História LL - Unconditionally - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Tags Gosh, Lana Parrilla, Rebecca Mader, Sean Maguire, Seana
Exibições 332
Palavras 2.665
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Mistério, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Opa que dessa vez eu fui rapida, huh? Quero elogios rs.

Bom esse cap é dedicado às meninas do falseanas que não me deixaram em paz nenhum segundo pedindo por essa att, nossa, adoro vocês cobras!

Capítulo 12 - Your song


"Alice, vem cá." hesitante a pequena solta a mão da vó e caminha até ele. Não tinha noção nenhuma do peso das palavras que havia proferido mas tinha a certeza de que deixou sua mãe bem chateada e ela não gostava disso nenhum pouco. "Eu vou conversar com ela ali na varanda, desculpem por isso."

"Claro, Sean." Deena diz  compreensiva "Vai lá."

Eles esperam pai e filha se retirar e a irmã de Lana é a primeira a falar.

"O que foi esse comportamento da Alice?"

"Eu não sei, mas tenho certeza que essa não é a educação que Sean e Lana dão a ela."

"Claro que não, eles a educam muito bem."

"Eu vou lá ver como está Lana, ajeita a mesa pra mim e bota o prato dela." diz e sobe para o quarto em que a filha estava sem esperar qualquer resposta de Deena.

Na varanda, Sean coloca Alice sentada numa cadeira de frente pra ele. Ela estava com um semblante triste, até mesmo arrependido, não gostava de deixar os seus pais bravos mesmo com tão pouca idade ela se importava com isso.

"Que comportamento foi esse, Alice?" ela não responde "Você sabe o que falou pra sua mãe?"

"Não." sua voz sai baixa.

"Então por quê falou?"

"Porque ela não queria deixar eu comer o bolo da vovó."

"Isso é motivo pra você desrespeitar a sua mãe? Não é isso que nós te ensinamos. Você tem que respeitar os mais velhos, nós sempre falamos isso."

"Desculpa, papai. A mamãe tá triste comigo?" pergunta com voz de choro.

"Você deixou ela bem chateada. "Eu te odeio" é como um "eu não gosto de você" só que muito, muito pior."

"Mas eu amo a mamãe."

"Eu sei, filha. Onde você aprendeu isso, ein?" senta ao lado da menina e a puxa para seu colo.

"Foi na escola."

"Escola?" franze a sobrancelha.

"Sim, a menina disse pra mãe dela."

"Você não deve imitar a desobediência dos outros. Se você desrespeitar a sua mãe de novo ou qualquer outra pessoa, papai vai ter que te colocar de castigo. Estamos entendidos?"

"Estamos!"

"Vamos lá pra sala." ele levanta com ela no colo e entra novamente no cômodo. "Cadê Dolores?"

"Está com a Lana." Anthony responde.

"Papai, posso ir falar com a mamãe?"

"Agora não."

"Mas eu quero pedir desculpas, não quero ela triste comigo." faz bico.

"Vamos deixar ela e vovó terminarem de conversar e nós subimos, tá?" a pequena assente e ele então respira fundo pensando em como estava sua morena.


 

–––

 

Quando fechou a porta do quarto, seu rosto já estava cheio de lágrimas. Sua filha sabia o que significava aquelas palavras e o impacto delas? Ouvir isso da pessoa que mais ama no mundo, deixou-a desestruturada. Ela não podia deixar sua filha falar daquela maneira com ela, mas acontece que ela ficou tão surpresa que não soube ao certo como agir na hora.

Respirando fundo, ela caminhou até a mala onde estava as suas coisas com a do Sean e procurou por uma roupa de dormir, não havia mais ânimo para jantar com sua família. Só queria tomar um bom banho e relaxar, amanhã os aproveitava. Assim que separou a roupa e os itens de higiene pessoal, seguiu para o banho. 

 

 

–––

 

 

Assim que desligou o chuveiro, a morena se secou, colocou o roupão e voltou para o quarto, se deparando com sua mãe sentada na cama e outra roupa no lugar do pijama que tinha escolhido para vestir.

"Eu não vou descer, mãe."

"É claro que vai. Eu não fiquei meses esperando pela minha família junta pra você ficar assim." Lana respira fundo e cruza os braços "Sabe quantas vezes você agiu desse jeito comigo quando era da idade dela? Eu disse que você são iguais."

"Eu não quero que ela seja igual a mim, não desse jeito. Você não faz ideia do que eu senti na hora mãe... Eu te odeio? Ela por acaso sabe o que é isso?" 

"Você quer que ela diga isso mais vezes?"

"Claro que não." 

"Então volta pra lá, conversa com ela, o que você acha que ela vai pensar com você cedendo a vontade dela desse jeito? Ela vai achar que isso tá certo pra conseguir o que quiser." Lana olha pro chão pensativa, sua mãe tinha razão. "Vem cá, meu amor, você sabe que ela não te odeia." abre os braços e Lana sem pensar duas vezes anda até ela para se aninhar ali. "Ela te ama, você sabe. Eu tenho um orgulho gigante da mãe que você é pra ela, você nasceu pra isso, Lana."

"Eu não consigo evitar não ficar chateada, ela é o maior amor da minha vida, mãe."

"Eu sei, eu sei." concorda acariciando os cabelos dela.

Alguém bate na porta e Lana pede pra entrar. Quando Sean adentra o quarto, ela estende a mão e ele vai até ela segurá-la.

"Deena está precisando de você na cozinha." diz para Dolores "Pode deixar que eu fico com a minha gata agora."

Dolores beija a testa da filha e se levanta. "Eu espero por vocês dois pro jantar."

"Pode deixar." Sean afirma e Dolores deixa o quarto. 

"Cadê Alice?" Lana pergunta enquanto Sean puxava para o colo dele.

"Está na sala, muito triste querendo falar com você."

"Uhum."

"É sério, ela pediu pra subir mas eu quis vim primeiro, não quero que ela te veja chateada." ela balança a cabeça e a deita no ombro dele "Eu conversei com ela."

"Pelo menos você conseguiu."

"Você ficou surpresa, amor, normal. Ela disse que aprendeu isso na escola, infelizmente algumas situações como essa vão acontecer e nosso trabalho vai ser educá-la para que não se repita."

Lana levanta seu rosto e acaricia com a ponta dos dedos a bochecha dele. "Não sei o que seria de mim e Alice sem você."

"Pra começar, não existiria Alice." eles riem.

"Eu poderia ter mas não com um pai tão maravilhoso como você." ela prende o riso ao ver a feição dele.

"Então você se imagina tendo filhos com outra pessoa?"

"Claro que não, é só uma suposição."

"Nem isso, é só eu e pronto."

"Só você!" selinho "Escova o meu cabelo?"

"Claro." Lana sorri e se levanta para pegar a escova e quando volta senta no meio das pernas de Sean e entrega o objeto a ele.

Delicadamente, Sean começa a desembaraçar os fios negros da esposa enquanto a mesma fecha os olhos se entregando aos cuidados do marido. Um jeito maravilhoso e único de se relaxar!

Sean estava concentrado em pentear o cabelo da mulher mas olha pra porta quando uma sombra chama sua atenção, era Alice. Ele sorri e faz sinal para menina se aproximar, ela obedece e sobe com cuidado na cama. Quando Lana sente um movimento no colchão abre os olhos e se depara com a filha ajoelhada na sua frente.

"Cabelos penteados." deposita um beijo no ombro de Lana e em seguida beija o rosto da filha. "Estarei esperando as mulheres da minha vida lá em baixo."

O loiro deixa as duas a sós e a pequena é a primeira a falar.

"Mamãe, foi tudo mentira minha, eu te amo!" Lana sorri, incapaz de continuar chateada.

"Eu sei, amor, eu também te amo muito!"

"Você não tá triste?" pergunta receosa "Eu não gosto de você triste."

"Mamãe ficou bem chateada, o que você falou foi muito feio, Alice."

"Desculpa! Eu não quero ficar igual a rainha má que a tia Lívia falou." fala assustada e Lana solta uma gargalhada.

"Você não vai ficar igual a ela." puxa a filha pro colo "Só se você for desobediente."

"Eu não vou ser, eu prometo. Eu nem comi o bolo."

"Isso aí! Você tem que jantar primeiro, se você só comer besteira vai ficar doente, você quer ficar doente?" ela faz que não com a cabeça "Então da próxima vez, escuta a mamãe."

"Tá bom. Vovó tá te chamando pra gente jantar."

"Okay, escolhe uma roupa pra mamãe usar." a menina abre um sorriso na hora, Lana sabia que ela amava fazer isso. 

No outro segundo, Alice já estava atravessando a cama para procurar uma roupa na mala.

"Pode ser esse short aqui mesmo." ela pega o short branco que já estava em cima da cama e estende pra mãe "Essa blusa não, eu vou escolher outra."

"Só não faz bagunça na mala." se levanta e retira o roupão.

Ela coloca um conjunto de lingerie na cor vinho e em seguida põe o short jeans branco que a filha escolheu.

"Mamãe, esse sutiã tá lindo! O papai vai gostar." olho pra ela incrédula com as palavras mas ela já não me encarava mais, estava procurando uma blusa.

"Alice!"

"Oi?" diz ainda mexendo na mala.

"Seu pai vai gostar?" ela balança a cabeça positivamente. "O que você sabe sobre isso?"

"Dindinha não vive falando isso quando você tá experimentando roupas?"

"Meu amor, você precisa, pelo amor de Deus, parar de imitar as pessoas." Alice dá de ombros sem ter ideia do que havia de errado naquilo.

"Aqui, essa blusa." 

"Que linda!" ela pega a blusa verde que Alice escolheu e veste. "Vamos?"

"Calma, o arco."

"Ah não Lice, arco não."

"Arco sim, sou eu que tô arrumando." fala brava e Lana não pode evitar sorrir.

"Ok, marrentinha..." ela anda até a mala da fila e abre a parte onde estava os arcos. "Pode escolher."

"Esse aqui." Lana pega o arco cheio de pérolas e põe na cabeça.

"E então?"

"A mamãe mais linda do mundo!" Lana sorri e Alice se aproxima pegando na mão dela. "Mamãe, eu prometo me comportar tá?"

"Assim você vai poder comer o bolo todo sozinha." diz enquanto saíam do quarto.

"Eu te dou um pedacinho." Lana ri "E pro papai também."

"Que tal a gente trazer o bolo pro quarto e comer só nós três?"

"Simmmm!"

Elas terminam de descer as escadas e vão para sala de jantar onde todos estavam esperando por elas. O cheiro da comida estava ótimo, dona Dolores cozinhava muito bem e não havia quem não gostasse das suas maravilhas na cozinha.

"Então você resolveu descer?" Deena pergunta vindo com os talheres.

"E desde quando Lana dispensa uma boa comida?" o cunhado provoca.

"Olha, temos objetos cortantes por perto e crianças no ambiente, acho melhor você não me irritar." eles dão risadas.

"Adorei o arco, maninha!"

"Eu que escolhi, tia." fala orgulhosa.

"Foi, meu amor? Só assim pra deixar sua mãe bonita, né?"

"Mas ela não é feia." faz bico e Lana ri mandando língua pra irmã "Meu pai diz que ela é linda até descabelada quando acorda."

"Seu pai é muito apaixonado pela sua mãe, é por isso."

"Ah, e você não é acha o mesmo da sua mulher?" Sean pergunta para Anthony.

"Eu estou, de verdade, emocionada com o amor de vocês." Dolores comenta chegando com o último prato.

"Você sentiu falta, admite."

"Você quer que eu de alguma forma admita que senti sua falta né, Sean? Eu já disse que eu senti um pouco."

"Só um pouco? Eu senti muita."

"Pode falar mamãe, Sean é o melhor genro que você tem." Lana diz abraçando e beijando o pescoço do marido.

"Lana, não força." Deena se intromete.

"Cala a boca!"

"Certo, vamos parar com essa troca de amores e jantar logo."

"Ainda bem já estou morrendo de fome." Sammy dramatiza fazendo todos na mesa darem risada.

O jantar segue naquele clima descontraído, cheio de risadas, implicâncias e tudo o que sempre acontecia quando eles ser reuniam. Era uma verdadeira bagunça, mas eles amavam estar juntos.
 

–––
 

O próximo dia Lana dormiu a manhã toda, estava muito cansada da semana agitada mas Sean acordou levou o café pra ela na cama e depois saiu com a filha para curtirem o dia juntos, óbvio que queriam Lana no passeio em família mas ela precisava relaxar e então respeitaram isso. Quando voltaram para casa, Lana já estava de pé com a mãe na sala, elas falavam sobre o show que iriam prestigiar mais tarde 

"Então a senhora também vai curtir Elton John com a gente?" pergunta enquanto descia a filha do colo.

"Parece que sim."

"Aonde vocês foram?"

"Andamos por aí, tomamos sorvete, essas coisas..."

"Vovó, bota no desenho."

"Boto, meu amor." a mulher pega o controle e bota em um canal infantil para a neta e volta a se sentar do lado da filha. "Já falei com sua tia, ela vai ficar com Alice e os meninos."

"Isso é ótimo! E nós temos que sair daqui cedo se não quisermos pegar uma fila imensa."

"Eu vou subir, tomar um banho e descansar um pouco."

"Okay, depois eu subo pra gente se arrumar." ele faz que sim e dá um selinho nela.

Dolores e Lana continuam conversando mas quando Lana olha pra filha toma um susto, a cara dela estava toda borrada de batom e ela se maquiava enquanto assistia o desenho.

"Meu Deus, mãe, olha isso." chama Dolores enquanto tentava segurar a risada. 

"Você fazia a mesma coisa quando era pequena."

"Eu preciso gravar isso." Lana pega o celular e em seguida se senta perto da filha, ela põe na câmera e finge que está mexendo no celular pra ela não perceber que estava sendo filmada. "Que make é essa, meu amor?" pergunta quando encerra a gravação. 

"Gostou?"

"Arrasou!"

"Deixa eu fazer uma maquiagem em você?" encantada com a ideia de um momento mãe e filha Lana amarra o cabelo e topa na hora.

"Enquanto vocês se divertem, eu vou preparar um lanche."

"Depois a minha filhota maquiadora vai usar seu talento na vovó." brinca e Dolores cerra os olhos antes de ir pra cozinha.

Logo Alice começa a usar e abusar da maquiagem no rosto da sua mãe. O batom ocupava boca, queixo e bochecha e a sombra ia até a sobrancelha, mas quem disse que Lana se importava? Na verdade ela se divertia com esse momento precioso que tinha com a filha.

 

 

–––

 

 

Já era noite e eles já estavam em seus lugares esperando pelo show começar. O show aconteceria no estádio, Barclays Center, e de onde estavam eles tinham uma visão ótima do palco e poderiam se movimentar o quanto quisessem, não era como a lata de sardinha que se encontrava na pista mais em baixo.

Sean estava abraçando Lana por trás, com o queixo apoiado no ombro dela enquanto a mesma mexia no seu celular.

"Posta uma foto nossa." ele pede e ela sorri abrindo o snap.

Ele vira o rosto para beijá-la na bochecha enquanto ela faz um biquinho e bate a foto, ela escreve: "Show do Elton John com o meu amor" sobre a imagem e posta.

"Agora as fãs piram." Deena brinca.

"Nem fala, a gente não pode curtir algo um do outro que elas enfartam."

"Que loucura!"

A atenção deles é voltada para o palco quando as luzes se acendem e apagam, a introdução de "The Bitch Is back" ecoa pelo estádio e a plateia grita. O cantor entrar no palco com um carisma que é marca registrada e começa seu show. Música vai, música vem e a família dançava e cantava com a maior alegria, Sean e Lana sempre abraçados até que começa a tocar uma música que os dois amavam. "Your song".

"Essa..." Sean diz virando a esposa. "Nós vamos ter que dançar juntos."

Ela morde os lábios e passa os braços ao redor do pescoço dele, Deena que estava com o celular de Lana, começa a gravar vídeos dos dois e postar no snap. A morena apoia a testa no peitoral do loiro e fecha os olhos, o ouvindo cantar em seu ouvido, era uma das coisas mais perfeitas do mundo.

"I hope you don't mind

I hope you don't mind that I put down in words

How wonderful life is while you're in the world"

Sean cantarola a última parte e quando a música acaba beija demoradamente o rosto dela. "Eu te amo, linda!"

"Eu também te amo!" o aperta em seus braços "Independente de qualquer coisa."

 


Notas Finais


Tudo resolvido? Posso dormir? haha

Se quiserem ver o vídeo da Alice se maquiando, postei no instagram: @legendaryseana

Próximo cap tem um casalzinho aí na academia. ❤

Sigam o tt das fics: @eliteparrilla
xx, rhay!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...