História Lights on - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Shawn Mendes
Tags Shawn Mendes
Exibições 22
Palavras 1.930
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oooiii tudo certo? Então acho que não tenho nada pra falar kkkkkk
Boa leitura xuxuuuus<3

Capítulo 6 - Ele não é assim!


Fanfic / Fanfiction Lights on - Capítulo 6 - Ele não é assim!

Entro no meu quarto e me jogo na cama, lembrando tudo o que aconteceu nas ultimas horas. Aquele sorriso bobo que insistia em não sair do meu rosto.  O que será que tá acontecendo comigo?

Eu não posso estar gostando dele, não posso nem pensar nessa hipótese, daria muito errado. Mais enfim, agora eu tenho que descansar, por que todos aqueles beijos me deixaram exausta. Faço a minha higiene e coloco meu pijama, e deito em minha cama, me aconchegando com a coberta. 

Aos poucos meus olhos se fecham e eu adormeço. Acordo com uma jamanta em cima de mim batendo com o travesseiro em minha cara.

-O que foi? –Pergunto irritada, enfiando a cabeça de baixo do travesseiro.

-Me conta tudo que aconteceu ontem! –Fala entusiasmada.

-Se você me deixar dormir, quando eu acordar, te conto.

-Nada disso, agora.

-Te dou três segundos para sair daqui, se não vou te dar um tapa. AGORA. -Grito a ultima palavra.

Vejo-a sair do meu quarto. Viro-me de um lado para o outro, na tentativa de conseguir voltar a dormir, mais não consigo. Bufo indo ao banheiro e fazendo a minha higiene, saio do quarto com a pior cara que posso e me sento/deito na poltrona.

-Juuu, me trás um cafezinho? –Peço manhosa, já que ela estava na cozinha.

-Ah não, vem aqui fazer.

-Por favor. –Faço um biquinho sem saber se ela estava vendo.

-Saphira! –Fala me repreendendo. –Eu já to fazendo o almoço.

-È só um café meu! –Falo me levantando e indo até a cozinha.

-Tá agora que você acordou, me conta! –Reviro os olhos e ela me da um tapa.

-Ai meu Deus! Você não vai parar de me encher o saco até contar né?

-Não. –Fala dando ombros.

-Tá. –Bufo e depois rio. – A gente chegou lá, e eu sai do carro normal, ele disse que ia abrir a porta pra mim sair. E eu perguntei se ele queria que eu entrasse de novo pra ele abrir. –Nós duas rimos, e ela nega com a cabeça.

-Se acostuma que o Shawn é assim, todo fofinho e romântico. Por isso que eu pensei em juntar você dois.

-Não sei se devo te agradecer cúpida. Mais continuando, ele ficou me olhando, e como sempre, a linda aqui corou. Ele disse “Você fica tão linda corada”, eu pensei “ah vamo jogar o mesmo jogo”. –Jully me olha espantada. –E eu disse “Você também”.

-Quer vergonha Saphi. –Fala colocando a mão no rosto.

-Ele ficou um pouquinho vermelho também, mais ele ficou olhando pro lado, ai eu pensei “Fodi com o encontro”. Como eu sou muito educada pedi desculpas, e ele começou a rir. –Fiz uma cara de tacho e ela riu. –E depois disso a gente pediu a nossa comida, e ficamos conversando sobre qualquer outra coisa. Ai a gente saiu de lá e ficamos andando, e ele pediu pra falar mais de mim, e eu disse que eu sou brasileira, que vou fazer dezoito ainda esse ano e blá blá blá. –Tudo o que eu estou falando é fazendo gestos qualquer com a mão.

-E vocês ficaram? –Pergunta animada.

-Calma. –Falo a repreendendo. Paro um tempo revendo tudo o que falei. –È ai a gente se beijou.

-Que fofinha “a gente se beijou”. Geralmente você fala que pegou. –Reviro os olhos.

-È e depois disso ele me trouxe pra casa. E rolaram vários outros beijos. –Falo a ultima frase corando.

-À Saphi, nem aquele outro boy escroto que você tava pegando te deixou assim. –Fala apertando a minha bochecha.

-Sai! –Falo tentando tirar a seus dedos da minha bochecha.

-Só que tem um probleminha. –Ela fala abaixando a cabeça. –o Shawn é cantor, famosão, bonitão, gostosão, e tudo mais. Ele não seria presente o suficiente pra você. –Dei um longuíssimo suspiro.

-Eu sei. –Falo abaixando a cabeça. –Mais me conta o que tu tá fazendo pra o almoço.

Mudo total de assunto e vejo que a comida já esta quase pronta. Enquanto coloco a mesa, começo a pensar no que Jully acabou de me dizer. Ela tem razão, Shawn não seria o presente suficiente caso fossemos namorar.

Mais por que pensar em namorar tão cedo? A gente se conheceu há muito pouco tempo, mesmo assim sei que gosto dele. Não quero que antecipar as coisas ou como falava no Brasil “colocar a carroça na frente dos bois”.

Terminamos de comer e eu vou para meu quarto escovar meus dentes. Depois de ter meus dentes devidamente escovados, fico me olhando no espelho, mais precisamente para meu cabelo. Acho que já falei que estou me enjoando dele comprido, meus fios batem até a cintura.

Pego meu celular e ligo para o meu cabeleleiro marcando um horário no fim da tarde. Sem nada pra fazer ligo a TV e vejo algumas séries até faltar menos de uma hora para o meu horário. Entro no banheiro e tomo um banho rápido, vou até o meu closet e coloco uma calça boyfriend e uma blusa branca. 

Faço uma maquiagem um pouco mais complicadinha, só que nada de mais, só estou com tempo. Pego a minha bolsa, coloco a minha carteira e o celular dentro dela. Coloco meu tênis e saio do meu quarto.

-Vou cortar. –Falo do nada para Jully, que não me parece nem um pouco surpresa.

-Já imaginava.

-To indo já, beijos. –Falo abrindo a porta.

-Não! Me espera, quero ir junto. –Reviro os olhos e assinto com a cabeça.

Me jogo na poltrona para espera-la , que foi bem rápida. Jully vem chacoalhando a chave do carro, levanto em um pulo e nós rimos.

Falei ao cabeleleiro que o corte que eu queria, e ele começou a cortar o meu cabelo. Conforme algumas mechas iam caindo, quando a tesoura passava sobre elas, já ia sentindo a leveza do meu novo corte. Depois de secarem meu cabelo e fazerem algumas ondas com o babyliss, finalmente pude me olhar no espelho, o resultado me surpreendeu.

Fico um bom tempo me olhando no espelho e mexendo em meu cabelo, oh Deus como isso é bom! Começo a procurar por Jully e a acho, com vários bobs em seu longuíssimo cabelo castanho escuro, fazendo as unhas. Essa cena me faz rir, ela está parecendo uma patricinha, bem, não que não seja.

Quando entro no carro e ligo o rádio, num volume consideravelmente alto na minha playlist favorita, e a musica que toca é “Ariana Grande - Side To Side ft. Nicki Minaj”. Já começo a dançar, a minha coreografia, ultra sexy (kkkkkk), quando Jully resolve abaixar o volume.

-Ei! –Falo fazendo uma cara de “qual o teu problema”.

-Sabe onde tu vai fazer a nossa coreografia? –Fala com um sorriso de canto.

-Hum. –Ergo uma sobrancelha.

-Na inauguração daquela boate que eu te falei.

-Serio, que você consegui os ingressos?  -Pergunto animada.

-Área vip meu bem. –Fala se gabando.

-Jully e os seus contatos. –Digo rindo

Aumento o som e nós começamos a “dançar” as musicas que tocavam, já estou até vendo, eu cuidando dessa praga bêbada, beijando mil bocas, mais eu meio que gosto de vê-la nesse estado, é divertido.

Chegando em casa vamos correndo nos arrumar, chego no meu quarto e vou correndo tomar uma ducha (de novo!), saio do banheiro e vou até meu closet, e procuro uma roupa. Escolho uma saia vermelha com uma fenda, e uma blusa branca estampada (foto do capitulo). Coloco meu tênis branco pra combinar e faço uma make.

Já que estou praticamente pronta, vou até o quarto de Jully e a vejo tentando fechar o zíper do seu vestido extremamente justo, que deixa suas curvas exageradas á mostra.

-Graças a Deus! Me dá uma ajudinha aqui. –Diz apontado para seu vestido.

Vou a sua direção e fecho o zíper com facilidade.

-Pronto! Não entendo como você consegue usar esses vestidos, é a mesma coisa que estar pelada.

-Não entendo como você consegue ser tão careta. –Diz no mesmo tom que eu, reviro os olhos.

-Eu não sou careta. –Falo fazendo careta. –Sou style. –Mando um beijinho pra ela e logo solto um riso.

-Pronta? –Pergunta á mim.

-Vamos logo.

                                                                    {...}

Quando entramos naquele lugar, que por fora já era lindo, por dentro é mais ainda. Chegamos na área vip, não sei por que, sinto que quando falo “área vip” me sinto arrogante, mais em fim.  

Jully me arrasta pra algum lugar, e quando chego mais perto vejo o bar, com um barman incrivelmente gato! Pra mim falar isso de algum cara, em sã consciência, ele tem que ser realmente gato. Fico o encarando,  enquanto minha amiga pega nossas bebidas, seus olhos se encontram com o meu, dando um sorriso de canto. Por Deus!

Sinto o rubor subir pelas maças do meu rosto, encaro qualquer outra coisa ao meu lado, vendo algo, que realmente queria ter com “desver”. Ele está se esfregando com uma garota (qualquer em meu ponto de vista).

Não sabia esse seu lado, suas musicas com letras fofinhas, maioria delas, que devem expressar seus sentimentos, ou talvez sua pessoa. Pra mim não parecia mais Shawn Mendes, após essa cena era Mc João, Mc Don Juan, ou qualquer outro Mc com suas letras sujas.

Tudo só piorou quando os dois começaram a quase se comerem na frente daquele monte de gente. Sinto meu rosto esquentar, mais já não é o mesmo causado pelo barman deus-grego. Eu sinto raiva nojo, um misto de tudo que pudesse mudar meu sentimento de ontem.

Vejo que minha bebida já estava na minha frente, dou um gole nela e Jully me olha tentando entender o que eu estava pensando. Olho na mesma direção de antes, e seu olhar segue o meu chegando aonde não deveria ter chegado.

-Ai meu Deus. –Ela fala pausadamente. –Ele não era assim, eu vou quebrar a cara desse filho da puta! –Diz se exaltando.

-Ei, ei, ei, relaxa. –Falo tentando conter aquele furacão chamado Jully. –Nós não temos nada, ele tem o direito de se esfregar com qualquer vagabunda que ele quiser. –Olha esse vocabulário Saphira! – E eu tenho o direito de ficar com o Deus-Grego que eu quiser. –Finalizo a minha tese olhando para o barman.

-Mais é claro, só que ele não pode te levar pra jantar, ser super fofo, te encher de beijos e esperança. –Reviro os olhos. –Não me diga que não, por que eu vejo em seus olhos. Continuando, ele não pode fazer tudo isso e vir aqui se esfregar com qualquer uma!

-È claro que pode! Ele não tem nem ideia que eu esteja aqui, e se tivesse acho que não estaria nessa situação. –Falo como se fosse obvio.

-Isso mostra que ele não está nem aí pra você Saphira!

Essas suas palavras me atingem mais que o esperado, me fazendo refletir sobre minha tese tosca.

-Desculpa amiga. –Fala ao perceber o que disse. –Mais é a verdade, relaxa acho que você tem que dar um gole nisso. –Fala apontando para o meu copo, e eu não entendo. –Com a secada que você tá levando do gostosão já devia estar desidratada.

Gargalho com seu comentário e olho pra trás. Ela não estava errada, retribuo o sorriso do Deus Grego e volto a olhar para Jully dando um longo gole em minha bebida.

-Não to dizendo. –Ela olha pra cima do meu ombro, já até sei onde seu olhar está. –Isso tá me dando agonia, vou fazer alguma coisa.

Seu tom de voz é firme e decidido, não duvido nada vindo da parte de Jully, mais só consegui rir.

-Por Deus! O que você vai fazer? Morder a canela dele?


Notas Finais


Como assim?
Então eu quero que vocês comentem o que estão achando de tudinhooooo, por favor o comentário de vocês é muito importante pra mim, mesmo! Então não precisa ter medo, eu não vou morder a canela de vocês hahaha
Beijos <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...