História Love is treacherous? ( Lutteo, Simbar e Gastina) - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sou Luna
Tags Amor, Declaraçoes, Namoro, Romance
Exibições 364
Palavras 2.062
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Musical (Songfic), Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


SURPRESAAAAAAAAAAAAAA HAHAHAHAHAHA! Sou dessas quando menos espera CABUM!!! KKKKKKK

Passando meu momento infantil, olá meus amoooores, tudo bem com vocês? Estou feliz de estar de volta, perdão a ausência mas estou muito atarefada, porém hoje tive um tempinho livre ai atualizei State e resolvi atualizar aqui também.

Não se acostumem okay? Vai voltar o mesmo esquema de antes, um capítulo de State em um dia e no outro de Love *-*

Obrigado pelos MARAVILHOSOS comentários, QUE QUEBRARAM RECORDE, NUNCA RECEBI TANTOS COMENTÁRIOS EM UM CAPÍTULO, OBRIGADO MEUS AMORES, vou começar a responder prometo, acreditem ou não ESTOU COM SONO, muerta na verdade!

Capítulo dedicado a minha irmã Bibia =D

Boa leitura ;)

Capítulo 9 - Fui contra tudo que eu acredito apenas por você


Fanfic / Fanfiction Love is treacherous? ( Lutteo, Simbar e Gastina) - Capítulo 9 - Fui contra tudo que eu acredito apenas por você

“Não é sua culpa que deem em cima de você, não quero ser desrespeitoso
mas tenho o direito de ficar bravo, mesmo que não seja minha, sinto ciúmes porque te quero demais. “ 

 

Matteo estacionava o carro na frente da casa de Tini, a morena o viu pela janela e rapidamente desceu vendo o italiano sair do carro e ela o recebeu com um abraço.

- Oi Maluquinha. Matteo cumprimentou enquanto correspondia o abraço a tirando do chão.

- Oi Mauricinho. Tini respondeu quando ele a colocou no chão, a morena fechou a porta e virou para Matteo sorrindo.

O moreno a olhava procurando as palavras certas para fazer o que Luna havia pedido.

- Estou louca para te mostrar minhas músicas. Tini disse animada.

- Você realmente compõe? Matteo perguntou admirado.

- Já te disse que sim. Tini respondeu rindo

- Achei que estava brincando, uau você realmente me surpreendeu. Matteo disse e sentou no tapete da sala olhando para a amiga.

Tini se sentou em frente ao italiano e pegou algumas folhas que estavam junto com seu violão.

- Então, antes de começarmos, posso falar algo com você? Matteo perguntou direto.

- Claro que pode. Tini respondeu.

- Não quero te chatear nem magoar, mas será que você pode parar de me chamar de Mauricinho? Matteo falou sincero.

Tini o olhou completamente surpresa.

- Ahh desculpe, não sabia que isso te incomodava. A morena disse sem graça.

- Não é isso, é que a Luna me chama assim e eu a chamo de Menina Delivery, é algo só nosso, então por que não inventa outra coisa para me chamar, tipo, o cara mais charmoso que conheci na vida? Matteo brincou e Tini soltou uma risada.

- Pode esquecer italiano. A garota respondeu.

- Tudo bem, não quero arrumar problemas entre você e sua amiga. Tini respondeu compreensiva.

- Você é incrível, obrigado. Matteo disse sorrindo.

- Para o open você tem algo em mente? Matteo perguntou curioso.

- Gostaria de cantar um dueto de amor, se não se importar. Tini respondeu sincera.

- Claro que não, só não se apaixone. Matteo brincou.

Tarde demais para dizer isso. Tini pensou.

Ambos passaram horas mostrando suas músicas até que por fim escolheram uma, eles conversaram mais um pouco e depois Matteo foi para casa.

Tini ficou pensando de que maneira poderia conquistar o italiano.

 

Matteo chegou em casa e quando chegou no quarto sentiu o celular vibrar, ele o tirou do bolso e viu que era uma mensagem de Luna.

“ Quero dormir, mas não paro de sentir seu perfume, você está no meu quarto escondido? ” – Luna

“ Para o seu azar, não, mas queria estar”. – Matteo.

Em seu quarto Luna arregalou os olhos ao ver a mensagem do Mauricinho e sem controlar seus dedos já estava digitando novamente.

“Queria que estivesse aqui”. – Luna

“ Ia ser tão bom, iria adorar sentir seu corpo colado com o meu, te dar carinho e atenção. ” – Matteo.

“Não fala assim, fico na vontade”. – Luna

Matteo sorriu mordendo os lábios, estava flertando com Luna e ela pelo jeito estava gostando.

Os dois conversaram até altas horas da madrugada até que os dois pegaram no sono.

 

Dia seguinte no Blake...

 

Nina caminhava pelo corredor e logo viu Gastón perto das escadas, a morena foi sorridente cumprimentá-lo.

- Oi amor. A morena disse de maneira espontânea.

- Oi princesa. Gastón respondeu e a abraçou.

Nina afastou-se do abraço apenas o suficiente apenas para encarar o loiro.

A morena tinha os braços em volta do pescoço dele, enquanto Gastón segurava sua cintura.

Gastón notou algo a mais no olhar de Nina enquanto o olhava, algo que ele não sabia dizer o que era.

- O que foi? Por que está me olhando assim? Gastón perguntou sem se conter.

- Tem gente nos observando. Nina falou.

- Sério? Não estou vendo. Gastón comentou e olhou rapidamente ao redor.

Nina virou o rosto dele para ela e o beijou de surpresa.

Gastón sentiu a garota pedir passagem com a língua e cedeu sem pensar.

Nina explorava a boca dele com vontade, apertando-se contra ele.

A garota não fazia ideia de onde vinha tanta ousadia.

A morena subiu uma mão para o cabelo de Gastón, o garoto aprofundou mais o beijo.

Nina sentia seu coração bater rapidamente, a cada vez que beijava Gastón queria mais dele, estava apaixonada e totalmente decidida a conquista-lo e tê-lo somente para ela.

Ao longe Matteo olhava a cena se divertindo, aquele namoro de falso não tinha nada.

- Oi Mauricinho. Luna falou parando ao seu lado.

- Ei Menina Delivery. Matteo disse virando-se para ela.

Luna o abraçou e Matteo correspondeu imediatamente.

A mexicana sentiu a mão do italiano acariciar a lateral do seu corpo lentamente, sem se conter soltou um suspiro.

- Está gostando? Matteo perguntou em um sussurro na orelha de Luna.

- Muito. Luna respondeu sincera.

Matteo encostou o corpo de Luna no armário e se apertou contra ela, fazendo com que seus corpos se grudassem ainda mais.

Luna acariciava os ombros de Matteo descendo lentamente as mãos pelas costas do moreno. Não sabia o que sentia por Matteo, mas queria estar o mais perto possível dele.

Matteo se afastou do abraço.

- Mais tarde guarde um tempinho para mim, vou passar no Roller, hoje não vamos treinar mas queria te mostrar uma música que compus. Matteo disse sorrindo.

- Eu adoraria. Luna disse mas estava com a expressão culpada.

- Mas? Matteo perguntou notando a face da menina.

- Mas vai ter manutenção de pista hoje, não tenho como parar o trabalho. Luna respondeu sincera.

Matteo ficou calado.

- Ficou chateado? Luna perguntou receosa.

- Queria muito te mostrar a música, mas tudo bem. O italiano respondeu dando de ombros.

- Prometo que vou ouvir assim que possível. Luna disse e beijou o rosto de Matteo que voltou a sorrir.

 

Na parte da tarde no Roller Simón estava sentado quando viu Ámbar entrar e foi falar com ela.

- Oi, achei que nosso ensaio foi por água abaixo hoje, está tendo manutenção de pista e vamos acabar mais cedo do que pensávamos, Luna é quem deve estar adorando, logo cedo chegou aqui reclamando porque não ia poder ouvir o Matteo cantar ou algo assim, mal sabe ela que eu o avisei e ele está vindo para cá feliz da vida. Simón disparou a falar tentando quebrar o gelo.

O moreno estava tentando ser simpático com a loira pela primeira vez, estava se sentindo culpado pelo que havia dito a ela no dia anterior.

Ámbar o olhou com desdém.

- Não vai falar nada? Simón perguntou sem entender.

Ámbar continuou o encarando fixamente.

- Estou aqui tentando ser gentil e você só fica aí me olhando? Simón perguntou perplexo.

A loira revirou os olhos, jogou o cabelo para trás e saiu andando até o balcão.

Simón se sentou novamente na mesa se sentindo chateado.

Ao ver a expressão do amigo, Nico se aproximou.

- Ei, o que houve? Vocês brigaram de novo? Nico perguntou preocupado.

- Na verdade brigamos ontem, eu disse coisas a ela que não deveria, por mais venenosa que ela possa ser, agora não fala mais comigo, nem para brigarmos.

- Achei que o que você queria era fazê-la ficar quieta.

- Eu também. Simón disse sem entender o porquê de estar triste.

A única coisa que ele sabia era que melhor seria Ámbar odiá-lo do que ser indiferente a ele.

Nico foi até o balcão e se aproximou de Pedro.

- Você já notou que ultimamente o Simón fala mais da Ámbar do que a Daniela, que é tipo a namorada dele.

- Você sabe a minha opinião sobre isso, eles vão acabar se apaixonando, essa implicância toda, meu amigo, é amor. Pedro respondeu sorrindo e olhou para Ámbar que estava do outro lado do balcão tomando o suco, porém a loira olhava discretamente para Simón quando achava que ninguém estava a olhando.

Pedro desviou o seu olhar para Simón e sorriu como se soubesse de algo.

A loira tomava o suco lentamente, a verdade é que as palavras de Simón a atingiram em cheio, mas nunca admitiria isso, estava magoada o que para ela não tinha sentido, pois o guitarrista era alguém sem importância que só fazia irrita-la.

Mas não conseguia controlar seus olhos que automaticamente buscavam por ele. Ás vezes tinha vontade de ouvir Matteo e dar uma chance para Simón, como amigo é claro.

Só que o mexicano sempre a irritava de alguma maneira.

Ele tinha o dom de perturba-la, mas havia passado dos limites e Ámbar Smith jamais o perdoaria por isto.

 

Na pista Luna iria sair para pegar o celular e avisar a Matteo que estava livre quando Jorge, o amigo de Tini chegou de patins.

- Oi Luna. Jorge cumprimentou sorrindo.

- Oi. Luna respondeu normalmente.

- Não sabia que patinava. Luna comentou.

- Eu patino sim, não sou tão bom quanto você, mas eu tento. Jorge disse dando de ombros.

- Como eu? Como assim? Luna perguntou sem entender.

- Desculpe, é que já te vi fazendo manobras na pista e você é incrível. Jorge disse naturalmente.

- Ahh, obrigado, mas nem sempre foi assim, antes eu só andava de patins para fazer entregas de Fastfood. Luna disse sem graça.

- Ohh então Menina Delivery, quer patinar um pouco? Jorge disse sorrindo.

Luna abriu a boca para dizer que ele não a chamasse daquela maneira, mas viu Matteo na porta da pista com um violão.

O italiano olhou fixamente para ele e depois saiu.

Luna nem se despediu de Jorge, simplesmente seguiu a mesma direção que Matteo, sabia que o moreno iria tirar conclusões precipitadas.

- Mauricinho. Luna chamou quando chegou nos armários.

Matteo a olhou, mas seu olhar era de frieza.

- Não me olhe assim. Luna pediu.

- Eu te pedi 5 minutos do seu tempo e você me negou, queria te mostrar a música, era importante para mim, mas parece que alguém é mais importante para você. Matteo disse colocando o violão no banco.

- Não diz isso Matteo, eu ia te ligar e te chamar para vir aqui. Luna rebateu.

- Sem falar no fato que me pediu para falar com a Tini, para que a garota parasse de me chamar de Mauricinho, e eu falei porque você disse que era algo nosso, agora tem o Jorge te chamando de Menina Delivery. Matteo disse chateado.

- Tini, Tini, Tini, para de falar dessa garota. Luna disse sem controlar os ciúmes.

- Qual o problema? Ela é minha amiga. Matteo rebateu.

- Ela é uma chata, isso sim. Luna disse entre dentes.

- Olha, quer saber? Eu vou embora, não tenho nada para fazer aqui e cansei de brigar com você. Matteo disse.

- Você é um idiota Balsano, está estragando as coisas sabia? Custa confiar em mim? Luna perguntou visivelmente chateada.

- Não é questão de confiança, eu confio em você de olhos fechados, eu queria apenas um pouco da sua atenção, mas você preferiu dar a outro, mas tudo bem, eu sempre sou segundo plano para você, sempre tem Blake, Simón, Roller, suas amigas e outras coisas, entendo que se deve cuidar de pessoas e lugares que amamos, mas quando eu faço de alguém prioridade, eu também quero ser. Matteo confessou.

Ao ouvir aquilo Luna baixou a guarda.

- Você me deixa triste as vezes Luna, porque sou o cara que faz tudo para estar ao seu lado, mas não percebe, sempre tem imprevistos, sempre tem alguém, toda vez é a mesma história e estou ficando cansado dela. Matteo completou.

- Não queria que se sentisse dessa maneira Matteo. Luna disse e olhando para ele naquele momento, ela entendeu que o queria, talvez não fosse amor ou paixão, mas ela gostava do italiano mais do que como amigo.

- Mauricinho eu adoro você, não importa nada mais, você tem que entender e parar de drama, sério, de dramática basta eu, és importante para mim, nunca a minha segunda opção, sei que piso na bola, mas poxa, também já briguei para te defender, fui contra tudo que eu acredito apenas por você Matteo. Luna disse de modo sincero.

Matteo a olhou com carinho ao ouvir ela dizer que o adorava.

Sem conseguir se conter o moreno puxou Luna pela cintura e beijou a boca dela. 


Notas Finais


Amores não esqueçam de comentar okay? Vocês tornam meus dias melhores, obrigado e mil beijooooos *-*

Com carinho,
Nathy.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...