História Love is strong even after the end - Capítulo 23


Escrita por: ~, ~Nathymahomie e ~Luisacgarcia

Postado
Categorias Austin Mahone
Exibições 11
Palavras 706
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Romance e Novela, Terror e Horror
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


oieeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee :)
I'M HERE AGAIN
EU ESTOU VIVAAA E RICAAAAAAAAAAAA
MENTIRA NÃO TÔ RICA, mas nos meus sonhos...

Capítulo 23 - Talk to me


Kath P.O.V

   Acordei e vi Austin com os cabelos bagunçados, eu queria me desculpar por todo aquele drama que eu fiz por causa de toda essa história, mas queria muito entender o que realmente anda acontecendo, eu sou a namorada dele e não sei quase nada sobre ele e isso me deixa com medo dele só estar me usando como brinquedinho dele enquanto eu estou aqui amando ele com todas as minhas forças.

   Fiquei olhando ele e então sorri quando ele abriu os olhos lentamente, se acostumando com a claridade do quarto, comecei a lembrar do que a irmã dele disse sobre o fato dele quase ter morrido de cirrose e dele ser muito envolvido com gangues. Balancei a cabeça tentando afastar aqueles pensamentos.

   - O que foi, minha linda? - Perguntou com a típica voz rouca que ele tem de manhã, que deixa ele bem fofo para falar a verdade, hahaha.

   - Nada não... Amor me perdoa por ontem, eu insisti muito naquele assunto, mas é que sou sua namorada e queria dividir as coisas com você, mas não sabia sua opinião, mas agora que sei, eu... - Nem termino de falar e ele coloca um dedo sobre meus lábios.

   - Você que tem que me perdoar, eu agi que nem um otário e sei que te machuquei, eu só estou com medo de te contar as coisas e você não me querer mais. - Fechou os olhos e vi sua voz fraquejando. - Nã-o-o quero que... se afaste..

   - Eu nunca faria isso, quando alguém entra em um relacionamento, já entra sabendo que vai ser difícil, mas vai valer a pena. - Seguro a mão dele e começo a cantar bem baixinho uma música brasileira que eu gostei muito. (Singular- AnaVitoria).

É tão singular
O jeito que me observa acordar
E meu cabelo não parece te assustar
Você, incrivelmente, não se importa
Se eu te chutar a noite inteira

É singular
Sua vergonha e sua forma de pensar
O teu abraço que me enlaça devagar
E enfeita todos os meus dias e horas

É tão particular o meu encontro quando é com você
O meu sorriso quando tem o teu pra acompanhar
As minhas histórias quando você para pra escutar
A minha vida quando tenho alguém pra chamar
De vida

É tão singular
A habilidade que eu tenho em montar
Um arsenal de clichês pra te cantar
Na intenção de te fazer não esquecer
Que eu nunca vou parar de te chutar a noite inteira
Mesmo se você brigar
Eu te enlaço
E não me permito soltar
Pro nosso nós não deixar de ser assim: tão singular

   - Amor, vamos conversar. - Ele diz seguro e eu sorrio dando lhe um beijo lento.

   - Vamos!! - Disse empolgada e sorrindo.

   - Seu sorriso é lindo. Agora vou contar a história... - Disse receoso e eu pedi para ele continuar. - Meu pai me abandonou quando eu tinha 14 anos, eu estava meio perdido, mas sempre ajudei minha mãe com tudo, cuidava da minha irmã e tudo mais, porém o dinheiro estava quase acabando e mal dava para nossa família se sustentar. Comecei a ficar mais tempo na rua para não dar prejuízo para minha mãe, mas adolescentes revoltado têm a mente fraca, um garoto me ofereceu uma proposta de "trabalho" e eu aceitei, o lance era eu vender drogas e assaltar, mas acabei me afundando nisso tudo e comecei a matar pessoas, me colocaram como o líder da gangue, junto com os meninos, mas depois nós vimos que estávamos errados, eu estava com nojo de mim mesmo, vim para cá com os meninos, mas a gente sempre comanda as coisas daqui, não fazemos nada, mas os garotos lá do Canadá fazem. Um dos nossos membros se revoltou e foi para a gangue rival ele sempre me odiou.. e...foi ele que...te sequestrou, não queria te envolver nisso, me desculpa. - Eu já estava sem reação, olhava de um lado para o outro e vi que ele estava meio agoniado com aquele silêncio. - Por favor, fala qualquer coisa, me bate, me xingar, mas não fica quieta.

   - Isso é tão... confuso, não estou conseguindo pensar, mas... eu já disse que não vou deixar você, Austin. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...