História Love Design - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Capitão Killian "Gancho" Jones, Cora (Mills), David Nolan (Príncipe Encantado), Emma Swan, Henry Mills, Lacey (Belle), Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood, Sr. Gold (Rumplestiltskin), Xerife Graham Humbert (Caçador), Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Bex Mader, Evil Queen, Graham Humbert, Henry Mills, Huntingqueen, Jamie Dornan, Lana Parrilla, Once Upon A Time, Ouat, Regina Mills, Robin Hood, Sean Maguire, Zelena Mills
Exibições 192
Palavras 2.190
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Voltei!!!!!!! Me impressionei com a quantidade de gente querendo me matar haha

Capítulo 10 - Just one more drink


Fanfic / Fanfiction Love Design - Capítulo 10 - Just one more drink

Robin não sabia o que estava sentindo, estava curioso, mas sabia que não poderia permitir algo assim dentro de si, seu casamento fiel de quinze anos teria sido em vão se permitisse.

-Droga!! O que eu estou fazendo comigo? Com meu casamento? – Disse irritado e deu um soco no volante. Estava angustiado por não saber o que fazer em relação ao que estava surgindo em seu coração, Regina o estava abalando e vê-la magoada entrando no carro com um lobo sedento por ela o destruiu. Talvez ela também estivesse sentindo o mesmo por ele, mas como ele iria saber? Só o que havia restado do doce e sedutor olhar da quente morena era o ódio após ver Marian junto dele.

Ele ligou o carro 10 minutos após a arquiteta ter saído de lá com o engenheiro chefe. Respirou fundo limpando suas lágrimas que não eram poucas, seus olhos estavam vermelhos. Dirigiu direto para casa, era o lugar mais próximo para ele, chegando na mesma deu de cara com Marian.

-Marian... – Tentou disfarçar qualquer rastro de lágrimas.

-Andou chorando?? – Disse ela o cumprimentando com um breve beijo.

-Claro que não! Porque eu choraria? – Riu ele.

-Por nada! – Sorriu de volta. – Vou para o quarto, se precisar de mim sabe onde me encontrar, deve estar cansado. – Disse sem obter resposta e deu-lhe um beijo novamente, olhando-o maliciosamente e subiu para o quarto.

 Nenhum dos beijos foram correspondidos, Robin não sentia desejo pela esposa à muito tempo, talvez fosse o cansaço,  estresse ou até uma crise no casamento, essas seriam as opções antes, mas agora ele sabia muito bem quem estava desejando ter por toda uma noite ou várias. Sabia que era errado, mas era o que queria e queria muito.

Ele caminhou até seu frigobar e desta vez não quis vinho, optou por uma dose generosa de whisky sem gelo, sentou em sua poltrona e ali permaneceu o resto da noite e parte da madrugada até acabar por adormecer na mesma.

***

Graham dirigiu calmamente, queria aproveitar o tempo com a morena, gostava até demais de sua companhia, fazia oito meses que não saíam a sós.

-Você está bem? – Graham perguntou preocupado tentando olhá-la, tinha que se concentrar na estrada do “fim do mundo” que estava escura.

-Estou sim! Só me leve para beber alguma coisa forte! – Continuou a olhar para a lua brilhante, queria tirar o quase beijo e as respirações de Robin de sua mente, mas estava quase impossível.

-Eu já entendi! Meu amor, você quer beber! E parece que não vai ser pouco! – Suspirou e sorriu maliciosamente. –Mas por que comigo? – Disse curioso.

-Se continuar me questionando, peço para que me leve direto pra casa e de lá você vai de táxi ou a pé!! – Disse e o olhou irritada, odiava perguntas de por que. Bufou.

-Você fica ainda mais linda brava! – Graham disse rindo, amava ver a morena brava, ela conseguia ser ainda mais sexy do que já era.

Regina tornou a bufar e revirou os olhos.

Graham dirigiu por alguns minutos e estacionou o carro em frente a um bar pouco movimentado, mas que ambos conheciam muito bem. Saiu do carro e abriu a porta para ela.

O engenheiro passou o braço por trás da morena e depositou sua mão no quadril da mesma, mas desta vez isso não a incomodou.

Ao perceber a mão nada boba do “amigo”, sorriu, sabia que ele não a tiraria nem se ela pedisse.

Eles entraram no bar, a iluminação era baixa, o balcão era preto, bancos altos com assentos vermelhos e uma infinidade de bebidas. Estava vazio exceto por talvez meia dúzia de outros clientes.

Sentaram nos banco mais próximos das bebidas.

-Um vinho meu amor? – Olhou sinicamente para Regina, sabia que estressada não bebia vinho.

-Ta de brincadeira comigo né? Diz que sim! – Disse ela e abaixou a cabeça no balcão.

-Duas doses generosas de whisky com gelo, por favor – Pediu para o barman que não demorou muito para lhes entregar as bebidas.

-O que te deixou assim? – A olhou com preocupação e carinho, depositando uma mão em sua coxa.

Regina corou e a abriu os olhos levantando sua cabeça que estava abaixada e olhando para ele e sua mão.

-O que eu disse sobre me questionar? – Respirou fundo, pegou o copo e deu um belo gole. – Fez uma breve careta de primeiro gole e sentiu descer queimando sua garganta.

Graham apertou levemente a coxa da arquiteta.

-Tem que haver um motivo, você não bebe assim do nada. – A olhou maliciosamente, conter-se era difícil.

Regina colocou a mão sobre a mão do abusado engenheiro e a acariciou. Estava ficando extremamente corada, sabia o que se passava na cabeça do colega de trabalho.

-Nenhum assunto seu! – O olhou de volta com a mesma malicia.

Ao perceber a mão da morena incentivando a carícia, se remexeu no banco e tentou manter sua respiração normal, o que era extremamente complicado.

Regina tomou uma, duas, três doses generosas de whisky e quando percebeu já havia perdido as contas na quarta. Bom! Ela havia perdido, Graham sabia muito bem cada dose que a morena havia tomado, pois ele estava totalmente sóbrio e em sua primeira dose.

A arquiteta era fraca para bebida e Graham mais do que ninguém sabia muito bem disso, já havia bebido com ela outras duas vezes.

-Gr-Graham, peça mais uma dose pra mi-mim por  favor? – Disse ela já entregando sua embriaguez na voz.

-Regina vai com calma, você já bebeu demais! E está sem comer. – Colocou a mão em seu rosto e o acariciou lentamente.

Regina ofegou e lhe lançou um olhar intimidador.

-Só mais um e vou te levar pra casa! – Disse ele com voz firme.

-Pra sua ou pra minha casa? – Disse com uma voz sedutora muito mole pela bebida e mordeu o lábio inferior o olhando fixamente nos olhos.

-Re-Regina... – Graham corou e sentiu a mão da morena em sua coxa e tentou se controlar, ela o excitava muito fácil, um simples olhar dela e ele já estava pronto para uma longa noite com poucas pausas.

Regina bebeu a última dose prometida por Graham o olhando fixamente com cara de que queria mais.

-Não! Não quero você trancada vomitando no banheiro de um bar, não é bom pra sua reputação! – Disse ele.

-Do que vale uma boa reputação quando não se tem com quem dividir esse sucesso? Não tenho família e ninguém que se importe de verdade comigo, quando eu acho que vou conhecer alguém tenho sempre uma decepção! – Disse pausadamente cada palavra, estava mole e tonta.

-Eu me importo com você! – Disse levantando-se e indo em direção ao caixa.

Regina o mediu de cima a baixo, sabia o que queria naquela noite.

Graham suspirou ao se afastar dela, o tesão que sentia naquela arquiteta era indescritível e incontrolável.

Ele de longe a olhou sentada naquele banco alto, estava tão sexy, ele a tomaria a noite inteira em cima daquele balcão com esse bar fechado.

Ela estava com cara de entediada quando ele parou ao seu lado.

-Vamos? – A olhou carinhosamente e passou a mão por seus ombros

-Claro! – Ela o olhou com desejo, queria esfriar a cabeça daquela tarde e sabia que a bebida não tinha sido o suficiente. Levantou-se e desta vez o braço passado por trás era dela nele.

Regina era bem mais baixa que ele por mais que usasse saltos altos.

Graham a apertou contra seu peito e deu-lhe um beijo carinhoso no cabelo que a fez sorrir.

Conduziu-a até o carro, pois estava cambaleando, a colocou no banco do passageiro e passou o cinto na mesma. Deu a volta e sentou no banco do motorista, estava totalmente sóbrio e apto a dirigir, havia apenas bebericado seu whisky, não arriscaria beber como Regina e depois dirigir, ele não a colocaria em risco assim por bobagem.

Regina o olhou fixamente quando ele entrou no carro e o observou colocar o cinto. Seu olhar era sexy, seu rosto enrubescido e sua respiração falha o atiçavam muito.

Graham corou violentamente, ela estava irresistível. Aqueles 10 minutos dentro do carro até a casa da morena seriam longos.

Ele tentou manter o foco no resto do caminho, mas estava difícil com a mão de Regina acariciando sua coxa.

-Vai mesmo me provocar? – Disse ele corado e respirando sua excitação pela arquiteta.

-O que eu estou fazendo? Você me provoca o dia todo para me ver brava porque acha isso sexy, o que é um leve carinho na coxa perto disso? – Disse arfando cada palavra, ao dizer “leve” apertou a coxa de Graham, mordeu o lábio inferior com força, soltou uma risada sedutora e aproximou sua mão do membro que estava mais duro que qualquer coisa pulsando dentro da calça social apertada.

Graham tentou manter-se calmo para que Regina não percebesse seu generoso volume, deu graças por estar muito escuro e foi salvo ao entrar no condomínio e parar o carro em frente à grande casa da arquiteta.

-V-Venha, Regina! Vou te levar pra dentro para me certificar de que de fato entrou em casa! - Disse gaguejando enquanto Regina arfava com o mesmo olhar intimidador.

Devido ao tempo que estava sem se envolver com ninguém e a bebida, sua excitação era redobrada.

Graham respirou fundo ao sair do carro. Sabia que a Arquiteta não tinha quase noção alguma do que estava fazendo.

Ele a levou até a porta e a olhou fixamente, teve o olhar retribuído pela quente morena.

-Regina... – Permaneceu com suas orbes azuis nas castanhas de Regina fixamente, colocou a mão no rosto da mesma e a puxou para perto.

-G-Graham... – Arfou o nome do engenheiro com desejo.

Graham a empurrou levemente para dentro e fechou a grande porta atrás dele encostando na mesma.  Ambos colaram seus corpos, ela era irresistível e se conter era quase impossível. Ele deslizou suas mãos pelas costas de Regina e contornou cada curva perfeita daquele corpo até sua bunda.

A morena sem agüentar a tensão o beijou com urgência e ele não muito surpreendido retribuiu com a mesma urgência talvez até mais. Um beijo molhado e intenso sem pausas.

Graham sentiu o fervor vindo do corpo da morena que agora era ardente.

Regina sentiu a dureza do engenheiro pressionar contra ela e o empurrou em direção a um sofá grande e preto, o mesmo caiu sentado e ela o montou, sentiu desta vez o membro rígido pressionar em sua intimidade por cima da calcinha por estar de vestido e isso a molhou de vez, gemeu brevemente, voltou a beijá-lo com toda intensidade possível, suas línguas se entrelaçavam.

Graham estava prestes a perder o controle que lhe restava quando as palavras “Eu não sei o que faço quando estou bêbada, não tenho noção e quase nunca me lembro do que fiz.” vieram em sua mente com a voz de Regina e lembrou do que aconteceu com eles a oito meses atrás.

-R-Regina! R-Regina! Espera! Hey! Hey! Hey! Não! – Disse a tirando de seu colo, colocou-a sentada no sofá e levantou, respirou fundo ao vê-la naquele estado de tesão.

-O que? Não? Eu sei muito bem que você me quer! – Ficou séria.

-Sim! Eu quero muito, mas não desse jeito, você está emotiva, bêbada e se eu transar com você nesse estado, além de você não lembrar de nada amanhã cedo, você vai me odiar de novo e me por pra fora a ponta pés como fez da última vez, sem contar que vai parar de falar comigo e todas as vezes que eu tentar voltar a falar com você, vai dizer que abusei de você! Eu te conheço muito bem! Quer agora! Porque não esta sóbria! –Disse sério e retomou o ar que ainda era pouco, queria muito, mas era errado.

Regina revirou os olhos e o olhou brava.

-Não adianta me olhar assim, Srta. Mills! – Sorriu para a mesma, lhe dando um selinho. – Suba, tome um banho frio, vou procurar algo para você comer! – A olhou carinhosamente.

-Serio? Eu mereço!! – Resmungou e fez o que o mesmo disse, mesmo não estando acostumada a receber ordens e estando bêbada, sabia que era pro seu bem.

***

Após um breve banho gelado, estava um pouco mais fria. Havia colocado uma camisa social comprida com listras claras e uma calcinha pequena grossa preta de renda. Sentou na cama e esperou o mandão voltar.

Graham trouxe suco com torrada e peito de peru. Regina devorou tudo rapidamente, estava faminta.

-Obrigada! – Sorriu timidamente, seu tesão reprimido era aparente.

-Você é bem mais educada bêbada. – Riu debochando.

Após comer Regina deitou-se de lado e Graham a cobriu com o edredom.

 Ela apagou em poucos minutos.

-Tão linda e tão quente! Uma pena que só me queira bêbada. – Disse ele a observando, sabia a tentação que ela era e o quão fervente poderia ser e respirou fundo, tentando afastar aqueles pensamentos, sabia que tinha feito a coisa certa.

O engenheiro tirou seus sapatos e camisa, apagou a luz e deitou ao lado da arquiteta, cobriu-se e a abraçou por trás. Colocou seu braço por de baixo do travesseiro dela e enterrou seu nariz naquelas madeixas escuras inalando o cheiro único daquela mulher até pegar em sono profundo...


Notas Finais


Espero que tenham gostado, me diigam <3 Mmmmwah!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...