História Lobos e caçadores - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Teen Wolf
Personagens Allison Argent, Chris Argent, Cora Hale, Derek Hale, Isaac Lahey, Jackson Whittemore, Liam Dunbar, Lydia Martin, Malia Tate, Scott McCall, Talia Hale, Theo Raeken
Tags Derek, Sterek, Stiles, Teen Wolf
Visualizações 132
Palavras 3.585
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Fantasia, Ficção, Lemon, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olaaaa
Mil perdoes pela demora, espero q me perdoem. Mas boa leitura

Capítulo 3 - Orfãos


Fanfic / Fanfiction Lobos e caçadores - Capítulo 3 - Orfãos

Dor e sofrimento eram as únicas coisas das quais invadiam a mente e alma de Scott. Ver sua mãe e saber que a mesma estava morta era a pior dor que o garoto poderia sentir naquele momento.

Derek abraçava o pequeno e tentava tranquilizar o mesmo, não sabia bem como fazer aquilo mas tentava a todo custo acalmar Scott. Estava com o coração na garganta, só sabia que continuar na casa só iria piorar, sendo assim o mais velho se levantou do sofá e saiu de casa andando pelas ruas do bairro com um garotinho chorando em seu colo.

Demorou pouco, apenas alguns minutos a pé, um caminho curto da casa de Scott até a delegacia da cidade. O caminho todo foi feito de lágrimas e soluços de Scott que continuava arrasado com toda a situação e Derek apenas tentava acalmar o pequeno garotinho, nunca havia visto alguém nessa situação, única pessoa da qual vira em uma situação parecida foi Cora mas mesmo assim não conseguiu ajudar a irmã caçula, não sabia o que fazer apenas queria que Scott não chorasse.

Assim que chegaram na delegacia Derek foi até recepção e pediu ajuda, uma senhora que usava roupa de policial se aproximou e perguntou o que havia acontecido e com um expressão de preocupação e tristeza Derek contou quem era o garotinho em seu colo e também contou sobre a mãe do mesmo. A policial avisou outro policial e em seguida um homem loiro, alto e forte se aproximou com um sorriso elegante e calmo, foi até Scott e comprimentou o garotinho que chorava e também comprimentou Derek que por sinal sentiu um desconforto com a cena pois queria proteger o menor, o loiro voltou sua atenção para Scott e perguntou em tom calmo:

- Hey garotão, qual seu nome?

- Scott - disse parando de chorar mas ainda triste.

- Sou Parrish - disse revelando seu nome enquanto pegava o menor no colo - Não precisa chorar okay? Vamos cuidar bem de você.

- Ei, aonda vão levar ele? - perguntou Derek se aproximando com uma expressão de bravo e carrancudo.

- Calma, só vamos ver se não está ferido e também ver tudo que vamos fazer em questão a ele - explicou calmo - o cherife não está então temos que ter paciência, mas não se preocupe não vamos fazer mal a ele

Derek bufou enquanto Parrish caminhava pelos corredores da delegacia levando Scott em seu colo, o policial era jovem, devia ter 17 anos, mas tinha um ar mais maduro que o normal. Derek apenas ouviu uma policial dizendo para ele passar o número do seus pais e foi o que o moreno fez, mesmo impaciente e nervoso com tudo ele se manteve calmo e passou toda informação possível, não demorou muito para ligarem em sua casa e avisar sobre Derek, sua mãe também não demorou muito para chegar na delegacia juntamente de Cora.

Talia foi até onde estava Derek e como previsto perguntou o que havia acontecido, Derek explicou toda a situação e logo em seguida a mesma policial que falou com o moreno veio até eles e começou a conversar com a mãe do mais velho, levando a mulher para uma sala deixando Derek e Cora que conversavam sobre o ocorrido:

- Mas tentou tirar dor ou ja...

- Ja estava.. não pude fazer nada..

- Droga - exclamou Cora preocupada - O que vai acontecer com ele?

- Vão tentar resolver o caso e Scott vai para um abrigo até encontrar algum parente que possa ficar com ele - interrompeu Talia se aproximando dos filhos - Pelo visto a tal mulher está desaparecida ainda

- Não podemos deixar Scott sozinho, e se essa mulher foi capaz de fazer aquilo... não acha que pode machucar Scott?! - disse Cora se levantando encarando a mãe

- Mas não podemos fazer nada, não posso interferir na família deles

- Podemos adotar ele não é? - disse Derek nervoso com a situação e alegre com sua própria ideia - Se ninguém da família o querer podemos fazer isso

Talia ponderou sobre o assunto e passados alguns segundos de pensamentos profundos a mais velha encarou o filho e disse que era uma boa ideia, porém só se nenhum parente o quisesse e recusasse ficar com o garotinho, Cora suspirou Aliviada e Derek sorriu feliz.

O cherife logo chegou e foi tomando ordem da investigação. Talia informou ao homem sobre suas intenções em relação a Scott e como sempre o cherife sabia que a mulher era uma boa pessoa e disse que faria o possível.

Passaram-se algumas semanas e todo o caso havia sido resolvido, com um pouco de dificuldade mas conseguiram encontra Jenifer do qual o nome verdadeiro era Julia, a mulher confessou que planejava levar Stiles e Scott para serem sacrificados em uma espécie de ritual mágico e dada a confissão a mesma foi sentenciada a prisão, porém a mesma foi morta dentro da cadeia durante uma visita, não se sabe muito quem era ja que todo e qualquer registro do dia havia sido apagado, e Julia havia morrido dentro da sala de visita junto de dois guardas, ambos com arranhões profundos na pele espalhados pelo corpo, Julia morreu por hemorragia e por perda de sangue, nenhuma câmera funcionou minutos antes da visita agendada, deixando a delegacia sem ideias de como resolver o caso e decidiram arquivar.

Nenhum familiar quis ficar com a guarda do pequeno Scott, todos os parentes moravam longe e a única pessoa que aceitaria ter a guarda do menor era sua avó, mas a mesma estava mal de saúde e não teria condições de cuidar da criança. Seu pai quando informado disse que não queria a guarda do mesmo por ter seu emprego extremamente perigoso e que a vida de uma criança seria mal cuidada e muito estressante. Sendo assim, Scott foi para no processo de adoção, o orfanato no qual ficou não era muito bom, cheio de diversas crianças, algumas até mesmo malvadas e velhas, o número de grupo de valentões eram bem grandes, e os cuidadores do local pouco se importavam para como as crianças estavam.

****

Stiles assim que soube da morte de sua mãe ficou arrasado, seu mundo veio ao chão e sua alma pode descer até o abismo da solidão e da tristeza agonizante que o fazia desejar nunca mais poder respirar e dar fim aquilo tudo. Perder a pessoa da qual sempre te amou e fez de tudo por você era o fim do mundo, a única coisa que Stiles fazia naquele momento era chorar, gritar e chorar forte com toda força que tinha enquanto a tristeza fincava uma dura estaca de metal gelado em seu coração.

Chris não sabia como alcalmar Stiles assim como o cherife da cidade também não, ver o pequeno garoto gritando e chorando no sofá da sala não era uma cena agradável para ninguém presente. Allison que gostava de brincar com tudo e com Stiles, entendia a dor do pequeno e não queria deixar o castanho mais triste, ja Isaac era o único que aparentemente Stiles havia deixado se aproximar ja que os demais o garoto queria manter afastado.

Isaac nesse momento estava abraçando Stiles tentando de alguma forma confortar o castanho que ainda se mantinha chorando e soluçando forte, com um abraço forte Isaac tentava segurar a dor que o castanho sentia e tentava retirar essa dor, queria poder fazer como fazia com os passarinhos que encontrava machucado na rua, retirando a dor e os curando mas por algum motivo não conseguia retirar a dor que o castanho sentia naquele momento, talvez por não ser física mas sim psicológica, e isso deixava Isaac triste. O loiro respirou fundo sentindo as emoções que exalavam do garoto e aproximou seus lábios do ouvido do mesmo e disse em tom calmo:

- Stiles... vai ficar tudo bem... prometo que vai tudo ficar bem.

- Como pode dizer isso?... minha ma...

- Ela está em um lugar melhor - diz acariciando as costas do castanho - Ela deve está sem dor e segura...

- Eu amava tanto ela..

- Eu sei.. ela também amava muito você... vai ficar tudo bem agora...

Stiles apenas concordou com a cabeça e permaneceu em silêncio ainda soluçando e com seu corpo abraçado ao do loiro, Chris assim que percebeu que o castanho havia melhorado se aproximou e deixou que o cherife o levasse, seria um momento ruim mas o castanho por mais triste que estivesse se comportava de modo maduro de mais para sua idade. E assim que Stiles parou de chorar, o cherife pegou o garoto e o levou até o carro de Chris Argent, e logo em seguida ligou o carro e dirigiu rumo a delegacia.

O caminho foi feito em silêncio e tranquulidade, Stiles estava no banco de trás olhando para a janela, toda sua atenção estava voltada para as árvores que iam passando uma a uma pela estrada e enquanto observava sentia falta do abraço confortante que a mãe tinha, desejava sentir a mesma acariciando seus cabelos e beijando suas bochechas como fazia alguns anos atrás antes de mudar drasticamente e começar a afetar além de sua vida a vida das pessoas ao seu redor. O tempo passava devagar dentro daquele carro e isso fazia com que John e Chris ficassem impacientes, mas por sorte, não demorou muito para chegarem, John desceu do carro e ao ver Parrish na frente da delegacia andando de um lado para o outro sabia que alguma coisa muito seria acontecia, olhou para o Argent e pediu para que levasse Stiles até a sua sala e sem questionar Chris concordou.

Enquanto entravam na delegacia, Chris parou por um momento procurando por orientação, Stiles se localizava em seu colo observando qualquer coisa, mas toda a atenção do pequeno foi direcionada para um jovem moreno, vestia uma camisa e uma samba canção que fazia Stiles querer rir, tinha um ar sério e lindos olhos verdes, seu cabelo um pouco bagunçado mostrava que poderia ter acordado a pouco tempo. Não sabia muito bem o por quê, mas Stiles queria poder ficar próximo do garoto e queria a todo custo, sentir o abraço do moreno e poder ficar com ele ao seu lado, porém sua felicidade acabou assim que Chris começou andar por um corredor e entrar em uma sala e esperar pelo cherife que conversava com a família Hale, da qual o Argent sabia bem dos problemas que haviam mas que agora já tinha resolvidos, tanto ele quanto Talia haviam feito um trato de nunca de machucarem, trato que era seguido até os dias atuais.

O cherife revil alguns papeis em sua mesa e explicou a Chris a situação de Stiles, infelizmente não haveria como o Argent ficar com Stiles de imediato e teria que passar por alguns processos para saber se seria possível Chris adotar mais uma criança e mesmo com raiva e decepção o caçador concordou e deixou Stiles nas mãos de John que acabou por levar Stiles até uma moça que cuidava dos casos de orfanato.

Viver em um orfanato como aquele realmente não era a melhor coisa do mundo, principalmente quando se tem muitos valentões em um mesmo local que sempre fazem maldade. Stiles passou a passar frio e fome, sempre calado e quieto, o pequeno sofria dentro daquele prédio que mais parecia uma prisão. Sentia falta das piadinhas e provocações de Allison, sentia falta das deliciosas panquecas que Chris havia preparado para ele, e também dos forte e caloroso abraço de Isaac, sentia tanta falta que faria de tudo para ter aquilo de novo.

Passou-se algum tempo e Stiles acabou encontrando alguém que lhe chamava atenção, era um garoto moreno um pouco mais alto e de olhos castanho escuro, tinha por algum motivo o queixo um pouco torto que o deixava com um certo charme. Stiles era tímido mas percebia que o garoto também era e que parecia se sentir sozinho assim como ele, e visto isso Stiles criou coragem e decidiu que no dia seguinte iria falar com o tal garoto.

No refeitório, o castanho havia acabado de pegar sua bandeja contendo um prato, talher e comida que serviram, não era algo de aparência boa e seu gosto não era o dos melhores, mas se Stiles não comesse tinha certeza que iria acabar desmaiando, e realmente não queria passar por um momento como esse, ele olhou em volta e se aproximou da mesa na qual se encontrava o moreno que o chamava atenção, Stiles se aproximou da mesa com coragem e determinação e disse em tom tímido:

- O...oi! Meu nome é... Stiles...

- Ah oi, sou Scott - respondeu o moreno com um sorriso simpático - Quer se sentar?

- Sim

Stiles respondeu com um sorriso fofo em seu rosto e logo se sentando ao lado de Scott onde ambos conversavam sobre a comida dizendo como ela parecia um cérebro vomitado por um zumbi. No mesmo instante, Stiles imaginou uma horda de zumbis trabalhando dentro da cantina do orfanato, cada um com suas roupas velhas e rasgadas preparando o lanche das crianças que nada mais era que outras crianças mastigadas por eles.

Scott terminou de comer e ficou observando o prato, no momento se questionando se Derek iria voltar junto de sua mãe para resgata-lo daquele inferno. Virou seu rosto para o lado e ficou admirando o rosto do castanho, sua pele repleta de pintinhas que formavam uma bela paisagem, a maneira como mastigava deixa Scott encantado, estava com medo de continuar a conversa e ser respondido de maneira errada ou ignorado, suspirou e contou até 10 e com coragem perguntou:

- Por que está aqui?

- Eu... - Stiles se lembrará da mãe, dos momentos que tiveram juntos, sentindo a falta da mesma e logo em seguida brotaram lágrimas nos cantos dos olhos - eu...

Em seguida o castanho veio se desmanchar ali mesmo na mesa, lágrimas e mais lágrimas iam surgindo, algumas caindo em seu colo enquanto que outras conseguiam se segurar na pele do garoto e ir até queixo do mesmo e em seguida caindo. Scott ficou surpreso e preocupado ao mesmo tempo, perguntou o que estava acontecendo e em meio a soluços e lágrimas o castanho conseguiu dizer a palavra mãe e no mesmo instante Scott soube do que se tratava. Iria abraçar o garoto mas quando ia fazer isso foi surpreendido por um garoto mais alto e que aparentava ter 9 anos, loiro e de pele branca clara. O mais velho encarou Stiles chorando e fez uma cara de riso e logo disse sorrindo:

- Aah temos um bebezinho aqui, qual é moleque, parece um viadinho chorando assim - disse puxando Stiles pelo cabelo - E adivinha, eu detesto viadinhos como você

Scott iria revidar quando sentiu outro garoto o segurando por trás e imobilizando o moreno, o garoto era mais velho que Scott e parecia ter um sorriso perverso no rosto, encarou o loiro que segurava firme a cabeça de Stiles que ainda chorava agora imóvel e com medo. Os dois valentões pareciam se aproveitar do momento e queriam desfrutar daquilo a cada segundo, o que segurava Scott quebrou o silêncio:

- Acho que esse aqui é o namoradinho dele, Theo o que faremos com eles? - disse revelando o nome do loiro.

- Creio que se apanharem da maneira correta eles parem de ser dois viadinhos de merda - riu perverso e encarou o parceiro - consegue cuidar dele Peter?

- Com toda certeza, não é baixinho?

Theo sorriu e então com força bateu a cabeça de Stiles forte na mesa enquanto Peter fazia o mesmo. Scott sentiu sua cabeça bater com força o machucando muito, sua visão deixava agora tudo um pouco distorcido, porém logo recuperou a visão e pode ver que Peter pressionava a sua cabeça na mesa, e em sua frente a cena o fazia sentir uma dor profunda, Stiles levava alguns socos no rosto e implorava por socorro. As pessoas ao redor mal se importavam, sabiam que se fossem contra Theo iriam se dar mal, sendo assim ninguém tinha coragem de enfrentar Theo e muito menos Peter que era mais alto e mais velho.

Passados dois segundos vendo aquela cena uma força interior tomou conta de Scott, algo que o mesmo não havia sentindo antes. Com rapidez conseguiu se soltar e dar um soco em Peter que caiu de costas no chão, e com furia e raiva partiu para cima do mais velho o socando várias e várias vezes no rosto deixando Peter sem reação e sem tempo de reagir. Visto isso, Theo largou Stiles que se encolheu e ficou embaixo da mesa tendo um ataque de pânico. O loiro pegou Scott pelo pescoço e o jogou no chão, logo em seguida encarando e fazendo uma expressão de zangado. Scott tentou se soltar mas quando tentou fazer isso sentiu algo perfurando seu pescoço e ao segurar a mão de Theo sentiu unhas grandes, muito grandes e afiadas. O moreno encarou Theo e os olhos do loiro brilhavam em tom azul escuro e por um momento Scott podia jurar ter escutado um rosnado.

Theo iria desferir um soco no rosto de Scott mas foi impedido pelo parceiro que segurava firme seu pulso. Em seguida Peter retirou o garoto dali o levando no meio da multidão de crianças ali, enquanto alguns seguranças diziam para todas as crianças voltarem as mesas e que o "show" havia acabado, deixando Scott com cada vez mais raiva daquele lugar.

O moreno foi até embaixo da mesa encontrando o amigo encolhido e com a respiração acelerada. Com o coração na mão e desperado, Scott abraçou Stiles tendando o acalmar e funcionou durante um tempo até que Stiles ficou totalmente relaxado.

O castanho encarou Scott que fazia várias perguntas e verificava se ele estava bem, enquanto que Stiles sentia os delicados dedos de Scott tocando sua face, a paz que aquilo lhe trazia era muito boa, e Stiles não pode deixar de notar a tristeza evidente no olhar do amigo. Scott queria ter se soltado antes de Theo ter acertado os socos no rosto do amigo que agora estava com marcas roxedas, se sentia um merda por não proteger o primeiro amigo. Ja Stiles matinha uma expressão de tristeza por ter sido fraco ao lembrar da mãe e ter metido Scott na confusão, o assunto ainda era triste e difícil de ser tratado. Ambos suspiraram juntos e Stiles pode ver as marcas de arranhões no pescoço do colega, e no mesmo instante agradeceu por Theo não ter o machucado com cortes no pescoço.

Ambos saíram debaixo da mesa e feito isso uma mulher de terno vinha na direção dos mesmo e com um sorriso amigável disse que precisava levar ambos. No instante Scorr imaginou que talvez fosse por conta da briga, mas assim que foram para salas diferentes soube que não era aquilo. Na sala de Stiles estava Chris e Isaac, e no instante que Stiles adentrou o lugar o loiro de cachinhos correu e abraçou forte o castanho, sentindo novamente aquele cheiro que o agradava e fazia sentir em paz, logo em seguida Chris fez o mesmo e percebeu as marcas no rosto do pequeno e perguntou do que se tratava e magoado Stiles respondeu:

- Um garoto me agrediu por achar que eu fosse um viadinho, eu nem sei o que é isso...

- Como vocês não fizeram nada? - perguntou o Argent irritado

- Talvez não tenhamos visto no momento, peço mil perdões pelo inconveniente... mas agora está tudo certo, é só o senhor assinar esses papéis e caso queira mudar o nome dele é só me dizer

- Certo - disse Chris indo até a mesa e começando a assinar os papéis para poder adotar Stiles.

- Quem foi o idiota que fez isso com meu irmãozinho? - disse Isaac fazendo cara de bravo mas ficando fofo

- Não precisa se preocupar Isaac.. to bem agora...

Stiles saiu dali no colo de Chris que deixou o pequeno dormir a viagem toda dormindo, Isaac sentado ao lado com a cabeça do castanho em seu colo e durante o caminho acabou dormindo também, fazendo Chris olhar o retrovisor e ver a cena fofa e adorável, fazendo o mais velho sorrir sempre que olhava para trás.

Ja Scott foi surpreendido com Derek sorrindo e o abraçando assim que entrou na sala, e com alegria retribuiu, Talia sorriu com a cena e esperou Derek terminar o abraço e fez o mesmo com o pequeno. Derek logo constatou um ferimento e mostrou a mãe preocupado e com uma expressão séria Derek perguntou:

- Acha que pode ser?..

- Provável... ainda bem que viemos cedo

- Do que estão falando? - quis saber curioso, Scott encarava ambos preocupado

- Nada de mais querido - respondeu Talia

A mesma mulher entrou na sala e com rapidez disse o preocesso que deveriam seguir, Talia apenas obedeceu e saiu daquele orfanato com a guarda de Scott em sua bolsa, abriu o carro nos estacionamento e deixou Scott no banco de trás que parecia cochilar. Talia se dirigia concentrada, enquanto que ao seu lado Derek olhava o banco de trás e via as marcas de garras, se perguntando se era algum lobo ou outro ser mais perigoso,mas relaxou um pouco por saber que agora podia proteger o pequeno, Scott encarava deitado o céu nublado enquanto a garoa caia, e antes de cair no sono prometeu a si mesmo que tentaria rever Stiles de alguma forma.


Notas Finais


Por favor desculpa pela demora, dcp pelos erros e pfv, eu espero q possam me desculpas mas eq fico bem ocupado e tbm mal tenho internet e nem alguém pra postar para mim.
Espero q tenham gostado do capítulo e espero q não tenha muitos erros, e vou tentar postar com frequência.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...