História Love and Vengeance - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Avenged Sevenfold
Personagens Personagens Originais, Synyster Gates, Zacky Vengeance
Tags Avenged Sevenfold, Drama, Romance, Synyster Gates, Zacky Vengeance
Visualizações 10
Palavras 3.124
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Cumprindo a minha promessa de postar bastante esse final de semana!
Continuando a volta da Emma para O.C.
Quem será o vizinho misterioso? A gente já tem uma ideia de quem é...

Capítulo 16 - Coming home


Fanfic / Fanfiction Love and Vengeance - Capítulo 16 - Coming home

Toquei seus lábios suavemente, toquei seus ombros, mordi seu lábio inferior, fiquei segurando sua nuca, Brian desceu seus beijos, primeiro beijando o canto da minha boca, beijou a minha bochecha, maxilar, depois embaixo do queixo, ouvi passos, fechei meus olhos enquanto Brian beijava meu pescoço. Acabei tendo um insight, se Brian era um dos melhores amigos do meu vizinho, o meu vizinho era um Rockstar, gostava de guitarra, saquei que o menino tinha olhos azuis iguais aos de Zacky.

            Xinguei mentalmente, ser vizinha do meu ex-namorado seria terrível para meus planos, só que naquele momento não poderia me mudar, nem poderia vender a casa, senão desconfiariam, somente me mudaria se começasse a dar problema entre mim e Brian.

            Segurei seu rosto com as mãos, ele abriu os olhos e olhei nos olhos dele, encostei meus lábios nos dele, em seguida mordi o lóbulo de sua orelha, Brian ficou arrepiado, dei uma mordida em sua nuca, coloquei uma mão dentro da camiseta dele, senti seu abdômen quente e definido. Meghan passou pela porta, levou um susto e saiu de perto, passei toda a minha língua pela extensão de seu pescoço, Brian gemeu baixo.

 

- Acho melhor descemos, teremos muito tempo para ficarmos juntos. – Pisquei para Brian.

- Concordo, vou aparecer aqui mais vezes. – Estendi a minha mão e Brian a beijou e depois a segurou firme.

 

            Dei um sorriso malicioso, descemos a escada, andamos até a sala de estar, onde Emily estava servindo vinho para Meghan e Zacky, mordi o lábio inferior, tentei não mudar a expressão na presença deles, apenas sorri falsamente, Emily pegou o bebê no colo e ficou brincando com ele.

            Eu me sentei no outro sofá de frente ao deles, Brian sentou-se meu lado, colocou o braço por cima de meus ombros, passei as minhas mãos nas coxas dele e depois apertei como sinal de posse.

            Cruzei as pernas, deixando as minhas coxas a mostra, dei um selinho nos lábios de Brian, Meghan levou mais um susto, passei meus dedos nos lábios de Brian para tirar resquícios de batom vermelho, deixando Zacky completamente enciumado, dei um sorriso malicioso.

 

- Não fazia ideia que vocês se conhecessem. – Meghan ficou espantada. - Bem, alguém pode me contar como vocês se conheceram?

- No ensino médio, estudávamos todos na mesma escola. – Dei um sorriso enquanto respondia. – Seu marido era da minha sala. Não é, mesmo Zacky? – Ele confirmou com a cabeça.

- E você e o Brian? Acho que você o fisgou. – Brian deu uma risada, eu olhei para ele. – O que há de tão engraçado? – Meghan cruzou os braços, eu tomei toda a taça.

- Estamos apenas saindo, sabemos muito bem que Brian não namora ninguém. – Respondi, Brian tomou um gole de seu vinho, depois deu um beijo em meu ombro. – Sou esperta demais, faço ele gastar dinheiro comigo, além de aproveitar a companhia dele.

- Você sabe como enlouquecer um homem, gosto disso e gosto de você, Emma Cullen. – Brian respondeu e encheu a minha taça de vinho tinto. – Espero que você saia comigo, jante comigo na minha casa, amanhã à noite.

- O jantar, eu aceito, mas não na sua casa, engraçadinho. – Peguei o nariz dele. – Pode ser aqui em casa, vou fazer lasanha de frango e vinho tinto.

- Melhor, pena que a Emily estará aqui de testemunha. A não ser que converse com certo alguém, ele a chame para sair no mesmo horário. – Brian sugeriu.

- Acho, amor que estamos atrapalhando o casal, vamos embora, aparece lá em casa. – Meghan foi amistosa, se ela soubesse quem realmente eu era, não me convidaria para casa dela.

- Claro.

 

            E eles foram embora, Emily os acompanhou, olhei para Brian que fechou a expressão enciumado, dei um selinho em seus lábios, perguntaria qual era o problema dele, mas não estava com vontade para as idiotices dele.

            No dia seguinte, liguei o computador que tinha no meu quarto, era um IMac novinho, não sabia mexer direito, pois estava acostumada com Windows.  Fiz e imprimi dois currículos, fui ao porão. Tinha os três quadros que ainda faltava para vender, peguei um de uma menina chorando no alto de um precipício e o levei.

            Peguei a minha bolsa da Gucci, coloquei 40 dólares, peguei papel e caneta, fiz uma lista de coisas que ainda faltava comprar, para Emily comprar no mercado. Dobrei os currículos e coloquei dentro da minha bolsa, subi as escadas rapidamente. Não tinha tempo para tomar um banho, tirei o pijama, passei o óleo corporal, depois passei o desodorante Dove, era verão, então não era necessário colocar um casaco ou uma jaqueta.

            Coloquei um body preto, um short rosa florido, sapatos Louboutin branco, meus óculos escuros Dolce and Gabanna estilo gatinha. Resolvi fazer uma maquiagem simples somente passei base no rosto e um batom vermelho. Coloquei os óculos escuros novamente, peguei meu celular e o coloquei dentro da bolsa. Penteei os meus cabelos para trás, coloquei o chapéu, desci as escadas e saí rapidamente.

            Assim que saí de casa, ouvi risadas na casa do lado, revirei meus olhos por trás dos óculos, olhei rapidamente, era Zacky brincando com o filhinho dele, coloquei o dedo dentro da minha boca como sinal de vomito, resolvi não olhar muito para não me corroer de tanta inveja. Andei rapidamente para que ele não percebesse a minha presença, e tentasse uma aproximação.

            Saí do condomínio, andei até o ponto de ônibus que ficava próximo ao condomínio, o ônibus para o centro de Huntington Beach apareceu, eu fiz sinal, o ônibus parou, subi, paguei a passagem, o motorista ficou me admirando, fiz uma careta para ele. Então, me sentei no fundo do ônibus, ajeitei a pintura em cima do banco para ficar do meu lado. No ponto seguinte, chegou dois caras vindo da praia, eles subiram e ficaram comentando e me desejando, bufei, me levantei e sentei na frente do ônibus. Mas, eles ficaram me olhando, sentaram na minha frente, ajeitei a minha pintura e a minha bolsa, caso eles tentassem me roubar.

            Um dos caras tentou tocar no meu rosto, no entendo eu o bloqueei com a minha mão, segurei um de seus dedos, virei ao contrário, o quebrando. O amigo tentou me socar, mas me desviei e bateu no ferro, me levantei, apertei a cordinha do ônibus, fiquei de frente para os dois, dei um chute circular e acertei o rosto dos dois. Peguei a minha bolsa e a pintura, desci do ônibus rapidamente.

            Tinha uma pequena galeria de quadros, entrei, ajeitei meu short para cima para ficar mais curto, tinha uma mulher peituda falando ao telefone na recepção. Ela nem percebeu a minha presença, então uma mulher obesa se aproximou de mim, ela me reconheceu, depois me lembrei que era Justine.

 

- Emma Cullen, você não mudou nada. – Justine foi gentil. – Está tão magra.

- Ah que isso, você está ótima, Justine Summers. – Respondi. – Você trabalha nessa galeria?

- Na verdade, sou a dona e também, sou Justine Marshall. – Ela me mostrou a aliança dourada, se aproximou do balcão, deu um tapa na mesa, assustando a recepcionista peituda. – Saia desse telefone agora! – Ela desligou o telefone.

- Eu cheguei na cidade ontem, estou desempregada, estou tentando vender o que sobrou dos meus quadros. – Eu entreguei o quadro para Justine, ela ficou avaliando.

- Ele é ótimo, você continua pintando muito bem. Conseguiu estudar arte? – Justine me perguntou.

- Sim, estudei belas artes na escola superior de belas artes na França. – Ela ficou impressionada. – Tome meu currículo. – Eu peguei o currículo dobrado dentro da bolsa e a entreguei, ela ficou lendo.

- Você fez mestrado em Tóquio, seu currículo é impressionante. Preciso de curadora, alguém que entenda dessas bobagens de arte e faça as pessoas comprar essas coisas. – Eu aceitei balançando a cabeça positivamente. – Ótimo. Você se casou com o Zacky Baker?

- Não. – Dei um sorriso.

- Ele está te enrolando, então. – Justine não estava entendendo.

- Eu e o Zacky não estamos mais juntos há muito tempo. – Tratei de esclarecer. – Ele se casou e eu estou saindo com outra pessoa, alguém do colégio também.

- Quem?  - Justine ficou curiosa.

- Brian Haner. – Justine levou um susto.

- Meu Deus, você deve ser louca! – Eu dei de ombros. – Você pode começar amanhã.

 

            Eu dei um abraço em Justine, atravessei a rua, peguei o ônibus para casa. Soltando na porta do condomínio, entrei, andei rapidamente, não via a hora de descansar meus pés.

            Chegando em casa, a porta estava aberta, Emily tinha uma péssima mania, fui a sala de estar, antes que eu pudesse dar um esporro em Emily, ela estava servindo uma xicara de chá para esposa de Zacky que estava sentada no sofá, apenas sorri falsamente, por dentro queria matar as duas e enterra-las no meu quintal.

 

- Oi, Emma. A Emily me contou que você pintou os quadros que estão pendurados na parede. – Confirmei com a cabeça e sentei na cadeira macia. – Teria algum para me vender. – Meghan foi meiga, estava me irritando, apenas sorri, queria negar, mas criaria suspeitas sobre mim.

- Claro, Meghan você pode acompanhar-me, por favor. – Eu me levantei da cadeira.

            Andamos pela casa, sendo seguida pela Barbie Malibu, com suas medidas perfeitas, seu cabelo loiro e seus olhos claros. Ela era perfeita, ela não seria gentil comigo se ela soubesse que vivi por mais de um ano na cama com o marido dela e que fui a primeira dele.

            Chegamos a porta do porão, abri e acendi o interruptor, admito que tive vontade de empurra-la da escada, apagar a luz enquanto ela estivesse descendo, ou colocar o pé na frente, mas apenas sorri enquanto ela descia as escadas, descendo, logo em seguida.

            Ela viu os três quadros que estavam no porão, não lembrava de ter mais um quadro, Meghan pegou um quadro antigo e ficou olhando. Era um quadro com uma silhueta de um casal em meio as chamas, claro que o casal do quadro representa eu e Zacky, mas nem me lembrava que ainda tinha esse quadro e que o havia levado.

 

- Adorei esse, chamou a minha atenção. – Meghan disse e me acordou do meu transe mental. – Quanto custa?

- Quinhentos e cinquenta. – Coloquei o preço lá em cima para a Patricinha de Beverly Hills não comprar.

- Vou levar, depois meu esposo acerta com você. – Dei mais um sorriso falso e ela sorriu de volta. – Vai ficar lindo na minha sala.

- Seu esposo vai adorar. – Fui levemente sarcástica, Meghan não percebeu.

- Também, acho.

 

            Ela subiu as escadas, bati meus pés com raiva, comecei a xingar e a reclamar, mordi a minha bolsa da Gucci para abafar meus gritos de raiva. Quando a alcancei, tirei a bolsa da boca e dei um sorriso. Meghan saiu da minha casa, fiquei aliviada, olhei para Emily na sala como se quisesse fuzila-la apenas com o meu olhar. Não queria a atual do meu ex, que por sinal, ainda o amava, enfornada na minha casa, como melhores amigas. Já era difícil ter meu ex-namorado como vizinho.

            Cruzei os braços, me sentei no meu sofá, tirei os meus sapatos brancos, deitei no sofá, respirei fundo e Emily se sentou no outro sofá.

 

- A Meghan não é incrível? – Revirei os olhos. – Não gostou dela? Ela é tão simpática e tão linda.

- Não, tenho nada contra, ou favor dela. – Eu me sentei novamente. – Não sei como funciona as coisas na Escócia, mas no Estados Unidos, não convidamos ninguém para casa dos outros quando o dono não está em casa, ou que não tenha sido convidado.

- Mas, ela é nossa vizinha.

- Por isso, mesmo. Ela poderia ter aparecido mais tarde, isso não é para a Miss América, apenas, vale para todos, até o Brian. – Apontei para Emily. – Não quero que fiquem falando de você e ele, a má fama dele, não o permite ficar sozinho com outra mulher, além de mim. Porque se eu imaginar que sua relação com o meu homem, for mais do que amizade, te ponho para fora da minha casa somente com a roupa do corpo. Entendeu?

- Foi bem clara.

- Agora vou tomar um banho quente, começar a preparar o jantar para o Brian.

 

            Mais tarde, coloquei a lasanha de frango no fogo, fui a adega peguei um vinho branco e coloquei na geladeira, pois eu preferia vinho gelado. Depois Emily saiu de casa, pois sairia com Johnny, não entendia como ele ainda estava interessado nela.

            Subi as escadas, coloquei um vestido vermelho curto, me maquiei com direito a olho gatinho, passei o batom vermelho. Coloquei uma sandália preta, liguei o baby liss e fiz ondas em meus cabelos, coloquei o meu colar de pentagrama e uns anéis nos dedos.

            Tocaram a campainha, como havia passado o meu óleo corporal depois do banho não precisaria passar perfume. Desci lentamente as escadas, coloquei o meu cabelo para o lado e dei um belo sorriso, abri a porta e era Zacky, fechei a expressão e fiz um bico, o mandei entrar, ele contou os 550 dólares em dinheiro vivo, cruzei os braços, bati um dos pés no chão. Ficou me olhando com seus olhos azuis, serio, arqueei uma das sobrancelhas, revirei meus olhos.

            Ele me entregou o dinheiro, coloquei dentro do decote, mostrei um pouco a mais do que devia, mas a intenção era para ele visse que havia apagado a tatuagem que havia feito para ele.

           Zacky saiu da minha casa se dizer nada, foi melhor assim, Brian chegaria a qualquer momento, não precisaria inventar nada. Acabei ficando com a porta aberta e fiquei o vigiando partir, depois fechei a porta com força, sacodi as minhas mãos.

            Fui a cozinha, coloquei o 550 dentro do pote de biscoito dentro da dispensa, atrás do pacote de macarrão, esperaria que Emily não pegasse o dinheiro.

            Meu coração não acelerou, mas abri a porta da cozinha, fui ao deck da piscina, me debrucei no muro, fiquei olhando para o mar, respirei fundo para não chorar, coloquei as mãos na testa, depois bati a minha mão no muro.

            Senti que tinha alguém me olhando, resolvi não olhar, para não piorar as coisas, mas acabei olhando para outro lado da cerca, Zacky estava no segundo andar, olhando para o mar, não entendi, Brian tinha me dito algo, mas preferia não acreditar que ainda mexia com Zacky. Ele me olhou por alguns segundos, mas a sua esposa apareceu e minha campainha tocou novamente, saí correndo.

            Desliguei o fogo, ajeitei o meu vestido, dei um sorriso mais falso que pude, me aproximei da porta da frente, respirei fundo, abri a porta, era Brian com uma torta holandesa nas mãos, eu o mandei entrar, tirei a torta das mãos dele e coloquei na geladeira enquanto Brian se esparramava no meu sofá.

            Peguei duas luvas de tecido, abri o forno, tirei a lasanha do forno, levei até a mesa de jantar, acendi o lustre, depois peguei a garrafa de vinho branco e coloquei em cima da mesa. Voltei a sala, chamei Brian para jantar, mas as intenções dele eram outras.

 

- Estou morrendo de fome, Brian. Não almocei e nem tomei café da manhã, depois de comermos a sobremesa, a gente se beija muito, eu prometo. – Eu segurei em sua mão e o conduzi a mesa.

- Vou cobrar a sua promessa. – Dei um sorriso.

- Ao contrário de algumas pessoas, eu cumpro com que prometo. – Pisquei para ele.

 

            Sentamos a mesa, servi um pedaço de lasanha de frango, com molho branco e gorgonzola e muçarela. Depois coloquei uma taça bem cheia de vinho branco, Brian tomou a taça rapidamente. Servi um pedaço de lasanha para mim, eu experimentei e estava muito bom, Brian serviu uma taça de vinho para mim, bebi lentamente, Brian comeu a lasanha, depois repetiu.

            Fiquei olhando para ele enquanto comia, ele estava lindo de jaqueta preta, calça jeans preta, camiseta cinza. Brian serviu mais uma taça de vinho para ele, tomou rapidamente. Pegou mais um pedaço de lasanha, peguei as sobras para Emily e coloquei dentro do forno.

            Achei uma garrafa pequena de uísque Johnny Walker, coloquei dentro de um copo de vidro de 400 ml, abri a geladeira, peguei uma lata de coca, e misturei ao uísque para mesclar o gosto, peguei dentro da geladeira, meu vidro de calmantes, comecei a rir, peguei dois comprimidos e os coloquei em cima da pia, tirei a torta holandesa e coloquei ao lado dos calmantes.

            Tirei a minha sandália de um pé, amassei rapidamente para Brian não aparecer na cozinha, joguei o pó dentro do copo, mexi com o dedo, dei uma gargalhada, coloquei a sandália no pé. Voltei a mesa de jantar, me sentei no colo de Brian, me esfreguei um pouco para atiça-lo.

            Ofereci o uísque batizado, ele cheirou, bebeu tudo de uma vez, comecei a beijar o pescoço dele o provocando um pouco, tinha que mostrar que comigo seria melhor do que todas as outras que ele havia experimentado.

            Depois me levantei, fui a cozinha, peguei a torta e a levei para mesa de jantar, me debrucei na mesa, deixando Brian louco, peguei a cobertura com o indicador, passei nos lábios de Brian, depois lambi o doce dos lábios dele, joguei um beijo para ele.

            Voltei a cozinha, peguei dentro do armário, dois pratos de sobremesa, peguei duas colheres de sobremesa, depois uma faca para cortar a torta. Voltando a mesa, cortei um pedaço e coloquei no prato, entreguei a Brian que me agradeceu com selinho em meus lábios.

            Servi para mim também, dei uma colherada, a torta era incrível, fechei os olhos para sentir todos sabores, Brian tinha acertado em cheio, servi mais uma taça de vinho para mim, mas apenas dei um gole e ofereci para Brian que tomou o resto.

 

- Essa torta Brian é incrível. – Elogiei a torta.

- Que bom que você gostou, Emma. – Brian deu uma colherada. – No sábado, a galera da banda vai fazer um churrasco, eu queria te levar.

- Com uma condição.

- Qual? – Brian ficou curioso e serviu mais uma taça de vinho.

- Para ninguém fazer piada sobre nós estarmos juntos, não quero causar um mal-estar com a esposa do Zacky, ela parece ser bem legal, se ela não sabe de mim, melhor. – Brian concordou com a cabeça, eu servi mais um pedaço de torta para mim.

- Também, não gosto dessas piadas. Não vejo nada demais em sairmos, não estamos traindo ninguém. – Comi e saboreei a torta. – Você tem que levar a sobremesa. – Concordei com a cabeça. – Tem mais um problema.

- Qual, Brian? – Coloquei meus cotovelos sobre a mesa.

- Vai ser na casa do Zacky. – Eu me espantei.

- Tudo bem.

 

            No sábado estaria sobre o território do inimigo, teria que me preparar mentalmente para não surtar, ou fazer algo indevido...

 


Notas Finais


O que será que vai acontecer nesse churrasco?
Até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...