História Linhas e Retratos. - Capítulo 1


Escrita por: ~

Visualizações 133
Palavras 4.275
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Ecchi, Escolar, Fluffy, Hentai, Lemon, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hellooooooo!!!
Arlequina na area! E pra quem não me conhece, o que é bem provavel já que essa é minha primeira fanfic nessa area, eu sou a Harley Queen. Sou louc por um Yaoi (principalmente TodoDeku) e por isso trouxe essa pra vocês.
Faz um tempo que comecei a escrever ela, tanto que foi a maior One shot que eu já escrevi UAU!
Espero que gostem, me diverti muito escrevendo ela.
MAIS ANTES! Gostaria de dizer que essa fanfc vai ser dedicada a escritora
@SatanJoker
Não que ela vá realmente ler essa One, mais eu amo o trabalho pessoa e aconselho voces irem no perfil dela pra ver seus magnificdades rsrs


Notas finais IMPORTANTES!!!

Capítulo 1 - Retratos, eu, você e nós


Fanfic / Fanfiction Linhas e Retratos. - Capítulo 1 - Retratos, eu, você e nós

   _ Entre retratos e linhas eu vejo você perfeitamente... _

 

                                         _ Parte I _

 

     Seus olhos rolavam pela folha e analisavam cada centímetro dela, sua mão direita fazia linhas e ligas no desenho quase terminado, os pequenos e quase inexistentes erros davam mais valor e beleza ao, por assim dizer, retrato. Os toques finais no cabelo e então estava pronto, soprou tirando o excesso de grafite e então passou os dedos pelo desenho, como se o almejasse, e desejava.

 - Esta fazendo de novo. – A voz suave e feminina soa, o tirando de sua mente pensativa e incansável. Ele a olha sem muito a demonstrar. – Outro retrato?

 - Você fala como se fosse uma quantidade extrema e alta. – Izuku fala com seu vocabulário como sempre completo e quase impecável.

 - E é, como você disse, extrema e alta. – Uraraka diz se sentando a cadeira da frente da mesa de Midoriya, este que até tinha se esquecido que estava na sala de aula.

 - Não exagere, eu faço retrato de todos com quem falo, fiz até um do Mineta! – Por fim o mesmo fecha o caderno de desenhos.

 - Mais Deku-kun, eu não estou falando sobre fazer, mais sim, sobre quantos! – Izuku suspira e pensa, talvez a Ochako tivesse razão.

     Passou seus olhos esmeraldas pelo local, vendo que os alunos estavam chegando gradualmente agora que o horário da aula se aproximava. Era sempre assim, Izuku chegava cedo, sempre muito adiantado, e a razão disso era que todos os dias antes da aula começar o mesmo gostava de se sentar a cadeira e desenhar, para então esquecer que estava na escola e mergulhar nas linhas feitas pelo grafite, mas, não importa o quão cedo chegasse, ele sempre estava lá primeiro, com a cabeça enterrada nos braços, a respiração calma e a brisa que bagunçava seus fios de cabelo bicolores. Se encantou de primeira e passou a observar em seguida. Todoroki Shoto era mais belo do que poderia desenhar, mais firme do que poderia dizer e mais frágil do que poderia imaginar, Midoriya se pegava todos os dias observando-o, sua serenidade ao olhar pela janela, como apoiava sua cabeça sobre a mão e suspirava quando o vento batia sobre seu rosto, o deixando ainda mais belo. Como dito antes, belo de mais para desenhar...

 

 - Bom dia pessoal! – Lida diz ao chegar e se sentar ao lado de Midoriya. – Alguma novidade? – Pergunta e Uraraka solta uma risadinha.

 - Nada, só o Deku-kun viajando por causa de um certo alguém chamado Todoroki. – Tenya o olha cúmplice.

 - E desde quando isso é alguma novidade? – Fala para logo depois cair na gargalhada junto da Ochako, e Izuku infla as bochechas emburrado.

 - Vocês vão ver só, nunca mais faço nenhum desenho para mais nenhum dos dois. – Se pronuncia fazendo os amigos o olharem chocados.

 - Nos desculpe senhor Midoriya, juro nunca mais desrespeitar sua autoridade diante o domínio de deus. – Uraraka diz se ajoelhando com um semblante serio, porém antes do mesmo dizer algo o professor, Aizawa abre a porta.

 - Muito bem classe, todos em seus lugares e quietos, vou começar a aula. – Diz e em segundos a classe estava completa e inteiramente arrumada e sem uma voz presente, além da do professor.

     A aula começa e todos pegam seus cadernos e cadernetas, Midoriya sem nem perceber começa a observar Shoto, este que, pouco se importava com a aula, estava mais interessado no que acontecia fora daquele lugar, e por mais que nunca prestasse atenção na aula, era e, ainda é um dos melhores alunos de sua classe e série, assim como Midoriya e o explosivo Bakugou. Izuku pega seu caderno de desenhos e por instinto começa a rabiscar o esboço, porém, uma coisa inesperada acontece e em uma rápida virada de rosto seus olhos se encontram, o coração de Midoriya acelera e sua respiração fica descompassada, mas, por minutos, que mais se pareceram horas, eles continuam se olhando intensamente até o mesmo ouvir o professor Aizawa dizer a simples frase:

 - Agora eu vou decidir as duplas. – Midoriya se sentiu confuso pelas palavras e extremamente envergonhado pelo que acontecera a pouco. – Lida e Kiminari, kirishima e jiro, Asui e tokoyami... – E assim continuou até chegar no nome de Izuku. - ... Midoriya e Todoroki e por fim Uraraka e Yayorozu. – Midoriya suspirou em alivio ao saber que não faria o tal trabalho, que nem sabia sobre o que era, com katsuki, mais o mesmo prendeu a respiração ao lembrar que teria que fazer com Shoto. Passou a mão pelo cabelo e suspirou, além daquela cena constrangedora, agora tem que falar com ele cara a cara, ficou vermelho só de pensar nisso.

     Para alguém tímido como ele, tudo isso era extremamente vergonhoso.

 - Podem se decidir com suas duplas, enquanto isso eu vou dormir um pouco, depois estão liberados. – Se desesperou ao ver Todoroki se levantar da cadeira e começar a caminhar em sua direção.

 - Ei Deku-kun. – Ochako o chama ao ver o nervosismo do mesmo. – Não enlouqueça nem desmaie! – Diz saindo dali para falar com a Momo e Midoriya suspira derrotado.

 - hm... Midoriya? – Paralisa ao ouvir a voz suave de Todoroki ao seu lado.

 - Ah. Hum... Sim Todoroki-kun? – Sem saber muito o que falar o mesmo apenas responde casualmente enquanto olha o rosto quase inexpressivo do outro.

 - Sobre o trabalho, se você quiser eu posso fazer sozinho a...

 - Não, isso seria indelicadeza minha, nós podemos fazer juntos? – Izuku o corta e Shoto apenas assente em resposta a pergunta feita. – Pode ser amanhã a tarde?

 - Claro. E pode ser na sua casa? – Todoroki pergunta reservado para conferir se era incomodo ou não, mais a resposta vem na forma de um pequeno sorriso.

 - Sim, vou te passar o endereço...

 

 

 

                                    _ Parte II _

     E pela terceira vez no dia se perguntou o por que de convidar Todoroki Shoto para passar a tarde na sua casa, e pela terceira vez a resposta lhe veio a cabeça:

     Por causa do maldito trabalho que ele descobriu, há poucas horas, ser de ciências.

     Midoriya precisava se acalmar, estava muito afobado, ele precisava desenhar, ele precisava esquecer de seu nervosismo – Mesmo sem saber o porque – precisava passar o grafite pela folha e fazer os cabelos lisos, e possivelmente sedosos de Shoto...

     Antes de perceber, seu Hobbie virou um calmante e Shoto era o principal componente dele.

     Midoriya pegou seu caderno depositado na escrivaninha, um lápis bem apontado e se sentou no chão para então começar a rabiscar na folha limpa e lisa. Sem desviar os olhos o mesmo desenhava a cena do dia anterior, ele com os cabelos bicolores enquanto a brisa batia em seu rosto, seu rosto apoiado na mão, seus olhos...

     E o som da campainha chega ao seus ouvidos o assustando, Izuku desesperadamente pega o celular ao seu lado e se impressiona ao ver que já haviam se passado três horas dês de que começara a desenhar, ouviu o som mais uma vez e se levanta rapidamente, deixando o caderno de volta na escrivaninha e indo para a sala atender a porta.

 - Boa tarde Todoroki-kun. – Izuku diz ao abrir a porta e se deparar com o colega de classe, que meneia a cabeça em resposta. – Vamos entre. – O mesmo da passagem para o outro entrar e logo depois fecha a porta, agora o guiando para o seu quarto. – Minha mãe está trabalhando, mais não se importe com isso.

 - Sua casa é muito bonita. – Shoto que até agora se mantinha quieto se pronuncia, olhando aos redores e Midoriya solta um sorriso.

 - Não seja formal, sinta-se a vontade.

     Os dois chegam no quarto de Izuku e o mesmo se pega pensando que não estava mais nervoso, pelo menos, não tanto como antes. O mesmo liga seu nootbook e se senta em uma das duas cadeiras a frente da escrivaninha.

 - Sente-se aqui. – Diz apontando para a cadeira ao lado, e o outro assim o faz, mais algo naquela mesa o chama atenção. – Vamos começar por qual tópico? – Olha para o Todoroki e trava ao o ver com um de seus cadernos, olhando justamente o desenho dele, um deles pelo menos...

 - Foi... foi você que fez? – A pergunta fez a garganta de Midoriya coçar meneando sobre o que deveria falar, não queria que o mesmo o achasse estranho.

 - S- sim... – Responde baixo e pela segunda vez pode ver um sorriso no rosto do outro, era discreto, mais um belo sorriso, perfeito, e Izuku sente suas mãos formigarem, ele queria registrar, registrar aquele momento tão doce em uma folha de papel com suas próprias mãos. Seu coração falhou em uma batida e logo começou a correr que nem um louco.

 - ficou perfeito... – E com essa frase o rosto de Midoriya tomou a coloração avermelhada. – Tem mais? – Pergunta já passando para a página de trás, vendo outro retrato seu, e depois outro, e outro, até parar e olhar para Izuku que ameaçava entrar em combustão pela cor tão carmesim que se encontrava. – São todos meus? – O garoto meneia a cabeça sem olha-lo, estava muito envergonhado para isso. – Por que?

 - Porque você é lindo. – A voz sairá baixo, mais nem por isso deixou de se praguejar internamente no mínimo mil vezes por não conseguir segurar a sua maldita língua dentro da boca.

 - Não sei como consegue me ver assim...

 - Não se acha bonito? – Foi a vez de Midoriya perguntar, agora o olhando sem vergonha, firme.

 - Como? – Todoroki desvia o olhar, vulnerável. – Odeio essa cor vermelha, odeio meu olho azul, odeio meu rosto, odeio minha cicatriz... eu realmente odeio. – A voz foi ficando mais sôfrega, ele realmente odiava tudo aquilo, tudo que tinha haver com seu pai, e Izuku havia entendido aquilo completamente.

 - Ei Shoto, olhe para mim. – O mesmo fica surpreso de como fora chamado, e involuntariamente o olha mais uma vez, Midoriya sorri meigamente e se perguntou internamente como que a conversa foi parar ali, mas decidiu pensar nisso depois. Izuku levou as mãos em direção aos fios vermelhos do cabelo de Todoroki e as depositou ali, causando um afago, que particularmente Shoto não queria se livrar. – Seu cabelo é lindo...

     Midoriya desceu as mãos até o rosto do outro e o acariciou delicadamente, Todoroki observava cada ação do outro, cada posição e cada tom de voz.

- Seu rosto é lindo. – Subiu mais as mãos. – Seus olhos são lindos... – E quando Midoriya ia tocar em sua cicatriz Shoto fecha os olhos, como se desse a permissão, mas tivesse... medo. – E sua cicatriz... ela é perfeita. – Todoroki volta a abrir os olhos, agora surpreso pela fala do outro. – E tudo isso é seu, só seu. E Shoto você é a pessoa mais linda que eu já vi, não diga nunca mais que odeia algo em você.

 - Mi- Midoriya... – Todoroki leva as mãos até a nuca de Midoriya o puxando para mais perto e colando sua testa com a dele. – Obrigado... – Diz quase inaudível e lentamente puxa o outro para mais perto, até acabar com a distancia incomoda entre seus lábios, e nesse momento a mente de Midoriya entrou em curto circuito, assim como seu coração que parecia querer passar pela sua boca forçadamente. Todoroki pediu passagem lentamente e Izuku apenas deixou que ele fizesse com sigo o que quisesse, suas línguas dançavam lenta e perfeitamente, era quase como natural, as famosas “borboletas no estomago” não paravam quietas, mais os dois não se importavam, a saliva trocada, o sabor doce, o calor incomum pelo corpo, isso era só o que importava, isso era só o que eles queriam se importar, mais a falta de ar se fez presente e contra vontade os dois separaram seus lábios.

     Ofegantes os dois se olharam, Midoriya estava completamente vermelho e Shoto mostrava-se impassível como sempre, mais seu interior borbulhava de tão quente que estava.

 - Posso te beijar de novo? – Todoroki pergunta baixo sem conseguir tirar os olhos dos lábios de Midoriya que apenas assente timidamente enquanto se perdia no cheiro inebriante de Shoto.

     Ao receber a permissão, Shoto puxa Izuku e inicia outro beijo, porém esse com mais volúpia, mais intensidade, Todoroki explorava a boca de Midoriya enquanto suas línguas travavam uma guerra incansável e luxuriosa. Quando o ar novamente acabou o de olhos heterocromáticos mordeu o lábio inferior do outro puxando-o levemente e lhe dando um selinho em seguida.

 - V-Va-Vamos continuar o t-trabalho? – Midoriya pronuncia gaguejando ao se distanciar rapidamente do outro, sem olha-lo nos olhos.

 - Claro...

 

                                     _ Parte III _

     Todoroki estava com medo. Durante o tempo na casa de Midoriya ele havia roubado três beijos do outro, mas nenhum dos dois tocou no assunto, nem falaram nada que não fosse relacionado ao trabalho de escola. Shoto estava com medo do por que disso, por mais que nunca se falassem antes, ele não queria ser ignorado nem odiado.

     Shoto sempre achou curioso, ele sempre gostou de chegar antes dos outros estudantes, mas todos os dias Midoriya chegava ao menos cinco minutos depois dele, e toda a vez que ele arriscava olhar por entre seus cabelos o outro estava lá, desenhando algo em seu caderno e as vezes o observando. Todoroki nunca foi muito de conversar, mais misteriosamente ele sempre quis conversar com Izuku, conhecer ele, saber o que ele tanto desenhava... só não esperava que fosse ele mesmo.

     Todoroki estava na sala de aula, como sempre olhando pela janela a grande árvore de cerejeiras, isso sempre o acalmava, o fazia esquecer de algumas complicações e ele adorava essa sensação. E em um lapso de pensamento Shoto sentiu seu rosto formigar, ainda conseguia sentir o toque de Midoriya sobre ele, e meu deus aquela foi uma das melhores coisas que já sentiu, tanto que perdeu seus sentidos e simplesmente agiu por impulso, principalmente depois do outro lhe dizer aquelas palavras, com aquela voz...

     Shoto olhou para frente e se encontrou com os olhos do outro que instantaneamente corou ao ser pego e se virou rapidamente, o de cabelos bicolores achou graça em como Izuku agia, uma hora era tímido, outra era confiante e depois voltava a ser tímido novamente, sorriu minimamente ao pensar nele.

    

     O sinal para o intervalo toca, algumas pessoas saem as pressas enquanto outros, como Shoto, se levantam calmamente. Todoroki se levanta e vai direto a mesa de Midoriya, que estava conversando com Uraraka e Lida, este que fica nervoso ao ver ele se aproximar.

 - Midoriya. – O chama atraindo a atenção dos três presentes.

 - Sim, Todoroki-kun? – Ao falar isso Uraraka o olha como se perguntasse “O que está acontecendo?”.

 - Posso falar com você?

 - Ah, claro.

 - Então nos falamos depois Deku-kun! – Ochako diz puxando Lida que estava ainda um pouco confuso e sai acenando, Midoriya agradece por ter uma amiga tão perceptiva.

     Sorri mais logo olha para cima se encontrando com aqueles olhos heterocromáticos que o olhavam intensamente, Midoriya se encantava e se prendia neles, por deus como Todoroki podia odiar a própria aparência? Não importa se era só metade ou um quarto, para Izuku ele era perfeito não importava que parte ou ângulo.

 - Sobre o que quer falar? – Talvez nem tivesse passado pela sua mente o assunto da conversa, mas mesmo assim Todoroki agradeceu pelo mesmo estar falando normalmente com si.

 - Sobre ontem. – E com essa simples frase ele fez Izuku corar dos pés a cabeça ao se lembrar da tarde passada.

 - Sim? – Sua voz saiu no meio fio e o mesmo evitou olhar novamente para o outro pela sua extrema vergonha, uma parte de Midoriya gritou e se perguntou como Shoto podia se manter com essa mesma expressão toda hora, ele certamente queria ter essa habilidade.

 - Eu queria saber se você está bem com aquilo, sabe? – E Midoriya pela primeira vez viu Todoroki corar, e não soube descrever como adorou aquilo, ele queria desenhar, ele queria registrar esse momento inédito.

 - Todoroki-kun eu...

 - Shoto. – O mesmo corta Midoriya, este que o olha confuso, e então ele coça levemente a bochecha envergonhado. – Continue me chamando de Shoto, por favor. – Izuku sorri.

 - Olhe, eu não estou incomodado se é isso que te preocupa, nem com raiva, na verdade eu... – Sua frase morre ali e Todoroki fica curioso.

 - Eu...? – Incentiva se aproximando mais e nessa hora Midoriya olha para ele completamente vermelho, coisa que Shoto achou adorável, então o mesmo levou sua mão para o rosto de Izuku que continuava quieto.

 - Eu... gostei. – Diz quase inaudível, sentiu os lábios de Todoroki sendo pressionados nos seus e então o outro pediu passagem a qual que foi prontamente concedida formando um beijo lento e delicioso para os dois, sua línguas se entrelaçavam, desprendiam e prendiam em perfeita harmonia, Midoriya levou suas mãos aos fios de cabelo bicolores e o puxou tentando aproxima-lo mais para aprofundar aquele beijo viciante. Ao separar seus lábios, Izuku o puxa novamente, surpreendendo Todoroki e selando outro beijo longo e tortuoso, Shoto que estava curvado levanta o tronco levando junto Midoriya que praticamente estava preso a ele, o mesmo então pega o mais baixo pela cintura e o deposita em cima da mesa onde fica entre as pernas de Izuku, que sem se importar o puxa aproximando mais seus corpos.

 - Midoriya... – O chama baixo em um suspiro e Izuku amou ser chamado nesse tom, com essa voz.

     Todoroki ao se separar de Midoriya novamente, se prendeu ao cheiro do outro, era o que ele precisava e sem pensar muito o abraçou, enterrando seu rosto no peito do menor, que se surpreende e sorri logo começando um leve afago nos cabelos de Shoto que se perde naquela sensação de proteção e carinho.

 

 - Estamos bem? – A voz de Todoroki vem abafada com um leve tom de felicidade.

 - Sim... estamos melhor que isso...

 

                                   _ Parte IV _

     O som da campainha é escutado e Midoriya corre a porta pronunciando um leve “Já vai!”. Ao abrir a porta seus olhos se encontram com os de Todoroki que da um leve aceno.

 - Pode entrar Shoto. – Deu passagem, mais antes do outro entrar, Todoroki o puxa para um breve selinho que deixa Izuku levemente vermelho. Ele ainda não estava acostumado com essa demonstração de afeto pela parte do maior.

     Shoto e Midoriya estavam e não estavam juntos, não foi feito nem um pedido e nenhuma conversa sobre, desde aquele dia na escola, que já fora há uma semana, mas eles estavam bem com isso, ou pelo menos foi o que demonstraram durante todo esse tempo.

 - Vamos assistir algum filme? – Izuku pergunta casualmente enquanto se dirigia ao seu quarto junto do outro, que apenas acena com a cabeça concordando. A verdade era que Shoto não estava ali pelo filme, estava pelo Midoriya, adorava ficar com ele, era reconfortante, recebia mimos e carinho, ele adorava aquela sensação.

     Chegando ao quarto, Izuku se dirige a sua televisão e escolhe algum filme qualquer, Todoroki já se adianta  sentando-se na cama, porém antes de Midoriya ir para seu lado ele, como sempre, vai a sua escrivaninha e pega seu caderno de desenhos, indo então para a cama como Shoto.

 - Midoriya... – Todoroki o chama calmo e o mesmo volta seu olho para ele. – Eu acho que nunca te perguntei, mais... por que você desenha tanto?

 - O “por que?” – Reforça vendo o outro confirmar. – Sabe, acho que isso é mais sobre o que eu sinto. Eu... – O mesmo pensa um pouco e Todoroki o olhava atentamente. – Eu desenho paisagens, eu desenho abstrato mais sem duvidas retratos são os meus preferidos. As pessoas me atraem em suas expressões, eu gosto de desenhar suas diferenças, suas peculiaridades... mais... – Midoriya sorri. – Com você é diferente, eu sinto que se eu não desenhar cada expressão sua, eu vou perder algo, como se eu precisasse... eu... – Izuku olha para o outro que o observava atentamente e cora, ele havia falado algo que nem ele mesmo compreendia, estava extremamente envergonhado, Shoto leva sua mão ao braço de Midoriya e o toca levemente.

 - Eu... – Começou após algum tempo de silencio. – Você precisa de mim?. – Perguntou baixo e recebeu como resposta um aceno de cabeça tímido, e como se só precisasse disso Shoto ataca os lábios de Izuku iniciando um beijo bruto e malicioso. Midoriya leva as mãos aos cabelos bicolores puxando-o para mais perto, mas não bastava, afim de buscar mas contato o mesmo sobe no colo de Todoroki colando seus corpos, os dois separam seus lábios e ainda com um fio de saliva os conectando eles começam outro beijo, seus corpos estavam quentes e a mente inebriada, sem nem perceber em um minuto Shoto já havia jogado Midoriya contra a cama enquanto beijava e mordia seu pescoço, descendo para a clavícula enquanto passeava suas mãos pelo corpo do menor, que em reação ficava completamente arrepiado e soltava leves gemidos em aprovação a cada uma de suas ações.

     O de cabelos bicolores tira a camisa de Midoriya e passa a mão pelo peitoral liso do outro e suspira olhando seu tronco nu. Todoroki volta a beijar os lábios do menor com volúpia, ao se separar Shoto vai para o pescoço de Izuku e o morde ali enquanto o marca, arrancando um mínimo espasmo dele, este que cora ao perceber o que faziam e empurra levemente o outro, o fazendo parar.

 - Shoto... – O mesmo volta a se sentar de frente para o outro, Todoroki o olha cauteloso.

 - Eu... eu não vou fazer o que você não quiser. – E com essa frase, Midoriya passou de insegurança a confiança como mágica.

 - Você... – O fato de não conseguir mais terminar nenhuma de suas frases estava o irritando, mas ele não agüentava, a partir do momento que Izuku olhava aqueles olhos heterocromáticos, ficava sem reação, seus sentimentos mudavam para o zero – do zero – e lá estava Shoto o olhando, impiedoso, meigo, sincero – completamente sincero – Que droga... – Pragueja baixo puxando o outro pela gola, o surpreendendo e colando seus lábios no dele novamente. – Eu só... – continua ofegante. – Preciso... de.. Você! – Afirma por fim, tirando a camisa do outro.

     Todoroki quase enlouqueceu com aquelas palavras, tanto que tirou as calças do menor em um movimento e o prensou na parede da cama, fazendo a mesma ranger.

 - Eu também.- Sussurrou no ouvido de Midoriya, mordendo levemente seu lóbulo o fazendo gemer.

     Os dois já não agüentavam mais as provocações, estavam excitados ao extremo. Céus! Estava quente ali ou eram só suas imaginações? Suas mentes voltaram a ficar inebriadas e quando perceberam estavam desnudos e completamente colados.

 - Eu suponho que vá doer...? – Shoto fala indeciso sobre o que pensar, ele nunca havia feito aquilo, não tinha certeza de nada, estava completamente nervoso, tinha medo de machucar o outro e Izuku ao perceber isso soltou um riso abafado.

 - Fica calmo, tenho quase certeza que vai doer mais em mim do que em você. – Falou debochado mais logo soltou um suspiro. – Só... faça. – Disse por fim, mais antes Todoroki o olhou em aviso e só recebeu um aceno em resposta, então o mesmo enterrou seu membro dentro do menor, e nessa hora os olhos de Midoriya arregalaram e ele afundou suas unhas nas costas do bicolor.

     Ele sentiu muita dor. Mas a dor junto daquele prazer o excitou mas ainda, o que ele sentiu foi delicioso, e com essa sensação, Izuku puxou Shoto para outro beijo feroz e luxurioso.

 - Se mexa. – Fala baixo e começa a sentir o outro começar um vai-e-vem lento e tortuoso para os dois. – Mais rápido. – E com isso Todoroki passou a estoca-lo profunda e brutalmente. – I- isso.. – Disse entre gemidos altos, que para se conter mordeu fortemente a clavícula do maior sentindo o gosto metálico e então beijando ele para compartilhar aquele gosto. – Mais forte. – Pronunciou mais alto. Suas pernas estavam fraquejando e ele praticamente rasgou as costas de Shoto com suas unhas, este que também gemia a cada reação do mesmo. – S- Shoto! – Chamou seu nome involuntariamente antes de ejacular nos seus abdomens.

    Shoto ao sentir as paredes lhe apertando tão fortemente não demorou nem um pouco para se desmanchar dentro de Midoriya, caindo cansado e ofegante ao seu lado.

 

 - Meu... – Izuku começa após algum tempo de silêncio sentindo os braços de Todoroki lhe rodearem num abraço afetivo. – Foi bom? – Perguntou curioso.

 - Foi... inexplicável. – Responde por fim, enterrando o rosto nos cachos verdes de Midoriya e inspirando o cheiro adocicado dele.

 

 

 - Eu te amo Shoto.

     E isso veio como uma faca que cortou o ar num suspiro, Izuku então percebeu que aquela foi a primeira vez. A primeira vez que disse o que sentia, ou pelo menos parte do que sentia, e sabendo disso ficou extremamente curioso sobre a reação de Todoroki, suas expressões e falas, então se virou e o que viu foi...

.

.

.

.

 

 

 - Ei, calma. Por que está chorando?

 

     Lágrimas.

 

 - N- não é n- nada... é que... – Dizia entre fungadas e Izuku passava a mão pelo seu rosto, secando suas lágrimas. – É que... já f- faz muito tempo dês que f- falaram isso para m- mim... – E aquela cena cortou o coração do de cabelos verdes, o mesmo então lhe deu um selinho demorado e sorriu levemente.

 - Quer ouvir de novo? – E como resposta veio apenas um aceno com a cabeça. – Eu te amo. – Os braços de Todoroki o apertaram mais forte. – Eu te amo. Entendeu?

 - Uhum. – Quase impossibilitado de responder ele resmunga. – Eu também te amo.

 

 

 

 

 

 

 

[Parte I: “Entre linhas e retratos.”

 Parte II: “Como eu te vejo entre linhas e retratos.”

 Parte III: “Como você me vê entre linhas e retratos.”

 Parte IV: “Como somos entre linhas e retratos.”]


Notas Finais


Ola de novooooo!!!
Bom, primeiro me desculpa qualquer erro de ortografia ou gramatica OK?
Segundo, essa One veio de uma long que eu comecei recentemente. Sobre quase a mesma coisa, quase, Sobre o Deku pintar desenhar e tals, mais eu trato muito mais sobre o emocional e psicologico deles, problemas e esse tipo de coisa. Coisas como o problema do Shoto com a familia, só que muito mais hard e sentimental que aqui sacaram?
Então, minha pergunta é: Vocês gostariam que eu postasse ela aqui no spirit? Porque eu realmente queria opniões sinceras sobre tal. [E antes de me perguntarem o por que de eu ter lançado uma one, inves da long é que eu queria estrear a idea e saber se voces leram a que eu estou bolando]
Mais ja vou avisando que está bem no começo e que eu demoraria um tempo para começar a postar, as coisas correriam muito mais lentas e expecificas.

É isso. espero que tenham gostado, e espero ve-los mais vezes.
Alas vcs gostaram de mais historias minhas por aqui?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...