História Lights - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Jikook, Namjin, Suga, Vhope
Exibições 105
Palavras 4.790
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Romance e Novela, Sci-Fi, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Mil desculpas pelo atraso! Para compensar, este é um capítulo grande cheio de conversas entre os casais. Boa Leitura :)

Capítulo 8 - Viagem II


Fanfic / Fanfiction Lights - Capítulo 8 - Viagem II

POV JIN

Jin riu ao ver Hoseok e Taehyung se jogando no lago.  Encontrava-se um pouco distante, de pé em frente a uma mesa, enquanto preparava o almoço. Sabia que aquilo iria acontecer pois Jin sempre responsabilizava pelas tarefas culinárias, e mesmo que uma das razões fosse seu óbvio amor pela cozinha, era uma maneira também de se aproximar do grupo que conhecia tão pouco. Aquilo era até irônico considerando que Jin possuía atualmente apenas Hye Sun como amiga. Depois da história com Do Joo ele tinha se afastados das poucas amizades que tinha conquistado na universidade.  

- Você deve gostar muito de rosa.

Namjoon interrompeu seu pensamento, simplesmente brotando do seu lado. Ele olhava para o chão, em seguida para os lados, mas nunca na sua cara. Jin manteve seus olhos sobre ele, sério e apático. Estava esperando aquela abordagem desde que o garoto tinha percebido que não poderia mais fingir tanto interesse naquela churrasqueira potátil.

- Sim, é minha cor favorita. - respondeu seco, ainda o encarando. Observou Namjoon morder os lábios grossos como se evitasse dizer algo. Jin colocou peso na outra perna.

- Sabe. Acho que é um bom momento para você pedir desculpas.

- Aish! - ele reclamou levando bruscamente as mãos até os cabelos platinados. – Agora não tem sentido eu te pedir desculpa assim. - Namjoon finalmente o encarou, a frustração óbvia. Ele era simplesmente o cara mais desajeitado possível em demonstrar seus sentimentos. Jin levou uma mão até a boca, querendo muito sorrir com aquela situação.

Recriminou aquele sentimento. Não podia simplesmente aceitar. Queria muito ouvir o pedido completo. D.E.S.C.U.L.P.A com todas as letras.

- Certo, vou esperar o momento que você considere ideal. - disse enquanto voltava sua atenção para os vegetais sobre a mesa. Pegou os pedaços de carne cortado e entregou para o garoto. - Vai lá, depois de você fingir interesse por tanto tempo naquela churrasqueira tenho certeza que você consegue colocar uma carne para assar.

Namjoon pegou o prato, sem graça.

- Eu percebi que você estava procurando um momento certo para me abordar. Mas esquece isso, vai resolver a carne, os meninos quando saírem da água vão sentir fome.

Namjoon não disse nada. Ia em direção a churrasqueira quando voltou bruscamente na sua situação. Ele abriu a boca duas vezes antes de finalmente conseguir dizer.

- Eu e Suga moramos juntos há três anos. Ele é o meu melhor amigo. Você deve saber disso, deve saber também que eu fiz aquele pedido pensando nele. Claro que isso não justifica, mas de algum modo, eu meio que me sinto responsável pela situação... por isso eu fui tão burro.

Jin se surpreendeu. Não pelo que disse em si, mas pela honestidade.

- Não é responsabilidade sua. Você salvou Hoseok, foram as circunstâncias.

- Eu tento todo tempo voltar para aquele momento e é uma merda, por que eu só fico lá como idiota e dá uma vontade de...

Jin segurou o prato nas mãos de Namjoon que já começavam a tremer. Aquilo fez com que o garoto finalmente o encarasse.

- Não é sua culpa, não é culpa de ninguém. A gente vai dar um jeito, não é como se já tivesse acabado.

Eles ficaram em silêncio por um tempo até que repentinamente Namjoon deu a volta indo em direção a churrasqueira. Retornou tentando auxiliar de algum modo, mas o garoto era praticamente inútil com uma faca na mão.

Fingiram brigas enquanto cozinhavam, principalmente quando o mais alto roubava um pedaço de comida ou reclamava do tempero alegando que ele deveria experimentar para ver se estava no ponto. Jin girou os olhos diversas vezes, mas logo depois sorria apenas fingindo cair na brincadeira do outro. Namjoon as vezes revelava suas covinhas em uma careta bem-humorada, mesmo que ele ainda não estivesse totalmente solto. Conversaram sobre coisas bobas como cursos complementares, sobre rap e algumas oportunidades de trabalho no cenário underground que ele teve que parar por causa dos trabalhos de meio período, evitaram o assunto Suga e até mesmo comentaram sobre a irmã mais nova de Jin.

- Ela não gosta de mim, pode falar.

- Não é isso, ela é uma menina de 12 anos, ela não sabe lidar com essas coisas.

- Com essas coisas? Ela não sabe lidar com um cara desconhecido visitando seu irmão? Na última vez que fui lá, ela nem olhou na minha cara.

- Oh meu deus, você realmente não entende, não é? Você é muito lento.

Namjoon o olhou com uma sobrancelha levemente arqueada.

- Você é o maior pegador, mas não entende nada de mulheres.

- Ah, e com certeza você deve entender muito.

- Muito mais do que você. Apesar de isso não ser grande coisa.

- Você... já se relacionou com alguma menina?

Jin segurou a vontade de sorrir, era engraçado como ele não conseguia lidar com sua orientação sexual.

- Sim, já até dormir com uma para descobrir como era.

Namjoon ficou em silêncio.

- Não quer saber como foi?

Ele apenas o olhou e mordeu internamente a boca em uma expressão desajeitada. Jin queria muito provocá-lo.

- Ela gemeu meu nome a noite toda.

- Aish, por que você tá me dizendo isso? - ele estourou, dando uma volta para logo depois parar na sua frente.

Dessa vez Jin riu.

- Depois eu percebi que eu realmente não gostava disso. Infelizmente eu gosto de homens.

- Infelizmente?

- É, seria muito mais fácil ser hétero e não por que a sociedade é assim, preconceituosa, mas por que vocês homens são todos umas portas.

Namjoon dessa vez sorriu, lentamente, aquele olhar provocador que viu ele lançando diversas vezes para Hye Sun. Girou os olhos já prevendo o que veria.

- Mas você continua gostando.

- Oh com certeza – disse, enfatizando um tom irônico - Especialmente héteros com essas cantadas horríveis.

Namjoon não disse mais nada, apenas manteve o sorriso, mas dessa vez mais brincalhão do que provocador. Em um momento olhou para baixo franzido o cenho. Não por preocupação ou qualquer coisa do tipo, Jin já tinha percebido que era apenas um hábito, aqueles pequenos detalhes em Namjoon que o deixava mais viril que os outros.

- Somos tão horríveis assim?

A pergunta não deveria atingi-lo, mas de algum modo o fez. O fez lembrar das experiências com Do Joo, o quanto ele o usou e o quanto ele deixou ser usado. Jin em resposta se concentrou nos legumes que colocava no espeto e ficou em silêncio, não querendo respondê-lo.

- Desculpa por perguntar. Você não deve ter tido boas experiências.

Jin largou a faca na mesa.

- Nunca é, é como se envolver com uma pessoa que nunca será sua. Você cria ilusões, diz que as coisas irão mudar, mas no íntimo nada muda, nunca há uma entrega de fato.

Um instante de silêncio, até que meio sem jeito Namjoon disse:

- Se serve de consolo, eu não me entrego a ninguém, independente disso.

Jin voltou-se para ele com um sorriso triste.

- Não serve de consolo, mas obrigado.

Namjoon levou as mãos até os cabelos platinados, claramente sem jeito.

- Desculpa por tudo.

Soltou e Jin desmanchou o sorriso o encarando.

- Obrigado por dizer isso.

Jin se surpreendeu por se sentir mais leve, mesmo que há pouco momento estivesse falando do ex.

 

POV HOSEOK

Hoseok ficou com a boca aberta por longos 10 segundos até que conseguiu balbuciar algo incompreensível. A pessoa sua frente, entretanto, não pareceu se incomodar com seu estado de surpresa, pois mantinha-se ali, na sua frente, muito próxima, com as duas mãos intencionalmente repousando sobre seu peitoral. Taehyung tinha seus cabelos castanhos jogados para tras como um modelo de capa de revista, mas o olhar tímido e envergonhado ia totalmente na contramão do seu visual.

- Como você se chama? – Hoseok ao fim perguntou, finalmente conseguindo formular algo em sua cabeça.

Taehyung sorriu largamente como se estivesse muito emocionado com aquela pergunta.

- Tae Mim.

- Certo... – Hoseok demorou instante pensando no que dizer. – Você é como o V?

Ele franziu o cenho nitidamente ofendido.

- Claro que não! Eu sou muito mais equilibrada e inteligente que aquela criança.

Hoseok sentiu um alívio quase físico o preencher. Com certeza essa pessoa não poderia ser o lado ruim de Taehyung.

- Me desculpa. Com certeza você não se parece com ele. – disse e depois riu, fazendo seu peito levantar e descer. 

Repentinamente Taehyung percebeu onde suas mãos estavam e suas bochechas coraram violentamente.

- Me desculpa por aquilo, as vezes eu me descontrolo.

Hoseok estranhou, mas logo depois sorriu achando aquilo adorável. Conseguia sentir que Tae Mim estava sendo sincera.

- Você se refere ao beijo? – perguntou provocando-a apenas uma pouco. Queria muito ver a cor das suas bochechas chegarem até as orelhas.

- Oppa! – Taehyung lhe bateu de leve e em seguida escondeu o rosto entre as mãos. Tae Mim era provavelmente a versão feminina de Taehyung, talvez o lado que fosse emocionalmente mais honesto consigo mesmo. E mais aberto a demonstrar suas emoções. Hoseok sorriu com aquilo. Se lembrou que estava sempre sorrindo perto daquela pessoa.

- Vem, vamos sair da água e conversar um pouco.

Hoseok a segurou pela mão puxando-a até as escadinhas que os levaria até o deck. Entre os ombros pode vê-la encará-lo com os grandes olhos brilhando, claramente denunciando seu afeto por ele – era engraçado que mentalmente Hoseok começasse a tratá-lo no feminino, como Tae Mim claramente se identificava. Segurou um riso com aquela reação, pensando o quão divertido aquela situação ficaria se ele pudesse brincar mais um pouco. Mas a questão é que ele tinha outras prioridades. Precisava entender como se dava aquele processo de mudanças de personalidade, identificar o gatilho e acima de tudo se preparar para a versão do Taehyung que era mais perigosa. V não lhe dava nenhum tipo de abertura, talvez Tae Mim lhe ajude a entender o que estava acontecendo.

Quando chegaram no Deck, Hoseok jogou a toalha nos seus ombros, como normalmente faria com uma garota naquele tipo de situação. Tae Mim lhe agradeceu com um sorriso tímido, mas segundos depois Hoseok a viu abrir a boca lentamente muito atenta a algo que não se tratava dele.

Jimim acabava de sair de casa, usava apenas uma bermuda, expondo todo seu corpo. Todos os músculos bem delineados a vista.

E era um maldito corpo. Hoseok tinha que admitir.

Seu abs provavelmente era fruto de muitas abdominais. E não somente sua barriga, mas era especialmente bonito os músculos das suas costas, como deu para perceber quando Jimim alongou-se como se preparasse para uma série de exercícios.

Tae Mim se esquivou de Hoseok deixando sua toalha para trás. Jimim, a poucos passos dali, sentiu dedos em sua barriga, fazendo-o tomar um susto.

- Que isso? Taehyung?

Hoseok ficou ali apenas vendo a situação.

Tae Mim ignorou completamente a surpresa de Jimim, enquanto nitidamente admirava o corpo a sua frente. Era estranho? Era. Principalmente considerando que o rosto ali era de Taehyung e ele ficava especialmente engraçado com aquela cara de bobo.

- Você tem um corpo maravilhoso. – Tae Mim finalmente disse algo. Em seguida levou um dos dedos até sua cintura. – Você até tem essas curvinhas.

- O que te deu Taehyung? – Jimim estranhava, mas também não se afastava. Parecia achar a situação muito divertida.

Quando viu Jungkook se aproximar, Hoseok já tinha levado as mãos a boca para segurar uma risada. O Jeon simplesmente puxou o braço de Jimim o afastando do garoto mais velho.

- O que tá acontecendo aqui?

Hoseok não se aguentou e começou a rir. Os três olharam para ele interrogativamente. Tae Mim ao encará-lo corou violentamente como se percebesse o que acabava de acontecer.

- Ignore-a, ela não consegue se controlar. – Hoseok disse enquanto levava suas mãos até os ombros de Tae Mim. – Ela é fofa desse jeito.

- Ela? – Jungkook perguntou.

- Sim, ela se chama Tae Mim. Parece que ela não consegue se controlar perto de meninos bonitos.

- Oppa! – ela reclamou de um jeito adorável e Hoseok não escondeu um riso.

- Certo, certo, não falo nada. Nós vamos entrar e depois saímos para comer. – disse para os meninos que ainda os observava confusos. A direcionou pelos ombros e sem que ela o visse virou-se para o restante do grupo e sem proferir som disse que ficaria tudo bem.

POV JUNGKOOK

Ele ficou ainda um tempo olhando para a porta da residência, quando se sentiu ser puxado pelo braço.

- Era uma garota?  

Era Jimim, que lhe acompanhava com o olhar. Virou-se para vê-lo, tendo-o muito próximo. Ele estava claramente em seu estado de normalidade,  mesmo que, a menos de 5 minutos, eles tenham tido uma conversa hiper constrangedora.

Assim que subiu para vestir seu calção, o ruivo veio atrás dele. Se esbarraram nas escadas de madeira, Jungkook até tentou evitá-lo, mas o mais velho não parecia disposto a aceitar a situação. Jeon deu passagem pela direita, em seguida para esquerda, mas Jimim apenas acompanhava seus movimentos.

- Eu quero conversar com você. – declarou decidido. – Olha pra mim Jungkook.

O garoto que até então olhava para os degraus ergueu o rosto, ficando muito próximo.Ele não tinha a típica expressão fofa ou concentrada.

- Vou ser sincero, por que já é óbvio que eu quero ficar com você.

- Sim Jimim, eu percebi. Nos últimos dias você não deixou de me pertubar com isso.

- Ótimo que você tenha percebido. – ele subiu mais um degrau aproximando-se. Jungkook recuou, mas foi puxado pelo braço. – Eu gosto de você, eu estou apaixonado por você, e eu sei por que você não quer ficar comigo, mas eu vou ser sincero. Isso é uma tortura pra mim.

- Jimim, eu já...

- Que merda Jungkook! Só não fuja de mim. Fique pelo menos próximo, não precisamos ter nada, só conversar, se ver, ficar um pouco perto, não te peço mais nada.

Jungkook sabia que não tinha desenhado nada daquilo, mas tudo aquilo parecia uma espécie de fantasia sua. Jimim implorar pelo mínimo do seu afeto, por mais egoísta que fosse, fazia-o se sentir dolorosamente mais apaixonado por ele.

- Por favor. – ele pediu, sem alterar sua voz. 

Ele bagunçou os cabelos escuros tentando controlar-se. Ele sabia que aquilo não fazia sentido. Não confiava em si mesmo para conseguir ser apenas uma presença na vida do ruivo. Tinha decidido não tomar nenhuma decisão até que a situação se tornasse clara, sendo assim o evitaria sempre que fosse possível. Entretanto, a maneira como Jimim o olhava o desamarrava completamente.

- Tudo bem... eu vou parar de evitá-lo.

Jimim soltou um sorriso que subiu até os olhos.

Agora que se encontrava ali, minutos depois de ver Jimim sendo praticamente assediado por Taehyung, percebia que qualquer tentativa racional de apenas ser uma presença em sua vida sumiria completamente naquele tipo de situação. Quando percebeu, já o tinha puxado para longe do amigo – que sequer deveria ser alvo de ciúmes. Se sentiu um idiota, odiava perceber que sua relação com Jimim era baseada em um sentimento de posse que ele não conseguia controlar.

- O que você acha? 

A voz de Jimim o acordou de seus devaneios.  Encontrava-se de pé olhando para a porta que Taehyung e Hoseok acabavam de entrar, sem entender ao certo o que tinha acontecido entre os dois. Voltou-se para trás, vendo Jimim ao seu lado; Jin e Namjoon mexiam na churrasqueira totalmente alheios ao que acontecia.

- Era uma outra personalidade de Taehyung? – Jimim retornou a perguntar.

- Não sei, mas tenho a impressão que Hoseok irá resolver qualquer coisa que seja.

- Você confia muito nele.

- Sim, na verdade... – olhou para o chão pensando mais a respeito. – Não é como se eu tivesse escolha, certo? – virou-se para encará-lo ao seu lado. Não sabia que era uma indireta para Jimim também.

- A gente sempre tem escolha.

- Mas a sensação que eu tenho é que eu perdi o controle de tudo.

- Por causa dos seus desenhos? 

Ele apenas concordou com a cabeça. Aquilo era irônico, pois na realidade, seus desenhos ditavam o futuro, certo? Sentiu seu braço ser segurado de maneira carinhosa.

- Você não quer me mostrar esses desenhos novamente?

Jungkook sentiu-se muito constrangido só de pensar naquela possibilidade.

- Eu acho que eu mereço saber, não?

Aquilo era verdade. Jimim como protagonista da maioria deveria no mínimo saber o que lhe aconteceria.

- Tudo bem.

Jimim lhe sorriu sem tirar suas mãos do seu braço. Era como se ele inventasse qualquer pretexto para poder tocá-lo, mesmo que tolamente. Em seguida se afastou aproximando-se de Jin e perguntando quantos minutos eles teriam até que tudo ficasse pronto.

Pouco tempo depois eles estavam sentados no chão do quarto de Jimim, olhando todos os desenhos de Jungkook tinha feito. O ruivo não parecia mais constrangido como antes, na verdade até soltava uns risos, depois dizia que suas pernas não eram tão bonitas assim. Jungkook mantinha-se abraçado entre os próprios joelhos, sem falar nada, quase morto de vergonha.

- Você me acha tão bonito assim?

- Sim, desde o dia que nos conhecemos.

- Foi no encontro de calouros, não é? Eu já o observava naquela época também.

- Como assim?

- Bom, você era um dos dosaengs mais bonitos, é óbvio que todos estavam de olho em você. E eu achava muito bonitinho você sem jeito com as meninas encima de você. – ele riu, mas sua risada foi lentamente sendo substituída por outro tom de voz, algo distante e inseguro – Mas... o que me chamava a atenção mesmo...era seu relacionamento com Taehyung, vocês estavam sempre sorrindo, se olhando, eu achava que vocês eram namorados.

- Não! Nunca veria Tae dessa forma. – Jungkook sentia-se nervoso só de pensar naquela possibilidade.

- Você nunca o acha atraente?

- Ele é atraente, óbvio. Mas não desse modo.

- Não nesse modo que eu sou? – Jimim perguntou, meio ansioso meio constrangido. Jungkook não conhecia aquele lado carente de atenção do mais velho.

- Sim... não nesse modo que você é.

Jimim sorriu, aquele maldito sorriso que subia até os olhos. Jungkook em um impulso segurou sua mão entre as suas. O mais velho parecia surpreso com aquela ação, mas Jeon apenas manteve-se de cabeça baixa segurando fortemente sua mão entre seus dedos.

- Não fala nada... é muito difícil para mim, tê-lo aqui e não poder tocá-lo. Eu quero pelo menos esse pouco.

Para sua surpresa Jimim não disse mais nada por um longo tempo, então eles apenas ficaram ali, um sentindo a mão do outro. Jungkook notou como seus dedos eram pequenos e cheinhos, sendo o osso na curva do dedão o único que realmente salientava. Sorriu meio bobo, achando suas mãos fofas.

- Sabe... nos seus desenhos... – Jimim retomou – Não existe nenhum desenho com essa situação que está acontecendo, certo?

Jungkook o olhou sem entende exatamente a pergunta.

- Sim, não há...

- E nós não conseguimos ficar longe um do outro certo? Eu vi a maneira como você ficou com Taehyung.

Jungkook sentiu-se muito constrangido com seu comportamento e Jimim apenas sorriu.

- Você gosta de mim, Jungkook?

- Eu... eu... por favor Jimim, não me faça esse tipo de pergunta, eu...

- Vamos ficar juntos. – o interrompeu.

- Você sabe que nós...

- Não tem importância. Não importa seus desenhos, nós vamos ficar juntos, fazendo tudo aquilo que seus desenhos não mostram.

Jungkook parou um instante para pensar. Mas não conseguiu concluir nada por que logo depois Jimim o puxou para ficarem em pé. O ruivo era alguns centímetros mais baixo, e ele adorava aquele pequeno detalhe. Na realidade parecia adorar tudo que aquele garoto era.

- Você pode pensar a respeito mais tarde. Mas agora eu quero te abraçar.

Ele jogou os braços entorno do seu pescoço, ficando nas pontas dos pés e com a boca bem próximo do seu ouvido. Jungkook, surpreso, ficou ali sem reação.

- Não há nenhum desenho que você me abraça, certo? Me abraça agora.

O moreno não pensou muito dessa vez, apenas levou seus braços pela cintura aproximando seus corpos. Jimim tinha um cheiro doce. Sabia que ele não usava nenhum tipo de perfume, ou desodorante com essência, mas ele tinha aquele cheiro delicioso que era uma mistura do seu shampoo, do suor, e sabonete, e quando Jungkook respirava fundo, incorporava todos seus sentidos.

- Podemos ficar assim até que eles percebam nossa ausência? – Jimim perguntou, a voz em um sussurro.

Jungkook não disse nada, apenas afundou seu rosto na curva do seu pescoço e o apertou entre seus braços. 

 POV HOSEOK

Tae Mim, estava bem entretida arrumando suas coisas, enquanto Hoseok encontrava-se sentado na cama que o garoto mais novo iria dormir nos próximos dias. Eles tinham ido ali para conversar com privacidade, mas assim que eles entraram a garota parecia escandalizada com que viu.  Ela tinha dobrado e guardado todas as roupas bagunçadas dentro da pequena mala de mão, colocado por função todos os cosméticos, e começava agora a ajeitar todos os documentos da carteira.

- Você é o lado mais organizado de Taehyung?

- Eu sou lado que ele procura quando sente que as coisas estão confusas. Eu meio que surjo para organizar a vida dele, físico e emocionalmente. – ela explicou ainda concentrada na carteira.

- Você também é o lado mais honesto dele. – Hoseok disse, sorrindo-lhe.

- Exatamente. Meninos não são bom em serem honestos consigo mesmo quando se trata das próprias emoções. Para além disso, existe a questão da mãe dele. Acredito que eu sou esse lado que ele deseja ser cuidado nesses pequenos detalhes.

Hoseok inclinou um pouco a cabeça percebendo a importância daquela informação.

- A mãe dele?

- Sim, infelizmente ele não teve muito convívio com ela. Aos cinco anos ela foi morar em outro distrito e construiu uma segunda família por lá.

- Como assim? Taehyung foi abandonado?

- Basicamente. Para complicar a situação a sociedade é machista o suficiente para ele não entender o lado dela. No fundo ele culpabilidade a mãe por uma série de coisas. Não só ele, mas V também. Eu acredito que ele me criou para ser uma espécie de substituta. Ele quer se cuidado por alguém e associou isso a uma figura feminina.

Hoseok meditou por um tempo, sentindo um incômodo surgir lentamente. Perguntou-se até onde os segredos de Taehyung chegariam. Aquela dúvida durou apenas um segundo quando por fim sentiu Tae Mim sentar-se ao seu lado.

- Eu queria lhe pedir que você cuidasse mais dele. Coisas bobas como preparar uma refeição, pô-lo para dormir, perguntar como foi o dia, essas coisas que a gente não percebe, mas valorizamos muito. Eu sinto que V confia em você, na realidade... – calou-se e suas bochechas coraram violentamente.

- Ele gosta de mim. – Hoseok completou e ela simplesmente concordou com a cabeça.

- Quando eu o beijei...foi meio que um acumulo de vontade.

- Então você não gosta também de mim? – Hoseok disse apenas para receber um tapa no braço e começar a sorrir.

- Oppa, para de me provocar assim.

- Desculpa, desculpa. – disse, mas ainda sorria. – Eu vou cuidar dele, não se preocupa.

- Eu sei que sim. – ela soltou um sorriso, não um quadrado, como era típico de V, mas um sem mostrar os dentes, cheio de carinho e timidez. Hoseok sorriu para ela, sentindo-se bem. Era o seu lado doce e honesto.

POV NAMJOON 

Eles serviram o almoço apenas as 13h da tarde, mas ninguém pareceu se incomodar, principalmente quando viram o resultado final. Jin cozinhava bem, era simples e saboroso – e Namjoon sabia que ele merecia todo o mérito, pois, por mais que tentasse ajudar, ele mal conseguia cortar uma cebola. O almoço seguiu tranquilo, estavam todos na grande mesa de madeira, próxima ao deck. Hoseok e ele eram os únicos que bebiam cerveja, Jin aceitou uma, mas a deixou parada pela metade, mal sentindo o efeito do álcool. Jimim e Jungkook disseram que beberiam apenas mais tarde, enquanto Taehyung, estranhamente, não falou nada durante todo o almoço. Quando o garoto subiu para seu quarto – inventando uma desculpa qualquer -  Hoseok explicou a situação.

Namjoon, assim como todo mundo, ainda não estava habituado a todas aquelas estranhas habilidades. Ele mesmo tinha desenvolvido uma espécie de desconfiança em relação a qualquer dejavu. Entretanto, a habilidade de Taehyung era a que deixava todos mais confusos. O garoto era uma caixinha de surpresa e eles nunca sabiam o que esperar. Namjoon mesmo só estava naquela à pedido de Hoseok, por que se dependesse dele já tinha esquecido aquele garoto há muito tempo. Jin era outro que ele não entendia por que se importava tanto. Durante toda a conversa estava atencioso e calmo, como se entendesse completamente a situação. Sequer questionou se aquilo indicava algum perigo, como funcionava, ou se deveria ficar atento.

- Tá tudo bem? – Jin perguntou para ele. E foi quando Namjoon percebeu que estava o observando durante todo o tempo.

- N-não, tudo bem. – Namjoon respondeu sem jeito e logo depois Jin virou-se para dar atenção a Jimim. Eles tinham acabado de se conhecer e o tampinha já o chamava de Hyung para lá e para cá, sempre lhe sorrindo como se compartilhassem algum segredo. Jin em compensação era sempre alegre e as vezes até brincava de uma maneira quase infantil que Namjoon nunca o tinha o visto agir. Outro detalhe que não pode deixar de observar foi sua paixão pela comida, ele comia tudo lentamente e parecia gostar especialmente de carne por que sempre fechava os olhos quando comia algum pedaço do churrasco. Chegava a ser engraçado.

Então Namjoon percebeu que estava sorrindo em sua direção. Ficou constrangido de algum modo como se tivesse sido pego no flagra. Encontrou os olhos de Hoseok que lhe lançou um sorriso malicioso, como se ele tivesse percebido alguma coisa.

Ele estava ficando louco – só podia ser. Tomou sua cerveja toda de uma vez, empenhado em voltar à normalidade. Mas Jin não parecia querer deixar.

Ele começou a ser muito amigável com Jimim. Levou seus braços a sua volta, e em algum momento até apertou suas bochechas e comentou como ele sorria com os olhos.  Jungkook estava claramente mal-humorado com aquela situação, mas continuava comendo. Namjoon perguntou-se se ele estava parecendo com o caçula da mesa e foi a gota d’agua por que não existia possibilidade alguma de aquilo ser verdade. Levantou-se bruscamente, fazendo Jin o olhar.

Ninguém além dele acompanhou seu movimento, estavam todos entretido em alguma história de Hoseok. Foi então que algo lhe disse que Jin também estava muito consciente de sua presença, mesmo que eles não estivessem interagindo diretamente entre si. Era como se existisse o imã entre eles, algo que era imperceptível, mas que Namjoon sabia que existia. Aquilo o incomodou, por que ele não entendia o que estava acontecendo. Decidiu sair dali e dizendo que ia buscar uma cerveja foi até a cozinha e demorou a retornar.  

POV JIN – 7 horas depois  

Era estranho a maneira como seus pensamentos imediatamente iam parar em Namjoon. Ainda mais depois daquela cena no almoço. A maneira como o mais novo encarava-o ou sorria exibindo aquelas covinhas, deixava-o totalmente sem jeito. Era estúpido? Era. Principalmente considerando que Namjoon era hétero e Jin não estava disposto a nunca mais a aceitar qualquer cara assim.

Foi tentando evitá-lo que inventou uma desculpa para ir à cidade mais próxima. Era praticamente de noite quando pegou um ônibus rural e disse que retornaria de taxi antes de escurecer. Ele buscaria um remédio para dor e traria gelo e soju – a pedido de Hoseok. Jimim se ofereceu para acompanhá-lo, mas algo na maneira como Jungkook o olhou, fez com rejeitasse a proposta. Era óbvio que os dois estavam diferentes, não saiam no raio de visão um do outro desde o almoço, além de seus corpos se movimentarem mutuamente de maneira quase inconsciente. Não entendia o que tinha acontecido, mas de algum modo se sentia feliz pelos dois, pois, por mais que acabasse de conhecer Jimim, sabia que o garoto merecia.

A cidade mais próxima era apenas um conjunto de casas, que se sustentava por uma pequena vendinha que oferecia apenas mercadoria básicas e emergenciais. Os moradores provavelmente deveriam comprar o restante em Huajam há alguns quilômetros dali. Mas era agradável apesar disso. Decidiu comprar uma bebida quente e aproveitar a temperatura amena da noite, acompanhada do som dos grilos tão caraterísticos dali. Começou a andar em direção a parada de ônibus onde tentaria a sorte em pegar um ônibus antes de pagar um taxi. Não tinha ninguém além dele, e por mais perigoso que aquilo fosse, Jin não se importou.

Inclinou para trás para sentir o cheiro de cidade pequena, mas quando abriu os olhos sentiu-se sendo sufocado e logo depois a vista escurecer.

CONTINUA...


Notas Finais


Então gente bonita, o que rolou com o Jin maravilhoso?
Aposto cookies imaginário de novo haha

Ai gente, eu confesso que eu tenho um fraco por abraços. Muito mais que beijos até - vida de dorama hauha

Bom, esse capítulo teve muitas cenas românticas, certo? Bom, eu preciso acelerar as coisas por que além de eu querer chegar em um ponto crucial, eu percebi um certo distanciamento dos leitores nos últimos capítulo e quero ver se é por causa do ritmo lento da fic. Não me abandonem haha

Espero que vocês tenham gostado, e até a próxima - pretendo atualizar mais rápido considerando o atraso desse aqui. Beijão!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...