História Little Do You Know - Capítulo 46


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Fanfic, Long Imagine, Longfic, Park Jimin
Visualizações 297
Palavras 1.309
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hello, sweeties ;)

Primeiramente, quero pedir desculpas pelo atraso, eu realmente não estava conseguindo continuar de onde havia parado, eu provavelmente irei me arrepender de ter postado um capítulo desses por quê eu sei que poderia ter ficado melhor, e tals. Eu fui reler LDYK e fiquei com raiva de ter feito certas coisas com tanta falta de preparação tendo planejado tanto essa fanfic. Eu pensei em excluir e posta - la de novo, mas já que estamos no final, eu a finalizarei logo, eu devo isso a vocês e aos personagens.

O capítulo está pequeno por quê eu o divide, os acontecimentos juntos não ficariam bons , já que o próximo será um... quase hentai.

E claro, quero agradecer a cada um que ainda continua aqui <3 Amo vocês ;P

Boa leitura <3

Capítulo 46 - Um estilo torto de vingança.


Fanfic / Fanfiction Little Do You Know - Capítulo 46 - Um estilo torto de vingança.

46 - Um estilo torto de vingança.

 

Existem aqueles momentos da vida que você sente como se houvesse abandonado o seu corpo, e apenas fosse um telespectador observando o que a carcaça dele, sem você , a alma, faz , vendo tudo em uma distância segura.

Eu acordei do meu estupor com o meu nome sendo chamado ao longe, era Jimin, ele parecia preocupado, perguntando se eu sentia - me bem, contudo, eu ainda estava distante, de alguma forma me sentia fraca, talvez fosse o medo.

Eu entendia que estava assim por sentir - me em estado de choque, todavia não consegue obrigar minhas pernas e braços a se moverem em buscar de livrar - me do desconhecido que me segurava.

 

 


- O que quer? - Ouço a voz de Jimin questionar, ao longe e mantenho meus olhos fixados nele, tendo sua atenção  e apesar de não ser comigo que falava, Jimin só olhava para mim.  - Vamos Chan Si Jin, responda.


- Me parece muito impaciente para quem foi pego, sr. Park.  - O desconhecido, agora Chan , que tomei conhecimento após um tempo que se tratava do mesmo cara que encurralou - me na escola a mando da senhora Park, e também o estranho que me vigiada em frente a lojinha de conveniência que estive com Suga a alguns dias atrás. - Diga - me Park, isso tudo é pressa para levar uma surra? - Questiona desinteressado enquanto recarrega o gancho da arma com as balas que um capanga o entregava.


- Eu juro que quando consegue me sol... - Jimin tem sua fala interrompida pela a ação de Chan, ele encosta a arma na minha testa e as lágrimas teimosas que notei cair sem permissão cessaram dando lugar a o pavor, ao senti o cano gélido da arma descer até a minha bochecha , ato esse que fez minha bochecha que outrora encontrava quente tornar - se fria pelo medo.


- Não acha que vim aqui apenas para brincar, não é Park?  - Perguntou Chan, engatilhando a arma.

 

 

Eu estaquei com um pensamento...eu ia morrer? Eu sentiria o estouro da bala em meu crânio e apagaria para sempre? Minha morte seria assim? Tão cruel.

 

 


- Chan... - Jimin chama fazendo força para sair dos braços dos dois marmanjos que o seguram. - Você sabe que não precisa fazer isso. - Ele alegou, tentando manter a calma. - Deixe - a ir, por favor.


- Você sabe que não precisa blá blá. - Ele caçoou , ao dar um revirar de olhos fazendo uma versão afetada da voz de Jimin. - VOCÊ NÃO SABE NADA SOBRE MIM, MOLEQUE.


- Acha mesmo que ela escolheria ficar com você o vendo fazer isso? – Jimin perguntou seco após um tempo, e o homem a sua frente abriu a boca sem fala. – Mamãe jamais ficaria com você, eu não tenho culpa quanto a isso.
 

 

 

Eu percebe Si Jin em um momento de hesitação, a pressão que sua mão fazia com a arma suavizou um pouco a força em minha bochecha, parecia analisar o que Jimin falava.

Fitei Jimin confusa, e lembrei – me da suas palavras no hospital, ele me disse que era tratado por um amigo de sua mãe, ele lhe dava os remédios errados e por isso ele piorava em vez de melhorar.

Aquilo era um estilo torto de vingança? Si Jin nutria sentimentos pela senhora Park? Mas isso não séria uma boa vingaça , certo? Até onde havia entendido ela não se importava com Jimin. Mas seguindo essa linha de raciocínio, se fosse descoberto que o herdeiro mais velho dos Park tinha, sua morte não faria bem aos negócios também.

 


 
 
- Ela fez você perder sua licença em medicina por todas as vezes que prescreveu remédios para mim sem consulta, e para quê? – Jimin questionou sério. Parecia querer ganhar tempo. – Ela não deixou meu pai para ficar com você, ela nunca irá deixar, não percebe?
 
- Agora eu percebo. – Ele contou, o momento do estupor já havia passado e ele encontrava-se sorrindo sem humor. – Agora, eu percebo e sei que a única maneira de machuca – lá é expondo o filhinho precioso dela. E claro, fazendo você sofrer. Pode ter certeza que farei bom uso da sua vadiasinha quando não estiver mais entre nós. – Ele contou, cheirando meu pescoço, eu me encolhe enojada virando meu rosto para longe do dele. – Ela ficará mais tempo do que as que costumo pegar, te garanto isso , garoto.
 
 

 

 

Eu abri a boca, fitando Jimin processar a idéia junto a mim. Era ele que orquestrava os sequestros relâmpagos que andavam ocorrendo em Seul.

 

 


- Jagiya. - Jimin chamou - me preocupado. - Lembra do que me prometeu?

 

 

Giro a cabeça de um lado para o outro, as palavras dele ecoando em minha cabeça mantendo - me em alerta. Ele me disse para confiar nele, deve ter algum motivo.

Eu encaro a entrada do cafê onde trabalho ao longe. Está escuro demais para que nos vejam ali, espremidos na parede.

Não tínhamos escapatória, então por quê Jimin havia me pedido para lembrar daquilo? ninguém iria vir nos salvar.

Mesmo que eu queira ser racional, e me preparar para o pior, a imagem de Jimin me pedindo para confiar nele me  faz sentir - me mais calma. Talvez voltássemos para casa hoje.

Eu balancei a cabeça em negativo e fitei os homens a minha frente, Jimin mantinha uma expressão séria no rosto , seus olhos pareciam mais escuros naquela noite , transmitiam um ódio descomunal.

 

 


- Não ouse toca - lá. - Jimin falou entredentes quando Chan Si Jin começara a fitar meu corpo com interesse, e a tocar - me em seguida.


- Hum...isso incomodaria você , Jimin? - Chan perguntou cedendo - lhe um sorriso cínico, eu sentia - me suja apenas por tê - lo olhando - me daquela maneira tão nefasta. - Estou ansioso para descobrir o que por quê você ficou tão apaixonado. Diga - me, o quão apertada ela é Park?

 

 Foram questões de segundos até que eu ouvisse a gritaria do Park, juntamente com o som de sirenes, e um baque forte em minha cabeça, e após isso, eu não vi mais nada.
                                    

                               ( ... )

 

Meu menino me acolheu em seus braços e como já era de se esperar quando se tratava dele, eu consegui me acalmar e esquecer meu próprio medo.

Já se passava das sete quando o carro parou em frente a esquina da casa onde morava, Jimin sorria como uma criancinha apesar de aparentar está tão cansado, ele estava feliz demais por estar ali de novo, era uma felicidade tão grande que chegava a ser palpável.

Mas não caçoei dele,  pois sentia – me da mesma maneira, mesmo que de modo torto, nós estávamos juntos agora, e sem mentiras dessa vez, talvez esse fosse nosso tão esperado final feliz.

 


 
- Você vai ficar aqui hoje? – Perguntei e Jimin assentiu rapidamente, pegando Soo, que estava no sofá, e colocando nos braços. – Mas Jimin... – Chamei, já apreensiva. – E seus remédios? – Continuei preocupada, estava apreensiva de algo a mais de ruim acontecer naquele dia. - Ei! - Chamei, e Jimin pôs o gatinho no chão  com cuidado, tirando do bolso alguns frascos de remédios e pondo sob a mesinha da sala. Eu ri fraco negando.  – Pensou em tudo né gatinho? – Disse eu, Jimin assentiu risonho.

 

 

Eu havia sido atingida por uma coronhada da arma e por isso não havia visto nada do que havia acontecido depois que a policia chegou, mas com muito esforço a policia conseguiu prender Chan, o único problema foi que Jimin saiu um pouco machucado, nada que um bom descanso e muito cuidado não curasse.

E mesmo que toda a situação implicasse que eu deveria estar mais paranoica que o normal, eu apenas estava contente por voltamos para casa sã e salvos e claro, juntos.


Notas Finais


Enfim, realmente, me perdoem por ter postado algo tão ruim, eu não consigue mudar ;(

- Revisarei após postar.
- Postarei mais o penúltimo essa semana.

Obrigada por ler até aqui.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...