História Love has no rules - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), G-Friend
Personagens Eunha, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, SinB, Sowon, Suga, Umji, V, Yerin, Yuju
Tags Bts, Gfriend, J-suga, Sinrin, Taekook, Vkook, Yoonseok
Exibições 95
Palavras 2.739
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Festa, Hentai, Lemon, Orange, Romance e Novela, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olaaaaaaaaaaaar amores <3
ESse é um capítulo morno, porém vai dar espaço pra vários personagens / couples se desenvolverem :)
Espero que gostem <3
Boa leitura ^.^

Capítulo 11 - O estacionameto


Fanfic / Fanfiction Love has no rules - Capítulo 11 - O estacionameto

No capítulo anterior…

~ Namjoon e Hoseok apostam sobre o moreno conquistar Yoongi

~ Sowon e Jimin vão até um píer onde passam um tempo juntos e depois eles vão para casa e fazem sexo.

 

O sol já havia nascido e filetes de luzes laranjas invadiam o quarto. Um deles estava posicionado sobre os olhos de Sowon o que a fez despertar gradualmente. Ela abriu os olhos devagar e olhou para o lado direito. Encarou o criado-mudo cheio de mangás bagunçados e estranhou aquilo estar em seu quarto. Depois olhou para o lado esquerdo e viu Jimin deitado de costas para ela.

A menina sentou-se de supetão e acordou o outro. Sowon puxou o lençol para esconder os seios e cobriu Jimin com outro até a cintura. O menino viu e riu da ação.

- Ontem à noite você não tinha essa vergonha toda. - brincou.

- Aff Jimin. - disse vermelha – Eu preciso sair daqui sem que me vejam.

- Ah! - exclamou manhoso – Volte aqui, Sowonie!

- Não. – olhou para o quarto procurando suas roupas – Preciso me vestir e ninguém pode me ver saindo do quarto.

- Tudo bem, boa sorte. - Jimin falou irritado e se cobriu com lençol.

Ela não se importou e vestiu-se. Sowon abriu a porta e saiu de fininho. Assim que ela fechou a porta do quarto, Namjoon apareceu do outro lado do corredor.

- Sowon? - perguntou confuso – O que você fazia no quarto do Jimin? - ele notou que ela ainda vestia as mesmas roupas de ontem e estava descabelada – Deixa, eu acho que já entendi.

- Namjoon… - ela disse quando ele passou por ela.

- Tudo bem, Sowon. - colocou a mão em seu ombro – Eu não tenho nada a ver com isso. - virou-se e entrou no quarto.

A menina sentiu seu coração ser triturado. Ela sabia que não estava tudo bem e machucar Namjoon, de alguma forma, lhe causava aflição. Uma angústia tomou conta de si e ela não entendia o motivo de, repentinamente, se sentir tão culpada por isso. Sowon tomou um banho longo e quente. Passou o dia inteiro trancada no quarto desenhando e só saiu para buscar comida na cozinha.

Enquanto isso, na praia de Haeundae, Eunbi e Yerin aproveitavam o finalzinho de tarde. As duas estavam na areia jogando frescobol e se divertiam bastante. Ambas jogavam muito bem então era uma disputa bastante acirrada e interessante.

Yerin rebateu a bola muito forte e fez com que Eunbi corresse para alcançá-la. Sua atenção estava completamente na bola e acabou tropeçando em um pequeno morro de areia. A menina se ralou e Yerin correu para ver se está tudo bem. Chegando lá, ela constatou o machucado no joelho e procurou algo em sua bolsa.

- Você carrega um kit primeiros socorros sempre? - perguntou enquanto a mais alta tirava de uma bolsinha álcool e algodão para limpar o ferimento.

- Sou uma menina prevenida. - Eunbi sorriu mas logo fez cara de sofrimento ao sentir a ardência.

- Pronto. - disse finalizando com um band aid.

- Obrigada, Yerin. - levantaram.

- Ah, isso não é nada. - corou – Apenas o mínimo…

Eunbi esticou-se para alcançar Yerin e a surpreendeu com um beijo doce. Ela tocou seus lábios de maneira suave e carinhosa. Apesar do susto, Yerin não hesitou. Ela abraçou a menina e aproximou os corpos. Eunbi segurou sua nuca brincando com seus cabelos e aprofundou o beijo. Agora o ato se tornou passional e repleto de desejo. Gradualmente elas diminuíram o ritmo até interromperem o beijo. As meninas permaneceram com as testas juntas e sorriam uma para a outra.

Não havia nada mais sereno do que a troca de olhares entre as duas. Suas almas doces e entorpecidas se conectavam por meio do olhar. Ambas sentiam que precisavam estar perto uma da outra cada vez mais para estarem em paz. Depois da noite a qual se conheceram, nenhuma das duas se sentiram completas sozinhas.

De volta a Seoul, na cafeteira, Taehyung e Jungkook estavam fechando o estabelecimento. Ambos estavam cansados, mas animados por ter finalizado o trabalho.

- Que sorte as meninas têm de não trabalharem no domingo. - Taehyung disse enquanto trancava a porta de vidro.

- Verdade. - Kook suspirou – Mas ela não tem planos de estudar fora como nós.

- Exatamente, bebê, - segurou sua bochecha e a beijou – isso é temporário. Vamos estudar em LA e vamos nos tornar atores famosos! - sorriu e segurou sua mão.

- Então? Onde vamos?

- Estava pensando em darmos uma passada na Exo.

- Exo? - Kook indagou confuso.

- Sim, aquela boate nova que abriu. Chanyeol e Baekhyun estão lá.

- Ótimo, faz um tempo que não os vemos.

O casal caminhou para o ponto e permaneceram abraçados até o ônibus chegar. Taehyung mordia Kook na bochecha e no braço para implicar com o menino. O menor tentava se afastar, mas Tae era mais forte.

Finalmente, para alegria do pequeno, a condução chegou. Eles sentaram juntos e não precisou de três minutos para Taehyung adormecer no colo e do moreno. Ele acariciou os cabelos do castanhos e fitou a rua. Pensamentos aleatórios percorreram sua cabeça com a mesma velocidade que o ônibus seguia.

Kook acordou o seu amado selando os lábios assim que chegou no ponto de descida. Tae acordou sorrindo e os dois foram caminhando de mãos dadas. Entraram na fila que estava pequena, pois era domingo, e logo compraram a entrada.

Assim que entraram puderam ouvir a música “HUH – 4minute” ecoando pelo local. A boate estava razoavelmente cheia para um dia de domingo e as luzes eram fracas. Eles se dirigiram para perto do bar e logo encontraram o casal.

- Chanyeol, Baek! - Taehyung acenou e os dois se aproximaram.

- Tudo bem com vocês? - Kook perguntou.

- Tudo ótimo e vocês? - respondeu Baek.

- Estamos bem também. - Tae sorriu.

Mal se viram e começaram a expelir todas as fofocas. Tae e Kook contaram tudo sobre Sowon e companhia enquanto Chanyeol e Baek falaram sobre Kai e Kyungsoo. Os quatro adoravam se juntar para colocar a fofoca em dia, beber e dançar. Passado o calor da conversa, Kook e Baek resolveram ir dançar enquanto o mais alto e o castanho continuavam conversando.

A verdade é que eles queriam observar seus namorados dançando. Eles eram sensuais e fascinante aos olhos dos dois. Quer dizer, não apenas a aqueles dois pares de olhos. Alguns homens e mulheres se aproximaram da dupla e os dois continuaram a dançar. O moreno que observava estava tranquilo, a final de contas, era apenas uma dança. Já Taehyung, estava fervendo de raiva. Seu ciúme descontrolado estava tomando conta de si até que decidiu ir até lá.

- Taehyung! - Chanyeol o segurou pelo braço – O que você acha que vai fazer?

- Cuidar do que é meu. - respondeu sem fitá-lo.

- Eu não sei como Jungkook te aguenta. - Tae virou-se – Tem certeza que é isso que você quer? Você acha que o Kook vai aturar seus ataques por muito tempo?

Tae olhou o moreno dançar mais uma vez, suspirou e se dirigiu ao bar. Chanyeol foi atrás.

- Quero uma dose dupla de Vodca. - pediu ao barman.

- Você acha que ele vai querer um homem fedendo a Vodca também, Taehyung!?

- Ah, vai cuidar da tua vida, Park Chanyeol. - disse e tomou tudo de uma vez.

- Você realmente é um idiota. - riu e pediu uma dose.

Não muito longe dali, Jin e Eunha estavam aproveitando um jantar a dois. O casal conversava sobre o futuro. Os dois planejavam viajar por toda a Ásia. Discutiram sobre os países que mais querem visitar. O favorito de Eunha era a Tailândia e de Jin, a China. Ela escolheu a Tailândia por se considerado o país mais feliz do mundo e ele escolheu a China pelas montanhas. Além disso, os dois discutiam sobre quantos filhos terão no futuro, onde morarão quando casar, entre outras coisas.

Os dois adoravam dialogar sobre o futuro e faziam isso sempre que tinham oportunidade. Eles eram o típico casal que, obviamente, envelheceriam juntos. Qualquer um vê isso de longe. Terminado o jantar, os dois se dirigiram para a casa de Eunha.

A família dela estava comemorando o aniversário de sua prima e eles foram parabenizá-la. O som estava alto, depois de tocar a campainha incessantemente, Umji abriu a porta. A menor cumprimentou os dois e chamou a irmã mais velha.

- Olá, Yuju. - disseram juntos curvando-se.

- Feliz aniversário! - Eunha a abraçou e entregou um pacote.

- Parabéns! - Jin sorriu e a abraçou.

- Muito obrigada pela presença e pelo presente. - cursou-se – Vou guardar isso. - saiu do recinto.

- Como vai meu filho!? - O pai de Eunha envolveu o pescoço de Jin e abaixou sua cabeça.

- Olá, senhor Jung - encurvou-se quando ele o soltou.

- Está cuidando bem da minha filha? - disse muito próximo a Jin exalando o odor de cerveja.

- Sim, senhor. - sorriu olhando para ela.

- Você sabe o que eu fiz com o cara que traiu meu filho? - Jin abriu a boca pra responder – Eu arrasei aquele menino. Ninguém mexe com o coração dos meus filhos.

- Pai, se você bater em alguém mais uma vez, eu não vou pagar a tua fiança e vai passar três meses na cadeia.

- Ei! Olha como você fala com seu pai! Você tem a obrigação de pagar minha fiança se eu estiver defendendo você ou o Inseong.

- Aff, você não tem jeito seu velho idiota. - brincou e os três riram.

 

>---⚢---⚤---⚣---<

 

Sowon limpava o balcão preguiçosamente. O local só contava com três clientes espalhados pelo local. Dois deles eram escritores e o outro estava apenas aproveitando seu café naquela ensolarada tarde de Seul. Umji já tinha limpado todas as mesas e varria o chão. Taehyung dormia encostado na máquina do caixa e Kook terminava de assar os últimos pãezinhos.

- Como esse lugar conseguiu se tornar tão chato de repente. - Sowon reclamou e deitou apoiando a cabeça no pano.

- É sempre assim, Sowon-unnie? - Umji se aproximou com a vassoura e sentou-se de frente a ela.

- Segunda-feira, sim. - revirou os olhos e suspirou – Eunbi! - Sowon apontou para a porta e o coração de Umji palpitou.

- Olá! - Eunbi encurvou-se para as duas.

- Olá, Eunbi-unnie! - respondeu.

- Umji! - abraçou-a – Tudo bem com você? - perguntou preocupada.

- Tudo bem, unnie. - sorriu.

- Soube que você saiu da festa passando mal, o que foi?

- Nã-não foi nada. - sua voz ficou trêmula.

- Não me diga que você bebeu? - colocou uma mecha do seu cabelo para trás e um pequeno choque elétrico percorreu o corpo da menor – Sowon, eu juro que se alguém embebedou meu bebê eu acabo com a raça da pessoa.

- Tudo bem, unnie. - sorriu amarelo – Eu apenas estava cansada.

- Hum, estou de olho. - cutucou a barrigada da pequena arrancando-lhe risadas.

- Eai, mulher, o que faz aqui? - perguntou Sowon - Não que eu esteja reclamando, aqui está entediante.

- Vim aqui encontrar Yerin. - sorriu e, subitamente, Umji sentiu seu corpo pesar.

- Você não desgruda daquela menina, hein. - a mais velha brincou e Eunbi corou.

- Pare de falar assim, parece que eu a persigo. - empurrou-a e a outra riu.

- Ou vocês duas que são grudentas demais. - Umji falou com rispidez e entrou na cozinha. As mais velhas se olharam confusas e foram interrompidas pela chegada de Yerin.

- Esperem ali naquela mesa, - Sowon apontou - já volto para atender vocês.

Ela entrou na cozinha e não viu Umji. Fitou Kook que estava terminando de embalar os brownies e ele apontou pro freezer com a cabeça. A menina assentiu e abriu a porta. O local estava frio, não era pra menos, e Umji se encontrava no final entre os leites e as manteigas. A pequena estava sentada encostada na parede abraçando as pernas. Sowon se aproximou e pode ouvir o choro baixinho da menor. Ela a abraçou e sentou ao seu lado.

- Umji, não fique assim. Você é uma menina muito bonita para chorar desse jeito. - sussurrou em seu ouvido.

- Sou mesmo, unnie? - levantou o rosto – Se eu fosse tão linda assim Eunbi-unnie não pensava em mim como um bebê.

- Ah, Umji. - beijou sua bochecha – Não fique assim, Eunbi te ama.

- Mas não só jeito que eu quero.

- E daí? Você vai encontrar outra pessoa e vocês vão se apaixonar.

- Você não entende, unnie, eu a amo e não é fácil “desamar”. - Sowon olhou fixamente para frente e Jimin e Namjoon surgiram em sua mente.

“Será que e estou fazendo o certo me relacionando com Jimin? Será que eu não estou iludindo um e despedaçando o coração de outro?”

Ela acordou de seus devaneios e tornou a falar.

- Meu anjo, o amor é assim. Enquanto que uns ganham, outros perdem, mas isso não quer dizer que você vai perder para sempre. Isso que dizer que não é com a Eunbi que você tem que ficar ou não é o momento. Você é nova, a vida ainda está guardando grandes coisas pra você. - sorriu.

- Promete, unnie?

- Prometo. - Sowon levantou-se e ofereceu a mão – Agora vamos porque temos muito trabalho a fazer.

 

>---⚢---⚤---⚣---<

 

A noite já havia se tornado escura e fria, mas não para os escritórios localizados no centro de Seoul. O mar de prédios comerciais ainda permaneciam com suas luzes brancas acesas. O edifício onde Hoseok trabalhava não poderia ser diferente. Entretanto, apenas alguns permaneciam até tarde trabalhando no seu andar.

O moreno trabalhou durante horas a fio no seu relatório para entregar no dia seguinte pela manhã e finalmente o terminou. Apertou “ctrl + s” e desligou a máquina aliviado. Finalmente poderia descansar em casa. Hoseok levantou-se e enquanto arrumava a mesa viu que Yoongi também estava saindo. O mais velho correu para pegar o mesmo elevador que o outro e conseguiu. Entrou as pressas e o moreno revirou os olhos.

- Subsolo, por favor. - disse e Yoongi apertou – Obrigado. - Yoongi o fitou com indiferença e tornou a olhar para frente.

Hoseok analisou o moreno. Ele era mais baixo, mas tinha um porte físico atraente. Lembrou-se da aposta que fizera com Namjoon e concluiu que não seria tão ruim assim provar que o amigo estava errado. Um calor invadiu seu corpo e ele suspirou tentando afastar seus pensamentos. Entretanto, decidiu que tentaria ganhar o desafio naquela noite.

O elevador abriu e Hoseok averiguou que o estacionamento estava vazio. Yoongi caminhou na frente e ele o acompanhou. Assim que o menor pousou a mão na maçaneta para abrir o carro, o outro moreno a segurou.

- Preciso falar com você. - Yoongi se assustou, não havia sentido sua presença. Ele se desvencilhou e virou de frente.

- O que foi? É sobre minha irmã? - cruzou os braços.

- Mais ou menos. - mentiu.

- Se não for por isso, não fale comigo. - disse com a voz trêmula.

- Eu só queria saber – segurou seu cotovelo – o motivo de você odiar tanto homossexuais. - Hoseok falou de forma ardilosa.

- Que tipo de pergunta é essa seu…

Hoseok o interrompeu puxando para um beijo. Os braços de Yoongi caíram e ele se sentiu vulnerável. Não conseguiu reagir contra o beijo, na verdade, ele abriu passagem para a língua de Hoseok o correspondendo. De algum modo, no momento que sentiu os lábios de Hoseok, sentiu a necessidade daquilo. Como se precisasse de sentir aqueles lábios tocando os seus e sua língua passeando por sua boca.

Ele o correspondeu por alguns segundos, por alguns segundos ele não se sentiu como ele mesmo. Aquele Yoongi que respondeu o moreno positivamente, não era o mesmo que “odiava” homossexuais. Mas foram apenas por alguns segundos. Yoongi vestiu sua máscara novamente e empurrou Hoseok. O menor entrou no carro sem dizer uma palavra, o outro mordeu os lábios inferiores e sorriu com ar de vitória.

Yoongi ligou o carro e saiu as pressas. Hoseok apenas o observou e depois se dirigiu seu carro. Aquele beijo não saiu da cabeça de nenhum dos dois. Enquanto um reprimia essa lembrança, o outro a desfrutava. 


Notas Finais


Então, gostaram?
Comentem ai o que vcs acharam do capítulo por favor <3

Perdoem qlqr errinho que tenha passado >.<
Obrigada por lerem <3333
Até os comentários ^^
Bjsssss ;***


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...