História Love Complicated 2 - Near To You. - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Black Veil Brides (BVB)
Personagens Andrew "Andy" Biersack, Ashley Purdy, Christian "CC" Coma, Jacob "Jake" Pitts, Jeremy "Jinxx" Ferguson, Personagens Originais
Tags Andy Biersack, Ashley Purdy, Banda, Black Veil Brides, Comedia, Comedia Romantica, Crianças, Drama, Emo, Fotógrafos, Jake Pitts, Jinxx, Love Complicated, Rock, Romance, Ronnie Radke, Tretas, Yasmin
Visualizações 35
Palavras 2.616
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fluffy, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


FALA AE GALEROO //🌸
Enton gente, eu sou MUITO atrasada ;-; não tive tempo de postar cap sobre o Halloween na data correta, mas tô postando agora. Espero que não liguem ajsjaka.
Esse cap tá meio esquisitão, mas vamos fazer o que né, eu vivo com bloqueio agora, saudades do tempo que eu tinha inspiração o dia todo.
Boa leitura 💞

Capítulo 18 - Halloween.


— FELIZ HALLOWEEN ADIANTADO! FELIZ HALLOWEEN ADIANTADO!

— IEROWEEN ADIANTADO!

— Emily, essa data não se resume ao aniversário do Satan Iero e na verdade ainda é dia 30.

— QUE SEJA, FELIZ IEROWEEN ADIANTADO!

— HALLOWEEN, EMILY. FELIZ HALLOWEEN ADIANTADO!

— Porra mano, sai de cima. Cala a boca.— fui obrigada a usar uma gíria. — Ah, fala sério! — chutei a canela da Emily e ela gemeu de dor. — QUE DESPERTADOR É ESSE?? Para de pular em cima da minha... ai!

— Bom dia pra você também, florzinha. — Agatha sorriu cínica. — E a Emily disse que você ia acordar feliz se alguém gritasse ao pé da sua orelha que amanhã é Halloween às 9 horas da manhã, mas acho que não deu cert...

— AMANHÃ É IEROWEEN! — gritei me levantando. — VOCÊ VAI MANDAR MENSAGEM PRO FRANK IERO???? — chacoalhei ela como se fosse uma boneca de pano.

— Vou, mas ele nunca vê. — ela fez uma carinha triste e eu também. Agatha revirou os olhos pra mim.

— Ainda, fren. Ainda. — fiz meu olhar "esperança é a última que morre" e ela sorriu.

— AEEEE AMANHÃ É ANIVERSÁRIO DO BEN BRUCE. — Ashley entrou gritando no quarto e eu fiquei em pé na minha cama, com meus cabelos apontando para tudo que é lado. — SABE O QUE ISSO SIGNIFICA?

— Que todo mundo já pode parar de gritar porque ainda é dia 30? — Agatha respondeu como se fosse óbvio e eu quase concordei, porém...

— NÃO, SIGNIFICA QUE NÓS VAMOS PRA UMA FESTA, É SÓ EU LIGAR PRO RONNIE E BUM! TEMOS UM CONVITE. — CC completou a frase e eu dei um pulo.

— VAMOS COMPRAR MINHA FANTASIA DE MALÉVOLA AGORA! — gritei e fui pro banheiro. Me despi e tomei um banho rápido, vesti meu roupão e entrei dentro do meu closet (não tem como ninguém me ver pelada do quarto), vesti um jeans preto e quase enfiei meu pé no rasgo dele, coloquei uma blusa do Drop Dead e calcei meus all stars. Arrumei meus cabelos azuis com a franja caindo do lado do meu rosto tocando meu queixo e coloquei meus óculos escuros para esconder minha olheiras e a cara de sono, e claro, pra ficar a cara da riqueza, né amigas. Borifei um perfume e todo mundo levou um susto de ver a diferença minha. Óbvio, quando eu acordo nem gente eu sou.

— VAMOS!

— E as crianças? — Agatha lembrou, dei um tapa na minha própria testa.

— Pultz, é mesmo...

— MAMÃE, MAMÃE. — Carolyn entrou correndo no quarto.

— Sim, princesa? — me abaixei pra ficar do tamanho dela e senti o piso gelado contra meu joelho.

— A tia Helena ligou e disse que quer ajuda pra decorar as abóboras. O tio Feldy vai dar uma festa pras crianças do bairro dele e eu fui convidada. — os olhinhos dela brilhavam. — Você vai, né mamãe?

— Eu, ahm... — porra, fodeu. Pra qual festa eu vou agora? — Acho que sim, querida. Vou comprar sua fantasia agora mesmo e...

— Eu quero ser uma bruxa MUAHHAUAMHUA. — Carol deu uma risadinha sinistra e eu apertei o nariz dela.

— Coisa fofa. Okay, vou comprar algo bem legal mas se você quiser ir escolher...

— Não! Eu quero ir pra casa da tia Helena! — cruzou os braços e bateu o pé.

— Que cópia barata de você, Yas. — Emy sorriu, apertando as bochechas de Carol.

— Sim, é tão igual. — sorri enorme. — Tá bom Carolyn, vou te arrumar e nós já...

— Tia Agatha, você pode me arrumar? — a pequena bateu os cílios, me interrompendo de novo.

— Claro, babe. Vem cá. — a de cabelos roxos pegou em suas mãozinhas pequenas e saiu do quarto. Suspirei.

— O que eu faço? O que eu faço? — perguntei começando a andar pelo quarto.

— Que foi? — Jinxx e Jake entraram com uma bandeja de comida e colocaram em cima da minha cama e eu me sentei começando a comer.

— Minha tia vai dar uma festa e o Ben também. Em qual delas eu vou?

— Na do Ben, claro. — Jinxx disse como se fosse óbvio. — Mas o problema é que Carolyn é uma criança, você trabalha muito e não tem muito tempo pra ela então pode ser que ela fique chateada.

— Esse é exatamente o problema. — mordi o piercing. — Vocês estão afim de sobreviver minha aventura numa festa infantil de Halloween sem álcool? — falei toda animadona.

Todo mundo ficou em silêncio.

— ‘Beleuza, eu vou ir falar com o Andy. Tá todo mundo aqui?

— Não, a Kyle e a Lindsey tá na casa dele com o Ben. — Jake respondeu.

— Qual dos Ben’s? — falei rindo.

— O Ben seu filho.

— Ah tá. Mas o que essas mulheres estão fazendo lá?

— Nem sei, vamos descobrir. — Emy respondeu. — A gente tá indo pra lá, levem a Carolyn pra casa da tia Helena.

— Essa frase devia ser minha. — falei.

— Errei alguma coisa?

— Não, vamos.

Saímos da minha casa e chegamos invadindo a de Andy e sendo recebidos por cachorros e gatos carentes. Achei Andrew na sala e me joguei no sofá, explicando a situação.

— O que a gente faz, Andy? — perguntei bufando e me reclinando na poltrona de sua sala. Ele estava sem camisa, descabelado e as meninas estavam, por algum motivo, arrumando a cozinha dele e fazendo café da manhã. Jake acabou de vim buscar o Ben pra levar pra casa da minha tia.

— Não sei. Temos que pensar como pais adultos e responsáveis e começar a participar mais da vida dos nossos filhos. Você e eu trabalhamos muito, e quando não é isso, estamos fazendo bagunça com nossos amigos como se fôssemos adolescentes. Eu sumi igual um cretino louco e fui meio ausente nesses últimos anos, esse erro não pode se repetir e...

— Poxa, eu queria ser homem. — falei sem pensar e ele me olhou estranho.

— Que?

— É, porque a gente teria transado e não tinha acontecido nada. Desde aquele dia nossa vida não foi mais a mesma.

— Mas eu não sou gay, a gente não teria transado mesmo. — ele fez uma cara confusa.

— Não, aí você teria virado gay por mim.

— Você não existe. — ele começou a rir igual uma britadeira e eu também. — Mas aí, vamos fazer o que?

— Hmm, que horas são a festa do Ben Bruce? — alisei meu queixo, tendo idéias malignas.

— Não sei, vou mandar uma mensagem pro Ronnie porque o Ronnie sempre sabe de tudo das festas. — ele começou a digitar. Dentro de pouco tempo ele respondeu. — Vão ser depois da meia-noite.

— Então dá tempo, ué. — franzi o cenho.

— Como assim?

— A festa da minha tia deve ser umas 7 horas, a festa do Ben vai ser meia-noite. VAI DAR PRA IR NAS DUAS FESTAS, SURTEI À TOA.

— AH, QUE ALÍVIO! — Andy sorriu. Me aproximei dele e sentei em seu colo, o beijando. Uma de suas mãos foram pro meu pescoço e a outra pra minha cintura.

— Seus putos, vamos tomar café. — Kyle jogou um guardanapo na minha cara, ficou pendurado e tirei ouvindo ela dar risada. Fomos tomar café da manhã que mais parecia um almoço, Andy foi tomar um banho e partimos em direção ao shopping para comprar as coisas pra festa.

Cada um foi em seu próprio carro e passamos metade do dia circulando de um lado pro outro até acharmos umas fantasias legais (ou aceitáveis). Eu ia de zombie, Kyle de Ashley Costello, Emy de marinheira, Lindsey de unicórnio, Agatha de Ravena, Ashley de cowboy, Andy de vampiro, Jake de pirata e Jinxx de ninja.

A verdade é que ninguém gostou muito das fantasias, mas beleza, né.

— Não sei não cara, desanimei. Vocês vão mesmo? — Agatha disse. No fim de toda a correria, nos sentamos tristes na praça de alimentação pra comer batata frita e tomar refrigerante. Ela tava tão triste que esqueceu da dieta.

— Nem sei. Ser adulto é um porre. — resmunguei. — Agora que eu já torrei meu salário, vamos né.

— Que isso gente, animação. — Emily disse com aquele sorriso insano e enorme que nunca saia do rosto dela. — E eu vou na festa das crianças também, entrar numa piscina de bolinhas cheia de arranhas de plástico me parece muito divertido.

— "Me parece muito divertido" — Kyle fez uma voz de retardada e todo mundo riu. — Quantos anos você tem? Cinco?

— Pelo menos eu não tenho essa cara de morta 24 horas por dia. — Emy revirou os olhos e atirou uma batata na cara dela.

— Fica quieta, pirralha. — mais batata voando.

— GUERRA DE BATATAS — Lindsey deu um berro e começamos a atirar batatas um nos outros, rindo sem parar como débeis mentais.

Até sermos expulsos do shopping. Trágico.

***

Finalmente era Halloween.

Nós chamamos uma cabeleireira e maquiadora profissional pra nos arrumar, já que todo mundo tava com preguiça. Depois de prontas, divas e arrumadas, fomos pra festas das crianças. Ben (meu filho) estava vestido de pinguim e Carolyn acabou como uma fadinha linda cheia de porpurina.

Okay, devia ser muito bizarro pras crianças ver 10 ad(u)l(tos)escentes tatuados e fantasiados entrando nas festas deles. Decidi que ia passar lá, falar com a tia Helena e ir direto pra outra festa.

Bom, isso foi até eu ver a cama elástica enorme e a mesa enorme de doces. Talvez eu demore um pouquinho aqui... E, aliás, a decoração tava muito bonita, havia abóboras, teias de aranha, candelabros e esqueletos espalhados por todo o gramado e a lua cheia só deixava o clima melhor.

O pessoal foi se espalhando pelo local e eu fui pra perto da mesa, virando de costas e deslizando minha mão lentamente pra tentar pegar um doce sem ser notada. Comi uns dois brigadeiros decorados com teias de aranha e minha tia apareceu quando eu tava mastigando o quinto. Muito bom. Essas são as coisas boas de festa de criança: comida. Provavelmente na do Ben vai ter só bebidas.

— Querida, tudo bom? — minha tia se aproximou e eu engoli o docinho rapidamente. Abracei ela (ou melhor, foi tive minhas costelas quebradas) e fitei aquele sorriso enorme que ela sempre carregava no rosto. Minha tia tinha envelhecido um tanto nos últimos anos, mas continuava linda em seus 46 anos, os cabelos pretos eram sedosos e os olhos azuis sempre brilhantes. Quando olho pra ela, me vejo mais velha, mas também me lembro de minha mãe.

Faz muitos anos que eu não vejo ela.

— Tô bem e você? — perguntei e fui cara de pau o suficiente para roubar um doce na frente dela, que torceu a boca e não falou nada.

— Tô ótima, querida. Ei, pare de comer os doces. São pras crianças. — ganhei um tapa fraco na mão e fiz bico. — Você nunca cresce, Yasmin.

— ‘Disgurpa. — fiz olhinhos de cachorro e Helena revirou os olhos com um sorriso no rosto.

— Você vai ficar por aqui mesmo ou tem planos para mais tarde?

— Mais tarde eu vou pra festa do Ben. — comi um chiclete com formato de olho. — As crianças queriam que eu viesse com elas, 'enton. — dei de ombros.

— Parece que a fada Sininho vomitou na sua filha. — minha tia gargalhou e eu a acompanhei. — Vai lá, tem um polvo acenando pra você.

Olhei pra frente e vi Agatha sendo atacado por um formigueiro vulgo: crianças pequenas pulando ao redor dela, fui pra lá e dei um berro.

— ABRAM CAMINHO OU EU VOU COMER VOCÊS! — fiz minha melhor imitação barata de zumbi do The Walking Dead e elas deram aqueles gritinhos agudos, saindo correndo. Corri atrás delas e parei rindo malignamente quando elas sumiram dentro da piscina de bolinhas, sendo atacadas por Andy Vampirão e gritando mais ainda.

— Tadinha das crianças. — Agatha riu.

— Chama a Emy, vamos assustar as crianças da rua.

— EMILY VEM CÁ E TRÁS BRIGADEIRO. — Agatha berrou e eu até me assustei, já que ela era quase quieta. Emy fez cara de "o que foi sua louca?" e veio correndo até nós, puxando Lindsey com ela.

— Que que foi, demônio? — ela bufou e Lindsey ajeitou o chifre de unicórnio na cabeça, colocando o chapéu de volta na cabeça de Emy.

— O que foi? Tá mal humorada? — ri da cara dela.

— Essas crianças me atacaram dentro do pula-pula. — revirou os olhos. — Mas aí, me chamou pra que?

— Tá afim de aprontar? — perguntei maligna.

— Hmmm ótima ideia. — me deu um olhar maliciosos e nós fomos chamar o resto do pessoal.

— E aí, vamos fazer o que? — Jinxx perguntou.

— Vamos assustar as criancinhas da rua e pegar doces. — Agatha disse distribuindo potes de caveiras à todos nós. — Vamos se espalhar em grupos, quem pegar mais doce, ganha.

— Tia tia, deixa a gente brincar também? — um menino vestido de Frankstein puxou a barra do vestido preto de Kyle.

— Eae pirralho. — ela o olhou feio.

— Para de ser má. — Jake deu uma bronca nela e entregou um pote pro garotinho. — Pode sim, kid.

Os grupos ficaram 3: eu, Lindsey, Jake e o menino Frankstein. CC, Kyle, Andy e Carolyn. Ashley, Jinxx, Emily, Agatha e Ben. E claro, tinha umas crianças aleatórias lá também que eu não sei nem quem é.

Saímos andando pelas ruas escuras animados e cantarolando músicas aleatórias e batemos em todas as portas, perguntando a típica frase "gostosuras ou travessuras" e alguns adultos nos olharam feio. Tinha umas pessoas mais conhecidas como Taylor Momsen e eu quase dei um grito quando ela começou a coletar doces com a gente. Depois, passamos a assustar todo mundo que passava, o que rendeu muitas gargalhadas malignas.

Resumindo: pegamos uma montanha enorme de chocolates, cupcakes, jujubas, balas e pirulitos de todos os sabores e etc. As crianças pegaram boa parte e depois voltaram pra casa, aí nos amontoamos no carro e seguimos o endereço para a festa do Ben.

A única coisa estranha é que fomos parar no cemitério.

— Que? Que merda é essa? — perguntei descendo do carro e olhando o portão do cemitério.

— Venham por aqui. — Taylor saiu andando na nossa frente, ela usava uma capa preta estilo Voldemort e nada mais. Seguimos ela e entramos em uma floresta escura, clareamos com os flashes dos celulares o caminho até escutarmos Suicide Silence tocando bem alto.

Tinha a maior festança rolando lá, parecia ritual satânico, não vou negar. A floresta e o quiosque de madeira estavam iluminados com luzes vermelhas, dando um ar macabro e a música não ajudava muito. Tava muito foda, amei.

Logo Ronnie se aproximou de nós com Ben, andando cambaleando pelas folhas secas.

— Finalmente chegaram. — ele me abraçou de lado completamente bêbado e deu um soluço.

— Feliz aniversário Ben. — todo mundo abraçou ele.

— Muito obrigada, eu amo vocês. — ele riu, grogue.

Estramos na onda da festa e começamos a apostar quem bebia mais, logo ficando tontos. Tirei muitas fotos, ri igual uma idiota e cai e me ralei muito no meio do mato quando fui brincar de esconde-esconde. Dancei as músicas mais improváveis e depois fui fumar, e dar um rolê no cemitério com o pessoal, porque segundo ao Oliver era "muito emo gótico das trevas e romântico desfilar chapado por entre os túmulos com uma lua tão linda daquela". E ele tinha razão, o cemitério era bonito. Dava até vontade de ficar lá mesmo. Sentamos em cima de uma lápide qualquer e comemos os doces enquanto falávamos sobre tudo que era possível se dizer bêbado — isso incluia elefantes e múmias — e depois começamos a correr pelos túmulos, mas um guarda apareceu e nós voltamos pra festa.

Foi o Halloween mais macabro e divertido da minha vida.


Notas Finais


Esse capítulo tá um lixo, mas ok né. No próximo tem um tiro, o momento mais esperado heuheuehe *-*
Ps: talvez eu demore por causa das provas de fim de ano na escola, sabe como é,,,

Detalhes:
1. Frank Iero era guitarrista do MCR e agr tem uma bandinha chamada Frank Iero And The Patience (e outras aleatórias aí) e a piadinha do ieroween vem do fato dele fazer niver no dia 31. Pq eu coloquei isso aqi? Não sei tb.
2. E é isso, qualquer coisa é só perguntar. Ah, e a partir do capítulo 20, provavelmente estaremos em reta final. É, pois é. Pretendo chegar até o 30, porque sinto que se a fic ficar grande demais, vai acabar ficando cansativo (se é já não ficou) e não tem muito mais o que adicionar o roteiro, sabe? Não quero ficar de lenga lenga ;-;
Leiam a fic linda da Ray meu amorzão: https://spiritfanfics.com/historia/death-hills-10798930 vocês não vão se arrepender.
Por favorzinho, não deixe de comentar nem que seja um gostei e se tiver alguma crítica, tamo aqui pra isso (eu sou emo, não me xinguem) e eh isto, beijos no coração amo vocês até a próxima 💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...