História Ligações Perigosas - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Ino Yamanaka, Sasuke Uchiha
Tags Inosasu, Sasuino
Exibições 54
Palavras 2.017
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bom, gente, eu espero que gostem desse capítulo, ainda não tenho certeza do dia, mas a partir da semana que vem entrarei em hiatus ok
ja ja respondo vcs.

Capítulo 9 - Aquele com a intromissão de Karin


O moreno olhou-se demoradamente no espelho a sua frente, com um semblante pensativo. Quarenta e oito horas haviam passado então, desde seu encontro com a loirinha.  Estava mais do que satisfeito com tudo o que acontecera, mas, agora ele percebia que o jogo estava apenas começando.  Lavou o rosto e então o secou com a toalha, deixando o banheiro a passos rápidos. O sentimento de tédio o havia abandonado, sendo substituído por um de pura euforia e adrenalina. A perspectiva da estudante de direito estar sobre seu controle – em um sentido amplo da palavra – lhe era indescritível. É claro que ele sentia prazer no que estava fazendo, mesmo sabendo que a sociedade visse aquilo como imoralidade. Simplesmente não se importava com opiniões rasas e medíocres, porque ele sabia que em breve se cansaria daquela loira e tudo seria esquecido, empurrado para debaixo do tapete.

Enquanto seu pai parecia ter esquecido, milagrosamente sua agressão física contra Naruto Uzumaki, os seus professores e colegas de classe pareciam revoltados com a situação. E novamente os condenava a condição de imbecis, segundo Sasuke. Ora, esperavam mesmo que ele fosse expulso? Logo ele, filho do reitor. Mesmo que seu relacionamento com Fugaku não fosse dos melhores ou mais saudáveis, sabia que o mais velho seria incapaz de expulsar o próprio filho mesmo que este cometesse um assassinato. Escrúpulos, afinal, não faziam parte daquela família.

Colocou uma calça cinza e um moletom preto, homens também podiam ser desleixados quando bem entendessem. Era o famoso livre arbítrio. Pegou o livro de medicina, o notebook e então partiu rumo a sua sala de aula.

Foi interditado pelo treinador Hatake, que vinha em sua direção a passos hesitantes e com um olhar indiferente como o de costume. Ele quase podia prever o que estava para acontecer.

— Uchiha. — bradou o homem de cabelos grisalhos em um tom respeitoso.

—Treinador Hatake. — devolveu o moreno, temeroso.

—Está fora do próximo campeonato. — exclamou o homem, de uma vez só, sem se abalar com os olhos cintilando de ódio do estudante de medicina. — Foi uma decisão do seu pai. — acrescentou.

Sasuke arqueou a sobrancelha, olhando para alguém atrás do treinador. Qual não fora a sua surpresa ao deparar-se com um dos maiores quarterbacks da universidade e, coincidentemente amigo de longa data do seu pai? Os olhos azuis do Namikaze faiscavam, mesmo há muitos metros de distância. O Uchiha caçula esboçou um sorriso arrogante.

—Meu pai. Claro. — ele não iria deixar aquela história por assim mesmo. Não, de jeito nenhum!  Quem pensavam que ele era, afinal? Um retardado? — Tudo bem, eu respeito a sua decisão. — alegou calmamente.

Kakashi inspirou fundo, entediado. Com certeza ele entendia a decisão; e era justamente isso o que o preocupava! Coçando a nuca, o treinador abriu a boca para dizer algo ao jovem – qualquer coisa que soasse amigável ou minimamente civilizado, mas...

Sasuke simplesmente girou os calcanhares, dando as costas para o técnico do time, sempre chamado de treinador por ele, e rumou em direção a biblioteca ao invés de ir para a sala de aula. Estava furioso. Muito, na verdade.

Ao adentrar a biblioteca, rapidamente percebeu uma movimentação suspeita por entre as prateleiras dos livros. Ele escutava murmúrios, gritos e ameaças vindo de um lugar especifico. Com o cenho franzido, apressou os passos em direção a área de onde vinha as vozes alteradas. Novamente, pela segunda vez consecutiva no dia, ele foi surpreendido e dessa vez de maneira extremamente negativa.

Parou atrás de um dos grandalhões que, estupidamente chutavam um Shikamaru cheio de hematomas no chão. Ele conhecia aquela besta; era Sabaku no Kankuro, irmão mais velho de Gaara e Temari e justamente o mais problemático dos três. Era o que o Uchiha caçula mais odiava.

Kankuro, como o bom covarde que era, não estava desacompanhado: ao seu lado havia Kakuzu e Zetsu. Esses dois arregalaram os olhos ao avistar o caçula dos Uchihas ali.

—Mas que porra esta acontecendo aqui? — murmurou o quarterback, chamando a atenção para si.  O Sabaku mais velho então, virou-se para encará-lo.

—Esse imbecil estava dando em cima da minha irmã. — a justificativa era ainda mais patética do que Sasuke poderia esperar. Ele arqueou a sobrancelha, arregaçando as mangas.

Ele podia ter muitos defeitos, mas nunca atacava quem quer que fosse em trio. Isso era o cúmulo da covardia;

Sem esperar outra explicação ele avançou; os outros dois tentaram segurá-lo, em vão. Ele era rápido em seus movimentos e seu reflexo era muito bom.  Desferiu um chute contra Kakuzu, sem se esquecer de defender-se dos socos de Kankuro.  Depois de uma série de golpes contra os algozes de Shikamaru, o Uchiha finalizou com um chute na garganta do outro, derrubando-o no chão. Quando os três estavam demasiados feridos para acertá-lo novamente, ele ajudou o pobre nerd a levantar-se do chão. Estava com um semblante muito abatido, cheio de hematomas pelo corpo  e o nariz escorria sangue consideravelmente.

Sasuke obrigou-o a se apoiar em si, arrastando-o para fora da biblioteca, sendo novamente alvo de olhares de seus colegas de universidade. Contudo ele não se importava. Não havia sido responsável por aquilo!

— Você está bem? Aqueles caras acabaram com você. — observou o quarterback, conduzindo o nerd em direção a enfermaria.

— Não consigo respirar direito. — admitiu o Nerd, sem conseguir falar direito.

As enfermeiras correram na direção do moreno mais novo, obrigando-o a se sentar na maca que havia por perto. Era a primeira vez que o Uchiha pisava os pés ali; pusera-se a observar minuciosamente todo o ambiente, irritantemente branco demais. Quem disse que o branco era uma cor tranquilizadora deveria sofrer de esquizofrenia; ele sempre se sentia perturbado com uma cor inteiramente clara... E não havia nada mais claro do que o branco.  Piscou os olhos.

—Sasuke... Obrigado.

Sasuke apenas assentiu a cabeça lentamente.

—Eles vão pagar pelo o que fizeram a você.

As enfermeiras aproximaram-se de Shikamaru, e uma delas sendo hispânica tornou a gritar palavras incompreensíveis para os dois.

—Do que está falando? — Shikamaru questionou. — Você acabou com os três dentro da biblioteca!

— Nara... Eu odeio covardia. Se eles gostam de jogar em grupo, eu também posso jogar o mesmo jogo que eles. — arqueou a sobrancelha. — Essa é uma das vantagens de ter irmãos, suponho.

Nara assentiu, seu corpo doía muito e seus olhos ameaçavam se fechar a qualquer momento. Permaneceram em silêncio durante algum tempo até que a voz dele ecoou pelo ambiente.

—Eu nunca... Eu nunca dei em cima da Temari — resmungou. — Eu fui apenas fazer uma pergunta para ela e bom, você sabe como são os valentões, precisam apenas de um pretexto.

Sasuke sorriu diabolicamente, porém o nerd não viu.

—É como dizem.

Ela estava dedicada a realizar sua missão, mesmo que não soubesse – ainda – como fazê-la. Sua amiga loira havia sido enfática ao afirmar que não queria que ela se envolvesse, contudo, era impossível não se envolver! Karin não poderia simplesmente deixar que Ino ficasse a mercê de um cara tão babaca, miserável e arrogante quanto Sasuke. Ela conhecia os rumores ao seu respeito. Eram os piores possíveis. Não que narcisismo fosse crime hediondo ou alguma coisa do gênero, infelizmente não era, mas em sua cabeça deveria ser. Assim o mundo estaria livre de idiotas como o moreno em particular.

Definitivamente não era essa a questão. A questão é que, se os rumores estavam mesmo corretos, Sasuke era portador de HIV e por esse motivo não se relacionava amorosamente com nenhuma mulher. Não que ela fosse preconceituosa, mas, é só juntar 1 + 1. Qual era o risco de Ino não ter sido contaminada por ele? Quais eram as probabilidades de um cara tão nojento não repassar a doença propositalmente?! Eram inúmeras! E ela temia, do fundo de seu coração pela saúde da amiga. Não era exagero ou falsidade de sua parte afirmar, deliberadamente que a loira era a sua única amiga no mundo inteiro e do mesmo jeito que a Yamanaka vivia colocando sua mão no fogo por ela, ela também o faria.

Precisava acabar com aquela chantagem e só havia uma forma de fazê-lo: conseguindo o vídeo. Dessa forma, libertaria a loura para sempre das garras daquele porco misógino e machista (eram tantos defeitos que se fosse citar todos, nunca acabaria). Ela, porém, precisava admitir que não havia sido muito inteligente ao invadir o quarto do moreno de dia: em menos de minutos ouviu a maçaneta sendo girada e, não tendo outra alternativa viável,  precisou se esconder pateticamente debaixo da cama do moreno. Ah, havia lugar mais previsível?

Ela mordeu os lábios nervosamente, seu corpo começava a transpirar gradativamente e sua respiração estava acelerada. Estava prestes a ter um ataque asmático ali debaixo! Felizmente, o cara parecia ter certa higiene – ao contrário do seu ex-namorado Suigetsu – e não havia nada embaixo da cama dele! Sem sapatos, sem cuecas sujas, sem meias limpas... Se o sujeito fosse remotamente normal, ela até ficaria feliz pela Yamanaka envolver-se com ele.

Mas não era normal. Sasuke Uchiha era incapaz de agir como um ser humano.  Ela ergueu o lençol para ver algo... Realmente admirável, diga-se de passagem.

“Uooou! É por isso que ele é tão babaca! Aposto que foi um africano na vida passada! Isso não pode ser de verdade! Hum, Inozinha sortuda!” ela mordeu o lábio, sentindo o rosto esquentar gradativamente.

Quase teve uma parada cardíaca quando ele virou-se, ficando despreocupadamente nu em frente ao próprio guarda-roupa. Que bundinha era aquela? “Espetacular! Tem o formato de um tomate!”

Certo, ela não podia negar que o cara tinha atributos físicos indiscutíveis. Do tipo que mulher nenhuma poderia colocar defeito. Todavia: do que adianta a embalagem se a pessoa não tem conteúdo? Ela balançou a cabeça negativamente “Eu realmente sinto por ter tirar dessa Ino, mas se esse cara realmente tiver HIV e você for contaminada? Eu nunca vou me perdoar.”

Para sua sorte, alguns minutos depois, ele deixava novamente o quarto – infelizmente devidamente vestido – trancando a porta em seguida.  Ela resolveu ficar ali pelo menos uns vinte minutos a mais, antes de sair. Qualquer cuidado era muito pouco, afinal, estava literalmente perto de sentar no colo do capiroto.

Depois de um exaustivo ensaio, tendo infelizmente o retorno da desagradável Haruno para arruinar qualquer possibilidade de paz mental, Ino decidiu aproveitar o tempo livre de seu carrasco para poder estudar com maior abundancia.  Precisava admitir que o cara era muito bom no que fazia, um homem com o “H” maiúsculo. Não era a toa que possuísse tantas fãs desesperadas dentro e fora do campus! Ainda sim, sua personalidade intragável tornava praticamente impossível sentir qualquer coisa remotamente boa em relação a sua pessoa, suas habilidades sexuais por outro lado, eram incontestáveis. Inspirando fundo, ela terminou uma parte do seu resumo do livro de Nathaniel Hawthorne. Queria estar afiada, para quando chegasse o dia do debate, humilhasse publicamente Sabaku no Gaara. Ela ia fazer isso.

Quando o seu celular tocou, seu coração parecia prestes a saltar pela boca. Número restrito. Sasuke...Argh.

—Oi, você.

Ele fungou uma risadinha que soou desprezível aos seus ouvidos.

—Estou ligando para te dispensar, tire o dia de folga. Amanha nos veremos, então permaneça por perto.

Ela arregalou os olhos subitamente confusa.

—Dia de folga? Do que você esta falando, cara?

—Eu preciso resolver algumas pendências. — disse simplesmente.  — Até depois, Ino dos seios macios. — e o desgraçado encerrou a chamada, assim.

Ela olhou demoradamente para o aparelho telefônico em mãos, como se a qualquer momento Sasuke fosse se teletransportar através da tela. Piscou os olhos repetitivamente e inspirou fundo. Por que estava tão tensa com aquela dispensa? Ela deveria dar graças a Deus que não precisaria encarar aquele parasita imbecil durante um tempo, mesmo que mínimo!

E falando em parasitas imbecis...

Ela fechou os olhos com força ao encarar Sabaku no Gaara, andando em sua direção com as duas mãos dentro do bolso. Os olhos esverdeados pareciam mais intensos do que nunca, e havia qualquer coisa nele que a desconcertava. O fato é que talvez, ela fosse idiota ao ponto de se permitir sentir qualquer coisa por alguém como ele.

— O que você quer aqui, babaca?

Ele sorriu de canto.

—Nós precisamos conversar, Ino.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...