História Love Can Heal, Love Can Destroy. - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Bangtan Boys, Drama, Romance
Exibições 38
Palavras 1.439
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


~ Boa Leitura ^^

Capítulo 10 - Cinema.


       Tae e eu chegamos ao cinema, por sorte o filme ainda não tinha começado. Ele foi comprar os ingressos, enquanto eu fui comprar a pipoca. Tae estava muito bonito. Ele usava uma calça preta Jeans, um tênis da Nike, uma camiseta branca e um casaco preto por cima. Ele tinha um boné nas mãos, mas não o usava. Tae voltou com os ingressos, e eu já havia comprado as pipocas.

- Já tô com fome só de olhar pra essas pipocas. – falou pegando uma.

- Tae, pra que você trouxe esse boné, se não vai usá-lo?

- Ah você percebeu? Eu gosto muito dele, mas acho que não fica bom em mim.

- Tae, você fica bem de qualquer jeito. Vem cá deixa, eu ver isso. – falei pegando o boné de suas mãos. – Assim, que tal isso. – Coloquei o boné na cabeça de Tae virado para trás, deixando algumas mexas soltinhas do lado e um pouco na frente. – Vê aqui. – Disse mostrando pra ele ver seu reflexo na câmera do celular.

- Ficou muito bom, você acha que eu estou bonito?

- Já disse que você fica bem de qualquer jeito. – disse, e ele sorria satisfeito.

- Bom, o filme já vai começar vamos entrar.

- Aliás, qual é o filme?

- Invocação do mal 2. – Falou e eu paralisei. – Você não disse que queria um filme de terror, então vai ser um bem pesado.

- Eu te odeio sabia?

- Não, você me ama é diferente. – falou apertando meu nariz – Vamos logo.

           Tae e eu entramos na sala de cinema, e nos sentamos. Começou a passar alguns comerciais antes do filme começar, Tae comia sua pipoca muito rápido, e eu já sabia que logo ele iria acabar, e eu ainda estaria no começo. O filme começou de um jeito bem assustador, conforme ele ia passando, mais eu ia ficando com medo. Tae parecia bem tranquilo, enquanto eu estava apavorada. Como previsto, ele havia terminado sua pipoca, e eu nem estava na metade, ele fazia aegyo para tentar pegar um pouco da minha, mas eu negava, então ele pegava sem minha permissão, mas eu cedi logo, eu não iria resistir aquele jeito fofo dele. Estava na metade do filme, e eu havia levado pequenos sustos, até que apareceu uma freira demoníaca, e eu levei um susto, dando um pequeno grito, acabei colocando minha cabeça nos ombros de Tae, sempre que levava um susto, e ele apenas ria da minha cara.

- Para! – Falei dando um tapa em seus ombros.

- Você fica tão engraçada assustada.

                Ficamos mais algum tempo, eu já não aguentava mais aquele filme, só queria sair. Assim que o filme acabou, saímos e fomos para fora do cinema, com cara de tédio.

- Tá afim de fazer outra coisa? – perguntou.

- Tipo o que?

- Ah sei lá, que tal outro sorvete? Só que dessa vez sem guerras, por favor. Não quero sujar minha roupa.

- Aí não exagera, eu nem ia sujar tanto assim – disse rindo malignamente.

                  Estávamos indo para a Sorveteria, era um pouco longe do cinema, então íamos andar um pouco. A noite estava bonita, fria, nublada, parecia que iria chover, eu adorava tempos assim.

- Então, você tá se divertindo pelo menos?

- Eu? Claro. Como alguém pode não se divertir com você Tae. – Disse rindo.

- Se eu disser que estava me esforçando pra fazer você rir, você acredita?

- Se esforçando? Tae, você não precisa se esforçar pra me fazer rir, só quando você dá um sorriso, você já me faz sorrir, sem precisar de esforço nenhum. Você se subestima demais.

- Ás vezes eu acho que ninguém me acha engraçado, ás vezes acho que sou inconveniente...

- Ei ei – falei voltando sua atenção pra mim – Eu também me sinto assim ás vezes, é horrível se sentir inútil. Mas você não é assim, você é bonito, engraçado, inteligente, você cativa as pessoas á sua volta e é uma das pessoas mais maravilhosas que conheço. Você e os outros sete. Vocês são ás sete maravilhas do mundo – falei rindo.

- Você que é incrível. Tá sempre animando todo mundo...Eu não achava que eu iria conhecer alguém como você e ... – pausou

- E? – o esperei continuar.

- Vou fazer de tudo pra conseguir seu carinho.

- Você já tem meu carinho Tae.

- Não – disse segurando uma de minhas mãos – Não me referi á esse carinho. – Disse me fitando. Eu não entendia suas palavras, Tae era um enigma para mim, mas eu confesso, que gostava desses mistérios, fazia me interessar mais por ele. – Hum, é melhor a gente continuar indo – disse rindo.

- É sim, claro.

          Estávamos indo em silêncio depois da nossa conversa. Ele parecia meio incomodado. Era Bom andar pelas ruas, sair um pouco do meu quarto, que era o local onde mais ficava. A Coréia é tão linda. Eu queria poder conhecer mais os lugares, mas com minha fobia Social, seria difícil. Caminhamos mais um tempo até chegarmos na sorveteria. Era bem grande, e nos sentamos em uma das mesas. Tinham vários sabores de sorvete, mas eu era muito indecisa, então escolhi um de chocolate qualquer.

- Vou fazer os pedidos, me espera aqui hein?

- Acha que eu vou fugir? – falei rindo e ele riu de volta.

          Tae foi até o balcão e fez os pedidos. Eu fiquei observando o lugar, eu geralmente era muito distraída, ficava olhando pra coisas, e pensando em coisas sem sentindo algum. Uma alien que nem Taehyung.

- Tá pensando em que?

- Hãn? Ah, nem te vi chegar.

- Você é mais distraída que eu. Pelo menos sou mais normal que você.

- Que engraçado Taehyung. – disse revirando os olhos.

- Emma, você já teve namorado, ficante ou algo do tipo?

- Não. Nunca tive relacionamentos nem nada. Já cheguei a me apaixonar uma vez mas ... É algo que eu quero deixar no passado.

- Ele te fez alguma coisa? – perguntou me olhando, parecendo preocupado.

- Mais ou menos. Eu não quero falar sobre isso.

- Você não confia em mim?

- Não, não é você Tae, é que... Olha, eu prometo que te conto, mas não hoje por favor. Vai estragar nossa noite.

- Você promete que conta?

- Prometo. – Disse abaixando a cabeça.

- Você não precisa se preocupar, eu sou uma pessoa que você pode confiar em todos os momentos, você pode contar comigo para o que for, me peça qualquer coisa sem se preocupar com nada. Serei como um guardião pra você. – falou segurando minhas mãos.

- Tenho medo de algum dia perder sua amizade sabia? – falei e ele me deu um abraço.

- Nunca. – disse, e eu o senti dar um beijo em minha cabeça.

        Ficamos conversando sobre coisas aleatórias e tomando sorvete. Dessa vez sem guerras. Tae era carinhoso, sorria e me olhava com ternura, o que me deixava sem graça, mas eu adorava. Assim que terminamos, ficamos conversando um pouco mais, até que vimos que já era hora de ir. Fizemos o caminho inteiro de volta. Tae me contava piadas enquanto estávamos voltando, incrível como ele afastava pensamentos negativos. Ele e os outros sete. Ele fazia caretas, o que me fazia rir. Chegamos na Escola, e Tae me acompanhou até a porta do meu quarto, já que o corredor dos quartos masculinos, ficava um pouco mais a frente dos femininos.

- Bom, eu espero que você tenha mesmo se divertido.

- Já disse que com você, qualquer um se diverte. Boa noite. – falei abrindo a porta.

- Emma espera..

- Algum problema?

- Eu... Nada. – falou dando meia volta e indo embora.

       Entrei em meu quarto, ainda raciocinando a ótima noite que tive. Foi tão divertida quanto a que tive com Kookie naquele dia. Me peguei pensando nele novamente, eu até havia esquecido, mas novamente, ele invadia meus pensamentos. Eu não conseguia tirá-lo da cabeça, era como uma droga. Já fazia meses que o conhecia, e meses que tenho essa sensação. Lembrei de anos atrás, quando me apaixonei pela primeira vez, lembrei do que Elisa havia dito a respeito de eu estar apaixonada pelo Jungkook. Aquilo parecia idiotice, uma loucura. Mas eu senti as mesmas coisas quando estive apaixonada há 4 anos atrás, só que dessa vez, é mais intenso. Imaginava ele com outras garotas, e sentia uma corrente quente passar por minhas veias, achava que poderia ser paranoia, mas eu estava ficando preocupada. O fato de pensar nele toda hora, de ter ciúmes se o vejo com outra, de me sentir mal por ser ignorada por ele, tudo parecia fazer sentido.

 - Será que ... Que eu estou apaixonada pelo Kookie?

 Continua...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...