História Love Is A Game - Capítulo 27


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Tags Camren, Jilly Anais, Keana Marie, Leigh-anne, Love Is A Game, Norminah, Trolly, Vercy, Zendaya
Exibições 118
Palavras 1.247
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Musical (Songfic), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


FALA GALERA!
boatos que eu demorei dois meses pra atualizar, sim, mas é porque eu realmente tenho uma dificuldade ENORME pra escrever hot.
antes que eu esqueça, amor, obrigada por me ajudar com o título e por me deixar usar a foto. te amo <3

Capítulo 27 - Show You What I'm About


Fanfic / Fanfiction Love Is A Game - Capítulo 27 - Show You What I'm About

Os lábios de Normani se apossavam dos meus a longos minutos, enquanto minhas mãos estavam indecisas sobre onde permanecerem. O corpo de Normani era simplesmente dos deuses e cheio de curvas para não se querer tocar cada parte, a todo tempo.

Nosso beijo era sem pressa, diferente de todas as vezes que fizemos isso em nossas casas, sem o conhecimento de nossos pais, obviamente. Não fazemos questão de apressar, não poderíamos nos dar esse luxo, não mais.

Normani puxou meu lábio inferior com os dentes, em uma lentidão torturante, me fazendo suspirar pesadamente enquanto minhas mãos firmemente apertaram suas coxas, a fazendo sorrir e deslizar os dentes por seu próprio lábio inferior em seguida. Eu não saberia esperar mais.

Rapidamente minhas mãos se dirigiram para a barra de sua camisa, a retirando em questão de segundos. Joguei aquele pedaço de roupa em algum lugar do quarto, juntamente com seu sutiã. Meus olhos foram instantaneamente puxados para os seios de Normani, fartos e durinhos. Me curvei até alcançá-los e rodeei minha língua em um de seus seios, arrancando um gemido rouco dela. Continuei movimentando minha língua enquanto minha outra mão desceu e começou a puxar o shorts de pijama que ela usava, fazendo Normani se levantar do meu colo e retirar aquela peça de roupa, me deixando hipnotizada por Normani estar apenas de calcinha, olhando atentamente para mim com um sorrisinho de lado nos lábios.

Me levantei um pouco atordoada pelas provocações de Normani e andei até ela, puxando-a pela cintura e a dei um impulso para cima, fazendo-a entender que eu queria as pernas dela ao redor da minha cintura. Ela me olhou, mas negou, ainda mantendo o sorriso safado nos lábios, o que me fez erguer uma sobrancelha e cruzar os braços. Ela nada falou, apenas ficou de joelhos e abriu o zíper do shorts jeans que eu usava, logo em seguida senti a peça de roupa escorregar por minhas pernas, levantando uma perna de cada vez para retirá-lo totalmente.

Após jogar meu shorts junto com suas roupas, Normani voltou sua atenção para minha calcinha, antes de retirá-la lentamente, o tempo todo com aquele maldito sorriso nos lábios, me torturando. Depois da parte de baixo do meu corpo estar nua, ela deixou um beijo provocativo no meu clitóris, me fazendo gemer, já me preparando para o que já estava por vir.

Mas ela nada fez, apenas se levantou e eu gemi frustrada, precisando de mais. A raiva que eu senti por ela não terminar o que começou se manifestou por todo meu corpo, me fazendo erguê-la e rodear minha cintura com suas pernas. A pressionei contra a parede, a deixando sem oportunidade alguma de descer do meu colo e inverter nossas posições.

- O que vai fazer? - ela perguntou, olhando no fundo dos meus olhos. Os olhos dela estavam em chamas.

- Eu vou te mostrar, você vai ver. - sem aviso prévio, deslizei dois dedos dentro de sua entrada e seu corpo tensionou, suas unhas agarraram firmemente em meus ombros cobertos por minha camisa e ela mordeu o lábio, contendo o gemido.

Não poderíamos gemer ali, não com os pais e irmãs de Normani em casa, então eu prontamente pressionei meus lábios contra os dela, abafando os gemidos enquanto ela tentava me beijar e eu aproveitava a sensação de ter os lábios dela contra os meus.

Continuei meus movimentos de vai e vem precisos dentro dela, a fazendo gemer mais alto a cada estocada. Normani tentava desesperadamente retribuir o beijo que eu dava nela, mas o máximo que ela conseguia fazer era morder meu lábio inferior a cada estocada, deixando-o maltratado por suas mordidas.

Senti o interior de Normani se apertar contra meus dedos e soube que ela estava próxima, rapidamente enfiando mais um dedo dentro dela, a fazendo gritar contra meus lábios. Diminui o ritmo de minhas estocadas para provocá-la, ganhando o olhar raivoso dela e ri, voltando a estocar fundo e rápido, fazendo Normani rebolar desesperadamente contra meus dedos, causando um atrito entre nossas intimidades que eu tenho certeza que poderia me fazer gozar facilmente.

Estoquei mais algumas vezes até os gemidos de Normani ficarem mais agudos e altos, as unhas de Normani haviam feito um estrago nas minhas costas, algo que eu, com certeza, sentiria dor mais tarde, como as outras vezes, mas agora não fazia a mínima diferença.

O interior de Normani se apertou ainda mais contra meus dedos e eu parei de estocar, sabendo o que viria em seguida. Normani gozou, fazendo seu líquido escorrer em meus dedos e parte de minha mão. Sorri satisfeita por ver Normani completamente mole em meus braços, deixando um beijo carinhoso em sua testa.

Ela abriu os olhos e me encarou, o tom de castanho de seus olhos era único, o peito de Normani subia e descia rapidamente por sua respiração alterada, e ela sorriu. Seu sorriso era especial.

- Eu te amo, Dinah. - ela me puxou para mais perto, e no instante seguinte, sua mão estava em minha intimidade, me fazendo soltar um gemido rouco em surpresa.

Não consegui falar nada, pois Normani movimentou dois de seus dedos em círculos rapidamente ao redor do meu clitóris, me fazendo fechar os olhos com força. Ela continuava com seus movimentos ágeis enquanto meu quadril se movimentava, correspondendo a seus movimentos prazerosos.

Eu sabia que gozaria a qualquer momento, mas queria prolongar aquela sensação ao máximo. Infelizmente, Normani percebeu minhas intenções e passou a ponta de seu dedo por minha entrada, antes de enfiá-lo completamente e começar a violentamente estocar seu dedo contra o meu ponto de prazer, acabando com todas as minhas forças e autocontrole para não gozar.

- Céus… - eu me curvei e apoiei meus braços na parede, procurando por apoio.

Bastou mais uma estocada de Normani e minhas costas se arquearam. Eu havia chegado ao meu limite, mordendo as costas de minha mão para não gemer alto. Normani se ajoelhou e passou a língua por meu clitóris para prolongar o meu orgasmo, me fazendo manter meus olhos fortemente fechados enquanto meu corpo inteiro dava espasmos.

Após meu corpo relaxar totalmente, eu respirei fundo. Normani se levantou na minha frente e sorriu para mim, retirando uma mecha do meu cabelo da minha testa úmida pelo suor, antes de me dar um selinho suave.

- Sexo pela manhã, e com minha família em casa, huh? Interessante. - ela deu um sorriso sapeca, me fazendo sorrir, ainda ofegante, e puxar ela para se sentar comigo na cama.

- Sabia que você iria gostar. Mas você quase não conseguiu controlar seus gemidos, amor. - eu ri, puxando-a para mais perto.

- Você fala isso, mas na hora de me fazer gozar e me enlouquecer, não poupa esforços, né? - ela ergueu uma sobrancelha, sorrindo em seguida.

- Jamais. - eu neguei, dando-lhe um beijo calmo em seguida.

Normani acabou me convidando para ficar para o almoço, e eu não neguei. Eu estava com fome, porque não tomei café da manhã antes de sair de casa e ir para o shopping, e acabei de me esforçar bastante.

- Esqueci de te falar algo. - falei, enquanto Normani estava deitada sobre meu peito e eu acariciava suas costas.

- O quê? - ela levantou o olhar em minha direção. Seus olhos agora estavam em um castanho mais claro.

- Eu também te amo. - ela sorriu, me contagiando a sorrir também, antes de acariciar minha bochecha e me beijar.

De novo, pela milésima vez naquela manhã.  


Notas Finais


eu PLANEJO não demorar, mas toda vez que eu faço isso eu demoro, mas o que vale é a intenção. @norminahgoddess no twitter e no wattpad. <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...