História Love again -Norminah - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony, Troy Ogletree, Zendaya
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Harry Styles, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Troy Ogletree, Zendaya
Tags Ally, Camally, Camila, Caminah, Camren, Dinah, Dinally, Fifth Harmony, Laucy, Lauren, Laurinah, Normani, Norminah, Trolly
Exibições 339
Palavras 2.548
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Desculpa a demora. Espero que gostem, e depois eu coloco capa, estou realmente sem tempo, então se tiverem palavras repetidas, com ortografia errada, enfim, se tiver erros em geral, relevem por favor.
Capitulo maior pra compensar minha demora, estou perdoada?

Capítulo 20 - Cleaning


POV NARRADOR

A magra garota de cabelos longos castanhos estava sob a cama acordando, ou melhor tentando acordar loira que dormia tranquilamente, e parecia estar em um de seus melhores sonhos.

-Dinah, anda, levanta! -Ela chacoalhou de leve a maior que parecia nem ter sentindo os toques em seu corpo. -Dinah! -Chacoalhou mais uma vez, um pouco mais forte, mas não surtiu nenhum efeito. -DINAH!!! -Gritou nos ouvidos da garota que quase deu um pulo, assustando também Camila. -Ufa! -Respirou fundo. -Achei que tivesse morta.

-Ai minha cabeça. -A loira pousou as duas mãos, uma em cada lado de sua cabeça fazendo leves pressões em suas têmporas. -Que horas são? -Disse se ajeitando melhor na cama e encostando suas costas na cabeceira.

-São dez horas da manhã, eu acho, nem sei ver hora direito mesmo. -Camila tentando entender, girava seu relógio dourado de pulso que havia ganhado a poucos dias de sua mãe. De fato, a garota não sabia ver as horas corretamente, pois não foi à toa que se atrasou várias vezes para os lugares durante os dias em que tentava aprender o funcionamento do objeto.

-Você é louca de me acordar a essa hora da madrugada? -Dinah coçou os olhos bocejando em seguida. -Afinal, o que você quer? -Olhou a latina em sua frente que ainda mexia no relógio.

-Bem, como você estava dormindo e nunca se importa mesmo, resolvi dar dois dias de folga pra Ane.

-Você o que?!

-Foi exatamente o que ouviu, dei dois dias de folga pra Ane. Ela trabalha muito aqui, cuida da casa, cuida da Regina, cuida de VOCÊ, e olha que você não é mais uma criança.

-Você sabe que deveria ter me consultado antes, não sabe? -Ela deu de ombros.

-Ane está a dois meses sem ter tirado um único dia de folga, e detalhe, ela também fica aqui nos sábados e domingos. Então resolvi deixar que ela aproveitasse esse final de semana. Não sei se ela tem família ou lugar para ficar, mas disse pra ela que se não tivesse, ela poderia voltar, mas não precisaria fazer absolutamente nada. Ela precisa descansar também, Dinah!

-Tá, tá já entendi, não precisa ficar falando tanto assim. -Se espreguiçou de maneira “gostosa” e levantou indo até o banheiro, mas antes que fechasse a porta, ouviu Camila chamar seu nome.

-Espero que não tenha planos pra hoje, porque tanto seu quarto como o resto da casa estão imundos, e nós, eu e você vamos limpar tudo.

 Revirou os olhos e fechou a porta com força. Limpar a casa era com certeza uma das coisas que Dinah menos gostava de fazer, mas pensando por outro lado, realmente achava que seu quarto precisava ser limpado.

Camila desceu as escadas sem pressa alguma até encontrar Regina inexpressiva em pé, parada no meio da sala olhando para o teto com um pequeno lustre. Claro que ela estranhou tal comportamento, então se aproximou dela.

-Ei Little Girl, o que está fazendo? -Se ajoelhou próxima a ela, que parou de olhar para o teto e encarou seriamente Camila. Analisou cada traço do rosto dela em silêncio, até então soltar um suspiro pesado e se sentar no chão com a cabeça abaixada. -Não vai me dizer nada? Nós somos amigas, pode me contar tudo. -Olhou de maneira compreensiva para a pequena.

A garotinha levantou a cabeça e assim que Camila percebeu seus olhos marejados, viu que não era brincadeira ou tédio por não ter com quem brincar. Ela estava triste.

-Eu estou com saudades do pai e da mãe Mila, quando eles vão voltar? -Limpou uma lágrima gordinha que descia por sua bochecha.

Camila suspirou procurando palavras para dizer que eles não iam voltar. Resolveu então que contaria tudo, afinal, a menina saberia cedo ou tarde, de algum modo ou de outro.

-Gina, a sua mãe e o seu pai...

-Estão viajando, e não vão voltar tão cedo Regina. Por isso para de ficar falando disso. – Dinah se aproximou entrando na frente de Camila e falando com Regina que assentiu fungando e deixando que mais algumas lágrimas descessem. -Agora vai, ache alguma coisa pra fazer por que eu e a Camila vamos limpar a casa.

Esticou a mão para que sua pequena irmã levantasse. Dinah foi a levando para outro cômodo enquanto olhou para trás e olhou para Camila com extrema reprovação. Logo após dois minutos Dinah estava voltando sozinha, com o mesmo olhar estampado no rosto.

-O que estava pensando? -Camila se preparou para responder, mas Dinah levantou a mão demonstrando que ainda não havia terminado de falar. -Se Regina souber agora, ela pode até ficar traumatizada, vou contar essa merda pra ela na hora em que eu...

-Dada? -A loira foi cortada pela voz de sua irmã. -Dada, não tem nada pra fazer, posso ajudar vocês? -Ela subiu sua calça que estava caindo de seu pequeno corpo, talvez por ser grande demais para seu tamanho.

-Claro que pode Gina. -A latina respondeu e deu um sorriso. -Só espera um pouquinho, tá bem? Vai procurando as coisas que precisam pra gente começar a limpar, vai magricela. -Ela assentiu rapidamente e saiu pulando em busca do que foi pedido.

-Depois a gente continua. -Dinah disse e saiu de perto de Camila que ficou por alguns segundos pensando no que iria fazer. E se fosse realmente uma burrada?

Deu de ombros e foi ajuda-las com os produtos de limpeza. Começaram com o andar de baixo. Regina como era pequena e não poderia ajudar em muita coisa, ficou apenas com a tarefa de colocar roupas sujas em seu devido lugar, guardar seus próprios brinquedos em seu grande baú rosa, erguer coisas que estivessem no chão -desde que não fossem pesadas- para que Dinah passasse por ali com a vassoura fazendo a devida limpeza.

 

                                                              [...]

Com extremo cansaço Dinah jogou sua mochila no chão logo em seguida se jogando no sofá, tinha acabado de voltar do colégio e de uma aula agitada de educação física. Depois de semanas sem fazer exercício algum ela reconhecia que estava sedentária, e que precisava fazer algo quanto a isso.

Fechou os olhos de barriga pra cima e suspirou tentando relaxar, mas logo abriu os olhos quando a porta foi aberta e Ane apareceu com um sorriso imenso, parecia até que havia ganhado na loteria.

-O que foi que aconteceu aqui? -A senhora foi até a cozinha com algumas sacolas e as colocou na mesa.

-AN!!!! -Regina gritou animada e correu extremamente rápido para os braços da mais velha.

-Oi pequenininha, o que aprontou nesses dois dias sem mim, hein? -Pousou o dedo indicador no nariz da garota que fez uma cara de extrema fofura.

-Eu, a Mila e a Dada limpamos a casa todinha. -Falou fuçando as sacolas para ver se havia algo que gostasse.

-Ah é? -Sorriu e observou a mesma achar uma caixa de cereal lilás. -Dessa vez eu acertei, não foi? -Riu da cara feliz da menina que assentiu freneticamente.

-Você nunca errou, eu também gosto da caixa rosa, mas prefiro lilás. -Disse se explicando enquanto enchia a boca.

-Tudo bem? -Ane se aproximou de Dinah que continuava deitada agora com um dos braços cobrindo os olhos.

-Cansada.

-Eu também estou. Passei esses dois dias na casa da minha irmã, nós fomos até em um baile da terceira idade. -Disse sorrindo visivelmente feliz. Não que Dinah estivesse interessada no que a senhora contava, na verdade, ela mal ouvia o que a outra estava dizendo. – E pela primeira vez eu fui em um cinema. Muito alto o som de lá, e o filme era muito violento. – “Típico de velho” pensou Dinah, “Sempre reclamando.”.

-Que bom, agora, dá um banho na Regina. Essa porca não quis tomar ontem, e nem o Papa conseguiria fazer ela mudar de ideia. -Levantou pegando sua mochila e antes de subir escutou a risada exagerada e gostosa da sua irmã. Fazia tempo que ela não ouvia essa risada.

Um sorriso involuntário surgiu em seus lábios enquanto a mesma subia os degraus sem pressa alguma.

 

                                                                     [...]

-Será que eu estou na casa certa? -Brincou Normani enquanto seguia Camila pela sala. A garota soltou um riso nasal enquanto ia desligar a grande TV.

-Realmente, não parece a mesma. Jogamos o desnecessário fora e mudamos alguns móveis do lugar. O dia todo arrumando essa casa, imagina o quão mortas estávamos quando acabamos?! -Normani riu baixinho e sentou-se no sofá, o lugar parecia estar mais aerado, mais cheiroso e também parecia que mais luz entrava pelas janelas. Talvez fosse porque elas quase nunca eram abertas.

-Tá certo. -Olhou Camila que também a olhava, mas Normani não conseguia identificar o que exatamente aquele olhar dela passava. -Bem, em quais matérias você está com dificuldade?

Sim, ela ainda continuava dando aulas particulares. Dona Sinuhe praticamente implorou a ela que continuasse, pois ela queria que sua filha tivesse um futuro e não poderia reprovar justamente no último ano de ensino médio.

-Agora não estou com dificuldade, até porque o segundo bimestre ainda está começando, mas física tá foda... -Falou distraída, só então se tocou do que havia dito. -Oh, perdão...

-Tá tudo bem, já estou acostumada. -Sorriu de forma que Camila julgou ser encantadora. Só então a morena percebeu a cara de idiota de Camila enquanto ela sorria. Fechou o sorriso no mesmo instante, fazendo com que a garota saísse de seu transe. -Eu te ajudo em tudo, menos em exatas!

-Entendo, você claramente é de humanas.

-Por que diz isso? -Perguntou confusa.

-Porque antes de ser diretora, você era professora de filosofia. Sem falar que você não parece se dar bem com números. Outro dia eu te vi na rua com uma outra garota comprando sorvete e de longe eu vi que você não sabia o qual era a nota do troco, tanto que sua amiga pegou sua carteira e ela mesmo deu o dinheiro para aquele senhor. -Normani corou na hora, um pouco por vergonha, pois no dia ela realmente não estava conseguindo fazer a conta de cabeça, mas não porque era ruim em matemática ou algo assim, era porque ela estava fritando naquele sol, e com tanto calor, quem consegue pensar direito?

-Eu simplesmente detesto números. -Se limitou a dizer. Ela sentiu-se desconfortável em saber que fora observada, mas isso não importava no momento. -Então hoje vamos ter aula de história. -Camila bufou.

-Isso é sério? Não tinha matéria mais chata que essa? -Revirou os olhos e levantou-se. -Vou pegar meu livro, não demoro. -Subiu em passos pesados e Normani suspirou, ela também não estava afim de dar aula de história, mas estava sendo paga, não podia simplesmente não fazer nada e continuar recebendo da mãe da garota. Ou podia...

-Nem pensar Normani, você não é aproveitadora. De modo algum! -Disse em voz alta para si mesma, então olhou para o lado e viu que uma garotinha descabelada a observava segurando um urso marrom grande em seus braços. Ela sorriu para a pequena que retribuiu.

-Regina, quantas vezes eu vou ter que dizer que não quero você se infiltrando na minha cama no meio da madrugada? É a segunda vez já! -Dinah descia as escadas enquanto dava a leve bronca em sua irmã.

Só então Normani percebeu o quão igual as duas eram. Se não fosse a diferença de tamanho e se Dinah não fosse mais loira, ela poderia dizer que as duas eram gêmeas.

Dinah a olhou de cima a baixo e direcionou-se a cozinha sem dizer nada. A pequena a seguiu.

-É que eu tive um pesadelo. -Colocou seu urso em cima da mesa e subiu na cadeira, mas percebeu que estava abaixo do nível da mesa, então colocou o urso na cadeira e sentou-se encima dele. -Desculpa senhor Clóvis. -Falava com o urso enquanto sentava-se nele. O que fez Normani soltar um pequeno riso com tanta fofura.

-Dois pesadelos em duas noites seguidas? -Arqueou uma sobrancelha e fez um som nasal. -Então, o que fez a manhã inteira?

-Nada, eu acordei quase agora. -Arrumou o cabelo. Normani então percebeu também que a garotinha ainda usava pijama. Afinal, quantos anos ela tem? 6? Com essa idade com certeza já teria que estar em alguma escola.

Ouviram-se passos vindos da escada, então a morena se virou para Camila que descia com um caderno e dois livros.

-Desculpa a demora, mas é que quando essa casa é arrumada não se acha nada facilmente. Fica tudo meio escondido. -Riu sem graça e mudou o olhar para a cozinha. -Regina, para de comer isso! Coma alguma coisa saudável e larga desse cereal.

-Mas Mila... -Fez biquinho.

-Deixa ela comer Camila, cereal serve pra comer, não pra ficar olhando.

-Tá Dinah, serve pra comer, mas faz um tempo que essa menina não come algo que preste, e você nem monitora isso, ela ainda vai ficar doente. -As irmãs reviraram os olhos e Camila deu de ombros.

-Dada, posso ter um cachorro?

-Não. -A garotinha abaixou a cabeça triste e ficou em silêncio.

 

O tempo ia passando e com ele as aulas iam chegando ao seu final. Por incrível que pareça, Dinah ficou ali embaixo “prestando atenção” no que elas falavam. O que acontece é que quando as pessoas ficam com um celular, elas não conseguem ouvir muitas coisas, mas Dinah não. Ela estava sentada em cima do balcão com seu celular na mão direita e com a mão esquerda segurava uma maçã, mesmo concentrada em algo no celular, cada coisa que Normani dizia, Dinah questionava, ou acrescentava algo a mais na explicação, demonstrando um nível elevado de inteligência.

-Na verdade a guerra contra a Inglaterra serviu pra reforçar o nacionalismo americano. E no fim ela acabou empatada.

Normani a encarou boquiaberta. Quem era essa ali e o que fez com a Dinah bêbada burra? Porque bêbados são burros pelo fato de beberem ao ponto de ficarem bêbados (?).

-Ficou impressionada? Se eu te dissesse que ela era uma das melhores alunas da turma ano passado você acreditaria? -Camila perguntou com orgulho de sua amiga visível em sua expressão.

-Eu diria que era A melhor. -Enfatizou sorrindo com a língua entre os dentes. Aquele sorriso fez Normani sentir-se como se derretesse por dentro e sorrir junto com a loira.

-Ok. Já chega por hoje. -Disse a morena levantando-se. Ela pensou um pouco em falar com Dinah ou Camila sobre aquela menininha que deveria estar estudando, porém achou que não fosse da sua conta. -Tchau Camila, você foi muito bem hoje! -Sorriu e se aproximou da garota dando um beijo rápido em sua bochecha. Nem ela mesma sabia o porquê de tal ato, o porquê de tal aproximação sendo que as duas não eram nem um pouco íntimas.

-Tch-Tchau... Normani... Diretora. -Disse gaguejando arrancando um sorriso confuso da morena.

-Tchau Dinah. -Se aproximou da loira que largou seu celular no balcão. Normani deu um beijo rápido na bochecha de Dinah, e quando tentou se afastar, as mãos da loira a seguraram ainda próxima. A garota levou seus lábios até a orelha da outra onde respirou levemente fazendo Normani travar sua própria respiração.

-Espero que esteja livre e sozinha em casa hoje á noite. -Abaixou um pouco a cabeça até chegar ao pescoço da outra, onde deixou um beijo quente e molhado, fazendo com que até a alma da morena se arrepiasse. -Aliás, você fica muito gostosa nesse vestido.


Notas Finais


Até algum dia...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...