a oportunidade de contar tudo, depois que você me ouvir ai você pode decidir o que vai fazer, mais primeiro me deixa tentar, por favor.

- Eu vou indo, qualquer coisa me liga ta? – Sophie veio em minha direção e colocou a mão em meu ombro e eu acenti positivamente com a cabeça.

Ela saiu e Justin e eu ficamos no píer, ficamos nos encarando por um tempo, ouvindo apenas o barulho da água. Ele se aproximou e eu dei um passo pra trás, ficamos assim ate eu encostar na madeira que servia como proteção.

- Me deixa explicar por favor. – Justin pediu, colocando a mão no meu rosto e eu fechei meus olhos, por mais raiva que eu estivesse quando ele me tocava eu sentia incontáveis sensações.

- Pode começar então. Estou ouvindo. – Disse ainda de olhos fechados.


Notas Finais


Meu Deussssssssss Megan vaga, piranha, o que será que vai acontecer? O que será que ela fez pro Jus? To super curiosa.

Gente recebi ameaças, por isso postei hj kkkk brinks
E ai gostaram? O que acaharam? Me contem to curiosa pra saber a reação de vcs

Eu notei que muitos leitores não estão mais interagindo, qual é pessoal vcs não são timidos, saiam do escuro e venham conversar com a mamãe. ;)

Beijos mores e ate a proxima

XoXo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...