História Life Of The Party - Capítulo 34


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction
Personagens Harry Styles
Tags Harry Styles, One Direction, Romance, Stephane Collins
Exibições 52
Palavras 1.245
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Ei meus amores! Praticamente três meses que não dou a cara aqui, né non?
Bom, este capítulo está pequeno, vocês mereciam um beeeem maior, claro! Mas este é só mesmo para vocês ficarem tranquilas, porque não abandonei a fic, apenas passei por alguns problemas e não deu para escrever muito e nem vir postar mais cedo. Espero que vocês me desculpem!!

Capítulo 34 - Isso aqui é só faixada


Fanfic / Fanfiction Life Of The Party - Capítulo 34 - Isso aqui é só faixada

 

 

– Eu só preciso de um tempo para organizar tudo.

– E eu só preciso que você desapareça da minha vida! – Disse rude.

    Aquelas palavras não só machucou Steph como a si mesmo. Ambos com o coração partido, despedaçado, como cacos de vidro. Ela apenas abaixou a cabeça e fez o que ele pediu: foi embora!

 

Alguns dias depois...

 

– Acorda aí, cara, preciso fechar o bar. – Sentiu uma sacolejada.

    Abriu os olhos com dificuldade e levantou a cabeça devagar. Olhou em volta e o estabelecimento estava praticamente vazio e o dia já começava a clarear. Ao se levantar, sentiu uma forte dor na costela, o que fez com que ele se lembrasse da briga que tivera mais cedo, provavelmente antes de desmaiar.

– Te aconselho a ir para casa, tomar um bom banho e cuidar desses machucados. – Um dos garçons foi até ele para ajudá-lo a sair.

    Sentia muita dor por causa hematomas, mas aquilo poderia ser curado facilmente, diferente de seu coração. Toda vez que pensava em Stephane sentia uma pontada forte no peito. Tentava a todo custo esquecer-se dela, mas era uma tarefa bem difícil. Sua mente insistia em lembrar-lhe dos bons momentos ao lado da garota que, do jeitinho dela, conseguiu roubar seu coração.

    Procurou as chaves em seu bolso e, depois de várias tentativas, conseguiu abrir a porta. Adentrou a casa e foi logo para o seu quarto, jogou-se na cama e gemeu de dor. Procurou por um analgésico no criado mudo e foi até a cozinha pegar um copo d’água.

    Escorado no balcão, pensava no que estava fazendo com sua vida. Ficava o dia todo fora de casa, só aparecia por lá para tomar banho e mal mal comia. Vivia embriagado e dormia pelas ruas por não conseguir chegar em casa. Achava que nunca mais voltaria a ser o Harry de antes. Mas voltou.

    Suspirou pesado e resolveu tomar um banho morno para relaxar e o efeito do remédio fazer efeito mais rápido já que nem daria tempo de descansar por já ter marcado um compromisso.

    Queria estar sempre ocupado para não ter sua mente invadida por lembranças suas com Steph.

 

(...)

 

– Senhorita Stephane, Brian deixou um recado antes de sair para almoçar.

– O gato comeu a língua dele? – Desviou a atenção do seu computador e arqueou a sobrancelha.

– Não, ele só pediu para que eu reservasse uma mesa para dois naquele restaurante aqui do lado e a avisasse para ir almoçar com ele. – Lola, sua secretária, sentou-se a sua frente.

– Diga para ele que não irei. Tenho coisas mais interessantes para fazer! – Voltou para a planilha.

– Senhorita, eu acho que...

– Você acha, mas eu não perguntei o quê. Então teria como me dar licença? Está me atrapalhando. – Forçou um sorriso.

    Lola só assentiu e saiu lentamente da sala.

    Respirou fundo e passou as mãos em seu cabelo. Estava se esforçando ao máximo para não ser grossa com ninguém, mas algumas pessoas praticamente pediam ajoelhadas por uma resposta mal dada.

    O trabalho a deixava exausta e, por causa da faculdade à noite, mal tinha tempo para si mesmo. Dormia pouco, quase não comia e o estresse aumentava cada dia mais.

    Sim, estava tentando se tornar aquela que seu pai sempre quis que ela fosse: a filha perfeita. Bom, perfeita para ele, porque aquela não era ela não era a mesma Stephane, não era quem ela gostava de ser. Estava muito nova para viver trancada dentro de uma sala se descabelando para deixar tudo sob controle, para não errar um número sequer. Aquele, sem dúvidas, era o pior castigo para ela.

    Brian insistia em tentar conquista-la de alguma forma, mas ela não dava espaço para ele, sempre com as desculpas que estava cansada, que tinha algum trabalho para fazer... Não suportava a presença dele. Não suportava mais seu pai, nem a empresa e nenhum dos funcionários. Não suportava a si mesma.

    O ronco de sua barriga a fez lembrar que precisava se alimentar, senão não aguentaria firme o restante do dia.

    Bloqueou o computador pegou sua bolsa e saiu rápido de sua sala, trancando a porta em seguida. Passou por sua secretária e fez a mesma ligar de volta para Brian para confirmar o almoço.

    Resolver ir até a pé mesmo, já que não ficava tão longe de onde estava assim seria bom para respirar um pouco o ar gélido londrino e ver um pouco do movimento da grande cidade. Seus sapatos batucavam no chão com seus passos rápidos e seus cabelos balançavam a cada sopro do vento que batia em seu rosto pálido. Cada vez se aproximando mais do restaurante e pensando que ainda havia tempo para voltar. Não mais...

– O que a fez mudar de ideia, hein? – Brian a esperava logo na entrada do estabelecimento.

– A fome falou mais alto. – Passou por ele sem nem cumprimenta-lo.

– Que bom que você veio, temos alguns assuntos para tratarmos. – Puxou a cadeira para que ela sentasse.

– Pelo o que eu me lembre, não tenho nenhum assunto para tratar com você. – Escondeu o rosto atrás do cardápio enquanto escolhia seu prato.

– Bom, seu pai pediu para...

– Como sempre, você fazendo tudo o que meu pai pede. – Olhou por cima do folheto.

– Diz respeito a nós dois.

– Fala logo. – Disse sem paciência alguma.

– Então... Temos que organizar um jantar para oficializar o nosso noivado. – Sorriu.

– Que noivado? Isso aqui é só faixada, você não percebeu? – Entregou o cardápio para o garçom depois de ter escolhido.

– Stephane, seu pai quer muito, de verdade mesmo, que você se case comigo.

– Mas acontece que eu não vou casar com alguém que eu não faço questão nem de falar um “oi” quando eu passo perto. – Soltou um riso nasalado. – Entenda que eu não quero me casar com você. Eu não quero passar o resto da minha vida infeliz com alguém que eu não amo!

– Stephane, para casar não precisa de amor!

– Eu sei que você está fazendo o possível e o impossível para agradar o meu pai, para conseguir a confiança dele e que, também, está de olho a minha herança! Você acha que eu não sei que seu pai faliu? Vamos jogar limpo aqui né?!

– Olha, eu...

– Quer saber? Não quero ouvir explicação nenhuma! Perdi a fome. – Levantou-se e saiu ignorando o chamado dele.

    Tudo o que ela queria era um pouco de paz, coisa que há muito tempo não estava conseguindo ter. Era como se tudo estivesse a favor de irrita-la, tira-la do sério. Era como se uma força negativa estivesse pairando sobre ela, que nada estava saindo como queria.

   

(...)

 

– Vai à faculdade hoje não, filha? – Dora perguntou ao ver a filha jogada no sofá.

– Não estou com cabeça para nada.

– O que está acontecendo?

– É muita coisa para mim. Estou odiando essa vida de trabalhar em algo que eu nunca desejei, estudar para algo que eu sinceramente não queria... É difícil fazer as vontades dos outros por pressão! Fora o Brian que não sai do meu pé. Eu não aguento mais, mãe.

– Steph, eu sou contra algumas atitudes do Paul, mas você sabe muito bem como ele é. Eu odeio te ver assim, meu coração se despedaça, mas contrariar seu pai não é comigo! – Abraçou a filha.

– Eu não te entendo. Uma hora parece que você está totalmente a favor dele e depois você vem falando isso... Se decide! – Afastou de Dora.

– Eu estou do seu lado para o que você precisar. Lembre-se disso! – Depositou um beijo no rosto da filha e saiu em direção aos quartos.

 

 

 


Notas Finais


Nada de muito interessante neste capítulo, apenas um dia bem ruim da nossa Steph haha
E aí, o que vocês acham de Stephian? Vai rolar?
Vou fazer de tudo para não demorar muito com o próximo capítulo!!!
Beijooooos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...