História Louca por você; Versão SasuSaku ❤ - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Tags Romance, Sasusaku, Sedução
Exibições 241
Palavras 3.086
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Mais um capítulo gente! 😌
Boa leitura ❤

Capítulo 10 - Esta noite você é minha


Sakura pov's

Ouço vozes assim que saio do chuveiro, o que é incomum. A voz estridente da Karin é fácil e irritantemente reconhecível. No entanto, a voz exaltada que me surpreende é a de Tasuke. Vou lentamente até a porta, abro uma pequena fresta e colo o meu ouvido para poder ouvir melhor.
Você é uma safada bisbilhoteira doente e sem-vergonha.
Sufoco uma risada. Pelo visto, não sou nem um pouco tolerante comigo mesma. Safada é só o começo.
_ Você não pode simplesmente me botar numa fria dessas na última hora! Já fiz planos, e além disso, nem tenho vestido novo! _ percebo que ela ainda está tentando manter a calma, o que é uma prova do quanto gosta de Tasuke e, justamente por isso tenta enganá-lo. Entretanto, não sei ao certo até que ponto ela consegue, de fato, enganá-lo. Seria interessante ver quanto tempo Tasuke ficaria com a Karin se ela começasse a mostrar quem realmente é.
_ Se eu soubesse que estaria de volta, teria tido antes. Eu queria surpreendê-la. _ Tasuke aumenta o tom de voz apenas o bastante para falar acima do tom queixoso de Karin.
_ Bem, agora o que quer que eu faça? Não posso cancelar o encontro com meu pai. Ele já...
_ Não tem problema. _ fala Tasuke, tentando acalmar a situação. _ Posso levar outra pessoa.
Há um longo momento de silêncio preenchido por uma tensão tão grande que até eu consigo percebê-la, mesmo estando do outro lado de uma porta praticamente fechada.
Cuidado Tasuke! Ela vai explodir
_ Quem você tinha em mente?
Sua voz é gélida. Eu me pergunto se Tasuke conhece aquele tom e o que ele significa.
_ Eu não tinha pensado em ninguém, por que não fazia ideia de que você não iria. Mas posso encontrar alguém no último minuto. Não precisa se preocupar.
Quase dou uma gargalhada. Como assim, não precisa se preocupar? Aposto que Karin está bufando de raiva.
Quase consigo sentir o cheiro de fumaça saindo do seu cérebro sobrecarregado, enquanto tenta pensar em alguém que não seja páreo para ela, alguém digno de confiança, mas tão patético que não tenha planos e possa aceitar um convite de última hora.
_ Que tal Sakura? Posso apostar que ela gostaria de ir, especialmente depois de tudo que você fez por ela.
Sei que meu queixo está caído e que tenho uma expressão de grave insulto estampada no rosto. Posso sentir.
Ai, meu Deus! A patética sou eu!
_ Agradeço a sugestão, mas ela trabalha no fim de semana, não é?
_ Se ela está trabalhando com o Sasuke, só Deus sabe qual o seu horário.
_ Bem, não vou acordá-la para perguntar isso. Acho que ela trabalhou ontem à noite, não foi?
_ Sim, mas ela não vai se incomodar. Vou perguntar a ela.
Ouço Tasuke começar a dizer algo, mas o modo como ele interrompe a frase me faz deduzir que Karin já foi embora. Fecho a porta devagarzinho e corro para o banheiro, como se eu tivesse acabado de sair do chuveiro, o que tecnicamente é verdade.
_ Sakura? _ chama Karin, batendo uma vez na porta, bem forte, e entrando logo em seguida. Ela nem espera que eu permita sua entrada.
Contenho uma reação ríspida.
Bruxa!
_ Aqui_ grito.
A porta está aberta e eu a vejo entrar, praticamente como um furacão. Há uma expressão ameaçadora no seu rosto. Ela não perde tempo com delicadeza.
_ Você vai trabalhar hoje à noite? Se não, preciso que vá a uma exposição de arte com Tasuke. Você deve um favor a ele.
É bem típico da Karin sair usando recursos de sua artilharia pesada, como culpa e extorsão.
Tenho muito orgulho de ser parente da amante do diabo.
Suprimo cuidadosamente o impulso de bufar e respondo.
_ Para falar a verdade, estou de folga hoje à noite. Mas não posso ir. Infelizmente não tenho nada para usar em uma ocasião elegante como essa.
Ela descarta a minha desculpa com um aceno de mão.
_ Pode usar alguma coisa minha. Tenho certeza de que a gente arranja um jeito.
Eu havia acabado de ouvi-la se queixando que sobre não ter tido tempo para comprar uma roupa nova para o evento, mas mesmo assim ela está satisfeita de me mandar no lugar dela vestida de... deixa pra lá.
_ Contanto que o Tasuke não se importe com minha aparência...
Karin ri, seu típico riso carregado de desdém.
_ Sakura, tenho certeza de que o Tasuke não vai nem reparar em você.
Preciso ser honesta. Isso me deixou enfurecida. Merda, que raiva! E é neste exato momento que decido surpreender todos, principalmente Tasuke. Karin vai ser arrepender do dia...
Nem que eu precise incorporar a Andie daquele filme A garota de rosa-shocking e fazer a porcaria do vestido em exato 7 minutos.
Tudo isso está rolando no meu íntimo. Por fora, abro um sorriso gentil.
_ Então, neste caso, tudo bem.
Ela se vira e se afasta, sem ao menos dizer um obrigada ou vá à merda. Quando a ouço dizer a Tasuke que vou à exibição e que ela fará o possível para que eu esteja apresentável, não consigo deixar de me perguntar se seria possível escapar após golpear seu coração frio com um furador de gelo.
Por isto, eu poderia ganhar o prêmio Nobel da Paz. Ou, no mínimo, um telefonema do Vaticano me agradecendo.
Desta vez, não me preocupo em esconder um riso deselegante.

Tasuke pov's

Enquanto espero Sakura sair do quarto, não consigo deixar de me sentir culpado. Eu não deveria estar louco pra sair com ela. Mesmo assim, estou. E não há como negar.
_ Tasuke? _ ouço Sakura me chamar. Eu me viro em direção ao seu quarto. Da sala de estar posso ver a porta. Está aberta apenas o bastante para ouvi-la, mas não vê-la.
_ Sim?
_ Prometa que se eu deixá-lo constrangido com este vestido, você irá sem mim. Não vou ficar chateada. Juro.
_ Sakura, não faz diferença...
_ Prometa agora mesmo ou não vou sair de jeito nenhum.
Ela é teimosa? Hum. Por essa eu não esperava. Mas para falar a verdade, eu meio que gosto disso.
  Eu rio.
_ Certo, tudo bem. Prometo que se eu achar que você me causará algum constrangimento, vou sem você.
A porta se fecha e há uma longa pausa antes que se abra totalmente. O que vejo me faz perder o fôlego. Karin é mais baixa que Sakura. Mais magra também. Mas Sakura é mais curvilínea. Bem mais curvilínea. E cada curva é realçada de forma absolutamente perfeita no vestido que ela está usando.
Acho que já vi Karin nele antes, e ela estava linda. Mas não tão linda quanto Sakura.
O tecido é fino, quase transparente, em um tom escuro de vermelho. Ele esvoaça no ar que penetra o ambiente, quando a porta bate na trava, com um ruído surdo. Sakura fica parada e me permite avaliá-la antes de caminhar na minha direção. Eu prendo meu maxilar com firmeza para impedir que meu queixo caia, enquanto a observo. O tecido fino adere ao seu corpo conforme ela anda, delineando-o perfeitamente. Ela poderia estar nua.
Minha nossa! Como eu queria que ela estivesse.
  Afasto o pensamento, sabendo que não vou conseguir avançar a noite pensando coisas desse tipo.
Pense com a cabeça de cima, cara! Pense com a cabeça de cima!
Ela para diante de mim, sua pele macia e sedosa. Seu colo e seus ombros nus brilham sob a sua fraca. Quero tocá-la, acariciá-la com tanta intensidade que fecho bem as mãos para mantê-las sob controle.
_ Você está linda. _ o tom da minha voz parace tenso, até para os meus ouvidos.
Ela me olha, decepcionada.
_ Está muito apertado, não é? Estou usando salto alto para deixá-lo no comprimento certo, mas não dá para fazer nada como o resto. _ posso ver que ela está realmente aflita, o que me faz querer sorrir, mas me contenho. Seria a coisa errada a se fazer diante de uma mulher constrangida. _ Karin é bem mais magra que eu _ diz, tremulando uma das mãos enquanto fala _  E eu simplesmente não tenha nada que...
Eu estendo o braço, seguro a sua mão agitada e encosto o dedo indicador da minha outra mão nos seus lábios.
_ Shhh. _ Ela para de falar imediatamente. Certo, eu poderia tê-la feito se calar de diferentes modos, sem tocá-la, mas imagino que isso seja melhor do que beijá-la, o que é o que realmente quero fazer.
Meu Deus, como quero beijá-la!
Preciso de alguns segundos para me concentrar em outra coisa, além do modo como seus lábio sensuais se abrem, levemente. Seria tão fácil deslizar a ponta do meu dedo eles, sentir calor da sua boca, a umidade da sua língua.
Fico surpreso e irritado ao sentir minha calça apertar entre a virilha. Terei de ser supercuidadoso com esta garota. Não me lembro da última vez alguém testou o meu controle de forma tão intensa.
Na realidade, lembro sim. Foi a Libby Fields com aquele vestido curto e justo na festa da escola, no nono ano. Eu tinha certeza de que se ela sentasse no meu colo e remexesse a bunda mais uma vez, eu ia explodir como um vulcão.
Não explodir, naturalmente. Mas cheguei perto. E está garota _ esta contradição ambulante baixinha, curvilínea e sedutora _ está alcançando a posição da Libby Fields muito rapidamente. E isso é muito sério, já estou com 22 anos, e não com 14.
Pigarreio.
_ Por favor, não diga mais nada. Você está linda. Nem nos sonhos da Karin ela ficaria tão linda nesse vestido quanto você. Causarei inveja a todos os outros homens _ sorrio para enfatizar meu comentário.
Embora sua expressão não se torne inteiramente confiante, sei que ela se está sentindo melhor, quando pega o meu braço e afasto a minha mão. Posso ver a curva do seus lábios tentando conter um sorriso.
_ Jura?
_ Juro.
_  Jura mesmo?
_ Juro mesmo. Apenas lembre-se de uma coisa: esta noite você é minha.
É de causar inquietação o quanto eu gosto de falar isto, de pensar nisto.
O seu sorriso se abre totalmente e ela solta meu braço para fazer uma saudação militar.
_ Sim, senhor.
Eu adoro seu jeito brincalhão. Uma agradável diferença da Karin, que é sempre tão... Bem... Que simplesmente não é assim.
_ É disto que estou falando. _ comento com um aceno de cabeça. _ Uma mulher que sabe que o seu lugar abaixo de mim. Ah, espere. Isso não soou muito bem. _ digo em tom de provocação.
Ela ri.
_ Não fico abaixo de homem nenhum! _ responde Sakura de forma áspera. Em seguida, com ar sarcástico, acrescenta: _ Pelo menos não sem um jantar  e um drinque primeiro.
_ Ahhh, então não tem problema! Porque tem um McDonald's bem do outro lado da rua.
Ofereço o meu braço e ela o toma. Sei que é uma atitude ridícula e infantil, mas eu flexiono o bíceps, esperando que ela o perceba.
_ Isso é tudo que você precisa para ficar em posição de sentido? _ enquanto pergunta sugestivamente, ela desliza os olhos pelo o meu corpo.
_ Eu tenho 22 anos, estou concluindo um estágio num dos escritórios de advocacia mais influente de toda Atlanta. McDonald's nunca me deixaria assim. _ Abro a porta e faço um gesto para ela sair na minha frente. _ Agora um olhar como esse que você acabou de me lançar...
Seu rosto assume um delicado tom rosado e ela abaixa os olhos timidamente. Isso me faz querer rasgar aquele vestido com os dentes.
_ Coronel, o que você está insinuando?
_ Coronel? Uma saudação como essa e tudo o que recebo é um coronel?
_ Não sei. Você recebeu divisas suficientes para ser general?
Caminhamos lentamente até o meu carro.
_ Depende de como você acha que alguém conquista as divisas.
Duas covinhas surgem de ambos os lados da sua boca, na tentativa de controlar o sorriso.
_ Ah, acho que dá mesma maneira que a maioria dos caras _ replica ela, balançando a bolsa vermelha presa ao pulso, tentando agir descontraidamente.
_ Gata, se esta é a sua definição, eu seria general quatro estrelas.
Ela cai na gargalhada. Posso dizer que não esperava que eu disesse aquilo. Mas fico contente de ter dito. Ouvir a risada dela é como escutar a mais bela sinfonia.
Fico um pouco desapontado quando chegamos ao carro. Eu poderia continuar andando, conversando e provocando-a a noite toda.

Sakura pov's

O silêncio no carro é ligeiramente tenso. Bem, talvez tenso não seja a palavra exata. Pra mim, parece... impregnado. Impregnado de uma atmosfera sexual. Fico me perguntando se Tasuke sente o mesmo.
Talvez não. Talvez ele se comporte assim com todas as garotas.
Penso nisso por alguns segundos. As perspectivas são ao mesmo tempo, decepcionantes e incômodas. Mas no fundo não creio que não seja bem assim. Pode ser apenas meu ego, mas não acho que ele aja dessa forma com mais ninguém.
Pelo menos espero que não.
Poe alguma razão, Tasuke parece o tipo fiel. Eu ficaria muito supresa se ele traísse Karin.
Aposto que ele é mesmo um bom rapaz. O tipo de homem de que preciso desesperadamente na minha vida. O mais triste é que ele nunca será meu, justamente por que é um cara bacana. Por natureza, um cara bacana jamais trairia a namorada, daí a impossibilidade de rolar alguma coisa entre nós. Mesmo se eles terminassem, Tasuke provavelmente seria bacana demais para magoar Karin saindo com a prima dela.
Como Ino diria, isso é uma puta sacanagem!
_ Achou a solução?
A voz grave, divina do Tasuke interrompe meus pensamentos confusos.
_ Solução pra quê?
_ Para a fome no mundo.
Sei que devo estar olhando para ele como ele tivesse criado assas ou um terceiro olho. Ele desvia o olhar da estrada e me observa algumas vezes, antes de dar uma gargalhada.
_ Bem, não sei se deu para perceber, mas não entendi nada.
_ Deu pra notar. _ fala para me provocar, com um sorriso. _ Só quis dizer que você estava muito concentrada. Está tudo bem?
Eu me reclino no apoio de cabeça de couro e fito seu perfil maravilhoso.
Sou vítima dos seus encantos.
Ele mexe comigo e chacoalha minha emoções.
_ Você fica muito bem de smoking, sabia?
Ele se surpreende com meu comentário, mas sorri. Ergo a cabeça e olho para o para-brisa.
_ Ai, meu Deus_ digo _ , eu não dou uma dentro, não é?
O que deu em você?
Ele ri.
_ Na realidade, acho que a resposta é sim.
_ Você me conhece bem.
Ele ri novamente.
_ De onde veio isto?
Viro a cabeça para fitá-lo novamente. No mesmo instante, tudo fica embaralhado com hormônios.
_ É... eu estava... estava pensando em mexer e chacoalhar. _ ele se vira para mim e me olha espantado. _ Quer dizer, eu estava pensando se você provavelmente sabe mexer e chacoalhar algo.
Ai, meu Deus! Por favor, alguém me faça calar a boca!
_ Quero dizer, se você provavelmente sabe mexer e chacoalhar bem um drinque. Não a mim. _ explico antes de bufar.
Ai, meu Deus, acabei de bufar!
_ Ah, é? _ sua boca se curva em um sorriso sexy. Com aquela sobrancelha arqueada e aqueles lábios esboçando um sorriso, ele parece exatamente o irmão. Como gêmeos que são.
Eu fico olhando para ele _ envergonhada de novo _, durante alguns segundos antes de recuperar o bom senso e começar a me punir.
O que está acontecendo com você? Peça logo para ele encostar o carro e pule no colo dele!
Bom, se você quer saber, não dá certo se esforçar para aplacar pensamentos ansiosos. Aquele visual me envia para outro breve estado catatônico, enquanto fantasio em pular para o banco do motorista. Com Tasuke ainda sentado lá.
Após vários segundos, eu me lembro de que ele tinha dito algo.
_ Hum, o quê? _ pergunto, literalmente balançando a cabeça para recobrar o foco.
Tasuke me olha intrigado.
_ Sakura, está tudo bem?
Eu suspiro e me viro para ficar de frente para o para-brisa, novamente.
Nota mental: não espere pensamentos coerentes enquanto estiver admirando Tasuke. Sua coordenação motora pode ficar prejudicada também. Tome as devidas precauções.
Por pouco não consigo conter um risinho disfarçado, quando me imagino colocando um capacete com grade na boca e joelheira, cada vez que o Tasuke entra na sala.
Então penso no que eu poderia fazer usando as joelheiras como proteção...
Ahhh!
Fico aliviada quando ele reduz a velocidade e entra no estacionamento da galeria de arte. Embora não haja nenhuma placa indicando o tipo de estabelecimento, sei que é lá que estamos. Pesquisei no google antes de sair, para ter uma noção do que esperar. Destacaria cair em alguma escada que eu não estivesse prevendo ou algo assim. Não preciso de ajuda para fazer o papel de idiota na frente deste cara.
Enquanto o manobrista afasta o BMW do meio-fio, Tasuke me oferece seu braço novamente e me conduz ao interior da galeria. Minha primeira impressão ao olhar ao redor e ver toda aquela gente artificialmente bronzeada, corpos costurados por bisturi e cabelos loiros oxigenados é a de que eu havia entrado na mansão da Barbie. Só que na versão em preto e branco, já que todo mundo estava de trage formal preto. Mas isto não é a única coisa deturpada neste universo alternativo típico da Barbie. Não há nenhum Ken! Só vejo nerds, homens feios, ou velhos sem graça, acompanhando a maioria dessas mulheres. É quando me dou conta de que, na verdade, isto deve ser uma convenção de esposa-troféu.
Então olho para o meu corpo curvilíneo vestido de vermelho e para a sala praticamente monocromática. Enquanto considero a hipótese de correr para a saída, Tasuke se inclina para sussurrar no meu ouvido.
_ Tudo bem?
_ Estou me sentindo como o único pontinho colorido em uma pintura abstrata.
_ Você é o pontinho colorido. Mas não há nada de errado nisso.
Olho para ele. Ele está sorrindo. Como um gesto verdadeiro. Ele não parece constrangido pela minha aparência. Só posso esperar que não esteja mesmo.
Mentalmente, respiro fundo e decido que é hora de assumir o controle da situação. Se ele não está incomodado, não há nenhuma razão para que eu fique. Certo? Certo.
Respiro fundo novamente.
_ Muito bem. Vamos.


Notas Finais


Espero que tenham gostado. Ah! O capítulo de amanhã vai está maravilhoso gente. 😍
Beijossss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...