História Love Complicated 2 - Near To You. - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Black Veil Brides (BVB)
Personagens Andrew "Andy" Biersack, Ashley Purdy, Christian "CC" Coma, Jacob "Jake" Pitts, Jeremy "Jinxx" Ferguson, Personagens Originais
Tags Andy Biersack, Ashley Purdy, Banda, Black Veil Brides, Comedia, Comedia Romantica, Crianças, Drama, Emo, Fotógrafos, Jake Pitts, Jinxx, Love Complicated, Rock, Romance, Ronnie Radke, Tretas, Yasmin
Visualizações 39
Palavras 2.059
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fluffy, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi bbs 💜
Perdoa a demora, é que as aulas começaram ~choremos~ e eu me enrolei bastante aqui :/
O SUSPENSE VAI ACABAR E VOCÊS VÃO ENTENDER O GIF, e gente, o cap tá meio zzzz. Não sei se gostei dele, mas ok. Acabei de terminar e revisar tuts tuts.
Espero que gostem e boa leitura :3

Capítulo 15 - Gatinhos.


Fanfic / Fanfiction Love Complicated 2 - Near To You. - Capítulo 15 - Gatinhos.

❝ — Eu tô no hospital. — ele parecia desesperado.

— Meu Deus, por que? — perguntei preocupado. Todo mundo me encarou com um ponto de interrogação na testa.

— A Agatha sofreu um acidente.

Meu cu caiu e eu senti a sala girar.❞


— Ooh, s-sério? — gaguejei.

— Sim. — ele suspirou. — Mas fica calma, resolva os negócios da escola e depois venha pra cá. Não foi nada grave, eu acho. Ela não corre risco de vida nem nada.

— Menos mal então. — eu sentia como se meu meu coração fosse sair pela boca. — Eu vou pra aí daqui a pouco. Me manda o endereço por mensagem.

— Ok. Beijo, te amo.

— Beijo. Eu também te amo, gatão. — sorri e desliguei. Fiquei encarando a miniatura do Darth Vader em cima da mesa da diretora e brisei legal. O Ashley Purdy sumiu e o gato da Emy também, e agora a Agatha sofreu um acidente...

Será que o Ashley foi levar o gato pra passear e a Agatha foi, sei lá, no mercado comprar as comidas vegetarianas dela e achou Ashley e o gato atravessando a rua e pra não atropelar eles jogou o carro num canteiro e acabou quase morrendo????

Que teoria ruim. Será que o FBI ou a CIA me contrataria?

— Yasmin! — quase pulei da cadeira ouvindo Emily me chamando.

— Ahm? Ah, desculpe. Me distrai. — falei sem graça.

— O que aconteceu? — perguntou. Todo mundo me olhava com a mesma pergunta estampada na testa.

— Nada não. Depois eu te falo. — sorri amarelo. Se eu falar que a irmã dela tá no hospital ela vai surtar. — Então, porque me chamou aqui professora Hatley?

— Me chame de diretora, de nada. — me deu um sorriso tão antipático que me deu dor de barriga. Ela lembra meu chefe. — Eu te chamei aqui porque recebi reclamações da Sr. Scout, mãe de Billy e Taylor. — minha cabeça girou 360° graus quando ela disse Scout. Esse não era o nome da ex do Andy?

— Você ofendeu meus filhos. Foi bullyng e eu estou extremamente enojada de ver uma mãe sem maturidade como você, com cabelos infantis como de uma adolescente e uma falta de educação e respeito notável. — ela disse. Sua voz era analasada e entojada, tão fina que parecia que ela tinha usado gás hélio.

— E eu me sinto completamente puta e pistola de saber que eu sai de minha casa e larguei o que estava fazendo para ouvir isso sabendo que, seus filhos lindos "educados" que fizeram bullyng primeiro. E, diretora, a professora não fez simplesmente nada quando minha filha começou a chorar após ser ofendida. Billy e Taylor são apenas crianças, mas são cruéis e maldosas.

— Mas isso não te dá direito de ofender o filho dos outros... — a velha iria continuar.

— Com todo o respeito, vão as duas se foder. — Emily falou e eu quase cai da cadeira. Todo mundo olhou pra ela tipo "o que???" e eu quis gargalhar. — Olha, a Yasmin pegou pesado? Ok, pegou. Mas ela apenas defendeu seus filhos, coisa que essa professora não fez. E você Scout, a gente já conhece seu tipo. Você sabe que seus filhos estão errados e continua insistindo em jogar os problemas pra Yasmin. Você devia educar melhor seus filhos pra depois falar do dos outros.

— Bem, minha amiga tem razão. — sorri com o maior orgulho do mundo.

— Mas...

— Bom, não há mais o que se falar. Scout, converse com seus filhos e digam-lhes o quanto é errado magoar os sentimentos das outras pessoas e apontar seus defeitos, sabendo que todos nós possuímos algum. Yasmin, segure sua língua e não ofenda crianças sendo uma adulta. Emily, cresça e apareça. — a diretora disse, mal humorada. Eu e Emily gargalhamos com a última frase, Scout fez cara de bunda e a professora Hatley quase sorriu.

— Mas eu já sou bem grandinha, ora. — respondeu.

— Continuam com as mesma caras de crianças insolentes. Vocês não mudaram exatamente nada. — falou, se levantando. Fizemos o mesmo.

— Obrigada, a senhora também continua velha, enrugada, rabugenta, porém maravilhosa. — ri da cara que ela fez. — ‘Valeuzão por tudo, tchau. — acenei pra ela e abri a porta. Professora Hatley revirou os olhos, bufou e acenou de volta. Scout ficou parada com os braços cruzados e uma expressão de quem queria me foder e não conseguiu.

***

Depois de aquela coisa desnecessária na escola, fomos à caminho do hospital. Eu não sei como contar o que houve pra Emy.

— Jura mesmo que você não vai me contar o motivo da sua expressão de fantasmão ao atender um telefonema do Andy? — questionou, brava. — Fala sério, não pode ser algo tão ruim!

— Então, é que a Agatha tá no hospital... — falei calma. Emy arregalou os olhos e ficou branca como um papel.

— É o que??? Oh meu Deus, por que? — ela pôs as mãos na boca, preocupada.

— Eu não sei, o Andy não me contou o que era — suspirei desanimada. — Mas fica calma, não é nada.

— Tomara mesmo.

Emy foi o caminho todo com uma carinha triste e quieta e o único barulho no carro era de Paramore tocando na rádio. A música que me fazia concentrar na rua e não em minha mente aflita, até que enfim chegamos ao hospital. Descemos do carro e eu entrelacei meu braço ao seu como apoio emocional.

Fomos para sala de espera onde o pessoal provavelmente estava e encontramos eles lá, sérios e quietos. É assustador ver todo mundo assim, sendo que na maior parte do tempo alguém fala alguma merda ou ri do ar.

O negócio tá sério mesmo.

— Oi. O que tá acontecendo? — Emy disparou nervosa. Ashley, que estava de braços cruzados e uma cara nada boa, abriu os braços pra ela que sorriu fraco e o abraçou. Olhei pra Jake e ele estava com o rosto escondido em suas mãos, os cotovelos apoiados no joelho. CC estava divagando olhando pra parede torturante e branca assim como Lindsey, e Jinxx e Kyle estavam com cara de enterro.

Fui me sentar ao lado de Andy. Pelo seu olhar e mínimo sorriso, eu sentia que seus pensamentos deveriam não ser ruins, mas sim divertido o que é muito estranho pela situação de agora.

— Ué Batandy, por que você tá sorrindo que nem um ‘bocózão? — perguntei e tentei dar um jeito em meus cabelos, os sentindo oleosos e despenteados.

— Sabe o que aconteceu com a Agatha? — perguntou e eu neguei com a cabeça, quase o respondendo que era bem óbvio que eu não sabia. — Emy, a Agatha foi atropelada porque seu gato foi achado morto hoje de manhã, aí o Ashley foi comprar outro antes que ela visse e tivesse um ataque e entrasse em depressão...

— ...E no caminho de volta pra casa o gato filho da puta arranhou minhas coxas, acabei me distraindo e o gato quase grudou na minha cara e quando fui ver tinha batido contra algo que, no caso, era a Agatha cheia de compras falando ao telefone enquanto atravessava a rua. — Ashley completou. Eu comecei a rir e acabei contagiando todo mundo, porque eu rindo pareço uma hiena com cólica.

— Por que o gato te atacou? — perguntei, tentando parar de rir.

— Não sei. — fez uma careta. — Acho que ele queria sair do carro. Bicho do capeta, arranhar a cara dos outros por nada, olha isso aqui. — apontou para própria cara onde tinha um arranhão descendo desde sua testa até seu queixo. Gargalhamos de novo. — Não ri não, isso é sério. Vai ser muito difícil cobrir isso com maquiagem, talvez eu precise de uma plástica.

— Cara, não exagera. Para de ser dramático. — Kyle revirou os olhos.

— Pelo menos não foi você que se quebrou. — Lindsey deu de ombros. — Seu idiotão.

— Deixa de falar igual criança. — Ash revirou os olhos.

— Ela fala como quiser, ok? — CC o olhou feio e eles continuaram discutindo.

Jake ainda estava tristonho, então eu dei um abraço esmaga-costela tira-fôlego nele e quase o matei, mas ele pareceu um pouco melhor.

— Relaxa, se Deus quiser foi só um braço quebrado ou algo simples. Ela vai ficar bem. — sussurei pra ele, o fazendo sorrir.

Abracei Andy e fiquei ali, falando sobre animais e plantas com Lindsey e CC (a onda hippie pega, meus amigos) até que um médico apareceu. Todos nós ficamos em pé ao mesmo tempo e aí eu notei que éramos um esquadrão de emos vestidos de pretos dos pés à cabeça. Na verdade, eu pensei nisso porque procurei uma explicação pro olhar assustado que o médico nos deu: somos seres muito estranhos.

— Familiares de Agatha Williams? — a voz séria e seca soa no ar.

— Somos nós. — a resposta sai em uníssono. Não somos amigos, somos uma família.

— Okay. Então, ela apenas fraturou um dos braços e logo receberá alta. Se quiserem vê-la, falem com a recepcionista. — avisou e deu um aceno estranho com a cabeça e um mínimo sorriso, sumindo pelo corredor.

— Aeee! — pulamos comemorando e todo mundo se abraçou. Ashley parecia muito aliviado, aposto que ele tava se borrando de medo de ser algo sério e a culpa devia estar corroendo o cérebro dele. E sem falar que Jake já tinha ameaçado ele.

Falamos com a tia lá e ela disse que tínhamos que entrar de dois em dois no quarto, mas acabou que todo mundo entrou junto e ela não tava nem aí, ocupada demais atendendo ligações e mascando chiclete.

— MANA! — Emy entrou no quarto na frente de todo mundo e Agatha abriu um grande sorriso. Ela estava pálida, cansada e com uma camisola do hospital, além do braço direito engessado.

— Como você tá? — perguntei, beijando sua testa.

— Eu tô bem, a dor passou e não foi nada grave. O médico falou que dependendo de como for, mês que vem eu já tiro o gesso. — ela respondeu e sorriu.

— Deixa eu desenhar aí depois? — Lindsey perguntou.

— Okaay. — Agatha pareceu animada com a ideia.

— Oi amor. — Jake deu-lhe um selinho e se sentou à beira da cama, segurando em sua mão boa. Ele perguntou algumas coisas e eles ficaram ali se namorando. 

Aw. Fofinhos.

— Hey, me perdoe por quase te matar... Sabe, não foi intencional. — Ash falou sem graça e eu prendi o riso.

— Tudo bem. — ela riu. — Eu amassei seu carro.

— Carro eu compro outro. O importante é você estar bem. — Ashley sorriu.

— Mas onde é que tá o gato que você ia me dar? — Emy perguntou, os olhos brilhantes como um anime.

— Tá na casa da Abby junto com as crianças, depois eu te dou. — Andy respondeu no lugar do Ash.

— AEEEEEEO! — ela saltitou.

Ficamos ali conversando um pouco e o único problemas que tivemos foi a demora pra receber alta. Puta merda, eram quase dez horas quando saímos dali. Todo mundo estava mal humorado e com fome, então fomos pra um Taco Bell e buscamos meus filhotes na casa da Abby e Emy decidiu que não queria aquele gato do mal que quase tinha matado sua irmã e namorado, então ele ficou por lá mesmo e fomos pra minha casa. 

O legal é que essa confusão toda foi por causa desse gato pra chegar agora e ela não querer mais ele. 

Quando chegamos lá, se deparamos com minha gata parindo.

— OS GATOS VAI NASCER BICHO! — gritei. — O que nós vamos fazer, o que vamos fazer? — falei desesperada.

— Deixa com o mestre aqui! — Andy apareceu e entrou no closet da bagunça que ficava perto da escada, voltando com uma caixa de primeiros socorros.

— Leva a Cake pra um ‘vetelinário, papai! — Carolyn dizia com medo.

— Não dá tempo. — Lindsey respondeu.

— Calma gente. — Kyle dizia.

Foi uma confusão até que os 4 gatinhos tivessem são, nascidos e salvos.

— Aw, que coisinha mais lindinha. — Emy dizia encantada. — Me dá um, aaa.

— Pode pegar, aqui. — dei um gatinho pra ela, minúsculo e sujinho.

O resto da noite se resumiu em Agatha enfaixada comendo salada de frutas no sofá com Lindsey fazendo desenhos em seu gesso enquanto todo mundo morria de amores pelos novos membros da família.

Quem não pareceu gostar muito foram Daredevil e Candy. Ciumentos.


Notas Finais


O QUE ACHARAM???
só queria dizer que a inspiração de todo o cap veio da teoria loca da ~unicornio, meu amorzão 💙
Comentem meus amores, muito muito obgd por todos os novos favoritos e coments, mommy ama vocês e vai tentar não demorar horrores de novo. BVBEIJÃO E SEE YA SOON BABES 💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...