História Little Do You Know (Imagine Park Jimin) - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Imagine, Imagine Park Jimin, Jimin
Exibições 638
Palavras 3.194
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


É A HORA DA VERDADE! kkkk

Boa leitura, vejo vocês nas notas finais!

Capítulo 6 - Coração Quebrado


Fanfic / Fanfiction Little Do You Know (Imagine Park Jimin) - Capítulo 6 - Coração Quebrado

{ S/N } POV's

 

Jimin estava aos beijos com Yumi, não vou mentir e dizer que esperava mais de Park, não tínhamos nada, e nunca teríamos, mas o fato de vê -lo de novo com ela, justamente a garota que eu mais odiava nesse mundo, me entristeceu. "Ontem foi eu, hoje é ela " , pensei.

Eu me odiava por o ter deixado me usar dessa forma, eu era mais uma da sua lista. Eu era descartável. Contudo, eu já podia sentir as lágrimas ameaçarem a querer sair, mesmo com aquele nó na garganta , de tão fraca e desastrada que sou deixei os livros, até então nos meus braços, caírem sobre o chão.

 


- __________? - Ouvi uma voz doce me chamar, encarei o garoto a minha frente, os olhos preocupados , quase culpados, me encarando tão intensamente que tive de evitar contato visual, pois provavelmente eu iria devagar demais na ação , e isso era a ultima coisa que eu queria. - Me desculpa eu...

 

Revirei os olhos, e procurei ao meu redor, algo para focar a minha atenção, não podia ficar mais  exposta do que já estava, mesmo que ele , no momento, parecesse ser a pessoa mais triste que já vira em toda a minha vida. Afinal, quem ele realmente era?

Jimin me fitava esperançoso, como se esperasse que a hipnose que eu sentia passar, para ele poder continuar a falar. Mas ao perceber que eu continuara calada, Jimin se aproximou de mim aos poucos, as mãos seguindo o caminho do meu rosto, mas antes de conseguir me afastei dele, respirando fundo.

 


 - Temos aula vaga. - Falei, fazendo o máximo para manter a voz estável, considerando o estado instável das minhas emoções no momento. - Você vai querer fazer isso agora ou prefere continuar a se pegar com aquela garota? - Perguntei, tentando soar o mais indiferente possível, me esforçando ao máximo , ignorar fato dele está se pegando justamente com a garota da qual ele havia me defendido no dia anterior. Aquela biscate!
 
 
 

Era tudo uma questão de interesse. Era apenas por isso que ele havia me defendido, e era apenas  por isso que ele me pedia desculpas agora. As portas dos corações adolescentes, sempre deveriam está abertas aos lindos olhos de Park Jimin, mas não os meus, não mais.

 


 - Okay é... - Jimin parou um pouco, me fitando confuso. - Vou só pegar minha mochila. - Assente e Jimin virou as costas, se afastando de mim.
 
 
 

E eu segui em direção ao corredor onde Jungkook se encontrava, supôs que a mascara de Killer Frost havia caído, pós a feição com que Jungkook me encarava, demonstrava preocupação.

 


 - O que houve florzinha? - Jungkook havia começado a me chamar assim, já que eu contara a ele , sobre o apelido que Suga havia me dado espirado no desenho das meninas super poderosas, e ele discordava sobre eu ter a personalidade da Docinho.
 
 
 
 

Bom, ele realmente não me conhecia. Ou será que conhecia? Se não porque o choro preso em minha garganta estava preste a ser liberado só pela forma como ele havia me abordado?

Jungkook me puxou para um abraço, e eu me deixei levar pelo aconchego e pela paz que seu cheiro me proporcionava, poderia passar o resto da vida ali. Mas eu não podia deixar aquilo acontecer, não podia me apegar alguém que conhecia a menos de uma semana, e bufando em frustação me soltei dele.


 
 - O que foi? - Ele perguntou, e eu encarei a parede ao meu lado, enquanto mordia forte os meus lábios, me sentia a pessoa mais infantil do mundo , agindo daquela forma, mas não via outra maneira de tentar me proteger. - Noona, olha para mim.
 
 

Eu ri pela forma como me chamava, Jungkook adorava apelidos, fato. Ele havia me ligado noite passada, Suga estava no banho, e Taehyung não respondia as minhas mensagens, então conversei um pouco com ele, havíamos discutido fatos sobre nós mesmos, um deles foi a nossa idade.

Jungkook havia começado a me chamar de maknae no meio da ligação, e eu comecei a discute com ele por isso, tínhamos a mesma idade, não fazia sentido na minha cabeça, e como forma de irritação e entendendo minha reação de maneira equivocada, ele começara a me chamar de Noona, então decide deixar para lá. Jungkook sabia ser bem persuasivo quando queria. Acredito que ao final do mês Maknae, Noona e Florzinha, seriam poucos comparados a lista de apelidos que ele me daria.

 


 - Noona? - Jungkook me chamou novamente, encarei seus olhos, ele mantinha um sorriso bobo nos lábios.


 - O que é Kookie? - Perguntei suave, Jungkook sabia como acalmar alguém, parecia que eu havia tomado chá de camomila a manhã inteira , quem era Park Jimin mesmo?  Aish, porque eu toquei no nome dele? I D I O T A !

 
 - Havia dois ursinhos no polo norte. - Ele começou, sério. Eu ri e assente, esperando que ele continuasse. - O Benjamin e o Mebeija. - Continuou, seguindo o monologo com uma expressão triste. - O Benjamin morreu, quem sobrou?


 - Okay...é Mebeija?


 

Jungkook sorriu ao ouvir a minha resposta, e quando finalmente entende o que ele queria dizer, já era tarde demais. Jungkook colocou uma das mechas do meu cabelo rebelde, atrás da orelha, e acariciou meu rosto me surpreendendo com um beijo doce e calmo.

Um beijo que , infelizmente , durou pouco, pois logo me senti sendo puxada pelo braço com força, quando percebe de quem se tratava já estava trancada na sala de teatro. Com ele.

 


 - PERDEU O JUÍZO, PARK? - Gritei, completamente irritada. - TÁ PENSANDO QUE EU SOU UM BOI PARA VOCÊ SAIR ARRASTANDO E JOGANDO EM QUALQUER LUGAR? - Perguntei exasperada e Jimin me encarava parecendo surpreso com a minha reação, mas eu sinceramente não ligava, o sangue já havia subido a cabeça. - E QUER SABER? MESMO SE EU FOSSE, ISSO NÃO TE DARIA O DIREITO DE FAZER ISSO. ATÉ PORQUE PELO O QUE EU VEJO, ATÉ UM ANIMAL TEM MAIS NOÇÃO DAS COISAS QUE VOCÊ.


 

Peguei minha bolsa e comecei a andar até o fim da sala, para abrir a porta dos fundos, já que Jimin havia trancado a porta da frente. Se não tivesse me tremendo tanto, talvez eu tivesse conseguido fugir de seus braços, que me prenderam forte contra seu corpo.

 


 - Essa era exatamente a coisa que pedi para você não fazer. - Jimin falou, arfando. - Eu tentei...eu. - Jimin se interrompeu, percebendo que não fazia sentido. - Você não pode ficar com o Jungkook. Eu proíbo.


- Como é que é? - Perguntei pasma, lembrando da nossa primeira conversa, especificamente , a ultima frase que ele disse, antes de Yumi o interromper. " - É mais fácil você perguntar o que eu não quero ", lembrei.


- Porque eu não ficaria com Jungkook? - Perguntei, a curiosidade crescente, me instigando a provoca - lo. Minha raiva desconhecia minha timidez. - Que eu saiba, é um país livre. Eu sou livre. - Falei suave, e Jimin me fitou, o maxilar travado. - E o que você tem haver com isso em, Park? - Perguntei e sorri ao perceber que Jimin me ignorava, ele percebeu, pois logo se virou me entregando o papel com o script. O mesmo abriu a boca para me responder, mas foi interrompido com o barulho do meu celular.  Era uma mensagem de Jungkook.

 


{ 10 : 17 } Jeon Kook : CADÊ VOCÊ _________? O QUE FOI AQUILO? VOCÊ TÁ BEM?

 


- Quem é? - Jimin perguntou, se aproximando.


- É o Kook. - Responde sem pensar. Jimin bufou e tomou o celular da minha mão. - Ei, me dá isso!

 

 

Jimin me ignorou e pós o celular no alto enquanto escrevia algo, me impedindo de o pegar. Após terminar, simplismente pós meu celular em minha mão, pus ele na minha bolsa, e ao ergue os olhos, percebe que Jimin me fitava sério.

 


- Eu vou fazer da sua vida um inferno, se você se envolver dessa forma com Jungkook. - Jimin falou se aproximando de mim, aos mãos pressionando meus pulsos doloridos com força. - Escutou? - Jimin perguntou, e eu me sente uma criancinha, por temer com as suas palavras. Qual era o problema dele? O que eu tinha feito de tão errado para ele, ora me seduzir, ora me maltratar?

 

Jimin me soltou quando me viu assente, e depois de alguns minutos de leitura silenciosa de ambas as partes, decidimos passar as falas.

Minha sorte era que eu conhecia bem as falas, quantas tardes eu havia passado assistindo aquele filme? High School Musical, era um dos meus musicais favoritos, e me surpreende bastante ao ver a cena que a professora havia escolhido.


                                   {...}


- ....." Só que eu também falei sério. Que eu queria me lembrar dessas férias. " - Citei, me esforçando ao máximo para me imaginar a beira da piscina, com qualquer pessoa do mundo, menos ele, Park Jimin, que me fitava com um olhar que se dividia entre a calma e severidade. - " Mas não desse jeito, Troy. "

 

Continuei o monologo, e Jimin se aproximou de mim, como pedia a cena, e segurou meu pulso com força, me impedindo de fugir. Gemi com o ato inesperado, Jimin percebeu e se afastou novamente, e me fitou preocupado , seguindo seus olhos para meu pulso, que se encontrava roxo.

 


- Eu... - Ele parou no meio da frase, como se precisasse de um tempo para digerir as informações. - Eu não.... - Parou novamente , dessa vez,  se aproximando de mim com rapidez, eu reagi me encolhendo na parede. Eu não aguentava mais.

 

 

Quando Jimin percebeu que eu me afastara, o mesmo se limitou a sentar na cadeira que havia no palco - onde estávamos ensaiando.  - , as mãos sobre a cabeça, puxando os fios castanhos do cabelo de forma raivosa.

Meu coração se apertou ao vê - lo daquela forma, e meu medo se dissipara tão rápido quanto um piscar de olhos.
Me apoiei no birô a sua frente, e quando Jimin percebeu a minha presença, acabara por me fitar com tanta intensidade, que pude notar a lutar interna que o mesmo travava para não deixar seus olhos marejados demostrarem seus sentimentos.

 Do que ele tinha tanto medo? Porque parecia tão doce ao rir das piadas de seus amigos, mas quando a companhia dele era eu, ele ficava tão apreensivo, tão mal ? E porque ele parecia ser tão meu quanto eu era dele, e sem mais nem menos, ele destruía nossas poucos momentos agindo como um completo idiota? O que eu tinha feito para ele? E porque vê - lo triste me magoava a ponto querer cuidar dele? Porque meu coração estava quebrado?

Segurei suas mãos, e apesar do momento, não pude deixar  de notar, e como cada detalhe dele era único. E não pude deixar de sorrir quando percebe que as pequenas mãos de Park Jimin de apertaram as minhas.

Jimin se levantou, e se prostrou de frente a mim, me fitando. Senti meu coração se acelerar ao vê - lo largar as minhas mãos, apenas para pôr, cada uma delas, no meu rosto, as acariciando. Passado alguns segundos assim, Jimin me puxou para ele, e roçou seus lábios aos meus, selando - os em seguida, me fazendo sentir a textura dos lábios que eu desejava tão cegamente.

E como se fosse cronometrado, Jimin pediu permissão para aprofundar o beijo na mesma hora em que cedi, segurando sua cintura, o trazendo para mais perto de mim.

Era uma sensação única, ele não parecia ter pressa igual a aquela vez no banheiro, ele parecia querer aquilo tão intensamente quanto eu queria, como se quisesse guarda cada detalhe e movimento que fazíamos. Era perfeito.

Podia até ouvir, a voz da razão dizer que tudo que é bom dura pouco, quando o ar se fez necessário em nossos pulmões. Queria continuar a sentir aquilo para sempre, Jimin também, parecia relutante em me soltar, pois terminara o beijo depositando vários selinhos em meus lábios.

A cena a seguir me deixou completamente confusa e temerosa. Jimin se afastou de mim, arfando, e se encostou no birô, e ele, estava de volta, o sorriso malicioso e sombrio.

 


- O que foi? - Perguntei, um fio de voz. Jimin soltou uma risada de escárnio, e eu queria procurar um lugar para me encolher, tamanho era o medo que eu sentia.


- Você anda pelos corredores desse colégio, de nariz empinado, e jurando ser melhor do que essas vadias que eu pego. Mas sabe de uma coisa? - Jimin perguntou, a voz carregada de frieza, como se esperasse que eu assentes - se, mas não o fiz , estava paralisada com sua atitude. Se eu bem lembrava, ele era aquele mesmo cara que havia me dado aquele beijo carinhoso minutos atrás? - Você não é melhor do que elas ___________. Você é fácil. Você é uma vadia, e se eu quisesse eu podia transar com você num banheiro imundo de um bar de esquina, e você? ia me agradecer.


- Você não pode está falando sério. - Falei baixinho, de modo que nem ele ouviu, meu coração doía, mas era apenas isso, não deixei uma lágrima cair, mesmo que quisesse, eu não conseguiria, estava surpresa e confusa demais para demonstrar outra reação. 


- Vadia e submissa, pelo que eu vejo. - Jimin sorriu, cuspindo aquelas palavras , como uma simplicidade de alguém que diz " Bom Dia. " Parecia até mentira.


- Sabe... - Comecei, engolindo meus sentimentos, controlando minha raiva que já deveria está estampada no meu rosto, que queimava drasticamente. - Eu deveria ter ficado com o Jungkook. Tenho certeza que ele saberia como satisfazer a vadia aqui. - Continuei, e percebe Jimin semicerrar os olhos, o maxilar travado. - Ao contrário de você, Park, que não passa de um garotinho assustado, com os hormônios a flor da pe...


- CALA A BOCA! - Jimin me interrompeu as gritos.


- Mas é isso que você é. - Responde calma, e pronta para revidar, o que teria feito se não tivesse sentido o tapa forte que fora deferido em meu rosto.

 

 

Ignorei a sensação de ardência sobre ele, e sorri sem humor, descendo as escadas do palco, eu tinha conseguido magoa - lo também. Peguei minha mochila, e corri em direção a saída dos fundos, ignorando os gritos de Jimin que me suplicavam coisas que eu agradeci não ter entendido.

A cada corredor que eu passava, sentia meu peito pesar mais e mais, as lágrimas já inundavam meu rosto, e eu sentia dores tão forte que eu não sabia ao certo o que doía mais, meu coração ou meu orgulho?

 


- ___________? - Ouvi uma voz forte chamar, assim que pus os pés fora da escola. - Eu estava te procurando, tenho um convite para fazer. - Disse, me virando para si. O rosto de Taehyung se pós confuso ao ver o estado em que me encontrava. - Aigo , _________ por que seu rosto está vermelho? Porquê você está chorando? - Perguntou, segurando minhas mãos, o rosto, um misto de preocupação e medo.


- Por favor, me leva embora. - Pedi, chorosa, quando passos  se aproximarem, e pude percebe que Jimin corria em nossa direção.

 

 

Taehyung não falou mais nada, simplismente seguiu meu olhar para onde Jimin estava e negou com a cabeça, entrelaçando seus dedos aos meus e abrindo a porta de seu carro para mim. Entrei sem cerimônia nenhuma, e ao vê - lo arrodear para entrar no carro, tive um sensação de Deja'vu , era engraçado, podia jurar ser o carro de Suga.


   
                                    {...}

 

O caminho até a minha casa foi conturbado, pois Taehyung se desesperava preocupado comigo e se distraia , tirando os olhos do transito ao me ver soluçar compulsivamente, coisa que piorava ao me lembrar das palavras que ouvi minutos atrás.

Meu coração fora violentamente despedaçado, beirava o ridículo, que mesmo assim, eu não conseguisse odia - lo. Eu sentia algo diferente por ele agora, se era repulsava, raiva ou qualquer outra coisa, eu não sabia. Mas eu desconhecia da habilidade de odiar Park Jimin, algo estupido e forte em meu peito me impedia disso.

                            

{...}


Depois de um caminho recheado de " Para de chorar, por favor. " e " __________ se acalma. ", Taehyung parou o carro em frente a casa amarela.

 


- Obrigada, TaeTae. - Falei o abraçando, o mesmo retribuiu me apertando forte e carinhosamente, como um típico abraço de urso.


- Você acha mesma que eu vou te deixar sozinha? - Taehyung perguntou, e soltou uma gargalhada  quando me viu assente. - Você não vai se livrar de mim, mocinha!


                             { ... }


- Me solta _________ eu preciso quebrar a cara do Jimin. - Taehyung falou, tentando se livrar das minhas mãos. Ele até poderia, se livrar fácil dos meus toques, mas percebe que ele não queria me machucar, principalmente depois de vê os meus pulsos roxos.


- TaeTae?  - Chamei baixinho, e ele parou de se remexer no sofá, para me encarar. - Jimin é seu amigo, e eu não quero ser motivo de briga de ninguém. Então você pode, por favor, esquecer?


- Você sabe qual é meu dever como o seu Oppa ? - Taehyung perguntou, passando os polegares pelas minhas mãos, que o mesmo segurava. - Te proteger. - Ele acrescentou. - E se eu deixar o Jimin te machuca desse jeito, te tratando como uma qualquer, eu não vou está te protegendo.


- Só não exagere, okay ? - Pede e Taehyung sorriu,  como se dissesse " Não acredito que você está defendendo ele. " - Ah e... - Fiz uma pausa, lembrando do convite que o mesmo tinha feito, minutos atrás. - Desculpe por não ir na festa com você, mas é que o Suga me chamou antes para ir em uma amanhã também.


- Tudo bem __________. Essa o Suga ganhou. - Taehyung assentiu, piscando para mim. - Tô tranquilo, que ao menos você vai está com alguém que cuida de você, gosto desse Suga por isso. - Taehyung falou, sorrindo divertido.


- Um dia apresento vocês dois. - Promete, e Taehyung assentiu se despedindo de mim com um beijo na testa.


- Se cuida, e não converse com estranhos, mesmo se forem crianças escoteiras vendendo doces. - Lembrou  sorrindo ,e eu assente me curvando.


- Vou tentar. - Falei e fechei a porta de casa, após ver o carro de Taehyung sumir na estrada.

 

 

Fitei as horas em meu celular, e percebe que a amanhã já passara rapidamente. Não consegui notar antes, pois assim que Taehyung me deixou em casa, tomei banho, e fiz um lanche para ambos comermos, e nem percebe as horas passarem depois de tanto conversar. Já passava da uma da tarde.

E como uma boa sofredora melodramática que sou, decidi deixar a dor que me abatia me abraçar, e me envolver forte em seus braços, mas a campainha tocando incessantemente me fez perceber que isso não aconteceria tão cedo.

 

Será que Taehyung tinha esquecido alguma coisa?
 


 


Notas Finais


Gente, e o Jungkook, que audácia foi essa?

E o Park galera, ele parece gostar dela? Será que tem um motivo para ele machucar ela, fazendo ela se afastar ?

E essa festa? O que rola em festa? TRETA! #adoro

Obg por lerem, pelos favs e os comentários <3


Me contem o que acharam!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...