História Little Lie - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol
Tags Baekyeol, Chanbaek, Harry Potter
Visualizações 122
Palavras 5.989
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Fluffy, Romance e Novela, Shonen-Ai, Yaoi
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


E AÍ GALERA.
Desculpa, eu to animada porque, depois de anos planejando, eu FINALMENTE consegui fazer essa fanfic. E também porque eu tomei muito café, confesso.
Eu fiz um esforço muito grande pra fazer ela, porque primeiro: eu sou MUITO preguiçosa, sério. Eu nunca consigo fazer uma longfic ou uma oneshot com muitas palavras, essa é a primeira. E segundo: que esta fanfic é, praticamente, o plot de uma fanfic antiga minha aqui que eu tenho e NUNCA terminei porque eu fiquei com muita preguiça pra fazer, então eu consegui fazer tudo que planejava aqui e isto pra mim foi satisfatório. Uma batalha grande meus amigos, que nem aquele icônico ditado antigo facebooker 2015, no pain no gain. Bem, isto foi ridículo.
Espero, sinceramente, de todo coração que vocês gostem. Eu não tive muito tempo de rever e tals, mas prometo que se eu achar alguma coisa nela de errado ou que não me agrade, eu vou mudar.
Só mais um detalhe antes de começar: todos eles estão no sexto ano de hogwarts, okay? isso significa que eles tem dezesseis anos, todos.
Boa leitura, isso aê.

Capítulo 1 - Desde o segundo ano


— Baekhyun, será que dá pra você calar a merda dessa boca?

Era a quinta vez que Soojung reclamava com o amigo, que além de não parar quieto no canto também não calava a boca. A menina desconfiava de que seu amigo era hiperativo, pois ele não conseguia ficar parado no lugar por mais que cinco segundos.

— Não dá, eu estou muito nervoso. - Balançou os braços curtos no ar, como quisesse jogar toda a energia nervosa para fora, de vez em quando passando as mãos suadas pelo cachecol amarelo e preto que enfeitava seu pescoço naquela tarde fria, foi impossível não escutar o riso debochado da Murta que Geme do outro lado do banheiro abandonado, sentada sobre uma das pias e observando toda aquela cena que ocorria a sua frente.

A amiga do garoto se limitou em revirar os olhos como resposta para o Byun e se concentrar totalmente na poção do enorme caldeirão que estava a sua frente. Por dentro, se arrependia por cada palavra da sua promessa de ajudar o menino na sua caminhada de conquista de Park Chanyeol, mas não era de voltar atrás nas suas palavras, mesmo que elas envolvessem fios de cabelo seus e uma poção polissuco idiota.

E quem era Park Chanyeol? Bem, podemos analisar rapidamente. Ele era um simples sonserino, alto, de cabelos pretos cacheados e orelhas grandes assim como seus olhos e sorriso. Mas o que tinha de alto e bonito, tinha de arrogante. O garoto era simplesmente um chato, ninguém conseguia chegar perto de si sem receber farpadas, somente seus dois melhores amigos. Alguns contavam que sua beleza exuberante seria a herança veela dos seus antepassados e outros que sua arrogância sem fim fora herdado pelos seus parentescos por parte de pai com Voldemort, e pessoas até arriscavam em dizer que Chanyeol queria seguir os passos do seu tio após terminar hogwarts. Porém o Byun mais novo apenas achava que era um monte de asneiras.

Mas Baekhyun era tímido demais para falar com Chanyeol sobre sua paixão platônica por ele, desde o segundo ano, então como a sua melhor amiga era boa em algumas poções, pediu ajuda para a mais velha para poder se transformar nela e falar para o Park que seu melhor amigo - no caso, ele mesmo - estava perdidamente apaixonado pelo maior. Parecia um pouco estúpido da sua parte, já que de qualquer jeito ele ficaria face a face do maior, mas era tranquilizador para Baekhyun saber que o garoto não saberia que era ele mesmo.

— Você já acabou? - Perguntou, nervoso e se esgueirando na parede ao lado da sua amiga para ver se a poção já estava pronta.

— Estou acabando, merda! Você é muito chato, sabia? - Baekhyun as vezes desconfiava se o chapéu seletor colocou a menina na casa certa mesmo, afinal, Soojung era arrogante como os sonserinos, se não estivesse com a constante farda da lufa-lufa seria bastante surpresa para alguns ouvir que ela era daquela casa tão calma, diferente de sua personalidade. — Não sei porque concordei em te ajudar nisso, eu estava bêbada, com certeza.

— De suco de abóbora? Claro... - O menino revirou os olhos, recebendo uma encarada mortal da garota que o deixou arrepiado. Afinal, ela poderia ser bem ruim quando quisesse.

Mas logo a carranca irritada se transformou num sorriso mínimo quando ela levantou do chão gelado e bateu palminhas, comemorando o término da poção. Fazia exatamente dois meses que havia começado a fazer aquela poção e não aguentava mais seu melhor amigo choramingando no seu ouvido dizendo que gostaria que o preparo dela fosse mais rápido, estava louca para acabar com aquilo de vez.

Em uma comemoração muda compartilhada, levantou os braços em direção ao baixinho, que teve que pular um pouco para alcançar o high five que ela quis fazer, e deixou-se rir um pouco por achar a altura do seu amigo fofo, ele era tão mais baixo que si que duvidava que o Park já o tenha visto por aí de tão pequeno que é.

Sem mais demoras, pegou dois frascos enormes que roubou da sala do professor de poções, Horácio Slughorn, e pôs a poção dentro deles. Eram grandes frascos, Baekhyun poderia usá-los quando quisesse, e ao olhar do Byun mais novo estava longe do fim e, talvez, ele não precisasse usar aquilo tudo.

Em silêncio, deu os frascos grandes para o garoto e tirou uma tesoura do bolso do casaco de sua casa, pegou a ponta do seu cabelo e cortou colocando em um frasco, em seguida, cortou um pedaço pequeno do cabelo do Byun e colocou em outro frasco, tampando-os.

— Pronto. Quando você se transformar em mim, eu irei me transformar em você para não ficar estranho e um de nós sumir. - Soojung falou, agora pegando um copo pequeno que havia deixado lá e um pouco da poção que estava com seu cabelo. — Beba.

O menor concordou, bebendo um pouco e logo fazendo careta, afastando o copo do rosto. Viu a amiga revirar os olhos e empurrar o copo na sua direção.

— Quanto mais você beber, mais tempo a poção dura. - Explicou, vendo o menor arregalar os olhos para si, animado.

Ele bebeu mais um pouco e logo devolveu o copo vazio para a garota. Fora em questão de segundos que, a sua frente, a pele de Baekhyun começou a borbulhar e a se derreter como cera quente, junto com seus cabelos que começaram a crescer. Não demorou para Soojung mesma se ver a sua frente, de um jeito mais alegre e mais... baixo. Bem baixo.

— Acho que fiz algo errado, você continua com a sua altura normal. - Deu de ombros. — Pelo menos deu certo, olá pequena Soojung. - Gargalhou com a piada sem graça, vendo o menor lhe bater com pouca força e indo para perto de um dos espelhos ver o resultado.

Passou um tempo mínimo dedilhando seu rosto e seus cabelos, sorrindo ao ver que realmente a poção havia dado certo, mesmo que ele continuasse com a sua altura normal, ele estava a cara da sua melhor amiga.

Virou-se para a menina, vendo-a sorrir mínimo para si. E logo tratou de falar animado:

— Que o plano comece!

 

 

 

O sorriso brotado no rosto delicado feminino era visto por muitas pessoas de um jeito meio assustador, já que poucas pessoas viam Soojung sorrir tão normal daquele jeito sem ser para seu melhor amigo Baekhyun, este que, por sinal, andava de braços cruzados ao lado da garota sustentando uma carranca no rosto que parecia duro que nem pedra. Alguns comentavam que eles estavam estranhos, e pareciam que tinham trocado de corpo, já que normalmente Soojung era mais alta e Baekhyun era mais baixo.

Mesmo após tantas reclamações por parte do corpo alto ao seu lado, era impossível não se sentir feliz daquele jeito, eles teriam aula de poções agora e o parceiro da sua amiga era nada mais, nada menos do que o próprio Park Chanyeol. O motivo pelo qual a garota não gostava dele era que o maior era quieto demais, só falava o necessário e gostava de fazer as coisas sozinho, mesmo ela sendo boa em poções também.

Não demoraram para chegar na sala, sentando no lugar onde, normalmente, sua amiga sentava. E vice-versa. Logo os outros alunos começaram a chegar e sentarem em seus devidos lugares, e logo Chanyeol chegou e sentou ao seu lado sem se dirigir uma palavra. Mesmo sendo praticamente ignorado pelo maior, o coração do garoto batia dentro do peito tão forte que ele sentia que suas costelas iam quebrar, e não duvidaria nada que ele pudesse escutar as batidas altas.

— Boa tarde, Park. - Cumprimentou o maior sem gaguejar como um louco e ficou feliz com isso, mesmo sendo retribuído apenas com um acenar leve de cabeça.

O professor começou a falar algumas coisas que, no momento, não eram tão importantes para o garoto no corpo de menina naquela hora, então ele se virou para começar a escrever algumas coisas no quadro. Só percebeu que estava viajando quando seu parceiro da aula levantou e fora pegar algumas coisas no armário e voltar com os braços cheios de vidros pequenos que continham os ingredientes para fazer uma poção.

— Você escutou o que devemos fazer? - Fora pego de surpresa quando, pela primeira vez na sua vida, a voz grossa e baixa do maior ao seu lado foi dirigida a si, com direito a olhares. Baekhyun sentiu que poderia derreter ali mesmo.

— O quê? - Perguntou, aéreo encarando o maior, que apenas revirou os olhos em desgosto.

— Pelo visto não escutou. - Deu um sorriso de lado, arrogante. Virando-se para dar uma tábua e uma faca para o menor, juntamente a uns vidros que continham ingredientes dentro. — Você estava tão concentrada em me observar que sequer prestou atenção no nome da poção. - Aquilo era uma afirmação, que fez o baixinho corar ao lado do maior, que estranhou a atitude da garota.

Normalmente, ela riria e diria que ele estava ficando louco. Mas resolveu ignorá-la e lhe falar tudo o que o professor havia falado.

— Ele pediu para fazermos uma Veritaserum. - Explicou, referindo-se ao professor que encarava o livro em cima da mesa que, naquele momento, parecia mais ter a atenção no livro do que nos alunos. — Você sabe o que é isso, ao menos? - Debochou, vendo uma carranca surgir no rosto da menina.

— Claro que sei. - Resmungou ao perceber que Chanyeol estava lhe provocando. — Você é um idiota.

— Obrigado. Esse foi um dos elogios mais leves que recebi na minha vida.

Ao contrário do que Chanyeol imaginava, a garota riu baixinho do seu lado e negou de leve com a cabeça, e, por mais que não quisesse, deixou surgir um sorriso mínimo no canto da boca.

A aula passou-se mais devagar do que imaginava, e, por incrível que pareça, Baekhyun conseguiu conversar calmamente com Chanyeol. Por mais que este gostasse de lançar palavras venenosas para si em meio a uma piadinha ou outra, a conversa foi bem tranquila e o baixinho descobrira mais ainda que o maior não era nada daquilo que as outras pessoas falavam. Quer dizer, a arrogância era perceptível algumas vezes, mas isso era típico dos sonserinos, sentirem que são muito além de outras pessoas, principalmente de lufa-lufas. Porém isso não incomodou o menor.

Por outro lado, Chanyeol estava se surpreendendo em como a garota estava puxando um papo tão agradável consigo. Sabia que ela tinha fama de ignorante, e ele mesmo já havia apreciado essa ignorância de perto quando, no primeiro dia de aula de poções que foram colocados como dupla, tentou conversar com a garota mas esta apenas lhe dera um olhar que o fez calar-se para sempre ao lado dela, então só conversavam o necessário quando estavam na aula. O melhor de tudo era que ela parecia não se importar com as piadas desnecessárias que ele mesmo fazia em relação a algumas coisas, e isso estava agradando o maior. Se fosse outra pessoa, com certeza já teria comentado com o professor para tirar pontos de sua casa, ou, até mesmo, lhe responder a altura para deixá-lo irritado. Soojung apenas ria.

Talvez ela não fosse tão ruim quanto falavam por aí.

Quando o professor fechou o livro e começou a ir de dupla em dupla para ver o resultado das poções, todos sabiam que a aula iria acabar e estavam ansiosos para terem seus momentos de descanso e, finalmente, dormirem ou aproveitarem o tempo com seus casos amorosos. Não foi novidade para ninguém que Horácio aprovou a poção de Chanyeol e Soojung, afinal, eles eram os melhores alunos de poção. E também não foi novidade para ninguém que ele brigou com Baekhyun e Minseok do outro lado da sala, provocando um mar de risos infinitos na sala, mas diferente dos outros momentos que ambos choramingavam, Baekhyun apenas cruzou os braços e olhou com raiva em direção ao seu parceiro.

— Como sempre, os dois piores da turma. - Chanyeol riu, negando com a cabeça, vendo a garota lhe encarar com olhar de reprovação. — Esqueci que ele é seu amiguinho, desculpe.

Não era um pedidos de desculpas sinceros, e Baekhyun se sentiu mal por saber que Chanyeol também ria de si quando se dava mal nas poções que saíam errado. A culpa não era sua que Minseok, por mais que fosse um colega carinhoso, era horrível em poções e desfazia tudo de certo que o Byun fazia. Afinal, ele era bom em poções, só estava com um parceiro ruim e atrapalhado.

— Não ria, a culpa não é dos dois. - Sentiu o olhar do maior em si e desviou o olhar. — Pelo menos não do... Baekhyun. - De certa forma, era estranho falar de si mesmo daquele jeito.

— Eu sei. - Voltou seu olhar surpreso para o maior, que sorriu fraco e revirou os olhos. — Você vive me dizendo que a culpa não é dele. Mas não dá pra negar, eles são horríveis juntos.

Deu de ombros e levantou-se, recolhendo o material que havia ali e jogando no lixo perto da mesa onde estavam. Antes de ir sentiu o seu pulso ser puxado para trás e quase teve um infarto quando percebeu que Chanyeol segurava seu braço com uma expressão vazia no rosto, como se quisesse dizer algo e não tivesse coragem. O seu coração estava a mil, estava quase derretendo pelo pulso quando o maior soltou e levantou em seguida, ainda lhe encarando. Baekhyun nunca sentiu o rosto esquentar tanto naquela hora e tinha certeza de que estava corado.

— Você... Hm... Você vai no passeio para Hogsmeade? - Baekhyun sentiu o coração falhar uma batida, por acaso ele estava lhe chamando para sair?

— S-Sim... - Fora a única coisa que conseguiu falar ali. Mas seu sonho estava mesmo se realizando?

— Então... Vejo você lá? - Sorriu fraco. — Gostei de conversar com você hoje, tem um lado seu que eu não conhecia.

Ambos sorriram envergonhados, e não teve uma despedida concreta, Chanyeol apenas lhe olhou pelo rabo de olho e foi embora carregando um sorrisinho no rosto. O coração de Baekhyun batia a mil, seu rosto já estava voltando a coloração normal, quando sentiu ser puxado para o canto da sala quando os alunos já estavam fora, vendo Soojung voltar a sua aparência normal e, provavelmente, ele voltou também ao sentir a sensação de que seu corpo estava queimando. Além das bochechas coradas, claro.

— E aí, como foi? - Ela perguntou, mas não parecia realmente interessada em saber, pois encarava a porta com certa raiva ao perceber que Minseok acabava de passar por ali.

— Ah, foi legal. Nós conversamos bastante, e ele realmente não é tudo aquilo que o pessoal fala por aí. Ele é um cara legal, como nos meus sonhos, só precisa segurar um pouquinho a arrogância dele, eu achei meio desnecessário quando ele riu de vocês tamb- - Foi interrompido quando a garota colocou a mão na sua boca, indicando que ele já deveria parar de falar. Com um sorriso abafado, ele tirou a mão da menina delicadamente de si. — Quase que eu me esquecia, ele também me chamou pra sair. Quer dizer, não foi diretamente, mas eu entendi nas entrelinhas que ele quer sair comigo, provavelmente vai tentar algo lá na hogsmeade. - Viu a garota arregalar os olhos e lhe encarar assustada, assustando o menor também. — O que foi?

— Baekhyun, você percebeu o que acabou de falar? - Perguntou nervosa, começando a estalar os dedos.

— Sim, ué. Chanyeol me chamou pra sair.

— Não, Baekhyun! - Quase gritou, com certa ignorância. — Você ainda não se tocou? O Park me chamou para sair.

 

 

 

 

Estava terminando de colocar o cachecol em volta de seu pescoço, quando sua porta foi aberta e viu o seu próprio rosto carregando uma carranca inimaginável. Soojung revirou os olhos ao ver o sorriso brotar no baixinho idêntico a si através do espelho, afinal, aquele era o verdadeiro Byun Baekhyun, e não o garoto que estava disfarçado.

Havia passado, mais ou menos, umas três semanas até a viagem para Hogsmeade, o qual eles iam agora. Entre essas viagens, o baixinho vivia pedindo-lhe para ambos tomarem a poção para poder passar mais tempo ao lado do maior, e como uma amiga boa e de coração mole pelo menor, ela concedia. Eles ficaram relativamente próximos nas aulas de poções. Mesmo que isso se resolvesse em juntar-se a Minseok e seu sorriso irritante juntamente as notas péssimas em poções, mas, pelo menos, o menor estava podendo ficar mais perto do Park como ele sempre desejou desde o segundo ano.

O que preocupava a menina era que, de qualquer forma, aquela não era a Soojung verdadeira. E o menor parecia não se importar com aquilo, e, de uma hora para a outra, a garota sabia que aquilo teria um fim, pois a sua poção já estava acabando e duvidaria que a do menor não estava também.

— Aqui está. - Entregou o frasco pequeno para o baixinho, que tomou e logo se tornou a garota, só que continuava baixinha. — Baekhyun, eu queria falar com você sobre uma coisa...

— Não temos tempo, Soo. - Falou animado, puxando a garota escadaria abaixo e andando pelo enorme castelo. — Eu tenho que me encontrar com o Chanyeol em breve, ele me pediu para falar com ele antes de irmos pra Hogsmeade, vamos ficar juntos lá, espero que você não se incomode. - Parou de andar e encarou a amiga em expectativa.

Soojung apenas encarou o menor com certa pena no olhar, ela queria falar, ela precisava, mas aqueles olhinhos brilhantes lhe implorando para não ficar com raiva por, definitivamente, ser abandonada por uma paixãozinha não davam a ela forças o suficiente para dizer a verdade. Estava com medo do resultado, afinal.

Por isto, suspirou pesado e apenas concordou com a cabeça.

— Tudo bem. - Sorriu fraco, vendo a sua aparência sorrir de uma forma que ela nunca faria na vida. — Vou ficar perto do Jongin, então.

— Ok. Mas tome cuidado. - Alertou, sorrindo baixinho ao ver sua própria careta confusa. — O namorado dele é muito ciumento, o Kyungsoo é capaz de arrancar sua cabeça só se olhar pra ele.

— Meu deus, então o jeito é ficar perto do Minseok. - Resmungou, dando as costas para o baixinho e indo procurar o garoto que citou.

Na mesma hora, Baekhyun foi para perto do maior e conversou um pouco em meio a sorrisos tímidos, mas não demorou muito para as carruagens chegarem e em cada uma delas ir os grupinhos de amigos. Por incrível que pareça, Chanyeol havia lhe convidado para ir consigo e seus amigos, e durante o caminho não foi um clima ruim, os irmãos Kim - melhores amigos do Park, Jongdae e Junmyeon - faziam de tudo para conversar consigo de uma forma amigável e calma, incluindo-o em todos os assuntos.

Em breve chegaram em Hogsmeade, e o clima de lá parecia bem tranquilo, por mais que estivesse frio não estava nevando, então daria para aproveitar muito tempo fazendo compras e se divertindo enquanto não caía neve do céu.

Assim que desceram da carruagem, Chanyeol puxou o baixinho para um lado mais afastado do momento de regras que a diretora falava sobre o que não deveriam fazer, e claro que fariam. Baekhyun sentiu arrepiar-se todo quando o maior sussurrou perto de seu ouvido:

— E aí, o que temos planejado pra hoje? - Animado, se afastou vendo a face corada de Soojung a sua frente, ainda era um pouco estranho para si ver a menina daquele jeito, já que antes ela tinha reações totalmente contrárias.

— E-Eu não sei... - Respirou fundo para não gaguejar e voltou seu olhar para o maior. — Eu planejava entrar no Dedos de Mel e não sair de lá até a hora de irmos embora.

Arrancou uma risada baixa do maior, que apenas passou a lhe encarar por um tempinho, e foi impossível não sentir-se mais quente depois da encarada tão profunda que este lhe deu. Mas logo os olhares foram interrompidos pois Soojung meteu-se atrás do Park, ganhando a atenção dos dois com uma carranca sustentada na cópia da sua face delicada.

— Eu não vou ficar perto daquele garoto de jeito nenhum, eu não aguento isso. - Resmungou, apontando rápido para Minseok que estava avoado encarando um ponto qualquer atrás da diretora falante.

— Porquê? - Fora Chanyeol quem perguntou, recebendo a atenção do garoto que, pela sua memória, estava muito além da sua altura normal da última vez que havia o visto.

— Ele é idiota, eu não aguento. - O Park juntou as sobrancelhas, enquanto Baekhyun encarava Soojung com um pouco de súplica no olhar ao ver que o maior dali estava ficando estranho, e percebendo na hora, inventou uma desculpa qualquer para sair dali. — Hm... Eu acho que... Que o Kyungsoo está me chamando, olha! Parece que ele quer brigar com a Tiffany.

E saiu, deixando os dois no mesmo lugar encarando o lugar vazio pelo qual Soojung ocupava antes.

Chanyeol, de repente, havia ficado estranho. Durante a caminhada dos dois para a loja dedos de mel havia feito um silêncio um pouco constrangedor, Baekhyun estava imensamente envergonhado da forma que Soojung o havia "interpretado", totalmente condizente com as suas atitudes passadas, tanto pelo nervosismo de imaginar que Chanyeol estava pensando demais e acabar descobrindo que tudo aquilo ali era uma farsa. Pela metade, ao menos.

Mas logo entraram num pequeno bar que havia ali, pedindo duas cervejas amanteigadas e sentando em um sofá pequeno e confortável um pouco longe dos outros assentos daquele local. O maior tomava sua bebida de forma silenciosa e calma, enquanto Baekhyun batucava os dedos de leve na mesa de madeira velha e encarava o copo intocável a sua frente, pensando que, talvez se não tivesse abandonado a sua amiga nada daquela situação iria ocorrer e, até mesmo, estaria se divertindo. Pois após o acontecimento, Chanyeol não fazia nada para fingir que estava bem.

— Você não vai beber? - Finalmente dirigiu as palavras para si, ganhando a atenção do menor que parou de encarar o copo e encarou as órbitas negras e profundas a sua frente.

— Ah, eu não bebo. - Sorriu de leve, vendo o maior erguer as sobrancelhas em descrença e lhe dar um sorriso numa espécie de desafio.

— Você não bebe? Deixe de ser mentirosa, Jung. - Viu a garota lhe encarar com certa dúvida e se pôs a gargalhar. — Eu vivo vendo você indo na festa da Jinri no meio da noite, duvido que nunca colocou um pingo de álcool na boca. Sem contar que nem estamos bebendo álcool aqui.

— Mas eu não quero beber, Park. - Resmungou, vendo ele ficar sério. — Olha, eu acho que vou atrás da minha amiga, tudo bem?

— Sua amiga?

— É, a... - Calou-se de repente, tendo a total noção de que Chanyeol lhe encarava esperando o término da fala. — A... A Victoria.

Levantou, vendo o Park levantar também e deixar algumas notas em cima da mesa velha, acompanhando-o para a porta do bar.

— Então... Eu vou procurar os Kim. - Viu a garota assentir, ainda lhe encarando.

Nunca sabia como se despedir, ainda mais de garotas. Então, num breve momento de coragem, aproximou-se da menina e se inclinou um pouco, deixando um selo breve no canto da sua boca, bem perto de ser um selinho, pra falar a verdade. Baekhyun deixou-se arrepiar quando Chanyeol se afastou com um sorriso e lhe piscou, antes de sair andando atrás dos amigos.

Apoiou-se no batente perto da porta do bar, e dedilhou o canto da sua boca onde Chanyeol tinha lhe beijado. Aquilo havia acontecido mesmo? Park Chanyeol realmente tivera vontade de lhe beijar, mas não teve coragem e deu um beijo perto da boca? Ah... Baekhyun se sentia nas nuvens.

Mas, do mesmo jeito que a leveza sobre seu corpo veio, se foi assim que avistou, ao longe, a sua cópia vindo em sua direção com uma carranca séria, e logo fora se transformando nela própria. Então lembrou de tudo que estava acontecendo e arregalou os olhos. Ele não era ele quando o maior quase lhe beijou, ele não estava sendo Byun Baekhyun, pelo menos não por fora.

Chanyeol estava se apaixonando por Soojung.

 

 

 

Já fazia, mais ou menos, duas semanas desde o ocorrido em Hogsmeade; Baekhyun e Soojung fugiam de Chanyeol como o diabo foge da cruz, e o plano foi dado uma pausa. Baekhyun encarava o vidro com conteúdo esverdeado a sua frente com certa tristeza, se sentia dentro de um filme muggle que sua amiga o obrigara a assistir, tirando a parte de que nos filmes normais não tem magias, muito menos poções para se transformar em outra pessoa. Mas aquela sensação ruim e a vontade de chorar que sentiu quando descobriu que o mocinho ficou com a garotinha do filme por causa de uma aposta era a mesma que sentia agora ao descobrir, de sua própria e pior maneira, que Chanyeol não gostava de si. Quer dizer, ele gostava. Mas era complicado.

Não queria continuar com aquilo, nem a pau. Deixaria Soojung se virar com o que poderia vir de agora em diante, mesmo que isso significasse partir o coração do pobre Chanyeol. Muito menos tinha coragem de chegar no maior e dizer na cara dura que ele foi enganado, em partes, mas foi. Porém os pensamentos melancólicos de Baekhyun foram brutalmente interrompidos quando a sua melhor amiga apareceu dentro do seu quarto, com uma carranca já conhecida segurada no rosto e um pequeno pergaminho nas mãos.

Jogou no amigo, acertando com tudo a testa do menor, que reclamou de dor. Até acharia engraçado, se não estivesse aos nervos com toda aquela situação. Por Merlin, onde estava com a cabeça quando o menor lhe pediu ajuda? Sendo que, em todas as hipóteses que criou na sua cabeça antes, a que era menos provável para si fora a que aconteceu. Estava enlouquecendo, definitivamente.

— Baekhyun, você quer me explicar porque Park Chanyeol mandou uma merda de coruja pro meu quarto as sete da noite? - Perguntou exaltada, vendo que o menor não tinha jeito aos olhos tristes logo se tornarem felizes ao encarar o pergaminho que parou no seu colo.

As pressas, abriu o pequeno papel e lá havia a letra linda e bem desenhada do Park, parecia que ele tinha feito com tanto cuidado para não borrar e para o menor entender bem o que estava escrito ali. Com um suspiro e um sorriso enorme no rosto, começou a ler a pequena carta:

"Hm, olá? Eu nunca sei como começar a escrever cartas, principalmente que não são direcionadas aos meus pais. Enfim. Como eu não sou de falar palavras bonitas, me desculpe por isto, vou ser direto ao ponto: você pode me encontrar na torre de astronomia as nove? Se não quiser ir, te entendo, pois sei que está me evitando a todo custo desde o passeio para Hogsmeade, mas eu gostaria de esclarecer algumas coisas com você. Estarei lhe esperando, até mais tarde.

Park CY."

Terminou de ler a carta com o sorriso ainda no rosto, que foi diminuindo gradativamente a medida que percebeu que aquela carta não era pra ele, e sim para a sua amiga irritada na sua frente. Era estranho aquele tipo de situação, mas Baekhyun sentia que precisava parar.

— Você vai, não vai? - Soojung perguntou, baixinho como quisesse contar um segredo ao menor, que passou a lhe encarar surpreso. — Quer dizer, você tem que dar um fim nisto, Baekhyun.

— M-M-Mas eu... - Viu a garota suspirar cansada e esperou ela revirar os olhos, mas esta apenas sentou-se ao seu lado e fez um afago meio desajeitado nos seus cabelos.

— Toda ação tem consequência, sim? - Sorriu triste para o menor. — Eu sei que você não quer fazer isto, mas já fomos longe demais. E eu não posso fazer isto por você, nem quero ter que forçar um sorriso perto daquele cara, ele me dá arrepios.

A garota ficou mais aliviada ao ouvir a gargalhada do seu amigo. Ela tinha um carinho enorme por ele, pois cresceram juntos como irmãos e viram as felicidades e os problemas de cada um. Sem contar que havia prometido a Sra Byun que cuidaria de Baekhyun no colégio, e mesmo sendo durona e chata com todos, fazia jus a seu papel de mãe para Baekhyun toda vez que percebia que ele estava saindo dos trilhos. Mas parece que desta vez havia falhado um pouco, porém ainda tinha a esperança de que houvesse um final feliz para o baixinho, mesmo que tenha que ser ao lado do seu insuportável e idiota colega da aula de poção.

— O que eu quero dizer é que não seria bom para o Park ser enganado desse jeito, você me entende? - Viu o menor assentir, fazendo um biquinho chateado nos beiços fininhos. — E como não fui eu quem começou com toda essa bosta, não sou eu que vou desfazer.

— Tudo bem.

Após a breve conversa, Soojung fez um carinho leve em suas orelhas e foi embora do quarto deixando apenas o menor, a cartinha e seus pensamentos misturados. Foi deitar-se na cama, afim de pensar mais um pouco e tentar controlar os seus sentimentos dentro de si.

E por mais que Baekhyun estivesse ansioso em apenas olhar para Chanyeol depois de dias o evitando, não deixou de pedir tanto aos deuses que as horas passassem mais devagar do que o normal. Mas como o mundo parecia conspirar contra si, foi totalmente ao contrário. Já era oito e meia quando decidiu tomar banho para se encontrar com o mais velho, se vestiu sem ser a costumeira farda do dia a dia, mas não deixou de por o cachecol com as cores de sua casa ao redor do pescoço. Tinha um amor enorme pelas cores amarelas e pretas da sua casa, eram bonitas e combinavam consigo, Baekhyun tinha orgulho de ser lufa-lufa.

Antes de sair, encarou o espelho. Logo seus olhos desviaram para o pote verde em cima do seu criado mudo. Encarou e encarou. Suspirando de desgosto, saiu do quarto as pressas antes que fracassasse e tomasse um pouco da poção, indo de encontro a Chanyeol como se fosse a Soojung que fingiu ser por quase um mês.

Baekhyun era considerado um garoto exagerado nas emoções, por parte da sua melhor amiga, mas ele poderia jurar que, a cada passo que dava para subir as escadas da torre, sentia que suas pernas estavam derretendo e mandando-o voltar na mesma hora. O coração parecia querer sair pela boca e a sua barriga roncou, o lembrando que não havia comido nada aquela noite. Estava realmente ponderando se encontrar-se com Chanyeol era mais importante do que assaltar a cozinha do colégio aquela noite.

Mas logo toda a sua fome passou a ser um simples tremor ao abrir a porta da torre e dar de cara com um Chanyeol apoiado no parapeito de uma das enormes janelas daquela sala, o rosto sendo iluminado apenas pela luz das anormais estrelas enormes daquele mundo. Ele parecia um anjo, na visão do pequeno.

E, ao ouvir a porta ser aberta, Chanyeol encarou o pequeno corpo masculino parado como pedra ao perceber que foi notado. Por mais que a face do maior fosse calma, Baekhyun não gostaria de saber o que estava acontecendo na mente do garoto a sua frente naquele momento, que deveria estar muito confuso ao ver ali o melhor amigo da sua nova paixão.

— Byun, o que está fazendo aqui? - Por mais que a pergunta fosse calma, e a face de Chanyeol não movia um músculo, era estranho para o baixinho saber que ele pudesse lhe odiar daqui pra frente. E isto lhe causava arrepios.

— E-E-E-u... É q-qu-qu... - Fechou os olhos e respirou fundo, caminhou até perto do maior, numa distância considerável que não precisasse levantar muito a cabeça para encará-lo e, finalmente, sentiu que poderia falar sem gaguejar. — Bem, é um pouco difícil falar sobre isto...

— Hm. - Murmurou ele. — Onde está a Soojung? - Não fez muito esforço, apenas encarou o vazio atrás do Byun de tão pequenino que ele era, e logo voltou a encarar os olhinhos, que agora estavam marejados. Por um momento, sentiu-se culpado.

— Ela não vem. - Encarou o maior com os olhos meio embaçados, estava fazendo um esforço enorme para não desabar ali mesmo aos prantos na frente dele, seria mais ridículo do que contar a verdade. — Na verdade, ela está aqui. Quer dizer, é complicado.

— Então me explique.

— Você promete que não vai ficar com raiva? - Viu o maior dar um sorrisinho de lado, agora juntando as sobrancelhas. Mas logo a expressão suavizou e afirmou de leve com a cabeça, dando coragem ao baixinho para conseguir continuar. — Bom... A verdade é que... Eu me passei pela Soojung esses dias.

A expressão do maior era nula, mas Baekhyun poderia sentir a áurea estranha rodar aquele espaço.

— Eu tomei a poção polissuco, porque não sabia como me aproximar de você. - Explicou melhor. Desviando o olhar para o chão. — Com certeza você não deve saber disso, mas eu gosto de você desde o segundo ano, mas nunca tive coragem de chegar em você e falar sobre isso. Então eu e a Soojung fizemos um plano, na verdade, eu fiz, não a culpe por nada nessa história. Eu tomaria a poção para me tornar ela e então eu me aproximaria de você nas aulas de poção pra falar sobre mim e, quem sabe, conseguir fazer você se aproximar de mim aos poucos para fazer você... - Corou. — Gostar de mim. Mas deu tudo errado, o trem saiu dos trilhos, e aí quando eu caí na realidade você já estava ficando apaixonado pela Soojung, e não por mim. Me desculpe por tudo isto, eu realmente não esperava que isso tudo tomaria essa proporção tão grande.

Um silêncio se fez presente no local, apenas algumas corujas eram ouvidas ali longe. Baekhyun estava tão nervoso que nem tinha coragem de levantar o rosto para encarar Chanyeol.

— Eu já sabia. - Assustado, o Byun levantou o olhar para o maior, que lhe encarava com um sorriso de lado.

— C-Como assim?

— Baekhyun, você acha que eu sou bobinho como você? - Deu uma risada meio alta, fazendo o menor corar violentamente, tanto pela vergonha quanto por ser levemente zoado. — Eu já sabia, desde o início. Quer dizer, Soojung é da minha altura, e não existe uma poção para diminuir de tamanho. Tirei minha conclusão quando fomos a Hogsmeade, e, depois do que aconteceu lá, a Soojung voltou a altura normal dela. E personalidade, claro. Eu meio que já observava vocês dois de longe... - Revirou os olhos ainda sorrindo.

— Então você... Já sabia de tudo mesmo? - Ficou mais calmo ao ver que Chanyeol não estava irritado com aquela situação toda.

— Não exatamente, mas sim. - Em passos lentos, se aproximava do corpo pequeno a sua frente que havia estancado no lugar. — E eu acho que você meio que não precisava fazer tudo isso, sabe?

Pôs as mãos grandes na cintura de Baekhyun, querendo rir ao perceber que ele quase derreteu entre elas.

— Porquê?

Sem demoras, tomou os lábios finos do pequeno para si, assustando-o. Mas não demorou para sentir que estava tentando ser retribuído, talvez aquele tenha sido o primeiro beijo do Byun, e não pôde deixar de sorrir entre o beijo ao pensar o quanto a situação que estavam era um pouco ridícula, mas também estava feliz ao perceber que era o primeiro que tomara aqueles lábios tão doces quanto cereja madura.

Foi um beijo calmo, com sentimentos, de certa forma considerado fofo. Chanyeol sentia seu coração pular de alegria assim como Baekhyun. Mas logo o ar foi preciso, então se afastaram com pequenos selinhos singelos, então o Park abraçou o pequeno, de uma forma meio desajeitada, porém sendo retribuído, enquanto encarava o céu estrelado e, de vez em quando, escorregava seus olhos carinhosos para o ser pequeno agarrado a si.

— Porque eu também já gostava de você. Desde o segundo ano.


Notas Finais


QUE
sim, este é o final. mas talvez não seja definitivo, estou pensando, seriamente, em trazer um extra. até eu quero saber o que vai acontecer daí pra frente.
Só queria dizer que me inspirei pra fazer a Soojung nenezinha. Não minto, eu sou desse jeito mesmo, por mais que não pareça hauhausua.
Bom, é isto. Eu espero que vocês tenham gostado e eh nois que voa bruxão.
em breve nos veremos de novo~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...