História Love is a Miracle - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Winx Club
Personagens Bloom, Darcy, Flora, Icy, Musa, Selina, Stella, Stormy, Valtor
Tags Bloom, Clube Das Winx '-', Idade Média, Valtor, Winx Club
Exibições 66
Palavras 3.442
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Hentai, Luta, Magia, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Super Power, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Visual Novel
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Acordei cedo por milagre. Mentira, eu nem dormi. Estava estudando, e resolvi atualizar logo, já que o capitulo estava pronto. Leitores de ''Sweet Liars'', a atualização vai ser na próxima semana, está um pouco complicado atualizar essa semana, mas o atraso vai valer a pena. Espero que goste, boa leitura!

Capítulo 16 - How Long Will I Love You


Pov Bloom.

Na manhã seguinte, eu estava ansiosa, estava me impondo ontem a noite, dizendo que o meu discurso só faria bem ao Reino. Mas o Valtor podia estar certo, e agora poderíamos estar vivendo uma rebelião. As criadas me ajudaram a me vestir, eu estava pronta para o café da manhã. Como de costume, eu e Valtor tomávamos café no jardim dos fundos. Mas, antes de ir até lá, passei pelo quarto de hospedes, e não o encontrei. Fui para o jardim, e ela estava sentado tomando café e lendo o jornal. Estava nervosa sobre o que o jornal estaria falando. 

-Bom dia. -Eu disse um pouco sem graça, e me sentei.

-Bom dia. E eu não sei o que devo te desejar. -Ele disse sem expressão no rosto.

-Como assim? -Perguntei e ele me entregou o jornal, onde eu estava na capa.

 


[ ODIADA POR MUITOS, MAS AMADA POR TODOS!
Ontem no jornal de Eraklyon a Rainha teve um pronunciamente oficial, sobre o atentado que matou mais de 30 mulheres na cidade de Avron semana passada. A Rainha afirmou que foi um ataque machista, e deu a entender diversas vezes, que o machismo ainda é muito forte na sociedade, mas que ela está disposta a enfrentar isso e trazer a igualdade de gêneros para a sociedade. Polêmica desde sempre, a Rainha Bloom sempre foi alvo de estudos na acadêmia de Princesas. Ela era a Princesa, em que as outras se baseavam, em que as outras queriam ser quando se formassem. E depois do discurso de ontem, ela não vai ser alvo apenas em Academia de Princesas, mas também em grande Universidades e Colégios. Ela mostrou que é uma Rainha, forte e determinada, que está disposta a lutar por todos os direitos de todas as pessoas do Reino. Sejam elas homens ou mulheres. Uma parte de seu texto falava sobre como as meninas são educadas desde a infância, texto que chocou toda a sociedade de Eraklyon, e a Monarquia de alguns Reinos. 
''Todos os dias, mulheres são assassinadas, assaltadas, espancadas, estupradas, assediadas e muitas vezes humiladas. Eu me pergunto, se algum dia conseguiremos mudar essa situação. Eu penso que sim, penso que se nós lutarmos mais pelos nossos direitos, vamos conseguir o lugar que merecemos na sociedade. E principalmente o respeito. Eu não falo o lugar, no sentido de classe social, mas o mesmo lugar que os homens conseguem. Feminismo, é um tema muito importante, e que precisa ser discutido. É uma palavra, que as pessoas acrescentam muita coisa. Mas, na verdade, significa a igualdade entre homens e mulheres. ''
E o que mais chocou toda a burguesia, foi o grande momento em que ela disse sobre a criação das mulheres, onde ela diz que toda menina é educada a crescer almejando o casamento.
''Nós ensinamos as meninas a se retraírem, para diminuí-las. Nós dizemos para as garotas, você pode ter ambição ,mas não muita. Você deve ser bem sucedida, mas não muito. Caso contrário, ameaçará o homem. Esperam que eu deseje me casar. Esperam que eu faça as minhas próprias escolhas na vida, sempre tendo em mente que: O casamento é o mais importante. O casamento pode ser uma fonte de alegria e amor e apoio mútuo. Mas, por que ensinamos às garotas a aspirar ao casamento, e não ensinamos a mesma coisa aos meninos? Educamos as garotas a se verem como concorrentes, não por emprego ou por realizações. O que eu penso que pode ser uma coisa boa, mas sim pela atenção dos homens. ''
A sociedade está muito chocada, mas podemos dizer que as mulheres de Eraklyon amam a Rainha Bloom. E não só de Eraklyon, mas também de diversos Reinos da Dimensão Mágica. Um grande exemplo a ser seguido. Rainha Bloom, vai ser esquecida. E vai ser amada por várias gerações, por todas as mulheres.''

 

 


-Amanhã é bem capaz de acordamos com uma rebelião no Reino. -Eu disse ironizando.
-Eu achei que isso fosse acontecer, mas não. E estou orgulhoso por você estar nas machetes, como uma Rainha maravilhosa. -Ele disse sorrindo.
-Obrigada. Pelo elogio. -Respondi.
-E quando vamos conversar sobre, nós? -Ele perguntou.
-Não sei dizer, não sei se estou pronta. Mas, preciso falar sobre outra coisa importante com você.  -Respondi, e logo seguimos para o escritório.
-Pode falar. -Ele disse.
-Bem, ontem eu dei a você documentos do projeto de abolição das leis, eu sabia que não seria fácil convencer você, então pensei em alguns argumentos que talvez fizessem você mudar de ideia. -Eu disse e ele abriu um pequeno sorriso.
-Ótimo, me convença, senhorita. -Ele disse sorrindo.
-Primeiramente, a Lei 290, que proíbe que mulheres tenham cargos políticos.  Essa Lei tem uma pequena exceção que diz, que a Rainha pode escolher cinco mulheres para Ministras se ela quiser. -Eu disse.
-E o Rei pode demiti-las se achar que isso pode causar uma rebelião. -Valtor respondeu.
-Essa lei não proíbe que mulheres tenham outros empregos que não sejam cargos políticos. Mas, sabemos muito bem que graças a essa Lei. Elas não podem exercer outras funções. Quando nós dois assinarmos esse documento, a Lei será abolida do livro de Leis de Eraklyon, e talvez demore um pouco até ser totalmente esquecida pelo povo. O preconceito não vai acabar assim, mas, isso vai ajudar. -Eu disse a ele.
-Próxima lei! -Ele disse piscando o olho e sorrindo.
-Lei 13, permite que o marido assassine sua mulher em caso de traição. Essa lei fere os Direitos Humanos. Traição não é uma coisa boa, mas, ela pode ser perdoada. E não acho que matar seja uma boa opção. O divórcio poderia ser substituído pela morte. Mas, ainda é cedo para falar do divórcio. O Objetivo é, apagar essa Lei. E o marido que assassinar a sua mulher, por esse ou qualquer motivo será preso, e levado a uma sentença que só cabe ao juíz. E se por acaso uma mulher matar o marido, pela mesma razão, também será condenada. -Eu disse ao Valtor.
-Argumentos bem convincentes. -Ele disse.
-Eu sei. Lei 11, se a guarda Real de Eraklyon descobrir uma traição da mulher a seu marido, ela deverá ser açoitada em praça pública. Sempre achei o açoite, algo muito cruel, principalmente pelo fato de que a pessoa não merece uma dor tão grande. Até acho que essa punição deveria ser excluída, mas não no momento. Uma coisa de cada vez. A punição por traição poderia ser de outra forma, remover os bens da pessoa, queda de classe. Algo que não coloque a vida da pessoa em risco. -Eu disse e ele sorriu.
-Seus argumentos são ótimos, mas eu preciso pensar. Me dê um tempo, e depois conversamos sobre isso. -Ele respondeu, e eu sai da sala e fui para o quarto, não sei porque senti uma imensa vontade de chorar, e apenas deixem as lágrimas caírem, eu estava destruída por dentro e precisava dividir isso com alguém. Musa bateu na porta, e eu sequei as lágrimas e disse sem abrir:
-O que aconteceu? -Perguntei.
-A Rainha Marion está no salão das Damas, esperando a senhora. -Musa disse.
-Peça para ela subir até aqui, por favor. -Respondi, e Musa saiu. Minutos depois, minha mãe chegou na porta do quarto, e eu abri. Logo eu tranquei a porta e a abracei fortemente. 
-Mãe, ainda bem que a senhora está aqui. -Eu disse chorando.
-Filha, o que aconteceu? -Perguntei.
-Mãe, eu não estou aguentando. Por que a senhora não disse que seria tão dificíl? -Perguntei.
-A vida como Rainha? O resultado do discurso foi ruim? -Perguntei.
-Não isso mãe, está sendo difícil, mas é algo que eu consigo suportar, mas o casamento, mãe eu não consigo suportar. Eu não aguento mais. -Respondi.
-Vocês brigaram de novo? -Minha mãe perguntou.
-Mais ou menos. -Respondi.
-Quer me contar? -Ela perguntou.
-Não agora, podemos viajar? Um lugar que não seja o palácio de Domino, não quero que a Daphne saiba disso. Nem Eraklyon.  -Respondi.
-Podemos ir para o palácio de verão em Domino. Eu estava pensando em ir nesse fim de semana. -Ela disse.
-Podemos sim. Podemos ir hoje? -Perguntei.
-Sim, mas você não pode ficar muito tempo fora. Ainda é a Rainha. -Ela disse.
-Eu sei, no minímo dois dias e no máximo cinco. Só quero ficar longe de tudo por algumas horas. -Respondi.
-Tudo bem, volto para a Domino, e preparo as coisas. Você vai daqui para o palácio de Domino, e de lá viajamos. -Ela disse.
-Tudo bem. -Respondi ela me abraçou e se despediu. Chamei a Musa, para deixar contar a ela.
-Musa, eu vou viajar. Não vou demorar muito tempo, no mínimo dois dias, e no máximo cinco. Qualquer coisa anote, e quando eu chegar fico a madrugada resolvendo assuntos. -Respondi.
-E o Rei vai com a senhora? -Ela perguntou.
-Não, ele precisa ficar e resolver outras coisas. Ele nem sabe da viagem. -Respondi.
-Devo avisar a ele? Para onde a senhora vai? -Perguntei.
-Só avise se ele perguntar. E não diga para onde eu vou, estou no palácio de verão em Domino, só me procure se alguma coisa muito grave acontecer, se alguém morrer, ou se alguem estiver morrendo. -Respondi.
-Majestade, a senhora está bem? -Ela perguntou.
-Não, mas vou ficar. -Respondi.
Pov Valtor. 
Percebi que a Bloom havia ficado magoada com o modo que eu falei com ela, eu precisava dizer a ela para não se sentir ofendida. Acho que ela já estava cansada das minhas desculpas. Eu a procurei no Salão das Damas, durante o dia quando ela não estava no escritório ela sempre estava lá. Mas, não a encontrei. Vi Musa descendo as escadas e fui até ela.
-Musa, viu a Rainha? -Perguntei.
-Ela está no quarto arrumando as malas. -Ela respondeu.
-Malas? Pra que? -Perguntei surpreso.
-Ela vai viajar. -Musa respondeu  e eu rapidamente fui até o quarto, e ela estava finalizando a mala.
-Você vai viajar? Pra onde? -Perguntei.
-Não é da sua conta. -Ela respondeu grosseiramente.
-Você ainda é minha esposa, pode me dizer pelo menos para onde vai? -Perguntei.
-Infelizmente, ainda sou sua esposa. Mas, não sou seu animal de estimação que você sempre quer saber para onde vai. -Respondi.
-Bloom, você está indo por causa da briga? Bloom, podemos resolver isso. Só não fica longe. -Respondi.
-Valtor, a briga é um dos menores problemas que estamos enfrentando essa semana. Vou viajar com a minha mãe. Preciso desse tempo, e ela também. Eu informei a pessoa certa para onde eu vou, se algo urgente acontecer, eu volto. Só não começa. -Ela respondeu.
-Bloom. Por favor. -Eu disse cabisbaixo.
-Só espero que você não ligue para a Selina enquanto eu estiver fora. Eu ainda sou a Rainha desse palácio e sua mulher. E se eu descobrir que você voltou pra ela. Eu mato aquela vadia, e você também. -Bloom respondeu irritada e saiu pela porta do quarto com a mala.
Pov Bloom.
Cheguei a Domino, e logo eu e minha mãe embarcamos no avião para o palácio de verão que ficava localizado em Raining em Domino. Ao chegar lá, já era noite. O palácio tinha os fundos para o mar. Eu fui pra lá e respirei o ar puro e senti a brisa do mar. Minha mãe se aproximou com uma garrafa de vinho e duas taças. 
-Vamos brindar. -Ela disse ao me dar uma taça.
-Mãe, a senhora está me dando bebida alcoolica? -Perguntei.
-Ah, apenas pare. Eu sei que você bebe. E vamos ter uma longa conversa, e eu preciso beber para te aconselhar melhor. Me conta o que aconteceu? -Ela disse.
-Como a senhora reagiria se o papai a traisse? Me desculpa trazer a lembrança dele. -Perguntei.
-Sem problemas. Bem, você quer saber como eu reagi? -Ela perguntou.
-Ele traiu a senhora? -Perguntei chocada.
-Sim, é uma longa história. Eu tinha engravidado de gêmeos, e no dia do nascimento, as duas crianças nasceram mortas. Eu sofri tanto, eu tive que enterrar o corpo deles. Tinhamos cinco anos de casados. Eu parei de dar a assistência que ele precisava, eu me refiro a um ano sem sexo, e sem demonstrar carinho. E numa tarde, eu o peguei na cama com outra mulher, uma mulher qualquer. Eu odiei tanto ver essa cena. Ele tentou pedir perdão de diversas formas, e eu não queria perdoar. Ficamos seis meses sem dormir no mesmo quarto. Mas, ainda precisava fingir que eramos felizes, enganar os suditos. -Minha mãe disse deixando uma lágrima cair.
-Como fez para perdoa-lo? -Perguntei.
-Ele me conquistou de novo, me lembrou de todos os momentos que nos tivemos que foram felizes. Talvez se reparmos mais nas coisas boas do que nas ruins, a vida se torna melhor. Se você ama a pessoa, não se impessa de perdoar. -Ela disse sorrindo.
-Acha que eu devo perdoar o Valtor? -Perguntei.
-Ele te traiu? -Ela perguntou surpresa.
-Mãe? -Eu disse rindo, e começamos a gargalhar. Foi um dos momentos mais intimos com a minha mãe. Ela era tão fechada quanto a assuntos desse tipo.
-Se você o ama, não fique de enrolação, perdoa. Você o ama. Me arrependo de ter demorado tanto para perdoar o seu pai. Agora ele se foi. E eu perdi seis meses de felicidade. -Ela respondeu deixando uma lágrima cair, e eu a abracei.
-Hey, ainda tem cinco garrafas de vinho. Vamos tomar todas, ficar de ressaca. E amanhã voltamos a beber. Você vai esquecer isso tudo um pouco e depois voltamos as nossas vidas chatas no palácio. -Ela disse rindo, bebemos todas as garrafas de vinho. 
Na manhã seguinte...
Minha mãe estava certa, estou com uma dor de cabeça insuportável. Olhei no celular e tinham quarenta chamadas do Valtor. QUARENTA? Por que tudo isso? Ignorei as chamadas, e então eu e minha mãe tomamos café da manhã, e fomos para a praia, nadamos, ficamos no sol, corremos, entramos num barco. Fazia tempo que eu não me divertia assim. Depois, voltamos para o palácio, e minha mãe fazia tranças no meu cabelo.
-Então, o que você decidiu? -Ela perguntou.
-Decidi o que? -Ela perguntou.
-Seu casamento. -Ela disse.
-Ah, eu vou deixar ele tentar me reconquistar. -Respondi. 
-E vai perdoa-lo? -Ela perguntou.
-Se ele estiver disposto a fazer isso. -Respondi sorrindo.
Dois dias depois...
Voltei da viagem, e senti meu corpo gelar quando parei na porta do palácio. Eu queria perdoa-lo, mas e se ele já estivesse cansado de pedir desculpas. Fui ao escritório, e ele estava trabalhando em alguns documentos.
-Oi, só vim avisar que  cheguei. -Eu disse sorrindo.
-Bloom, ainda bem que voltou. Senti sua falta. -Ele respondeu, e eu dei um sorriso retribuindo. Fui para o quarto, tomei um banho e coloquei uma roupa mais confortável. Me sentei na varanda, e fiquei olhando para o jardim. Algum tempo depois, alguém bateu a porta, me levantei e abri, era o Valtor. 
-Boa noite! Desculpa incomodar, mas eu queria te mostrar uma coisa.  Posso entrar? -Ele perguntou e eu abri a porta para que ele entrasse. E o vi com uma caixa roxa com uma ''blue'' dourada no meio, e então deixei uma lágrima cair ao ver. 
-Valtor. -Eu disse enquanto choravamos.
-Um mês depois do nosso casamento, você disse para escrever uma carta sobre o que eu sentia por você, colocar meus sentimentos pra fora. E essa foi a primeira carta de amor, que eu já escrevi uma vez. Depois que eu escrevi, você pegou uma garrafa do mesmo vinho que bebemos na primeira vez que você veio a Eraklyon. Você disse que iria guardas nossas cartas aqui, junto com essa garrafa. E quando tivessemos nossa briga mais séria, você iria abrir, iriamos ler as cartas e beber o vinho. As cartas diziam o que um sente pelo outro. Acho que essa é a nossa briga mais séria, e eu queria que você lesse a minha carta, no inicío do nosso casamento. Pra você ter a certeza que o meu sentimento não mudou. Eu ainda te amo como antes. -O Valtor disse e eu abri a caixa, e peguei a carta dele e ele a minha. 
-Leia a minha primeiro. -Eu disse, e ele sorriu.


''Sei que no inicío você achou que era tudo uma baboseira, coisa de mulher. Mas significa tanto pra mim. Você não imagina o quanto, e eu fiquei feliz quando vi você escrevendo a carta. Você não tem noção de como me deixou feliz. Essa carta é para relembrar os momentos que nos fizeram felizes, mesmo que em pouco tempo. Pouco tempo mesmo, mas tenho certeza de que nada vai ser diferente. Desde o inicío eu quis ser sincera com você, eu não te amava, e não tinha vontade de me casar com você. Mas, o problema não estava em você, estava em mim. Eu era apaixonada pelo cavaleiro mascarado, eu nunca consegui esquece-lo. E quando eu soube que era você, uma felicidade surgiu dentro de mim. Eu ia casar com o amor da minha vida. Agora você deve estar se perguntando: Como ela pode amar alguém que ela não conhece o rosto? 
Boa pergunta, infelizmente, eu não sei te responder. O tempo passou, e eu tive a certeza de que você é o homem da minha vida. Você não faz ideia do quanto você é importante pra mim. E eu faria qualquer coisa por você, qualquer coisa para te fazer feliz. 
Todos os dias de manhã, eu faço uma pergunta diferente sobre nós dois. E durante o dia você me responde com suas atitudes. Vou contar você alguma delas.
Por quanto tempo eu vou te amar? Enquanto tiverem estrelas em cima de nós dois. E mais tempo se for necessário.
Por quanto tempo eu vou precisar de você? Enquanto as estações precisarem seguir seus planos.
Quanto tempo eu vou estar com você? Enquanto o mar for encarregado de lavar a areia. 
Quanto tempo eu vou te querer? Enquanto você me quiser, espero que por muito tempo.
Por quanto eu vou te abraçar? Enquanto estivermos vivos, e se possível depois da morte.
Eu decide que quero passar o resto dos meus dias ao seu lado, apesar de qualquer coisa. ''


 


O Valtor derramou lágrimas, e depois sorriu. Eu me lembrava de cada palavra escrita naquele papel, e chorei ao lembrar. E então peguei a carta dele.


''Eu ainda não pensei em como escrever isso. Nunca escrevi uma carta de amor. Então pensei em tudo o que eu sempre tento te dizer, mas não consigo. Espero que não tenhamos uma briga tão séria para abrir essa carta, mas talvez seja bom. Talvez seja importante, lembrar o que nos fez feliz no passado. 
Desde o inicío eu sempre soube que você não era apaixonada por mim. E eu não podia cobrar isso de você, então eu sabia que deveria te conquistar de alguma forma. Então pensei em mil formas de fazer isso, mas nunca consegui coloca-las em prática. Então, depois que você ler esta carta, sempre leia de novo e de novo. 
 Tudo o que eu queria e quero, e ver você amanhã, e todo amanhã. Talvez você me empreste o seu coração, seria pedi-lo demais todos os domingos? E já que começamos a falar disso, inclua todos os dias da semana na lista. 
 Sei que as pessoas fazem promessas o tempo todo, e depois dão as costas e as quebram. Quando alguém parte o seu coração, eu quero estar lá para conserta-lo. 
  Não aja como se fosse uma coisa ruim se apaixonar por mim, você poderia ter escolhido não se casar comigo. Poderia ter fugido, conhecido todo o universo, e gasto todo o seu dinheiro,  só para perceber que o amor estava na sua frente. 
  Essa manhã eu acordei, e ouvi sobre desastres em toda a dimensão mágica. Há muita escuridão no mundo, mas eu vejo a beleza em seu rosto. Porque se seu amor fosse tudo que eu tivesse nessa vida, eu teria o suficiente até o fim dos tempos. 
 Se um dia você me perguntar como eu me sinto, não precisa ficar muito tempo em dúvida. Só de estar ao seu lado, já é uma benção. Eu só quero gastar meu tempo com você. E o que você me dá, me deixa saber que eu estarei bem. ''

 

 

 

 


De todas as outras cartas que o Valtor tinha me mandado, essa era que mais me emocionou, e para mim foi a mais sincera de todas. Eu o abracei e o beijei, foi o beijo mais intenso da nossa vida. 
-Eu preciso de você, vamos esquecer tudo o que aconteceu, e começar de novo. Eu não posso ficar longe de você. -Eu disse abraçando-o.
-Não vamos ficar mais longe um do outro. Nunca mais. -Ele respondeu me beijando, e então tivemos uma incrivel noite de amor.


 


Notas Finais


O que acharam?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...