História Like Nobody - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Shawn Mendes
Tags Shawn Mendes
Visualizações 43
Palavras 1.755
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Romance e Novela

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hey, eu sei que faz séculos que não atualizo LN e que quem já lia a história deve estar confuso agora por eu estar postando o segundo capítulo agora e bom... Ter apagado os quatro capítulos que já tinha antes, mas vou explicar.
Eu acabei cometendo alguns erros antes e entrei em um bloqueio criativo que não conseguia mais escrever a história, se eu deixasse como estava a história acabaria não tomando o rumo que eu queria. Então resolvi apagar todos os capítulos (exceto o primeiro) e reescrever a história a partir dali.
O tema continuará o mesmo, mas algumas coisas mudaram, alguns personagens saíram e outros entraram no lugar e enfim... A história continuará com o mesmo tema de antes, porém agora seguirá um rumo um pouco diferente, nada muito drástico, mas vocês vão perceber a diferença...
Peço desculpa a quem gostava da história como estava antes, mas essa mudança era necessária e espero que gostem de como será agora, mas se não gostarem eu irei entender <3

Capítulo 2 - Are you following me?


Fanfic / Fanfiction Like Nobody - Capítulo 2 - Are you following me?

Cruzei o portão sem olhar para os lados focando toda minha atenção na música que tocava no meu fone de ouvido.

Minha primeira aula era física e ainda faltavam 15 minutos para as aulas começarem o que significava que se eu fosse para a sala agora poderia me sentar em algum lugar no fundo e quando as pessoas chegassem provavelmente não notariam minha presença, pelo menos era o que eu esperava que acontecesse.

Caminhei até meu armário ignorando tudo a minha volta, sabia que os boatos sobre mim só aumentavam a cada dia que se passava, claro que ninguém sequer considerou a hipótese de não serem verdadeiros, aliás, por que alguém acreditaria na garota estranha quando todos da escola diziam o contrário?

Colocava minha senha o mais rápido que conseguí, quanto antes eu pudesse sair dali e chegar à sala melhor, mas claro que o destino resolveu não colaborar comigo...

Assim que terminei de colocar minha senha e tentei abrir o armário a porcaria da porta emperrou, minha primeira atitude foi encarar a maldita porta direcionando para ela toda minha raiva por emperrar bem quando eu precisava que ela abrisse logo, como isso não adiantaria de nada resolvi mudar de tática e fazer uma coisa idiota, comecei a esmurrar a porta esperando que assim ela abrisse.

Estúpido? Talvez, mas era o que eu podia fazer no momento.

— Armário velho idiota, eu preciso pegar meus livros. — Disse enquanto dava mais três socos no armário que continuava fechado.

— Você tem um sério problema com a raiva. — Disse uma voz desconhecida ao meu lado me fazendo revirar os olhos sem me dar ao trabalho de ver quem era, provavelmente apenas mais algum idiota daquela escola que havia achado engraçado me incomodar quando eu estava ocupada.

Continuei dando socos inúteis no armário ignorando a pessoa que ainda continuava ao meu lado.

— Quer ajuda?

A voz falou novamente e resolvi ver quem era a pessoa e mandá-la embora. Olhei para o lado encontrando um garoto sorrindo, nunca havia o visto por ali, talvez fosse novo... Ou talvez não, eu não costumava prestar muita atenção nas pessoas daquele lugar então não tinha como ter certeza, não podia negar que ele era bonito, porém já imaginava que fosse só mais um idiota, o típico garoto que usa as garotas e as joga fora.

— Não, eu posso fazer isso. — Disse em tom seco enquanto, tentando mais um soco e rezando mentalmente para que dessa vez o armário abrisse e eu pudesse chegar à sala.

— Tem certeza? Por que não parece estar fazendo muito efeito. — Ele disse, mesmo que seu tom não fosse de deboche agora mais do que nunca eu queria que o armário abrisse para provar que tinha conseguido fazer aquilo, então o ignorei e continuei tentando inutilmente fazer o armário abrir - Você vai mesmo ignorar? Eu só estou querendo ajudar.

— E eu disse que não preciso da sua ajuda, além de que ninguém ajuda alguém sem querer algo em troca. — Disse ainda encarando o armário, se ele era aluno novo devia ter ficado sabendo dos boatos e resolvido vir tentar alguma coisa, talvez alguma aposta com os amigos? Não sei, e sinceramente não queria descobrir.

O melhor a fazer era sair logo dali, tentaria uma última vez e iria para a sala com ou sem livros.

Preparei-me para dar um soco mais forte, esperando que a força ajudasse a abri-lo, porém assim que minha mão tocou a porta do armário a única coisa que senti foi uma pequena dor, ok, talvez eu tenha colocado mais força que o esperado... Porém... O armário continuava intacto e fechado.

Por que a vida não podia colaborar comigo apenas uma vez?

Me virei para sair quando ouvi o barulho de outro soco no armário, o garoto havia dado um soco um pouco mais acima de onde eu havia tentado antes, e a porta estava aberta.

Encarei o armário incrédula, traidor!

O garoto me observava com a sobrancelha arqueada, provavelmente esperava um agradecimento, me voltei para o armário pegando os livros das três primeiras aulas. Eu queria apenas ignorá-lo e sair, mas mesmo não gostando de admitir ele havia ajudado.

— Obrigada. — Disse me virando novamente para sair, porém senti sua mão segurar meu pulso, ele não estava colocando força, mas apenas o gesto já me deixava mais desconfiada do que antes.

Eu sabia, sabia que ele não iria ajudar assim... Certamente queria alguma coisa, mas fosse o que fosse ele iria ficar querendo, o encarei desafiando-o esperando que falasse.

— O truque não é a força, se isso acontecer novamente tente bater mais para cima. — Disse e então soltou meu pulso, ok, não era o que eu esperava, apenas assenti e comecei a andar em direção à sala.

Ele havia ajudado, mas isso não significava que tinha minha confiança, seja lá quem ele fosse devia manter distância, talvez ele ainda não soubesse dos boatos... Mas saberia logo, e então agiria como todos os outros.

Graças ao meu querido armário, agora eu tinha apenas 3 minutos para chegar na sala antes que o sinal tocasse.

Andava depressa passando pelos corredores já cheios de gente, nem acreditei quando cheguei à sala faltando um minuto e senti mais alívio ainda quando vi que estava vazia.

Me dirigi ao canto da sala me jogando na cadeira e me permitindo enfim respirar, eu adorava aquele silêncio, era uma pena que durou tão pouco. Logo o sinal tocou e as pessoas começaram a chegar, minha vontade era apenas deitar minha cabeça na cadeira e dormir, mas infelizmente eu não era a melhor aluna em física, então era obrigada a prestar atenção na aula, não importava o quão chata a aula fosse.

Eu ouvia a professora falar tentando ao máximo focar no que ela dizia, porém minha mente insistia em pensar em como seria bom estar na minha cama nesse momento.

Quando a aula acabou eu queria me jogar de joelhos no chão e agradecer aos céus, porém assim que lembrei que a próxima aula seria química minha alegria se esvaiu.

Cheguei à sala com o maior desânimo do mundo, infelizmente a sala já estava cheia, o que significava que eu tinha que aguentar as pessoas me encarando.

Procurei meu lugar no canto com os olhos mal contendo um suspiro de alívio ao encontrá-lo vazio, caminhei até lá o mais rapidamente possível.

Como já era a segunda aula do dia a Srta.Davis já estava sentada em sua cadeira apenas esperando que os alunos chegassem para começar a aula, eu até que gostava dela, claro que gostaria mais se ela ensinasse outra matéria que não fosse química, mas ela não era tão ruim.

— Muito bem — Disse ela se levantando de sua cadeira e encarando todos da sala. — Início do último semestre, então provavelmente já sabem que...

Antes que ela pudesse terminar de falar alguém bateu na porta.

— Com licença, Srta.Davis — Ao ouvir a voz meus olhos se voltaram para a porta, ali estava o garoto de mais cedo, antes que ele notasse que eu estava o encarando desviei meus olhos para o caderno à minha frente.

— Sr.Mendes, vejo que resolveu voltar para a escola — Disse Srta.Davis simpática, pelo seu tom de voz ela devia estar sorrindo, me atentei ao fato que ela disse "voltar", eu estava na escola a apenas um ano e meio, e nunca tinha visto ele aqui, então ele provavelmente estudou aqui e fora embora da escola antes de eu chegar. — Seja bem vindo de volta, e pode se sentar ali naquele lugar vago.

Agora eu encarava meu caderno como se ele fosse a coisa mais interessante por ali, droga, o "lugar vago" era ao lado do meu.

Ouvia seus passos se aproximando, não havia motivo para pânico, ele não iria falar comigo, não iria atrair atenção desnecessária para mim, certo?

O fato era que ele era exatamente o tipo de garoto que atraia atenção das meninas daqui, e tinha certeza que as meninas da sala o encaravam, se ele falasse comigo, essas meninas que o encaravam iriam me encarar também, é claro que considerando os boatos sobre mim... Isso não daria em algo bom.

Arrisquei uma olhada rápida para o lado quando ele se sentou, quando percebeu que eu o olhava ele deu um sorriso, apenas desviei o olhar e encarei meu caderno novamente.

— Como eu dizia... — A voz da Srta.Davis me fez erguer meu olhar e voltar a prestar atenção na aula. — Início do último semestre, vocês já sabem que as coisas vão estar um pouco corridas, então sugiro que prestem muita atenção, não quero ver nenhum de vocês sendo reprovados na minha matéria bem no último ano.

Eu tinha certa dificuldade em química, então eu basicamente estava ferrada, suspirei frustrada e abaixei minha cabeça até a mesa, eu não podia reprovar, não agora que estava quase acabando, respirando fundo me obriguei a levantar o olhar e tentar entender o que a professora estava falando.

Quando o sinal para a terceira aula tocou minha cabeça girava com fórmulas que eu não entendia nada, me apressei para a porta indo em direção à outra tortura do dia, matemática.

— Hey — Ali estava ele de novo, andando ao meu lado, qual era o problema dele? Não havia entendido que eu não era o tipo de pessoa que ele devia se misturar? — Sabia que é falta de educação não responder quando as pessoas falam com você?

— Sabia que eu não me importo?

— Outch. — Apenas revirei os olhos enquanto andava, se ele pensava que eu cairia em seja lá qual fosse sua conversa ele estava enganado. — Eu só queria conversar.

— Tenho certeza que há muitas pessoas que devem querer conversar com você, que tal procurar uma delas e me deixar em paz?

— Não estou vendo nenhuma delas por aqui agora, e não entendo o porquê de estar me tratando assim, você nem me conhece...

— Exatamente, não te conheço! Agora pode me deixar em paz?

— Sou Shawn. — Ele era insistente... Mas isso não faria com que eu fosse sua amiguinha, ou seja lá o que ele estivesse procurando. — Não vai me dizer seu nome?

— Não, aliás, está me seguindo?

— Por que eu te seguiria? — Não respondi, havia chegado à sala, entrei o mais rápido possível esperando que o garoto fosse para seja lá onde ele estava indo, porém ele entrou logo atrás de mim, ótimo!

Caminhei até meu lugar, tinha que ficar longe desse garoto, minha situação naquele lugar já era complicada demais para eu ter que ficar aguentando um garoto insistente achando que iríamos ser amigos, ou seja lá o que ele estivesse pensando.

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado, vou tentar postar o próximo logo...
Até o próximo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...