História Lost my way ◇ Jungkook - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Personagens Originais
Tags Bangtanboys, Bts, Drama, Hoseok, Jackson, Jennie, Jhope, Jimin, Jin, Jungkook, Namjin, Namjoon, Parkjimin, Romance, Taehyung, Tragedia
Exibições 31
Palavras 2.178
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Mudei a sinopse da fanfic ♥ só avisando mesmo.

Boa leitura. ♡

Capítulo 5 - Me desculpe irmã


Fanfic / Fanfiction Lost my way ◇ Jungkook - Capítulo 5 - Me desculpe irmã

POV Jungkook

Acordei com um barulho irritante de notificação de celular. Resmunguei irritado e peguei o causador de ter me acordado cedo em um domingo, era o celular daquela garota.

Aquela garota não, de Noemi.

Eu havia dormido tarde, pois fiquei mexendo em seu celular. Eu sei que isso foi muito errado, mas o ser humano é um ser curioso de natureza e eu queria saber pelo menos o nome da garota. Eu não entrei em suas mensagens, isso já seria de mais. E se eu visse uma coisa ali que eu não deveria ver? Também não entrei em sua galeria, podia ter coisas ali que não seria bom eu olhar, então entrei em suas redes sociais para descobrir mais sobre ela e olhei suas músicas, tínhamos gostos musicais parecidos.

Desbloqueei o celular, a senha padrão estava marcada na tela do aparelho pelos dedos de Noemi por isso foi fácil desbloquear. Havia mensagens de um grupo.

Os 3 mosqueteiros.

Mas que nome era esse?

Apertei na notificação e fui para o chat.

Os 3 mosqueteiros.

Mari♡:NOEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEMIIIIIIIIIIIIIIIIII!

ChimChim ♥: QUEM MORREU?

Mari ♡: Idiota, ninguém morreu.

Mari ♡: Estou preocupada com a Noemi, ela não responde e nem visualiza minhas mensagens.

Ontem à noite, enquanto mexia no celular, eu havia recebido a notificação de uma tal de Mari, mas apenas ignorei.

ChimChim♥: Ela está visualizando agora.

ChimChim♥: NOEMI NÓS ESTAMOS TE VENDO.

Merda. O que eu faço? Finjo ser ela?

Se bem que eu preciso devolver o celular...

Você: Não é a Noemi.

Mari♡: Daniel? A Noemi está ai com você?

Você: Quem é Daniel?

ChimChim♥: Ce tá bem cara? Andou bebendo?

Mari ♡: Dani para de graça.

Você: Eu não sou o Daniel... Ele é o namorado da Noemi?

Mari♡: ‘-‘

ChimChim♥: Quem é você?

Você: Meu nome é Jungkook.

Mari ♡: PQ VC TA COM O CELULAR DA MINHA AMIGA? CADE ELA? EU VOU CHAMAR A POLICIA

Você: Meu deus garota se acalma.

Você: Deixa a policia fora disso ‘-‘

ChimChim♥: A Noemi dormiu ai?

Mari♡: JIMIN PQ VC TÁ TÃO CALMO?!

ChimChim♥: Ué, ela pode ter esquecido o celular na casa de alguém.

ChimChim♥: Quero perguntar antes de criar alarde.

Você: Dormiu aqui.....?

Você: PERA OQ

Você: NÃO, NÃO É ISSO!!!!!

ChimChim♥: Eu não disse nada, cara. Vc que pensou outra coisa. Eu disse “dormir” não aquilo... ( ͡° ͜ʖ ͡°)

Você: Vc q deu a entender aquilo...

ChimChim♥: n dei n ( ͡° ͜ʖ ͡°)

Mari♡: Jimin cala a boca, carinha explica isso AGORA

Você: Ela deixou cair o celular ontem no parque e eu peguei pra devolver. 

Você: E MEU NOME É JUNGKOOK.

Mari♡: Devolver ou fuxicar? 

Você: Não tenho culpa de vcs terem me acordado mandando mensagens, eu só vim ver quem atrapalhava meu sono.

ChimChim♥: Mds parece a Noemi falando.

Mari♡: Da onde você a conhece?

Você: Pergunte a ela.

Mari♡: Como se vc está com o celular dela? -_-

Você: Vc certamente conhece a casa da sua melhor amiga. -_-

ChimChim♥: Cara, vc precisa devolver o celular dela.

Você: Falem com ela e perguntem onde ela quer se encontrar para eu devolver o celular e me digam, eu encontro ela e devolvo.

Você: Simples.

Você: Agora se me derem licença, vou voltar a dormir.

Sábado, antes de Noemi e Jungkook se encontrarem.

-Cara, você veio com a gente pra ficar com essa cara emburrada? –Pergunta Taehyung me tirando dos meus pensamentos.

-Vocês praticamente me arrastaram pra cá, eu só queria ficar em casa. –Falei.

Eu estava no meu quarto isolado quando meus 5 amigos patetas, Taehyung, Hoseok, Namjoon, Yoongi e Seokjin, entraram esmurrando a porta e me arrastaram para o parque de diversões. E haviam trazido o irmão do Tae junto. Pelo menos lá no parque eu conhecia um antigo colega de escola, ele era meu amigo e cuidava de um brinquedo em que tinha um espaço que eles não usavam mais e ele me deixava entrar lá, eu gostava de ir pra lá ficar sozinho. Apenas eu, o escuro e o silencio.

-Você precisa sair de casa, Jungkook. –Falou Jin, ele sempre foi o mais sensato de nós 6, acho que era por que ele é o mais velho – Ficar parado esperando que a dor vá embora não adianta.

-Obrigado por me lembrar da dor que estou sentindo e do que a causou. – Falei e Jin ficou quieto. Eu percebi que tinha sido um pouco rude. – Desculpe galera. –Suspirei. – É que está sendo bem difícil pra mim, sabe? 

-A gente sabe Kookie. –Dessa vez foi Namjoon quem falou. – Mas somos seus amigos, só queremos ajudar e você pode contar com a gente. 

Eu sorri e olhei para cada um deles, até para o irmão do Tae que não estava por dentro dos acontecimentos.

Eu tinha bons amigos, mas eles não tinham ideia que o culpado do que tinha acontecido era eu.

Presente

Eu havia chegado à praça e sentado no banco, agora esperava por Noemi, o celular dela estava no bolso do meu casaco. Estava frio em Busan, fim do ano chegando e com ele o Natal e o frio que eu adorava. Crianças brincavam no parquinho que tinha no local, me lembrei de quando eu era inocente e pequeno que nem elas. Alguns casais passeavam de mãos dadas e isso me deixou para baixo, desviei o olhar dos casais e me concentrei nas crianças, uma menininha estava correndo quando ela tropeçou e caiu com tudo no chão e começou a chorar, ia me levantar para ajudar quando um garotinho chegou perto dela.

-Aigooo irmã, tenha mais cuidado. –Ele disse para a mais nova e a ajudou a levantar.

-Desculpa oppa. – Ela passou as mãozinhas no rosto para secar as lágrimas. 

-Tudo bem, -Ele sorriu para ela – que tal pedirmos para a omma um chocolate quente?

-Sim! – A garotinha feliz abraçou o irmão e juntos foram até o banco em que a mãe estava sentada.

-Por que está chorando? –Alguém ao meu lado falou. 

Dei um pulo e me levantei assustado. Deparei-me com Noemi sentada no banco em que eu estava há um minuto. 

Botei a mão no rosto e senti-o molhado.

-É por causa do vento. – Falei passando a mão no rosto.

-Mas nem está ventando. – Ela inclinou um pouco a cabeça para o lado me olhando. Peguei-me a fitando.

Ela usava uma touca preta de lã, um blusão branco simples de gola, um casaco marrom fraco grosso, uma calça jeans preta e um all star também preto. Seus cabelos volumosos e cacheados nas pontas estavam soltos na frente dos ombros.

Me sentei no banco novamente, tirei seu celular do meu bolso e o entreguei a ela que pegou dizendo um obrigado.

-Mari me falou que você conversou com eles pelo meu celular. Ela acha que você mexeu nas minhas coisas. –Ela me olhou perguntando apenas com um olhar “Você mexeu?”.

-Não mexi no seu celular. –Menti- Apenas entrei no chat aquele dia por que me acordaram.

-Hum. –Foi tudo o que ela disse.

-Você acha que eu mexi? –Perguntei e gelei com a sua resposta.

-Tenho certeza. –Ela sorriu. – Mas não tenho nada de importante aqui mesmo. 

-Eu não mexi na sua galeria, nem vi suas outras conversas. –Falei envergonhado.

-Ah, conta outra, eu sei que você viu as fotos minhas de biquíni que eu tenho na galeria. –Ela falou e eu fiquei que nem um tomate.

-O que?! Obvio que não! Eu juro que eu não abri a sua gale... –Parei de falar quando ela começou a rir. – O que é tão engraçado?

-Eu não tenho fotos de biquíni na minha galeria, – Ela olhou pra mim e sorriu mostrando sua galeria e as fotos na tela do celular – eu nem ao menos tenho uma foto comigo mesma. Estava te testando.

Realmente ela não tinha fotos em que aparecia ela, as fotos dela eram todas de paisagens e lugares como ruas, prédios e casas. Pareciam fotos profissionais e eram realmente bonitas.

-Por que você não tem uma foto sua no seu próprio celular? –Perguntei.

-Sei lá, - ela deu de ombros - nunca fui muito de tirar fotos minhas. Gosto de tirar fotos de lugares, pontos em que eu acho um bom ângulo e que ficariam legais em uma fotografia. 

-Você quer ser fotógrafa? 

Ela demorou um tempo para responder, quando a olhei ela observava as crianças brincando no parquinho e tinha uma expressão distante.

-Não sei o que quero. –Falou depois de um tempo. 

-Como assim? –Perguntei curioso.

-É simples: eu não sei o que eu quero. Sou uma garota de 18 anos que não sabe que rumo quer tomar na vida. É como se eu estivesse num rio e não nadasse para nenhum dos lados, apenas deixasse ele me levar. 

Eu não pude deixar de sorrir.

-Por que está sorrindo? –Ela me perguntou.

-Por que sinto que estou nesse mesmo rio. Só acho que a forma como nós dois fomos parar lá são diferentes. –Sorri sincero para ela que voltou a olhar as crianças.

Eu olhei a hora.

Eu estava atrasado.

-Desculpe Noemi, eu preciso ir. –Me levantei do banco. - Eu deveria ter entregado seu celular e ido embora só que nós começamos a conversar e eu perdi a noção do tempo.

-Tudo bem. – ela sorriu- E eu não me lembro de ter te falado meu nome, Jungkook.

-E como você...? 

-“aish, o que você está fazendo, Jungkook?” - Ela falou tentando imitar minha voz e eu ri da sua tentativa falha.

-Eu não falo desse jeito. 

-Você tem uma voz doce. –Ela falou aquilo como se não fosse nada de mais e sorriu pra mim, em seguida levantou do banco. – Já vi que você não reage muito bem a elogios. –Ela apontou para minha cara. – Está com as bochechas coradas. 

-É-é o frio. –Falei levando as mãos as bochechas, estavam quentes.

Ela riu fraco.

-Aham. –Falou. – Enfim, obrigada por devolver o celular e por ter conversado comigo. Eu gostei de conversar com você. Até mais, Jungkook. –Ela ia se distanciando, mas eu a chamei.

-Você... –parei um pouco para pensar no que eu iria dizer, eu deveria fazer isso? – Você pode me passar seu número? Eu também gostei de falar com você e queria ter a chance de te conhecer melhor, se você quiser, é claro.

-Por mim tudo bem. –Ela me passou seu numero e eu passei o meu a ela. Depois nos despedimos e pegamos rumos diferentes. 

Enquanto ela iria para a casa.

Eu iria ao hospital.


Eu desliguei o celular, estava falando com minha mãe a caminho do hospital. Havia 5 chamadas perdidas dela quando me despedi de Noemi, atendi na sexta chamada e minha mãe estava desesperada perguntando onde eu estava esse tempo todo. Falei a ela que estava dando uma volta e perdi a noção do tempo, não era de extrema importância ela saber que eu estava jogando papo fora com uma garota. 

Cheguei ao hospital e adentrei o mesmo pelas portas de vidro. Eu odiava hospitais, sempre odiei. Odiava suas paredes brancas, suas cores fracas, o cheiro, o ar que sempre parecia gelado e, principalmente, odiava aquela recepcionista atrevida. Ela deveria ter uns 27 anos, seu cabelo era de um ruivo avermelhado, seus olhos eram escuros e ela sempre vinha com eles pintados, além de usar um batom vermelho chamativo e seu uniforme parecia ser o mais curto entre as outras funcionárias. Desde a primeira vez em que eu botei os pés nesse hospital depois do acidente e que ela botou os olhos em mim ela nunca mais me deixou em paz, insistia em querer sair comigo ou puxar algum assunto. Não que ela não seja bonita, mas é muito persistente. Ela literalmente se joga pra cima de mim, uma vez ela me prensou contra a parede e uns médicos estavam vindo pelo o outro corredor, eu a empurrei rapidamente para que eles não vissem aquela cena e disse para ela nunca mais fazer isso de novo, acho que ela entendeu o recado por que não aconteceu outra vez. Eu não gosto de pessoas assim.

Olhei para a recepção e senti um alivio por não vê-la ali e sim outra mulher. Fui até o balcão. 

-Olá. –Ela me saudou amigavelmente. –Posso ajuda-lo?

Tomara que você nunca mais saia daqui, moça.

-Sim, meu nome é Jeon Jungkook. Vim fazer uma visita diária. –Falei calmamente.

-Ah, sim. –Ela olhou em seus registros. –Quarto 206, segundo andar. Sua mãe está lhe esperando lá em cima.

-Certo. Obrigada. –Sai do balcão ouvindo um “De nada” da amigável recepcionista.

Fui até o elevador e subi. Enquanto estava no mesmo eu suspirei, estava cansado de vir até aqui.

Mas eu tinha que vir.

Era minha culpa.

Cheguei até o segundo andar e fui até o quarto 206, abri a porta e entrei, minha mãe estava sentada numa poltrona tomando um café, sua mão estava tremendo, ela não tinha esses tremores antes. O quarto estava do mesmo jeito de ontem quando vim para minha visita, as cortinas da janela estavam fechadas, mas alguns raios de Sol rebeldes do fim da tarde ainda conseguiam entrar pelas frestas da cortina, o quarto era pintado de um verde fraco, havia uma porta que dava para o banheiro, o lugar estava cheio de flores e presentes, algumas flores até tinham algumas folhas desgastadas pelo tempo em que estiveram ali, logo iriam se juntar com as outras no lixo. Havia uma rosa vermelha no pequeno criado mudo ao lado da cama, essa era a única flor que estivera ali desde o inicio, foi a flor que eu havia comprado para deixar o quarto com a aparência mais com a cara dela.

Minha irmã mais velha.

Era ela quem estava naquela cama em coma havia 7 meses.


Notas Finais


uuh primeiro POV do Kookie e altas revelações >< hehe
Vocês não sabem o tanto de ideia pronta que eu tenho pra essa fic, nossasinhora...
Me aguardem.

Te amo vocês.♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...