História Like a Butterfly... 2 - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias AOA, B.A.P, Big Bang, Black Pink, EXO, Got7, NCT Dream, Oh My Girl, VIXX
Personagens Arin, Binnie, Chenle, D.O, Daehyun, D-Lite (Daesung), G-Dragon, Jackson, JB, Jimin, Jisung, Leo, Lisa, Lu Han, Mark, N, Sehun, Xiumin, Youngjae
Tags Aoa, Bap, Big Bang, Black Pink, Exo, Got7, Kpop, Nct Dream, Oh My Girl, Vixx
Exibições 11
Palavras 1.889
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi... Bom, vocês sabem o que aconteceu e aqui vou explicar melhor. Sinto muito, mesmo.

MAS TO FELIZ PELOS NOVOS FAVORITOS, MESMO, OBRIGADA <3 ESPERO QUE GOSTEEEEEM!

Capítulo 11 - Eu nem tentei...


Fanfic / Fanfiction Like a Butterfly... 2 - Capítulo 11 - Eu nem tentei...

 

 

 

Passei a mão no cobertor macio de minha cama, fazia tempo que não ficava deitada o dia todo. Se bem que agora, fico deitada o dia todo e mais uma semana. Na verdade eu ficava, pois depois das visitas que recebo às vezes eu me mexo um pouco.

 

Lembrei-me de minha primeira visita:

 

A parede branca, o teto branco, minha mente branca... Não conseguia pensar em nada. Aquela imagem se repetia mil vezes em minha cabeça, eu não podia esquecer aquilo por mais que tentasse.

 

-Querida. –Minha mãe entrou no quarto e calmamente encostou a porta. Sorria alegre. –Tem visita para você, eu posso deixa-lo entrar?

 

Permaneci em silêncio, ela entendeu como um sim. Já imaginei YoungJae entrando no quarto pedindo desculpas pelo que fez, sorrindo alegremente e selando nossos lábios. Confesso que ergui o cenho ao ver Xiumin entrar pela porta.

 

-Obrigada, senhora Shin. –Fez uma reverencia para a mesma, que sorriu e fechou a porta. Ele se aproximou e sentou na cama de Lisa (que ficava perto de mim). –Não sabia que tinha uma irmã.

 

Dei de ombros, cada movimento doía já que eu não me mexia fazia três dias. Ele sorriu e se curvou para frente, sentia saudade de ver ele.

 

-Bom, já vi que não está falando. Espero que não esteja mais triste, sabe a culpa não foi sua. –Disse com um semblante entristecido, dei uma leve tossida e resgatei as palavras.

 

-Foi sim. –Minha voz soou roca e fraca, mas ele ouviu, pois erguei o cenho. –Eu não a segurei.

 

-Mas você não a empurrou. Além do mais, você segurou o braço dela. Se não fizesse isso, teria sido bem pior. –Falou sério, olhei para minhas mãos no colchão.

 

 

 

“Ela deu um passo para trás, mas eu estava paralisada.

 

-Ji-Min se mexe! –Berrou YoungJae correndo até nós, não sei bem de onde, mas tirei forças e estiquei o braço, agarrando o braço dela. Isso retardou a queda, dando tempo dos meninos chegarem e pegarem ela.

 

Caí sentada no chão, observando a cena sem reação, eles a puxavam desesperados enquanto ela chorava como um bebê. Se debatia repetindo “me deixem, me deixem”, mas eles ignoravam e a puxavam desesperados. Quando estavam em uma parte mais segura, YoungJae a abraçou com força.

 

-Porra Ji-Min, você não podia ter sido mais rápida?! Ela quase caiu e você ficou observando parada! –Berrou me encarando com os olhos raivosos semelhantes ao de sua irmã. Comecei a chorar paralisada, as lágrimas desciam, mas eu não fazia nada.

 

-Não precisa ser tão rude, pelo menos ela tentou. –Xiumin disse sério, uma gota de suor descia por sua testa e ele estava ofegante.

 

-Cala boca, para de defender ela. Isso não teria acontecido se Ji-Min não tivesse vindo para cá. –O olhou friamente, novamente seus olhos encontraram os meus. –Para de chorar caralho, você nem tem motivo.

-Chega YoungJae, a culpa não foi dela. Vamos. –Xiumin estendeu a mão e pegou a minha me arrastando até a escada. Ele me levou para casa, depois foi falar com meus pais enquanto eu chorava em minha cama.”

 

 

-Ei, ei, está tudo bem. –Se aproximou e entrelaçou nossos dedos assim que viu que eu estava chorando. Senti um arrepio assim que o fez. Limpou minhas lágrimas. –Binnie está bem, ela só está meio triste. Está tudo bem, ela está viva e você ajudou para que isso acontecesse.

 

-Se eu não tivesse vindo ela estaria feliz. –Murmurei ainda chorosa, ele me fitou nos olhos.

 

-Isso tem a ver com a vida dela, não com você. –Suspirou e soltou minha mão. –Eu não devia contar essas coisas, mas você promete guardar em segredo?

 

Assenti e ele continuou:

 

-Bom, YoungJae e Binnie não são irmãos de pai e mãe, os pais deles se casaram quando eles eram pequenos. Ele descobriu então que às vezes, seu pai ia ao quarto de Binnie de noite. –Disse meio entristecido, deve ter notado que eu tinha um grande ponto de interrogação sobre a cabeça. –Ele abusava dela, Ji-Min.

 

-Meu Deus! Sério? Quantos anos ela tinha?! –Perguntei de olhos arregalados, não conseguindo imaginar aquela coisa horrível.

 

-Ela tinha dez, ele tinha doze. Eles fugiram e foram para a casa do tio de YoungJae. Mas ele batia nele, Binnie implorava para irem embora, não aguentava o ver sofrendo. Mas ele negava, ele dizia que faria isso se fosse para proteger ela. –Assentiu suspirando, abaixei a cabeça pensando no quanto YoungJae deve gostar de Binnie. –Mas acabou que foram embora, pois o tio deles foi preso, nesse tempo eles tinham treze e quinze. Eles vieram para esse lugar onde ele mora e lá todos são uma família e ensinam os mais novos a roubar para sobreviver. Viveram assim, roubando para sustentar um ao outro até que YoungJae começou a trabalhar e paga um apartamento para Binnie.

 

-Eles eram ladrões?- Perguntei meio decepcionada.

 

-Ji-Min, você tem que entender que nem todo mundo vem de uma família de boa renda como a sua, eles precisavam roubar ou morreriam. - Respondeu parecendo meio bravo, assenti envergonhada e ele suspirou. –Mas agora que entende, saiba que eu nunca gostei de Binnie e a namorei por pena, queria que ela fosse feliz. Sem contar, é claro, que YoungJae me ameaçou com uma faquinha.

 

-Faquinha. –Ri e ele também, nunca poderia imaginar nada assim. Mas assim que assimilei tudo, tentei mudar de assunto. –Como está sua avó?

 

-Te contaram, é?- Perguntou dando uma risada meio desconfortável. Deu de ombros. –Piorou, sinceramente, ela continua me chamando de MinJeon. Isso é irritante, se não pode lembrar meu nome logo vai esquecer quem sou.

 

-A culpa não é dela. –Murmurei e ele sorriu meio triste.

 

-Tem razão. Aliás, contei o que aconteceu e ela te mandou algo. –Disse colocando algo embrulhado por panos em meu colo. Sorri desfazendo o laço e vi um potinho de plástico. Assim que o abri, o cheiro de biscoito com gotas de chocolate invadiu minhas narinas.

 

-Hum... Parece muito bom! Obrigada! –Sorri pegando um e o mordendo com gosto. Senti seu sabor delicioso e dei outra mordida. –Sua vó cozinha muito bem!

 

-Eu a ajudei. –Riu me fitando.

 

-O quê? Quer um? –Perguntei tapando a boca cheia e ele negou rindo, dei ombros. –Mais para mim.

 

-Ainda gosta de YoungJae, né? –Perguntou e seu sorriso foi se desfazendo aos poucos. Fitei o chão pensativa, apesar de eu sentir sua falta, mesmo que fosse pela Binnie, me tratou como um lixo. Isso faz eu me sentir péssima. Não consigo pensar nele sem ficar meio chateada.

 

-Não sei, acho que não. –Dei de ombros e continuei comendo, ele soltou uma risadinha e o encarei. –Por quê?

 

-Nada. Acho que vou indo. –Se levantou, acenei com o braço, sentindo-me mais confortável com os movimentos. Ele se abaixou e beijou minha testa, fazendo minha espinha se arrepiar. –Vou voltar.

 

E ele voltou. Continuou vindo durante uma semana, cada dia que ele vinha eu tinha um avanço, na última vez que ele apareceu, eu já até caminhava pelo quarto. Minha mãe disse que ele me ajudou a sair da depressão, mas eu nem estava em depressão, meu pai disse que foi um choque e eu concordo. Essa foi a última semana de aula do Jisung e ele estava em um acampamento por isso ele nem ficou sabendo do que aconteceu e decidimos não contar.

         Xiumin não apareceu no outro dia, mas N sim.

 

-Ji-Min! –Entrou no quarto correndo e abri os braços esperando um abraço, mas ele me deu um peteleco na cabeça. Gemi com a dor. –TIVE QUE APRESENTAR O TRABALHO S-O-Z-I-N-H-O NA FRENTE DE TODO MUNDO!

 

-Sinto muito. –Disse rindo e ele me abraçou em seguida.

 

-Que saudade, é estranho sem você na sala. Sua mãe disse que você estava doente. O que aconteceu? Binnie está agindo estranho, deve estar sentindo sua falta. –Disse sorrindo, pensei bem e era melhor ocultar a verdade.

 

-Nós brigamos, mas não tem problema. Eu fiquei doente, mas estou melhorando. –Disse me ajeitando na cama, se jogou na cama de Lisa.

 

-Que droga... –Murmurou fitando o teto e suspirei.

 

-Como estão as coisas com sua namorada? –Perguntei e ele pareceu ficar desconfortável. –Se não quiser falar tudo bem.

 

-Não, tudo bem. Eu não falei mais com ela nem com Leo, Hongbin disse que ele sente minha falta... Tsc, mentira. –Fez uma careta e passei os olhos pelo quarto.

 

-Espero que essa situação se esclareça. –Falei séria e ele começou a mexer em minhas coisas. –Ei, pare de ser metido!

 

-Ah! –Se assustou quando derrubou uma caixa cheia de fotos no chão e elas se espalharam por todo lado. –Opa.

 

-Parabéns, vai juntar tudo. –Ordenei e ele bufou.

 

-Eu heim, acha que é quem pra me dar ordem? Vem me ajudar. Vamos, vamos, levanta dai! –Cruzou os braços e balancei a cabeça.

 

-VOCÊ QUE DERRUBOU PRAGA! VAI JUNTAR TUDO VOCÊ!- Berrei e ele puxou meu pé me arrastando para fora da cama. –Ei!

 

Cai da cama e ele começou a rir, peguei um bolo de fotos e joguei na cara dele.

 

-Ora, sua... Nossa, eu conheço esse rosto. –Pegou uma das fotos e analisou, me aproximei e era Jimin sorrindo perto de umas flores amarelas.

 

-Meu vô, seu nome era Jimin. Deve conhecer, pois ele virou um empresário famoso. –Dei de ombros e ele pensou um pouco.

 

-Jimin? Seu nome é uma homenagem? Isso é engraçado. –Deu uma risada e se concentrou novamente. –Mas eu o conheço de outro lugar...

 

Começou a procurar pelas fotos, apenas observei em silêncio até que ele soltou um grito meio abafado e pegou uma foto.

 

-Eu sabia, veja! –Então mostrou uma foto de meu avô com um dos amigos dele que não sei o nome. –Namjoon, ele me deu aula quando eu era pequeno! Uma vez ele até mostrou uma foto dele com Jimin, seu avô.

 

-Sério? Que coincidência. Mas Namjoon já morreu? Meu vô sim. –Perguntei e ele deu de ombros.

 

-Talvez, pelo que ele disse dos seus amigos um que morreu foi Yoongi. –Falou e senti uma dor no coração.

 

Yoongi... Eu me lembro dele, foi o amigo do meu pai que me deu aulas de piano quando eu era menor. Eu tinha muito afeto com ele.

 

“-Sabe Ji-Min, tem uma pessoa que eu amei por muito tempo. Tocar piano me ajuda reprimir esse sentimento, ela foi embora. -Dizia deslizando os dedos pelas teclas. Assenti curiosa e ele passou a mão por seu rosto meio enrugado, que mesmo assim era bonito. –Quando se sentir mal, quero que toque piano, vai te ajudar.

 

-Mas tio, por que você quer esquecer seu amor? –Perguntei confusa e ele suspirou, como que se lembrando de algo, sorriu.

 

-Nem todo amor é bom. Principalmente quando está longe, um dia você vai entender... Infelizmente. –Falou e logo ficou meio emburrado, tocou algumas notas.”

 

Depois daquele dia, fiquei dois dias sem receber visitas e aqui estou eu. Hoje é sexta-feira e faz duas semanas que não vou para a escola, isso vai me dar prejuízo. Minha mãe disse que tentaria arranjar benefício baseado na minha situação. Pelo menos eu teria uma chance.

 

Tudo aconteceu tão rápido, até entender o que acontecia eu não podia. Preparei-me para tomar um banho (coisa que eu fazia muito raramente nessas semanas, nojento, eu sei), mas assim que abri a porta, vi algo que me surpreendeu. Lá estava o grupinho de YoungJae.

 

 

 

 

 


Notas Finais


entaoooooooooo acharam que eu ia matar ela? Gente eu sou um amor, lavem suas bocas pra falar de mim u-u' mas espero que tenham gostado <3 bejooooooos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...