História Love is Dangerous - 2 temporada - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Jeff The Killer, Slender
Personagens Jeff, Personagens Originais
Tags Creepypasta, Jack, Jack Risonho, Jeff, Jeff The Killer, Laughing Jack, Slender, Slender Man
Exibições 36
Palavras 574
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Luta, Mistério, Romance e Novela, Saga, Survival, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Boa leitura ;3

Capítulo 8 - Convite


Pov's Saphira on -

Me jogo na cama do hotel que havia conseguido, eu estava morta

Procurei pela cidade toda o maldito, mas sem sucesso. E sem pistas.

Faltava apenas um lugar...o parque abandonado!

Me levanto da cama correndo, parece que fritarei um palhacinho hoje!

(...)

Pego uma moto potente, a minha moto! *link nas notas finais*

Acelero cantando pneu

A velocidade me fascinava, sentir o vento batendo em meu rosto, passar por todos os carros, tão rápidamente ao ponto de mal vê-los! Era tão excitante!

Como previsto, a moto bate. Sou jogada para frente, me agarro em uma árvore e avisto o parque

Sim, eu não morreria com apenas um choque entre moto e carro. Eu era uma demônia! Eu era imortal!

Ou, quase...eu tinha um ponto fraco, algo capaz de me matar, mas apenas mestre Slender sabia

Me afasto desses pensamentos, pulo de árvore em árvore até estar no parque

Me jogo caindo de pé, olho ao redor. O clima estava pesado

Uma música é tocada, caminho até a mesma rindo

S -pelo visto te achei. E a propósito, sua músiquinha frajuta não me vencerá.

Escuto uma risada, coloco a mão no rosto. Por sorte eu estava mascarada. Não seria nada bom alguém me ver falando com um assassino

-sua voz, me lembra uma pessoa...

S -quem?

-uma pessoa especial. Já faz cinco anos que não a vejo. Ela deve ter vinte e um anos agora. Qual a sua idade?

S -não te interessa. Desça aqui!

-não...você que deve vir até mim. Você que estava me procurando.

S -então você sabia? Espertinho.

-aquela prisão, você aprende coisas com ela...

Ele ria psicóticamente, sua voz rouca em tom ameaçadora me dava um certo arrepio

S -já chega, vou te matar.

Mal terminei a frase e me via sendo puxada, o palhaço segurava meus pulsos para trás com força

-não conte com isso, senhorita S.

Arregalo os olhos, meu corpo estremece. Então até meu nome ele sabia?

Chuto suas partes baixas o obrigando a me soltar, corro pegando minha faca

S -se acha o sabe-tudo? Venha!

Ele ri novamente

-você não percebe, te enviaram até aqui para ser morta. Ou achas que é capaz de me matar?

S -não só sou capaz, como irei.

-ok, nos vemos amanhã a noite.

S -o quê?

Ele pula até uma árvore, ele voava? E some entre a floreta

S -Merda!

Jogo minha faca no chão, socando a árvore

(...)

Volto ao hotel, eu não iria procura-lo, com certeza não o acharia. Se ele diz amanhã a noite, será amanhã a noite.

Só preciso de um bom descanso, tudo bem que eu não necessitava dormir, mas era bom ter uma pausa de vez em quando

Tomo um banho demorado, saio mais relaxada. Não me visto, apenas me deito na cama adormecendo

A campainha é tocada, me levanto rapidamente, me visto em segundos e pego minha faca

Caminho até a porta, era de madrugada, quem seria?

Ele havia descoberto meu quarto também?

Pego a maçaneta devagar, e rapidamente abro a porta com minha faca

Não...havia ninguém!

Fecho a mesma bufando, seria apenas um trote de alguma criança, ou ele estava brincando comigo?

Olho para o chão notando algo abaixo de meu pé, o levanto e vejo uma carta

Pego a mesma a abrindo, era um convite

"A maior festa fantasia do ano! Neste Halloween, vamos nos divertir monstruosamente muahahahaha"

Eu fui convidada para uma festa?

Outra carta chega, a abro rapidamente

"Olá senhorita S. O que achas de ir comigo na festinha amanhã a noite? Hahaha

-Jack"

Amasso a carta a jogando longe, ele estava me provocando, ele estava brincando comigo!

Sorrio, nesse caso, iremos brincar!

Vou entrar no seu joguinho, cuidado comigo, palhaço.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...