História Listen To Music - Imagine BTS - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Imagine, Imagine Bts, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Namjoon, Suga, Taehyung
Exibições 140
Palavras 2.994
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oiii Moons do meu coração <3
Desculpa a demora :c
Culpa do bloqueio de criatividade ;-;

bem, explicações de cap depois :3
desculpe-me os erros e tenham uma ótima leitura :3

Capítulo 14 - Memory


Fanfic / Fanfiction Listen To Music - Imagine BTS - Capítulo 14 - Memory

– Há algum tempo, a família de Hoseok estava vivendo um caos... a mãe dele tinha descoberto que o marido estava traindo ela há vários anos, muito antes dele pensar em casar com ela... a relação entre ele e a amante era tão forte, mas tão forte que ele acabou tendo uma filha com essa amante. Isso só foi descoberto porque Hoseok tinha se apaixonado... pela garota errada. Sua irmã. – uma pausa – Ele havia combinado com todos de apresentar a namorada na véspera do aniversario de seu aniversario, assim a garota dormiria lá para a festa do dia seguinte. O que não contavam é que o pai dele, que tinha dito que se ausentaria na véspera, apareceria... ai foi um caos! A (S/n) foi expulsa da casa de Hoseok, que não pode fazer nada, a não ser ir atrás dela e oferecer abrigo na casa de um amigo... – risos – Foi ai que começou a extrema aproximação dos outros... Ninguém nunca imaginaria que (S/n) fosse ficar tão próxima da gente... ela se tornou a melhor amiga da banda BTS, desconhecida na época. Ela acompanhou toda nossa trajetória e todos, pouco a pouco, foram desenvolvendo ainda mais sentimentos por ela. Mesmo ela sabendo ser irmã do Hoseok se negava a acreditar, então manteram a relação. Porem não foi apenas com ele... durante nosso tempo de traineers cada um foi criando uma relação com ela... e depois de alguns meses ninguém pertencia a ninguém nessa banda... eram oito de oito... Ela dizia que se deve aproveitar cada segundo ao máximo porque ele jamais voltaria... e eu tinha que concordar claramente com aquela miniatura de mulher...– suspiro – Todos se pertenciam, não havia mais brigas... era tudo tão perfeito... até o dia do acidente... – olhos fechados – Perdemos nosso ponto de paz... tentamos manter tudo do jeito que era, mas não aconteceu... as brigas começaram, a sincronia só vinha com dias ou meses de treino... agora era cada um por si... ainda estamos separados, tentamos ressuscitar o que ela dizia aos poucos... pode parecer egoísmo meu, mas tem certeza que não é adotada? Desculpe-me, mas isso seria tão bom... para nós...

ƴ (S/n) On ƴ

A voz de Jimin ecoava em minha mente, desde que ele me contou sobre o passado deles não conseguia pensar em outra coisa.

Assim que terminamos as tarefas, trouxemos os colchões para dentro e Jin foi preparar a janta, fingir estar cansada demais pra conseguir comer qualquer coisa. Lógico que Jin me forçou a enfiar algo no estomago mesmo eu dizendo que não estava cansada, ele não me liberou enquanto não tivesse comido o que ele havia posto para mim. Suspirei derrotada e comi, ele sorriu vitorioso e eu segui para meu quarto.

Quando cheguei ao meu quarto tranquei a porta e fui para perto das minhas malas, as desfiz e fui para o banheiro, lá tomei um banho demorado. Demorado o suficiente para que eu conseguisse relaxar e pensar em outras coisas. Lembrei-me de minha mãe e de Jhenny, ah! Como eu sentia a falta delas, minha mãe com certeza já havia me arrancado do quarto dizendo que eu tinha ao menos ficar até a janta dos meninos terminarem. Jhenny daria a louca dizendo que eu estava deixando a melhor das oportunidades passar. Mal elas saberiam do que havia acontecido com os meninos.

Deixei aqueles pensamentos me preencherem novamente.

Havia tanta semelhança entre mim e a Jung (S/n), tanto fisicamente quanto no modo de agir... bom, pelo menos eu achava que sim, o modo que Jimin havia me apresentado ela fazia parecer que tínhamos o mesmo modo de pensar sobre a vida.

“– Ela dizia que se deve aproveitar cada segundo ao máximo porque ele jamais voltaria... tinha que concordar claramente com aquela miniatura de mulher...”

Enfiei minha cabeça no chuveiro na tentativa que a água quente iria arrancar as ideias malucas que estavam teimando em vir.

“– Tem certeza que não é adotada? Desculpe-me, mas isso seria tão bom... para nós...”

E se...?

Credo, (S/n), pare de pensar besteiras! As pessoas sempre disseram que você era a cara da sua mãe... isso! Não iria deixar que esses pensamentos me invadissem novamente. Iria controla-las, mesmo que fosse a força.

Desliguei o chuveiro e puxei a toalha, me sequei e a enrolei no cabelo. Busquei pela minha roupa intima e a vesti, coloquei o roupão por cima e fui para a frente do espelho, retirei o vapor do vidro, peguei minha escova e comecei a escovar os dentes. Nenhum pensamento me atormentava nesse momento. Enxaguei minha boca e guardei a escova, peguei um pente e desembaracei os fios do meu cabelo e ao acabar os sequei. Sim, os sequei. Odiava dormir com o cabelo molhado.

Voltei para meu quarto e coloquei a toalha para secar na janela, me troquei e coloquei um conjunto preto de moletom que tinha e comecei a arrumar minha cama. Peguei uma manta e um edredom que os meninos haviam separado para mim, afofei os travesseiros que tinham deixado encima da cama e me deitei, virei para o lado e tentei dormir torcendo para não ter aqueles sonhos estranhos.

Novamente em vão.

“– Há! – eu disse estendendo a mão – Você caiu no lote que eu comprei... – sorri com um sorriso vitorioso, percebi que jogávamos banco imobiliário – Duzentos e cinquenta mil.

– JungKook!!! – olhei para Jimin que olhava incrédulo para o maknae – Não acredito que vai perder denovo!

– Não é culpa minha! – Kookie jogou o dinheiro falso com força na mesa- Vocês sabem que odeio jogos de tabuleiro! Podíamos ter escolhido coisa melhor para jogar...

– Mímica?! – Jin sugeriu e eu sorri concordando

– Nem vem, – NamJoon reclamou – sou mais que horrível nisso... – todos rimos

– (S/n), o que você acha? – olhei para meu irmão e sorri concordando, Hoseok estava com os cotovelos apoiados na mesa e as mãos unidas olhando fixamente para mim

– Mímica é uma boa... – todos sorriram.... espere... meu irmão?”

Acordei no susto. Ofegante e suada. Passei as mãos no cabelo, agora essa história do Jimin está me perturbando até nos sonhos... ouvi uma batida em minha porta, levantei-me e fui abrir a porta.

– Oi... – era o maknae, olhei para ele confusa – Desculpa incomodar... tive pesadelos... geralmente vou para o quarto do Jimin, mas hoje ele me expulsou de lá... não gosto muito de ficar sozinho quando sonho com coisas que já aconteceram... – ele murmurava apertando o travesseiro que estava em seus braços – Será que posso ficar com você?

Sorri e afirmei com a cabeça, dei passagem e Kookie entrou. Também não gostava de ficar sozinha depois de um pesadelo, então... ele tinha vindo na hora certa!

– Se quiser eu posso dormir no chão... – ele murmurou

– Não, pode ficar com a cama... você trabalhou muito hoje. – ele riu, e eu juro por G Dragon que tive vontade de morder ele todinho

– Não é justo eu vir aqui e tirar a cama de você... – ele me fitou por um momento e me senti meio estranha – Vocês são tão iguais... – ele murmurou, cocei a cabeça e olhei para o lado, sabia de quem ele falava – Podemos dividir a cama, o que acha?

– Nunca dormir com ninguém numa cama de solteiro... – murmurei e ele voltou a fitar o chão

– Devia ter ido pra sala... sinto que eu estou incomodando...

– Não está, está apenas me impedindo de dormir, e pode acreditar ou não mas, isso é bom.  – sorri e ele me olhou confuso – Também estou tendo pesadelos... – sentei-me na cama e suspirei – Odeio pesadelos...

– Posso perguntar o que sonhou? – o olhei e ele pareceu realmente interessado no assunto

– Bem, vou pegar do iniciozinho... – ele me olhou confuso – Jimin me contou a história da irmã do Hoseok, a que morreu aqui... – Kookie sentou ao meu lado na cama – Acho que fiquei chocada demais com a historia, porque sonhei que eu era ela... – ri – Estávamos todo aqui e jogávamos banco imobiliário, eu estav-...

– Você estava ganhando e eu estava perdendo... Eu disse que não queria jogar, então Jin sugeriu que jogássemos mímica e NamJoon não aceitou, então Hoseok perguntou o que seria o jogo e você tinha que estabelecer se íamos ou não jogar... – olhei para ele – Isso realmente aconteceu... – ele murmurou soltando o travesseiro – Você só pode ser a irmã do Hoseok!

– Não diga besteiras Kookie!! – ele colocou os pés para cima da cama e me fitou – Não tem como eu ser ela... eu nasci cresci e vivi durante toda minha vida no Brasil... – JungKook franziu o cenho e pareceu lembrar de algo

– Posso fazer algo? – o olhei – a (S/n) que nós achamos que enterramos tinha uma marca do acidente, se você não for ela, não terá! – ele sorriu – Assim podemos resolver nossos lados. Se você tiver a marca, querendo ou não, afirmaremos que é irmã do Hoseok, agora se não tiver a marca você terá certeza de que não é ela e essa história pode parar de te perturbar. O que acha?

– Faz sentido... – murmurei – Ok, onde fica essa marca?

– Nas costas... uma viga caiu nela enquanto ela tentava salvar o Hoseok de um incêndio que teve aqui...

– Nas costas? – pensei – Ok...

Levantei a parte de trás do meu moletom e me virei para JungKook, que eu me lembre não existia nenhuma cicatriz nas costas, apenas uma marca de nascença, porém, nada grande demais para se comparar com um corte de uma viga. Virei meu rosto para tentar olhar para Kookie, já que o mesmo não havia dado nenhum sinal de vida, foi quando senti algo gelado percorrer a minha marca de nascença, me arrepiei.

– A-ah, isso... é apenas uma marca de nascença... – sorri e voltei a olhar pra frente, tentando esconder meu rosto pela vergonha

– Quem da sua família tem essa marca? – tombei a cabeça para o lado tentando lembrar-me de alguém – Com toda a certeza ela não surgiu do nada...

– Q-que eu me lembre, não há ninguém... – murmurei e mordi meu lábio inferior

Silencio.

Fechei meus olhos e novamente tentei lembrar de alguém de minha família que tinha essa marca de nascença, mas foi em vão... tudo que Jimin disse talvez fosse verdade, JungKook estava me provando isso... e tinha os sonhos... talvez eu realmente fosse a tal da Jung (S/n)... ou não... pode ser tudo da minha cabeça também!

Senti algo úmido encostar nas minhas costas por uma... duas... três vezes... estava sem reação. Travei minha mandíbula e abaixei meu moletom rapidamente.

–  JungKoo-...

Não consegui terminar sequer o nome de JungKook, ele estava encima de mim pressionando seus lábios contra os meus... não sabia o que fazer. Estava congelada apenas sentindo aqueles lábios macios contra os meus... minha vontade era de me entregar... sentir mais do beijo do maknae... era uma vontade tentadora, como se eu quisesse matar a saudade daquilo...

“– (S/n)... e-eu gosto de você... – suas bochechas estavam mais que vermelhas

– Eu sei Kookie... – disse seu apelido arrastado – Sempre soube... Jimin me contou... – ri e ele tornou a fitar o chão

– Ele tinha prometido não contar! – vi algo pingar de seus olhos

– Kookie, não chore... – o fiz olhar para mim – Você sabe muito bem...”

Senti a língua dele passar em meus lábios pedindo passagem... eu apenas concedi. Agora eu me senti parte daquele beijo. Nossas línguas pareciam batalhar uma querendo sentir mais o gosto da outra, uma querendo conhecer mais a boca da outra... nos pressionávamos um ao outro.

Não sei como, mas sentia falta daquele calor... um calor que me parecia familiar. Sim, com certeza já havia sentido isso.

Me sentia cada vez mais perdida naquele beijo.

Não tinha como mais descrever.

Apenas queria mais e mais daquilo.

ƴ (S/n) Off ƴ

ƴ Jeon JungKook On ƴ

Eu sentia saudades da (S/n), imensas saudades... do seu modo de olhar o mundo, do modo que ela ficava brava, o modo que sorria, que comia, que falava com cada um de nos... ah, é... sua voz. Era tão bom escutar aquela voz tão gostosa e suave. Sempre que sentávamos em roda e começávamos a cantar cantigas à voz dela se destacava, claro, também por ser a única feminina, mas isso não me impede de dizer que ela cantava maravilhosamente bem.

Estar com ela agora me fazia lembrar de tudo de bom que ela fez por mim, e estar a beijando... me lembra dos maravilhosos momentos que passávamos sozinhos...

Separei o beijo por falta de fôlego de ambas as partes, (S/n) ainda estava com os olhos fechados. Sorri assoprado, adorava vê-la assim novamente... sem fôlego.

–  (S/n)... – ela abriu os olhos lentamente e vi suas bochechas ganharem cor – Normalmente eu quem ficava corado depois de um beijo assim... – ela ainda tentava controlar a respiração – Sempre desconfiei... eu sabia que era você... senti tanto sua falta... – acariciei seu rosto sentindo aquela pele quente e macia contra minha mão, mas (S/a – seu apelido*) ainda parecia confusa – Quer... quer ficar sozinha? Talvez seja melhor você pensar sobre isso...

– Como vou pensar algo que nem sequer lembro... – ela me fitou – Desculpa, ainda estou confusa com o que esta acontecendo... – sorri a olhando e concordei

– Vou te deixar sozinha, vai ser melhor, qualquer coisa pode ir no meu quarto, se lembra onde é? – ela negou e eu sorri – É a terceira porta a esquerda do corredor. – selei sua testa – Estarei lá caso precise de algo...

Ela apenas confirmou, realmente não queria dizer que precisava ficar sozinha, mas conhecia muito bem aquele olhar.

Peguei meu travesseiro e segui para fora do quarto, virei-me para trás e acenei, (S/n) acenou de volta e se virou para o canto da cama se cobrindo até a cabeça. Sai do quarto dela me entrei na terceira porta a direita do corredor.

– Hyung! – bati em sua porta e escutei um “entre” em seguida, entrei e tranquei a porta. Fui para perto da cama dele – Hyung, você tinha razão... – sorri – (S/n) é a (S/n) que achamos que tínhamos perdido... ela esta viva, precisamos contar a todos sobre isso, eles ficaram tão felizes!

– Kookie, acha mesmo que devemos assusta-la assim? – ele sentou-se na cama e agora via claramente seu rosto iluminado pela lua, Jimin era uma perdição até mesmo para mim – Isso é errado! Nem sei porque você foi lá! Temos que protegê-la! Ela saberá a hora certa de contar para todos quem ela é... – Jimin coçou a sua nuca, olhei para seu corpo e pude ver que ele dormia sem camisa – Agora, vá dormir... vá... estou cansado... – todos se sentiam assim por Jimin, sentiam essa atração, Taehyung e Hoseok já haviam provado daqueles lábios carnudos – YA! O que esta olhando...? Vai pro seu quarto...

Me aproximei lentamente de Jimin enquanto ele recuava.

–E-ei... o que esta fazendo? – ele parou apenas quando sentiu que não dava mais para se encolher na cabeceira da cama

– Deixa eu te provar também, hyung... – murmurei agarrando-me nos lábios do mais velho que não teve tempo para responder.

Não sei o que Jimin tinha, mas sempre me deixou tão hipnotizado quando (S/n), mas nunca tive coragem o suficiente para tentar algo mais... colorido, com ele. Porem, nesse momento, meu medo estava ficando cada vez mais no passado.

Parecíamos dois esfomeados um pelo outro, sentia que Jimin também queria isso. Nossas línguas brigavam por espaço. A mão de Jimin subia e descia pelo meu peitoral e costas, diria que ele não sabia onde me tocar. Logo desci meus beijos pelo pescoço dele e escutava apenas seus suspiros, uma melodia perfeita.

Levei minha boca até um de seus mamilos e o suguei, coloquei minha mão sobre o outro e comecei a massagea-lo. Cada suspiro de Jimin era um sorriso meu, ele segurava meu cabelo e o puxava de leve. Parei de sugar os mamilos dele e o fitei, Jimin estava um pouco ofegante, sorri e o deitei na cama voltando ao meu trabalho, dessa vez deitado sobre ele. Senti um volume em meu abdômen e olhei para Jimin.

– Idiota... – ele murmurou ofegante

Sorri e voltei a beija-lo, levei uma de minhas mãos até seu membro e comecei a massagea-lo, Jimin logo aprovou essa atitude soltando um gemido baixo durante o beijo. Separei e retirei minha blusa voltei toda minha atenção ao mais velho que logo me cortou dizendo que ela minha vez, tudo o que eu havia feito com ele, ele retribuiu ao dobro. Jimin dizia que ia me ensinar a como agir na cama e meu senhor... como aquilo era bom. Aquela boca em meus mamilos e o trabalho que ele fazia com as mãos em meu membro, diria que Jimin era experiente demais.

Já totalmente nus, eu estava deitado na cama enquanto o menor trabalhava com sua boca em meu membro... era tão quente... tão bom...

– Kookie, – o olhei – quer entrar em mim? – ele me perguntava de uma maneira tão sedutora, senti minhas bochechas arderem e confirmei sem muita certeza. Jimin apenas riu – Não vai doer em você e sei que será bonzinho e não fará nada para me machucar...

– O-ok, hyung...

Jimin se posicionou em meu membro e se sentou... era apertado e isso acabou arrancando um gemido longo de nos dois. Ele se movia lentamente sobre meu membro e eu distinguiria aquilo como uma leve tortura. Afinal, era bom demais.

ƴ

Provamos das mais diversas posições e chegamos ao nosso ápice mais de três vezes... eu mal conseguia repirar e diria o mesmo de Jimin. Ele já tinha dormido e eu ainda estava acordado me recordando brevemente de uma cena do passado, onde me declarava para (S/n).

“– (S/n)... e-eu gosto de você... – suas bochechas estavam mais que vermelhas

– Eu sei Kookie... – disse seu apelido arrastado – Sempre soube... Jimin me contou... – ri e ele tornou a fitar o chão

– Ele tinha prometido não contar! – vi algo pingar de seus olhos

– Kookie, não chore... – o fiz olhar para mim – Você sabe muito bem... aqui, nessa nossa família... ninguém pertence a ninguém Kookie, isso significa que sou sua também!”

Sorri de canto e abracei Jimin que me deu um tapa dizendo para soltá-lo, mas não o fiz... eu o derrotei por ele estar cansado demais... acabei dormindo com Jimin.

ƴ Jeon JungKook Off ƴ


Notas Finais


Bom, eu quis dar uma apimentada ainda mais nessa
fic... por conta disso pode ser que ela siga um caminho
totalmente diferente do que eu imaginava, ou não...

aos leitores de DA, peço que me desculpem pela
enorme demora pra continuar, mas prometo tentar
postar o cap 3 o mais rapido possivel...

Entããããão... vejo vocês semana que vem (espero)
Beijocas :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...