História Like This - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Cameron Dallas
Personagens Cameron Dallas
Tags Camerondallas
Exibições 27
Palavras 1.144
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Festa, Ficção, Musical (Songfic), Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi gathenhaas. Não sei se esse capítulo ficou bom, mas a ideia vejo na cabeça hoje, então tive que mandar bala. Estou morrendo de sono. Espero que gostem.

Capítulo 5 - Family?


- Vai demorar muito? Seu pai vai nos deixar aqui - Cameron gritou.

 - Já estou aqui - desci a escada de dois em dois degraus. 

- Pensei que não gostasse de usar nada no cabelo - se referiu a bandana que eu usava ao redor da cabeça. 

- Aquelas coisas chatas de grudam no cabelo na hora de tirar, realmente não - fiz cara de nojo e Cam riu - mas isso é tão confortável. Aliás, parece que estamos combinando - apontei pra cima.

 - Pois é, pirralha.

 - Cala a boca. Vamos logo - peguei minha bolsa e o puxei pelo braço.

 A semana de provas na faculdade havia passado e, segundo meu pai, nós precisávamos sair para comemorar, pois era a primeira de muitas etapas para a minha formação. Não contestei, é claro. Era sexta-feira a noite e lá estávamos nós quatro dentro de um Renegade. Eu, Cameron, Gina e Enzo indo à um dos melhores restaurantes de Los Angeles. Os dois pareciam felizes conversando na parte da frente do carro, enquanto Cam fazia alguns snaps e eu fazia caretas o atrapalhando. Estavam todos bem, pra falar a verdade. Estacionamos uma quadra antes e caminhamos um pouco até o Bestia Restaurant. Comida italiana. Eu amava qualquer coisa de origem italiana. Desde pequena, sempre que eu tirava nota máxima em alguma coisa na escola meu pai comprava Risoto, Lasanha e tantas outras coisas pra mim e, quando tinha tempo, me levava pra jantar.

Enquanto seguíamos o o garçom até a mesa, antecipadamente reservada, notei o quão cheio o lugar estava. Claro, não poderia ser diferente. Era tudo tão bom. Em uma mesa para quatro, Cameron sentou ao meu lado, Gina e Enzo de frente para nós. O silêncio permanecia, e por mais que eu tivesse afinidade com todos à mesa, naquele momento eu não sabia como iniciar um diálogo. Depois de fazermos nosso pedido, tive a brilhante ideia de pegar o meu celular e gravar alguns snaps respondendo perguntas para que o tempo passasse rápido. Eu estava faminta. Cameron aproveitou a oportunidade e participou da "mini ask". Fiz alguns tweets aleatórios e guardei o celular assim que o meu Gnocchi foi servido. Enquanto comíamos, Cam contava sobre uma de suas viagens com a Magcon. Uma espécie de convenção a qual ele fez parte por alguns anos. 

 - Então, crianças - Enzo chamou nossa atenção. 

- Nós temos algo importante para dizer - completou Gina.

 - Nós - Enzo falou pausado e eu gelei - estamos namorando. 

 Silêncio. Era tudo que eu ouvia. Pensei não ter entendido direito o que meu pai quis dizer, e até o pediria para repetir, mas minha boca não conseguia emitir nenhum som. Como assim? Nos dezoito anos da minha existência, nunca vi meu pai com alguém. Não pra namorar, pelo menos. 

- Como é? - Cameron quase cuspiu a coca-cola que estava em sua boca, mas eu a tapei com a minha mão. 

- É isso mesmo - afirmou Gina sorrindo delicada, como sempre.

 - Vocês estão o quê? - finalmente saí do pequeno transe - namorando? Tipo daqueles que beijam e dormem juntos? - falei. 

- Não vejo outra forma de se namorar, minha filha. 

- Desde quando? - foi a vez de Cam.

 - Domingo passado - Meu pai continuou. 

- Uma semana e vocês só nos dão na notícia agora? - perguntei - meu deus.

 - Estávamos esperando a hora certa - Gina pôs a cabeça no ombro de meu pai.

 - Mas vocês nem sem conhecem direito - Cameron contestou.

 - Nos conhecemos há mais de dois anos. Sempre trabalhamos próximos - Enzo deu um gole em sua cerveja.

 - Isso é assustador - Dallas falou, talvez tentando não rir - e ao mesmo tempo maneiro. 

- Vocês podem me dar alguns minutos? Preciso de um pouco de ar - falei sorrindo fraco.

 - Tudo bem - Gina disse calma. 

- Eu vou com você - Cam respondeu. 

Nós caminhamos em silêncio até a parte externa do estabelecimento e eu me sentei no meio fio, sendo acompanhada de Cameron.

 - Você entendeu alguma coisa? - falei. 

- Sinceramente? Não - respondeu. 

- É tão estranho - ri.

 - Será que eles transam? 

- Cameron! - o repreendi - não crie imagens em minha mente - fiz careta e ele gargalhou alto.

 - Relaxa.

 Ficamos uns dez minutos ali, apenas sentados, silêncio absoluto, apenas ouvindo o barulho de talheres, buzinas e conversas alheias que pareciam mais um zumbido alto. 

- Nós podemos dá um chance para eles, vai - falei.

 - Se ele magoar a minha mãe, quebro a cara dele - falou sério enquanto me ajudava a levantar. 

- Vai dar tudo certo - falei caminhando para voltar à nossa mesa, mas parei e me encostei na porta apenas admirando o quanto os dois pareciam felizes um com o outro. 

- Quanta melação - Cameron falou atrás de mim.

 - Aposto que se tivesse uma namorada, você seria desse jeito.

 - Eu não namoro - revirou os olhos - é mais difícil encontrar uma garota especial do que ganhar na loteria - ele disse. 

- Você já foi romântico só de dizer que procura alguém especial - eu ri. 

- Vamos entrar logo - revirou os olhos, riu e me puxou para dentro. Voltamos a nos sentar e os nossos pais nos olharam um pouco apreensivos. 

- Nós podemos lidar com isso - falei.

 - Que maravilha! - meu pai se manifestou.

 - Cameron? - Gina o olhou. 

- Acho que isso pode dar certo - ele respondeu e ela abriu um sorriso enorme.

 - Somos como uma família - franzi o cenho mas logo me toquei no que tinha dito alto demais.

 A noite passou tão rápido, que quando vi, estava cambaleando de sono tentando chegar até o carro. Cameron abraçou minha cintura e eu consegui andar sem tropeçar. Entramos no carro e Gina foi para o lado do motorista, já que meu pai havia bebido. Sem pedir deitei no colo de Cameron e lá fiquei dormindo por longos minutos ou horas. Senti alguém me tirando do carro e abri os olhos com dificuldade, vendo Cameron com minha pessoa no colo. Encostei em seu peito e fechei os olhos novamente.

 - Folgada - riu baixo, me fazendo rir também. Cam subiu as escadas comigo e me deitou na cama. Tirou meus sapatos e logo me virei para o lado, ainda com os olhos fechados.

 - Boa noite, Mah. 

- Fica aqui, Cam - estiquei meus braços.

- Eu tenho que ir - falou. 

- Por favoor... -

 Seu pai me mataria.

 - Ele sabe que somos só amigos - insisti. 

- Tudo bem - abri os olhos e ele tirava o casaco - encosta pra lá, gorda.

 Encostei e ele deitou ao meu lado. Estava tão cansada que apenas o vi desligar o abajur.



Notas Finais


Não esqueçam de comentar o que estão achando, mozões.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...