História Little Princess - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Tags Baekyeol, Boys Love, Boyxboy, Chanbaek, Chansoo, Kaisoo, Kaisso, Lemon, Yaoi
Exibições 114
Palavras 2.208
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Escolar, Famí­lia, Festa, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi galeran, não me matem
Era pra eu ter feito os capitulos logo para não demorar pra atualizar, como fiz no inicio, postando 3 cap em um dia so, mas esse mês eu estava entupida de simulados, provas, inclusive quinta feira ja tenho mais prova pra fazer, eu ia fazer os outros dois caps na sexta, mas n tenho tempo pra nem pensar nisso
Entretanto, vou demorar mais um pouco para dar as caras :(

Mas, chega de cerimônias, apenas relaxe e aprecie sem moderação.

Capítulo 6 - Ciúmes e bom gosto


Terça-feira, 9h12.

Estou no meio da aula, Kyungsoo, como sempre, está me pressionando para que eu preste atenção na maldita aula sobre Revolução Industrial. Francamente, eu sou muito desatento. Para que ele não continue cagando no meu ouvido, finjo que estou interessado no assunto. Ele, satisfeito, larga do meu pé, mas eu na verdade, estou pensando em qualquer coisa que não esteja relacionada à escola. Pensando todo tipo de baboseira, por exemplo, penso sobre como eu queria ter um super poder que me fizesse ter tudo em um estalar dedos. Imagine que delícia estalar os dedos na hora da prova e tê-la toda respondida corretamente! Ou estalar os dedos e ter seu quarto mais arrumado do que nunca. Ah, seria o paraíso. Quer dizer, descartando o fato de que isso nos tornaria muito sedentários e que a vida seria fácil demais. O que também não é tão ruim, não para um preguiçoso como eu. Mas, a vida sem um pouco de ação não tem graça, essa é a verdade. Talvez em outro universo eu tenha esse tipo de vida cheia de clics.

Minha mente viaja na maionese até que de repente a conversa de domingo espanca meu cérebro como um lembrete. Nossa, eu tinha esquecido! E olha que eu deveria estar todo besta, afinal nunca me chamaram para algo do tipo, e para quem estava ansioso no dia que tudo foi marcado... ah, eu sou tão abestado.

E isso me faz pensar sobre o tipo de roupa que eu deveria usar. Não que eu fosse do tipo super mega aristocrático digno de ser capa da Vogue, mas eu deveria ir arrumadinho, né? Odeio ser todo mulambento, principalmente perto de gente bonita. Convenhamos, o Baekhyun é muito bonito. O que me faz pensar que se eu for todo cagado, a lei da relatividade mais me esmagar. Preciso estar bonito.

Não precisa ser exagerado, tem que ser casual, simples, mas bonito. Devo pedir ajuda. Hm, Bakong não vai querer me ajudar, ela é muito ocupada cuidando da casa, e eu tenho mau gosto para combinar roupa. Tem que ser outra pessoa. Será que...

— Kyung. - me inclino para perto dele, sussurrando

— Não vou te dar cola. - eca, que carrasco

— Não quero cola. Na verdade quero, mas preciso de outra coisa. Poderia ir lá em casa na quinta-feira? Preciso escolher uma roupa.

Ele se vira para me olhar.

— Vai para onde?

— Para um encontro.

Pelo visto ele não gostou muito da resposta, pois quase me esmagou com o olhar agora, e não responde durante um minuto.

— Responde, Kyung.

— E quem é essa doida?

Ixi, lá vem ele com ciúmes.

— Não é uma garota. É um garoto.

Senti o olhar ficar mais reprovador.

— Hm.

Argh, odeio essas merda dele. Kyungsoo simplesmente tem ciúme de uma casca de lápis de outra pessoa que caia na minha frente. Ele já teve diversas crises existenciais por causa disso, como na oitava série, quando cismou que eu estava trocando-o por um menino que sentava na nossa frente. E como brigamos naquela época, não gosto de lembrar.

— Vai me ajudar ou não?- pergunto com um tom mais insistente

— Tá, mas só porque não quero que sofra bullying na rua. - ele não olha diretamente para mim

Eu me visto tão mal assim?

— Você é um amor, Kyungsoo.- sorrio

Pois é, ele é assim. E depois disso ninguém fala mais nada, pois a professora volta a explicar sobre mais-valia.

~ × • × ~

Estamos no último tempo de aula, o professor de biologia colocou Procurando Nemo para assistirmos, não para nos divertir, mas para fazermos uma resenha falando sobre as relações que se encontram no ecossistema do mar. E eu, que amo esse assunto, farei o dever logo hoje, estou meio inspirado.

Kyungsoo é mole, quase chorando quando vê o Marlin e o Nemo brigando, ele diz que os dois parecem eu e meu pai discutindo. Ha, ha, nem de longe meu pai é assim, eu que tenho que protegê-lo, e corrigi-lo, porque ele só faz besteira. Vai ver foi por isso que a mamãe desistiu dele.

Na verdade os dois se cansaram um do outro. Meu pai não suportava o espírito reclamão dela, e ela não suportava a preguiça e a indiferença dele. Foram casados durante 11 anos mas porque eu nasci. Todo dia era briga dentro de casa, eu tinha  que ficar dentro do quarto para não ouvir. E toda vez que eles brigavam eu chorava à beça. Nunca tirei da cabeça que isso é culpa minha, porque se não fosse por mim, minha mãe teria se formado mais cedo e meu pai teria mais dinheiro, e eles não teriam se casado e tido problemas durante anos. Resultado de todos os conflitos, minha mãe se divorciou do papai e foi embora para o Japão com o novo marido, me deixando aqui, tendo que aturar essas novas namoradas ridículas do papai. E pelo o que eu ando vendo, a relação dele com a dinossaura está firme e forte. Deus que me livre isso dar em casamento, não tô afim de levar aliança pra ninguém.

Eu podia ter ido com a mamãe...

— Chanyeol. Você tá chorando? - me assusto com os olhões de Kyungsoo

Merda, acho que pensei em melancolia demais.

— Oi? Não, tô bem. - respondo, secando as lágrimas involuntárias

Não suporto chorar na frente dos outros, nem mesmo dele, que já me viu chorar muitas vezes. Ele sabia sobre a relação familiar lá de casa, e sempre me acolhia, mesmo que eu tivesse vergonha de expor isso. Kyungsoo sempre me conforta.

— Não, se preocupa, o Nemo vai voltar pra casa.

Rio, me distraindo dos pensamentos tristes, e voltando assistir o filme. Não importa o quão eu assista o filme, ele nunca perde a graça.

~ × • × ~

Em casa, estou no sofá, meu pai está preparando o jantar. O cheiro de carne é bom demais, e meu estômago ronca forte. Me levanto assim que ele avisa que está pronto, e me sento na cadeira que fica de frente para ele. Me sirvo com a carne, uma sopa (amo sopa) e mais outras comidas. Mato a fome em silêncio, abocanhando a carne, e meu pai também. Os primeiros minutos são em absoluto silêncio, até que meu pai decide quebrá-lo.

— Vou jantar com a Yoona no sábado. - ele comenta, mastigando um tomate - Se quiser, chame o Kyungsoo para dormir com você.

Vish. Eles estão carne e unha.

— Ele já vem aqui na quinta-feira.

— Para que?

— Ele vai escolher uma roupa pra mim, também vou ter um encontro na sexta.- revelei

Ele faz uma cara de orgulho, sabe, com certeza vai perguntar depois que eu voltar.

— Encontro, é? - ele sorri de canto - E com quem?

— Hã... errr, é uma menina que conheci na festa da Sunhye. - minto

— Qual o nome dela?

— Hã...B-BaekHee.

Mentir para os pais é feio, eu sei, sei muito bem, mas se eu contar para ele que na verdade é um garoto, é capaz de ele estranhar e não deixar eu ir. Não confio que se eu gostasse de alguém do mesmo sexo, ele aceitaria.

Não que eu esteja gostando do Baekhyun.

— Hmmm - ele parece bastante orgulhoso, credo - Se ficar mais sério, me apresenta ela.

Ah tá.

— Ok.

— Ah, e leve o gato para passear, ele anda meio agitado.

E depois do lembrete, ele volta a falar da dinossaura. Sobre como ela é "bonita", engraçada e dedicada. Pensando bem, ela é igualzinha ele, velha e chata, faz piada pré-histórica.

Falando em piada, vou contar um. O que o escorregador disse para o outro? Os ânus passam rápido.

Desculpa.

~ × • × ~

Quinta-feira. Kyungsoo está aqui em casa, remexendo meu armário e reclamando que eu não vario de cor. Meu guarda-roupa é metade azul, metade amarelo.

— Você precisa mudar um pouco, parece metódico. Podia tentar comprar umas camisas de cores menos pasteis, e roupas de inverno, ou por acaso quer congelar no fim do ano?

— Eu ainda não recebi a mesada do mês para comprar roupas novas.

Mentira, recebi sim, mas estou guardando para comprar um jogo que está tendo os dias contados para ser lançado.

— E aí? - corto o assunto - Chegou à uma conclusão?

— Não sei como pode estar tão desesperado por ajuda se vocês vão se encontrar na praça. Metade dos que vão para lá estão usando uniforme das escolas.

— Ele sai da escola mais cedo do que a gente, capaz que vai arrumado.

Kyungsoo de repente desacelera a procura pelas roupas.

— "Ele". Chanyeol, você ainda não me disse quem é ele.

Lá vem ele de novo.

— Ah, é Baekhyun. Ele é filho de uma família que trabalha para os pais da Sunhye.

— E desde quando se conhecem?

— Desde o dia da festa. - minto, se eu falar que foi no fliperama, é capaz de ele ficar ainda mais enciumado

— E já estão de kikiki?

— Ah, Kyung, você sabe que eu nunca sinto vontade de namorar ninguém. Ele vai ser só um amigo, apenas isso. Pra que tanto ciúme?

Suspira.

— Tenho medo de que me troque de novo.

Ah, não.

— Te trocar? Quando que te troquei?

— Acha que eu esqueci você e aquela jararaca que você chamava de amigo na oitava série, Park Chanyeol? - ele levantou o dedo - Aquele maldito ladrão de amigos? Nunca esqueço!

— Jararaca? Kyungsoo, não acredito que está falando disso. Já fazem 2 anos que ele nem está na mesma escola, e você fica desenterrando esse papo. Se for pra ficar nessas discussões idiotas, não precisa nem vir aqui.

Esculachei, estou irritado. Ele com ciúme é irritante à beça, não sei para que tanto vexame. Kyungsoo não responde, apenas se vira, com a cara fechada, e volta a escolher as roupas. Eu suspiro e começo a mexer no celular, o clima está pesado.

Finalmente ele joga uma bermuda jeans preta na cama, junto de uma camisa listrada com mangas longas que é bem fresca por acaso. Ele apenas aponta, o que quer dizer que conseguiu uma roupa para mim.

Droga, não suporto ficar assim, eu tenho que pedir desculpas.

— Tenho que ir para casa. - ele fala, mais rápido do que a minha ação de levantar da cama - A vovó quer que eu ajude ela a fazer uma torta.

Ele se aproxima da cama para pegar a mochila, e eu tento iniciar o assunto das desculpas.

— Kyung, eu...

— Te vejo amanhã.

Como ele já conhece a casa, simplesmente sai do meu quarto e vai até a porta, saindo então. Suspiro, acho que fiz merda.

Isso me desanimou. Agora estou com raiva porque esse encontro foi o motivo dessa discussão. Eu poderia desmarcar tudo com o Baekhyun e ir pedir desculpas. Mas... o Kyung passou um bom tempo me ajudando agora. Seu esforço não pode ser em vão.

Contudo, amanhã vou pedir desculpas à ele.

~ × • × ~

Já é sexta. Para o meu azar, Kyungsoo faltou aula. Claro que foi de propósito, ele deve estar com muita raiva de mim ainda, e eu planejava destruir a tensão hoje. Humpf, idiota.

Me sinto extremamente sozinho quando ele falta aula, simplesmente sinto como se eu fosse a única pessoa dentro de uma selva - visto que os alunos são todos animais. Sua cadeira foi ocupada por outro aluno, não conseguiria proteger de qualquer jeito.

Depois de entregar minha resenha sobre A Bela e a Fera, fico planejando meu discurso de desculpas. Faço até uma lista no caderno, com todos os "eu sou idiota" para incluir. De toda forma, ele tem que entender, eu não vou trocar meu melhor amigo por ninguém. Nunca.

Mais tarde...

Estou terminando de me arrumar, vestindo as roupas que ele escolheu, e, francamente, estou bonito. Kyungsoo tem bom gosto, não é a toa que quando sai na rua as pessoas sempre o notam. Acho ele bonito, mesmo tendo um estilo contido, baseado em cores café, bem, combina com ele.

Depois de calçar os tênis, saio para pegar Meomeo no colo, meu lindo gatinho persa do pelo negro, que tem uma coleira muito irada com o meu endereço no interior. Meu pai está no trabalho, digo para Bakong que voltarei mais tarde e ela apenas faz um gesto com a cabeça.

Com a cara e a coragem, e meu gato no colo, me dirijo à praça.

~ × • × ~

Baekhyun está meio atrasado, estou há minutos sentado num banco, vendo as crianças brincando e os adolescente socializando, e não deixo de notar que algumas pessoas - em sua maioria, meninas - estão observando. Assim que olho para elas, vejo o rosto corar. E claro que isso alimenta o meu ego, minha auto estima sobre descaradamente ao ver que as pessoas me acham bonito.

De repente, rosa. Vejo uma saia rosa cobrindo um par de pernas que se aproximam cada vez mais. Fico alegre, até que noto que a mão dele segura uma guia, meus olhos seguem a guia até que...

Merda!!!

Ele trouxe um cachorro!!!


Notas Finais


Porra Baek tu é todo cagado
gostaram? ihihi
Francamente eu nunca tenho nada pra falar nas notas finais, então apenas vou dar um chu de gilao~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...