História Look At Me (Laurinah). - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais
Tags Dinah, Dinah Jane, Lauren, Lauren Jauregui, Laurinah
Exibições 191
Palavras 1.596
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Romance e Novela, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi, meus bolinhos. Boa tarde! Primeiramente, queria agradecer por todos os comentários e favs que a fic está recebendo. Eu fico realmente feliz de saber que vocês estão gostando! Assim me animo cada vez mais a escrever. <3 E pra quem sentiu falta do nosso bolinho de amor vulgo Ally Brooke, bastante Alren nesse capítulo. <3 Façam boa leitura.

Obs.: Hoje a imagem do capítulo vai ser Alren bebês sim.

Capítulo 13 - 13: Whisper


Fanfic / Fanfiction Look At Me (Laurinah). - Capítulo 13 - 13: Whisper

Whisper - Perrin Lamb

"Silence lingers here heavy in the air, lay your broken words upon my ear. Your heart is open wide, I'm on your side. Let these stone walls crumble to the ground, I'm waiting on your whisper now. Love lies in between beauty and the pain, waiting there for you to breathe my name."

Soltei um gemido quando senti uma forte claridade contra o meu rosto. Minha cabeça girava, meu estômago se revirava e tudo o que eu queria era sumir, ou sair de meu corpo até que todas aquelas horríveis sensações me deixassem. Quando ouvi a voz de Ally, era como se ela estivesse com um auto-falante grudado direto em meus ouvidos gritando como um militar. 

- Lauren, acorda! É nosso último dia no Japão, temos que aproveitar! - A baixinha já havia se livrado de seus sapatos e pulado sobre minha cama, claro, depois de abrir minhas cortinas e me entregar de bandeja para aquela maldita ressaca. Eu mal conseguia me lembrar da noite anterior.

- Como você conseguiu entrar aqui? - Perguntei, pegando o travesseiro que estava ao meu lado e cobrindo meu rosto para abafar toda aquela luz e som. Mas Ally logo o puxou para longe, me fazendo contorcer todo meu rosto em reprovação. 

- Tenho meus contatos! - Ela soltou uma daquelas suas risadas escandalosas que eu tanto amava, mas naquele momento, sinceramente eu só queria que fosse um pesadelo e que ela sumisse num piscar de olhos. Mas não era. Ela estava bem ali, nesse momento, cutucando-me as costelas e me fazendo revirar na cama. 

- Eu não quero sair, eu quero ficar aqui e dormir para sempre. - Eu mal conseguia manter meus olhos abertos, mas pude ver claramente quando Ally revirou os seus. 

- Olha, eu deixei Will falando sozinho no telefone só para vir te buscar, você não vai dormir para sempre. Ninguém mandou perder o ensaio e encher a cara no bar do hotel! - Oh, shit... Quando Ally disse aquilo, rapidamente minha mente fora invadida por flashs da noite anterior. Eu havia perdido o ensaio. Enchido a cara no bar do hotel. Conhecido Emily. Beijado Emily. Encontrado Dinah. Dinah. OH SHIT. DINAH! Levantei-me num pulo, fazendo Ally arregalar os olhos.

- O que foi? - Ela perguntou, sua voz saindo com um tom mais divertido dessa vez. Ela parecia bastante animada, e eu só queria morrer.

Eu tentei beijar Dinah. Eu disse a Dinah que ela estava com ciúme de mim e Emily. Dinah queria me matar. 

Ignorei a presença de Ally e corri para o banheiro, de repente sentindo tudo o que eu havia comido no dia anterior querer saltar por minha garganta. Coloquei tudo para fora, como se pudesse me livrar também das besteiras que havia feito. Minhas mãos estavam trêmulas e meus olhos lacrimejavam, logo a baixinha estava atrás de mim, segurando meus cabelos e dizendo que iria me ajudar. Agradeci mentalmente por Ally ter invadido meu quarto naquela manhã.

Depois daquele incidente, tomei um banho frio e Ally me conseguiu alguns analgésicos, mas diferente do que eu pensei, ela não me deixou ficar em repouso em meu quarto, ela fez com que eu me vestisse e saísse com ela dali. 

- Então, você e Will, parece sério. - Eu disse, quando estávamos sentadas em uma mesa na área externa de um café muito aconchegante que havíamos encontrado. Ela sorriu, daquele jeitinho adorável que só Ally Brooke conseguia e suas bochechas foram ganhando um tom mais avermelhado.

- Aconteceu muito de repente, eu nem sei como eu não me apaixonei por ele antes, Will é incrível, tão inteligente, tão bem-humorado. - Ela deu de ombros, passando uma mecha do cabelo louro para trás de sua orelha. O que me fazia pensar em outro cabelo louro de uma certa pessoa.

- Eu acho que isso pode acontecer... Você sabe, conhecer uma pessoa por muito tempo e só então descobrir o quanto vocês podem ser compatíveis. - Ally me olhou de uma forma curiosa.

- É o que penso sobre você e Lucy, sabia? Eu já vi o jeito que se olham. - Quase cuspi o café que eu havia acabado de colocar em minha boca quando ela me disse aquilo.

- O quê? Não! Lucy e eu somos muito amigas. - Ally riu, beliscando alguns biscoitos amanteigados cobertos por calda de chocolate. 

- E daí? Will e eu também éramos. - Umedeci meus lábios com a ponta de minha língua e desviei meu olhar ao longe por um tempo. A rua onde estávamos não era muito movimentada, a sacada daquele café era um pouco alta, mas eu conseguia ver nosso segurança parado ao lado da porta do carro escuro logo ali embaixo. Soltei um suspiro longo demais, chamando a atenção de Ally. - Você me parecia estar falando de alguém quando disse aquilo, desculpe.

- E eu estava. - Respondi sem encará-la nos olhos. Eu sabia que Ally seria capaz de tirar qualquer coisa de mim se eu a olhasse. - Mas não de Lucy. É uma outra pessoa que anda mexendo com meus instintos... - Ela fez menção de me interromper, mas vendo que eu continuaria, se entreteve com mais biscoitos e um pouco de seu café. 

- Primeiro, eu achei que isso fosse uma grande loucura, sabe? Como eu poderia me apaixonar por ela... - Suspirei, desviando meus olhos para o centro da pequena mesa, onde havia um vaso com algumas flores coloridas. - Mas isso foi se tornando mais forte, eu fui notando nela, coisas que eu nem pensei que existiam em alguém... Como se fôssemos um quebra-cabeças, e ela tivesse as peças que faltam para me completar, sabe? - Ally riu, apoiando o cotovelo sobre as mãos, estava entretida com aquilo.

- Nunca imaginei te ver dizendo coisas tão cafonas sobre o amor... - Não resisti a uma risada para acompanhá-la. 

- Eu sei, é muito idiota. - Dei de ombros, pegando minha xícara e tomando mais um gole da bebida escura e amarga. 

- Não é idiota, Lo. É lindo. Mas é que eu não esperava isso vindo de você... Você tem que saber que essa pessoa, a dona das peças que completam seu quebra-cabeças, ela é muito sortuda. - Ela trouxe sua mão até a minha e me acariciou, fazendo-me sorrir. Ally sabia exatamente o que dizer para me deixar melhor. 

Mas ainda me faltava coragem. E certeza do que deveria fazer. A noite anterior havia sido completamente confusa, e só colaborou para que eu enlouquecesse de uma vez. Eu tinha certeza que as reações de Dinah não foram naturais para uma amiga. Ally, Normani e até mesmo Camila, jamais teriam reagido daquela forma. Ninguém me puxaria pelo braço e me afastaria de Emily. Eu tinha quase certeza de aquilo fora uma cena de ciúme. E se ela sentia ciúme, era porque se importava, era porque também tinha alguma coisa a mais por mim. Mas eu ainda não tinha total certeza. Podia ser coisa da minha cabeça, podia ser fantasia de pessoa apaixonada que fica desesperadamente procurando por sinais. 

Mas em algum momento, eu teria que arriscar, não teria?

- Ally? - A baixinha me olhou. - Se um dia acontecer alguma coisa entre nós, da banda, você acha que poderia nos prejudicar?

- Como assim? 

- Eu não sei, se por exemplo, Camila e eu tivéssemos um relacionamento, ou brigássemos, ficaria um clima ruim. Você acha que isso poderia interferir em nossa carreira? - Ally abandonou o que comia e focou totalmente sua atenção em mim.

- A Camila é essa pessoa? Ai meu Deus, eu não acredito que camren é mesmo real. - Ela levou as mãos até a boca para conter um grito, e eu revirei meus olhos.

- Camren não é real, deixe de besteira. É só uma hipótese. 

- Eu acho que isso é algo que deve ser resolvido entre duas pessoas, Lauren. Todas nós temos maturidade o suficiente para separar as coisas. A banda, é a banda. O que fazemos fora dos palcos não diz respeito a mais ninguém. - Suas palavras foram-me enchendo de esperanças, mesmo que Ally não tivesse ideia do que estava fazendo. 

A banda, era a banda. Todas tínhamos maturidade. Todas sabíamos que nossa vida pessoal não iria interferir em nada. Mas Dinah brigou comigo por causa de Emily. Dinah ficou brava. Muito brava. Dinah estava com ciúme. Dinah sentia alguma coisa por mim, sim!

E naquele exato momento, eu decidi que faria as coisas de forma diferente desta vez. Eu não iria tentar me aproximar como uma amiga, eu não iria tentar fazer nenhuma cena. Eu chamaria Dinah para conversar e eu contaria a ela exatamente como eu me sinto. Aquilo teria que acabar, mesmo que eu estivesse enganada, mesmo que Dinah me rejeitasse, eu não iria mais sofrer com aquela dúvida.

Eu e Ally não demoramos muito tempo ali. Eu estava muito ansiosa para voltar para o hotel, e quando o fizemos, fomos direto para o restaurante, já que Camila havia nos enviado uma mensagem, dizendo que todos estariam lá. 

Assim que colocamos os pés no local, eu travei completamente. Senti meu coração querer saltar para fora de meu peito e minhas pernas se transformarem em gelatina. Minha visão rapidamente ficou embaçada por culpa das lágrimas que se formaram em meus olhos em questão de segundos. E naquele momento, eu sabia que aquele sentimento não era precipitado, não era nenhuma brincadeira. Eu estava seriamente apaixonada.

Apaixonada por Dinah Jane que estava abraçada a Nick, enquanto ele lhe dava um selinho, Hansen. 


Notas Finais


Por favor, não me odeiem, por favor, não me odeiem. PKASPOKSPKAPSK Eu preciso dizer que isso foi fundamental para o que vai acontecer daqui pra frente. EU JURO QUE TEM UM MOTIVO. Beijos de luz.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...