História Love Can Fix - Capítulo 32


Escrita por: ~ e ~nolasco_beca

Postado
Categorias Magcon, Matthew Espinosa, Nash Grier
Personagens Aaron Carpenter, Cameron Dallas, Carter Reynolds, Hayes Grier, Jack and Jack, Matthew Espinosa, Nash Grier, Personagens Originais, Shawn Mendes, Taylor Caniff
Tags Colegial, Emma Pizzicolli, Festa, Magcon, Matthew Espinosa
Exibições 158
Palavras 1.438
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Festa, Ficção, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


EU SEI QUE TO ATRASADONA COM ESSE CAPÍTULO E PEÇO DESCULPAS POR ISSO

MAS AGORA EU TO DE VOLTA!!!

ESPERO Q VCS GOSTEM

Capítulo 32 - I Hate Surprises


Fanfic / Fanfiction Love Can Fix - Capítulo 32 - I Hate Surprises

Matthew's POV

Após uma mensagem meio confusa da Pizzicolli falando que os pais tinham viajado hoje (sábado) de manhã e me chamando junto com a galera pra ir à casa dela, chegamos em frente ao prédio da garota divididos em dois carros, o meu e o de Cameron. Assim que entramos, Emma estava no hall, sentada em uma das poltronas e mexendo no celular. Após alguns minutos de interação e de gente cumprimentando a Emma e de Nash quase matando a garota sufocada num abraço (que eu não entendia de onde tinha surgido tanta intimidade), a pequena confusão foi interrompida por Lox.

- É sério que a garota vai subir 14 andares de escada só pra evitar a gente? – ela exclamou em uma voz exageradamente irritada até mesmo para a Lox. Olhei para o rosto dela e depois na direção em que ela olhava, vendo o vulto de cabelos de Rebecca sumir na primeira curva da escada. – Ela apertou o botão do elevador, viu em que andar estava, olhou pra gente e foi pra escada. – não tenho certeza se fui o único, mas ouvi a coisa implícita na frase dela. “Olhou nos meus olhos” ao invés de “olhou pra gente”.

As reações foram bem diversas. Emma ficou quieta, visivelmente incomodada, pois ela e Rebecca ainda eram amigas, apesar de estarem sem conversar direito; Cameron só revirou os olhos; Nash murmurou um “desnecessário”; Hayes não tinha o que opinar, porque nunca chegou a conversar diretamente com Rebecca; eu não tive reação nenhuma, e Carter acabou com a bagunça.

- E o que vocês esperavam? – ele perguntou com o tom de voz um pouco elevado, fazendo todo mundo calar a boca. – Todo mundo aqui sabe que a Rebecca mora no mesmo prédio que a Emma e que eram bem grandes as chances de encontrar com ela. Todo mundo sabe também que ela sempre foi a que mais se importava com todo mundo. Não sejam hipócritas, por favor.

- Eu já disse que odeio quando você fala sério? – murmurei tentando não me abalar pelo discurso.

- Aquela história de que quando eu falo sério, sempre estou certo? – ele perguntou com a voz pingando ironia. – É, já ouvi falar.

- Cala a boca, Carter. – falei me virando em direção ao elevador.

Ficou todo mundo em silêncio naquele clima estranho até eu notar um cheiro esquisito. Depois que todo mundo já estava morrendo pelo elevador fechado estar fedendo, consegui ouvir a voz no Hayes murmurar um “desculpa”. Aí todo mundo explodiu rindo.

- Tem menina aqui, oh infeliz. – Cameron falou dando um tapa na cabeça dele.

- Depois eu falo pra mamãe que vou te deserdar, ela briga comigo. – Nash falou como se fosse um sério motivo de indignação.

Quando as portas do elevador voltaram a abrir, no andar da Emma, todo mundo saiu meio aliviado, meio morrendo de rir e eu agradeci mentalmente pelo clima tenso ter sumido.

- Não destruam minha casa, por favor. – Emma falou após entrar no apartamento e dar espaço para a galera toda entrar.

- Gostei da decoração. – Cameron falou e se jogou deitado no sofá da sala. – De muito bom gosto a decoração.

- Pelo amor de Deus, Dallas! – Mahogany reclamou empurrando as pernas do moreno e se sentando educadamente no sofá. – Tenha modos, ou finja pelo menos.

- Chata! – Cameron falou se sentando praticamente grudado nela e a abraçou mais forte do que eu recomendaria.

- Opa, larga ela que eu vi primeiro. – Nash reclamou sentando do outro lado de Mahogany e a puxando para abraçá-lo, mas Cameron continuou com os braços em volta da cintura dela.

- Me soltem, seus idiotas. – Lox gritou rindo e eu me compadeci da situação da garota, a puxando do meio dos dois malucos.

- Minha. – decretei escondendo Mahogany atrás de mim.

- Eu estou me sentindo muito como um brinquedo aqui. – ela falou me empurrando e passando o braço pelo de Emma.

- Eu nunca vou aprender a lidar com vocês, sério! – a loira disse rindo.

- Cara, eu convivo com o Nash tem quinze anos e não sei lidar com ele. – Hayes falou. – O que você esperava?

- Garoto, eu vou começar a te prender em casa. – Nash falou com raivinha.

- Boa sorte tentando. – o mais novo provocou com um sorriso.

- Eu gosto do Has. – Emma disse olhando para o garoto que se virou pra ela com os olhos meio arregalados.

- Obrigado. – ele disse rindo.

- Eu não gostei disso aí, não. – e Nash Grier continuava com raivinha.

- Não seja ciumento, Nash. – Lox falou rindo e eu senti a provocação chegando. – Afinal, não é culpa da Emma se o Hayes é mais legal que você.

- Muito engraçado, Mahogany. – ele respondeu estreitando os olhos. – O que aconteceu que todo mundo resolveu me atacar hoje?

- Talvez o problema não seja com todo mundo e sim com você. – Carter disse sabiamente.

- Ah, vão à merda todos vocês. – Nash falou fazendo um sinal com a mão, como se não ligasse.

- Vocês querem alguma coisa? – Emma perguntou se soltando de Lox e indo para o que eu imaginei ser a cozinha.

- Nada alcóolico. – Cameron falou e Emma se virou assustada, até porque o Cameron geralmente era o primeiro a aceitar bebida. – Jogadores de futebol – falou apontando para si mesmo e os meninos – e líder de torcida. – terminou apontando para Mahogany. – Existe um código de conduta que diz que a gente não pode beber. Não muito.

- Em compensação, quando bebem, é o suficiente pra fazer uma merda gigante. – Emma falou com um sorriso. – Certo, Nash?

O garoto se limitou a olhar pra ela com a cara fechada, se controlando para não xingar a garota que riu e sumiu no corredor. Eu fui atrás.

- Juízo vocês dois. – Mahogany pediu em um tom divertido e eu me virei apenas para mostrar o dedo do meio e voltar a seguir Pizzicolli.

                                                       X

Emma's POV

- Oh, oi. – falei me virando surpresa ao ver que Matt estava atrás de mim.

- Oi. – ele respondeu com um sorriso calmo.

Fiquei encarando Matt por alguns segundos, esperando que ele falasse algo, ou fizesse algo, ou me explicasse por que tinha me seguido. Mas ele continuou lá. Parado. Olhando pra mim.

- Então...? – falei tentando arrancar alguma reação de Matt que riu e veio até onde eu estava, apoiando as mãos na bancada atrás de mim e me prendendo ali. – A gente não devia fazer isso. – eu falei quando vi que ele ia me beijar.

- Por que não? – Espinosa perguntou parecendo realmente confuso e eu olhei pra ele sem acreditar que ele tinha feito aquela pergunta. – Não olha pra mim com essa cara, é uma pergunta aceitável e você não tem uma resposta que me impeça de fazer isso. – ele concluiu e não me deu chance de fazer algo antes de me beijar de verdade.

- Mas o que temos aqui? – me afastei de Matthew num pulo ao escutar a voz de Nash que estava parado na porta da cozinha com um sorriso enorme no rosto.

- Um casal, Nash! – Cameron falou com um sorriso igualmente enorme apoiando o braço no ombro de Nash.

- O que eu perdi? – Mahogany perguntou surgindo entre os dois com a maior cara limpa de todo o mundo.

- Um beijo de novela. – Nash respondeu com uma voz melosa e rindo logo depois, sendo prontamente acompanhado pelo retardado do Espinosa, ao que eu acertei um soco no estômago dele. De leve, claro.

- Ai! – o garoto falou se afastando de mim.

- Vocês são todos uns idiotas. – falei revirando os olhos e voltando pra sala, ao que prontamente Espinosa se colocou ao meu lado com o braço em cima dos meus ombros.

- E vocês são um casal. – Cameron disse rindo e trocando um toque idiota com Nash.

- Palhaços. – resmunguei, mas estava rindo junto, o que fez Espinosa olhar pra mim esquisito. – Que foi? – perguntei mal-humorada.

- Nada. – ele respondeu com um sorriso divertido e levantando a mão que não estava no meu ombro como se estivesse se rendendo.

Depois do episódio esquisito na minha cozinha, Matt pareceu se tornar estranhamente carinhoso. O garoto não saiu de perto de mim um segundo, e isso inclui deitar no meu colo enquanto a gente assistia filme na sala. O garoto estava quase dormindo ali quando todo mundo se assustou com uma voz raivosa vindo da porta.

- Mas o que está acontecendo aqui?

- Pai? – perguntei assustada enquanto Matt se levantava.

E como se não fosse suficiente meus pais terem voltado antes do esperado, Lucy e Chloe estavam atrás deles com expressões espantadas.


Notas Finais


eita


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...