História Living Together - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amor, Drama, Lemon, Romance, Sexo, Yaoi
Visualizações 84
Palavras 3.187
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Lemon, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Self Inserction, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


No final do capítulo tem um pequeno hot...
E é relacionado com a cena da imagem e.e

Capítulo 3 - Como Amansar o seu Colega de Quarto


Fanfic / Fanfiction Living Together - Capítulo 3 - Como Amansar o seu Colega de Quarto

O diretor encarava eu e Trevor com uma expressão de raiva. Eu não conhecia o homem, mas a cara dele não estava lá muito boa no momento e eu achava que ele não era um homem muito calmo mesmo sem ser em uma situação como essas então não ia ser eu que ia começar a falar, Trevor é quem começou então ele que fale primeiro. O homem estava claramente esperando um de nós começar a explicar o que fora aquela pancadaria ali no corredor, mas como nem Trevor e muito menos eu abrira a boca, ele foi obrigado a quebrar o silêncio.

- Algum dos dois pretende me explicar o que foi aquela merda ali atrás ou eu simplesmente posso nem me dar ao trabalho de ouvir e expulsar os dois logo de uma vez e mandar a conta pros pais de vocês?

- Olha, esse moleque vem me provocando desde que chegou aqui.

- Eu venho te provocando? Eu cheguei aqui no máximo uma hora atrás e você já me acertou uma bolada no estômago, me deu um empurrão, ou melhor dois e ainda veio tirar onda comigo e sou eu quem vem te provocando?

- Talvez se você não fosse tão abusado, eu não tivesse tido que te dar uma lição.

- Você me dar uma lição? Você pode até ter tentado se amostrar ali atrás, mas claramente quem levou uma surra foi você.

- Olha garoto, eu vou...

- Você por acaso tá ouvindo as merdas que esse doente está falando?

- CHEGA! - O diretor bate na mesa e ambos encaramos ele e nos calamos

- Eu vou chamar alguns alunos que estavam presentes na cena e vou descobrir o que diabos aconteceu lá, já que vocês não parecem querer colaborar comigo. Até lá vocês dois vão ficar na sala ao lado esperando eu voltar, e em cantos separados porque eu juro por Deus que se fizerem mais alguma ceninha eu vou expulsar os dois de uma vez e escrever um artigo inteiro sobre essa merda toda no histórico dos dois e garanto que não vão entrar em nenhuma faculdade pro resto das vidas de vocês. - O homem se levanta claramente irritado e sai da sala, abrindo a porta enraivecido

A secretária aparece na porta e faz sinal para que saíamos da sala, levantamos e acaba que os dois tentam passar pela porta ao mesmo tempo, pra demonstrar a sua babaquice superior, Trevor me dá um empurrão e passa na frente, por mais que eu queira voar em cima dele agora e quebrar todos os dentes daquela cara, eu me contenho, com certeza a secretária ia contar sobre isso pro diretor e ele ia ver que esse garoto tem problemas, sem falar que quando ele fosse falar com os estudantes que estavam lá na hora da porrada, ia haver com certeza gente que ia dizer que ele que começou, mas sempre ia ter aqueles idiotas que diriam que fui eu, mas eu tinha quase certeza de que alguém iria contar a ele sobre o acidente que houvera mais cedo, quando Trevor acertou a bola no meu estômago e quando ele fosse falar com Justin e Jenna, ia saber que fora Trevor quem começara com essa babaquice toda desde o momento em que eu entrei nessa maldita universidade, Justin era amigo dele, mas até ele reconhecera que o amigo era um idiota grosseiro e ele não me parecia do tipo que conta mentiras pra encobrir esse tipo de gente, mas mesmo que ele mentisse, eu tinha certeza de que Jenna falaria a verdade e o diretor procuraria por mais pessoas que estivessem lá naquela hora e eu duvidava muito que todo mundo disesse que ele não me dera a bolada no estômago que me fez cair pra trás em cima de Jenna e quebrar a câmera dela. Não é como se eu estivesse torcendo pra continuar aqui, eu nem queria vir pra esse lugar pra início de conversa e depois desse primeiro dia, com um retardado desses me provocando o tempo todo e com aquele colega de quarto psicótico que me colocaram, eu mal podia esperar pra voltar pra casa, mas por outro lado, eu não queria acabar com as minhas chances de me formar algum dia, também não queria passar por um doido que agride as pessoas no corredor e nem queria ter que ouvir meus pais reclamando no meu ouvido então sim eu estava torcendo pra que Trevor fosse expulso e o diretor me pedisse desculpas por meu primeiro dia ter sido essa porcaria, e com Trevor fora daqui e com as pessoas tendo visto que eu sou bom de briga, eu duvidava muito que alguém mais fosse querer tirar onda comigo, e quanto ao Julian, ele mesmo disse que não iria fazer nada a menos que eu pedisse e por algum motivo eu acreditava nele e eu acreditava que depois que ele visse que eu não estava afim, me deixasse em paz de uma vez por todas, sem falar na Nina, a ruiva que eu encontrara na secretaria hoje cedo...

Mais de uma hora esperando naquele lugar, com Trevor me encarando com aquele olhar psicótico do outro lado da sala e com a secretária olhando pra nós com aquela cara de bunda, de quem estava torcendo pra nós não caírmos na porrada novamente antes do diretor voltar, ele finalmente retorna. Fico imaginando qual seria a reação da mulher se eu e ele brigássemos aqui dentro, acho que ela ficaria apavorada e sem saber o que fazer pra conter dois meninos completamente enraivecidos. O diretor para e olha pra nós dois, ele lança um olhar irritado para Trevor e eu torço pra que ele tenha descoberto o que aconteceu e expulse esse merdinha. Ele abre a porta de sua sala e faz sinal pra que nós dois entremos. Uma vez lá dentro, eu me sento e Trevor também, o diretor faz o mesmo que nós e fica nos encarando de braços cruzados.

- Senhor McKenzie você poderia me dizer o porque de ter acertado uma bolada no seus colegas Victor Simmons e Jenna Stone hoje cedo?

- Aquilo foi um acidente! Eu e o Justin estávamos apenas praticando um pouco e aí eu joguei um pouco forte demais e esse garoto estava lá atrás e acabou pegando nele e aí ele caiu em cima da Jenna, eu não estava tentando machucar ninguém.

- Eu acredito em você, no entanto a senhorita Stone quebrou a câmera dela e você e o senhor Meyers teram que comprar outra pra ela.

- Eu e o Justin já pedimos desculpas pra ela e nós vamos comprar outra.

- Serio? Ela me disse que você não se desculpou e ainda a chamou de fresca.

- Eu só fiquei irritado na hora porque teria que comprar outra e meu pai ia ficar zangado comigo, acabei falando aquilo sem pensar e eu pedi desculpas sim, ela é que não deve ter ouvido.

- Acho que ninguém além de você ouviu! - Resolvo dar essa alfinetada

- Não se mete moleque! - Ele me lança aquele olhar cheio de raiva

- O ponto que eu quero chegar aqui senhor McKenzie é que após o ocorrido o senhor foi rude com o senhor Simmons e com a senhorita Stone, como ela e o senhor Meyers e muitos outros disseram.

- O que? Quem disse isso? Pera, o Justin disse isso também? Bando de traíras... - Ele sussurra essa última parte

- E após esse acontecimento, as pessoas presentes no momento da briga de vocês dois me disseram que você foi quem começou com as provocações ao empurrar o senhor Simmons.

- Foi ele quem começou! Eu não entendo o que está acontecendo aqui! - Ele parece um tanto quanto desesperado

- Não foi o que eu ouvi. As pessoas presentes no local da briga me garantiram que você empurrou o senhor Simmons duas vezes antes de ele fazer alguma coisa e que você poderia ter parado a briga se quisesse.

- Mentiras!!! São todos um bando de mentiros. Ele é que veio todo se achando pra cima de mim.

- Faça-me o favor né, todo mundo sabe que foi você quem começou. - Digo irritado

- CALA A BOCA! - Ele grita e me encara com um olhar lunático

- Você tá ouvindo isso? Esse garoto tem problemas, ele é completamente descontrolado.

- Como os dois não causaram muitos estragos no corredor, seus pais serão poupados de terem que nos pagar por quaisquer coisas danificadas, eu tomei a providência de mandar a minha secretária ligar para os pais de vocês e informar sobre o ocorrido e podem apostar que no histórico de vocês vai constar essa briga, mas não vou detalhá-la. A propósito, senhor McKenzie, vá até seu quarto e faça as suas malas, o seu tempo nessa universidade chegou ao fim. - Yes! Se ferrou bonito otário

- O que? Mas e ele? Vou ser expulso e ele nada?

- Foi você quem começou a briga e ao que me parece, o senhor está um tanto quanto perturbado já faz tempo e hoje eu percebi que está mais ainda do que eu pensava estar, seus pais serão notificados sobre isso.

- Vai pro inferno! - Ele se levanta irritado

- Vão pro inferno todos vocês dessa faculdade de merda! - Ele sai batendo a porta

Esse garoto é doente mano, dá pra ver que ele é completamente perturbado, espero nunca mais ver esse idiota na minha vida. Depois de o diretor me pedir desculpas pelos acontecimentos de meu primeiro dia de aula, eu resolvo voltar até o meu quarto, queria apenas tomar um banho e me deitar agora. Chegando nos dormitórios, eu procuro o meu quarto e abro a porta, ainda bem que eu tinha pegado a chave, porque parece que Julian não está aqui. Tiro os sapatos, as meias, o cinto e a camisa e entro no banheiro, tranco a porta para o caso do meu colega chegar e sair entrando, o que era bem provável, sem falar que se ele me visse nú, eu já não podia ter certeza de que eu não seria estrupado, tiro a calça e vou caminhando até a parte do box, abro a cortina enquanto tiro a cueca virado de costas para o box.

- Mas que bundinha gostosa! Puta que pariu, como eu queria comer esse rabinho agora! - Dou um pulo

- Mas o que? - Visto a cueca na mesma hora que escuto a voz dele e me viro

- Vem tomar banho comigo vem. - Julian está dentro da banheira, completamente nú, de pau duro e se masturbando! Como assim esse filho da puta me ouviu entrando e ficou aí calado?

- Qual é o seu problema? Eu não vou tomar banho contigo cara! - Pego as minhas calças do chão

- Por favorzinho! Prometo que não meto meu mastro em você, só dou umas sarradinhas nessa bundinha linda. - Começo a rir

- Eu já disse que você não vai tocar em mim, procura outro cara pra dar em cima, a universidade tá cheia de caras, tenho certeza de que tem muitos gays por aqui.

- Eu não quero nenhum outro cara, eu quero você!

- Então se contente em sonhar comigo porque não vai conseguir nada além disso. - Ele se levanta e me olha, ele leva a mão até o seu pênis e volta a se tocar me olhando

Eu mereço mesmo, como se ver ele se tocando fosse me fazer mudar de ideia. Mas como ele tem um pau grande... Quantos centímetros tem essa coisa? Percebo que estou encarando e fico vermelho, viro a cara e vou em direção a porta.

- Se gostou, pode colocar na boca. - Ouço ele dando uma risada suave

- O único pau que eu gosto é o meu.

- Deixa eu ver ele então, aposto que é uma delícia. - Ignoro e saio do banheiro, batendo a porta atrás de mim

Fico deitado na cama apenas de cueca esperando aquele idiota sair do banheiro, demora um pouco, mas ele finalmente sai. Vou em direção ao banheiro e ele dá um tapa na minha bunda.

- Não faz isso!

- Por que não? Te deixa duro?

- Não! Mas eu não quero que faça!

- Que mal humorado você hein. - Ele desenrola a toalha da cintura e se joga na cama

Deus daí-me paciência, entro no banheiro e tranco a porta, tiro a cueca e esvazio a banheira, já que ele não fez o favor de esvaziar, entro no box e ligo o chuveiro. Fico um tempo em baixo d'água torcendo para que o dia amanhã não seja uma droga como o de hoje, minha mandíbula estava dolorida, mas aposto que o nariz de Trevor estava mais, depois que o diretor apareceu e separou a gente, ele mandou a gente ir ao banheiro lavar os nossos rostos e mãos ensanguentados e até aquela hora o nariz de Trevor ainda sangrava um pouco, bem feito pra ele, tomara que tenha quebrado. Me ensaboo e lavo os cabelos pensando no que acontecera ainda há pouco, Julian tinha um pênis um tanto quanto grande, qual era o tamanho daquela coisa? Eu é que não ia perguntar, ele ia ficar me assediando e ainda ia dizer que eu estava interessado. Aff o que eu fiz pra merecer isso? Saio do chuveiro e procuro pela toalha, mas não a encontro. Tá de sacanagem? Tinha duas toalhas aqui, eu vi! Ele só pode estar de brincadeira com a minha cara e o pior não é isso... Eu esqueci de pegar roupas limpas. Foda-se, é só voltar lá, pegar a toalha dele, me enrolar nela, pegar as roupas no meu armário e voltar, ele não vai me agarrar... Procuro a minha cueca, eu tinha tirado e jogado perto da porta, mas agora não estava mais lá. Como é possível? A porta tá trancada, ele não tem como ter entrado aqui! A menos que... Ela tinha ficado bem de frente pra porta, ele só pode ter puxado ela por baixo da porta... Tá bem, ele quer tanto assim me ver pelado então que se dane, ele não vai tocar em mim mesmo. Saio do banheiro e vejo ele deitado na minha cama, ainda pelado, de pau duro e com os braços cruzados atrás da cabeça, nenhum sinal das toalhas, mas vejo a minha cueca do lado dele na cama.

- Vem cá pegar vem.

- Olha só, já chega disso, eu não estou interessado em você e eu não quero dar pra você cacete! - Me aproximo da minha cama e puxo a minha cueca

Me viro e vejo as toalhas em cima do armário dele, quando dou o primeiro passo em direção até lá, os braços dele me seguram e me puxam para a cama, ele me imprenssa com o rosto no travesseiro e fica por cima de mim, sinto aquele monstro que ele tem no meio das pernas roçar na minha bunda.

- Me solta! Você disse que não ia tocar em mim! - Tento me soltar, mas ele é mais forte

- Quando eu disse tocar, eu quis dizer que não ia te fuder sem a sua permissão, agora quanto ao resto...

- Julian me solta agora! - Continuo fazendo força pra sair de baixo dele

- E se eu não quiser? - Ele continua sarrando em mim e eu sinto meu membro ficando ereto

- Me larga agora caralho!

- Não quero te largar. - Ele dá um chupão na minha nuca

- P-Paraaa... - Solto um gemidinho

- Assim mesmo que eu não paro... - Ele passa a segurar minhas mãos com uma mão só e fica acariciando e apertando a minha bunda com a outra

- P-Por... favor... - Tento soltar minhas mãos, mas ele é muito forte, quanto mais eu tento, mais ele aperta

- Diz que me quer dentro de você... - Sinto a cabeça do pau dele na minha entrada e estremeço

- Eu não quero! - Ele aperta a minha bunda com mais força

- Não é? - Ele volta a chupar o meu pescoço e dá uma mordida no local

- Ai... E-Eu... P-Por... Fav-favor... - Ele continua roçando o pau na minha entrada e passa a me masturbar com a mão livre

- Aah... N-Nãooo fa-faz issooo! - Acabo gemendo novamente sentindo a mão dele me masturbando e aquela boca dando chupões pelo meu pescoço

Eu tento me soltar mais uma vez, mas não consigo, ele continua sarrando em mim e me punhetando enquanto chupa a minha orelha, lambendo ela e depois descendo a boca de novo pelo meu pescoço.

- Você quer ser a minha putinha, no fundo você quer.

- E-Eu não... não que-quero...

- Ah quer sim, ou não percebeu que empinou a bundinha?

Me dou conta que é verdade e fico vermelho.

- E está tão meladinho... - Ele me masturba mais rápido

Não falo nada, apenas continuo gemendo conforme ele me masturba rápido e enche meu pescoço de chupões e mordidas, essa merda vai ficar toda roxa depois... Sinto o pau dele melando a minha bunda.

- Vo-Você tá... go-gozando?

- Não... Só to meladinho igual você...

Ele passa a sarrar em mim mais rápido e a dar chupões mais fortes no meu pescoço, sem deixar de me masturbar e eu acabo ficando todo mole e gemendo baixo sem tentar esconder que estou gostando.

- Goza pra mim... Quero te fazer gozar gostoso hoje...

Não sei porque, mais ouvir ele falando isso no meu ouvido enquanto toca uma pra mim e fica brincando com a cabeça do pau dele na minha entrada acabou me fazendo gozar na mesma hora e como eu gozei na mão dele...

- Assim que eu gosto. - Ele me vira de frente e me olha nos olhos

Eu viro a cara envergonhado com o que acabou de acontecer e ele segura meu rosto com uma mão, vira ele e volta a me olhar nos olhos, ele pega a mão com a qual estava me punhetando e lambe o meu sêmen que ficou na mão dele e isso acaba fazendo meu membro ficar duro de novo, sinto meu rosto ficar vermelho e tento tirar ele de cima de mim.

- Você não quer que eu saia. Se quisesse estaria empurrando com força como estava antes ao invés de eatar praticamente só me tocando sem fazer quase força alguma. - Fico sem ter o que falar e viro o rosto envergonhado

Ele segura na minha cintura com uma mão e segura nos meus cabelos com a outra, me fazendo olhá-lo nos olhos, ele aproxima o rosto do meu e eu fecho os olhos, sinto nossos lábios se tocarem e a língua dele pedir passagem, sem pensar muito eu concedo e logo estamos nos beijando de um jeito que eu nunca beijei ninguém antes. As mãos dele percorrem todo o meu corpo e a língua dele explora toda a minha boca, eu correspondo ao beijo e já não quero mais que ele me solte e muito menos que pare de me beijar, acabo soltando gemidinhos manhosos durante os beijos e sinto o dedo dele brincando na minha entradinha, nossos membros duros roçando um no outro e de repente ele para, simplesmente para com tudo, o beijo e todo o resto, sai de cima de mim e começa a vestir as roupas, volta pra cama dele e me deixa lá, envergonhado, excitado, querendo mais e sem entender nada.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...